Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Koh Phi-Phi

PhiPhi_BlogAs ilhas Phi Phi – pode encontrar mais aqui – apesar de super turísticas, como quase todo o sul da Tailândia, revelaram uma vegetação luxuriante, resorts espalhados pelas colinas de Phi Phi Don, magníficas e bizarras formações rochosas ao largo de Phi Phi Lei e praias que eram um autêntico cartão postal – areia branca e mar de infinitos azuis – principalmente, a magnífica e famosíssima Maya Beach com as suas enormes paredes de rocha cinzenta cobertas de vegetação, um cheiro a marisco profundo e uma areia tão fina que bastava um suave movimento da água para ela ficar em suspensão.

Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Koh Samui

KohSamui_BlogA ilha de Koh Samui – pode encontrar mais aqui – ficou marcada por alojamentos simpáticos, dias de bastante calor, hordas de italianos que não respeitavam o espaço alheio, uma praia bastante comprida mas pouco larga, infestada com espreguiçadeiras de resorts, incontáveis massagistas demasiado solícitas, vendedores ambulantes que não paravam de “pregar” e por um sereno e fotogénico amanhecer

Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Koh Tao

KohTao_BlogKoh Tao – pode encontrar mais aqui – foi simultaneamente a primeira ilha visitada na Tailândia e o local onde encontrei praia com areia fininha, água de múltiplos azuis e vegetação luxuriante. Na ilha tive a minha estreia num mundo subaquático, mergulhando literalmente nas profundezas oceânicas e num mundo verdadeiramente singular.

Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Bangkok

Bangkok_BlogEm Bangkok – pode encontrar mais aqui – fiquei com sensação que apesar de vasta, a cidade não é caótica. Em termos de templos, os destaques vão para: o Wat Pho, local onde “nasceram” as famosas massagens tailandesas; o Wat Arun onde existem estupas de inclinações absolutamente vertiginosas e o Wat Phra Kaew – templos no complexo do Grande Palácio – que é o mais impressionante não apenas da cidade como de todo o país. A capital também me fica na memória, relativamente às papilas gustativas e foi assim que saí da cidade… a querer regressar um dia e voltar a mergulhar em toda a sua gama de cores, cheiros e sabores.

Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Phimai

Phimai_Blog

O parque arqueológico de Phimai – pode encontrar mais aqui – representou o derradeiro vértice dos antigos reinos a norte de Bangkok. Apesar de Phimai, não ter a dimensão de Sukhothai nem a magnificência de Ayutthaya o seu estado de conservação é muito superior. Por esse motivo, em Phimai não é necessário imaginar como seria, aqui vemos realmente como era.

Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Khao Yai

KhaoYai_BlogNo parque natural de Khao Yai – pode encontrar mais aqui – penetrei pela primeira vez num ambiente de selva, encontrando um ambiente extremamente húmido, uma vegetação verde e densa, chuvas torrenciais, cascatas de águas barrentas, várias espécies de pássaros, macacos, incontáveis e saltitantes sanguessugas, veados, um crocodilo, um furão e um elefante no meio da folhagem.

Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Ayutthaya

Ayutthaya_Blog

À semelhança de Sukhothai, em Ayutthaya – pode encontrar mais aqui – pedalámos em busca dos “ossos vivos” do passado, encontrando múltiplos templos – sendo estes mais impressionantes, dado o seu estado de conservação – e a quatro quilómetros do centro da cidade, vestígios da presença portuguesa da altura dos Descobrimentos.

Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Sukhothai

Sukhothai_Blog

Nas imediações da pequena cidade de Sukhothai – pode encontrar mais aqui – ao visitar o nosso primeiro parque arqueológico, pudemos encontrar múltiplos vestígios – templos, colunas e estupas construídas em tijolo e incontáveis estátuas de Buda – do antigo coração do império Thai, primeira capital de Siam, fundada pelo rei Ramkhamhaeng.

Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Chiang Mai

ChiangMai_BlogNa dourada capital do norte, Chiang Mai – pode encontrar mais aqui – experienciei vários momentos inesquecíveis: a visita ao reino dos tigres; o primeiro encontro com a maravilhosa gastronomia tailandesa e a aula de culinária; o reencontro com Sam; o loop de scotter em redor da cidade na companhia de Kristian; mas principalmente, foi aí que recebi a visita de M. com quem visitei os múltiplos e ricos templos da cidade, onde tudo brilha e reluz como o ouro. Bem vindos à face rica da Tailândia.

Breves Reflexões Birmanesas

Apesar de algumas tensões existentes, principalmente em zonas mais remotas, este é o momento certo para visitar o país! Já existem infraestruturas monetárias que permitem uma visita serena e as pessoas são na sua larga maioria de uma simpatia extrema! Do melhor que vi em tooooooooooooooooooda a viagem! 😀 Por outro lado, também não tenho muitas ilusões, quando o país se abrir totalmente estas pessoas vão ter tendência para mudar e tornar-se com toda certeza, mais gananciosas e mesquinhas, à semelhança do que ocorre no sul da vizinha, Tailândia ou na “paradísiaca” ilha de Bali. O que o dinheiro/turismo toca é conspurcado! Bagan começa a ser a face vísivel desta realidade. É uma pena, mas é a verdade! 😦

Myanmar foi em termos culturais, mas não só (o estado de Shan, onde visitei as grutas de Pindaya e fiz um passeio de amigos até ao lago de Inle) uma experiência deslumbrante e foi seguidamente do antiquíssimo Império do Meio, o país mais fascinante de toda a viagem. Bago, Mandalay e os seus arredores, a pagoda resplandecente de Shwedagon em Yangon e claro os 3000 templos de Bagan vão deixar saudades. 😀

Apesar de haver muitas opiniões que garantem que o país se encontra bastante melhor e mais livre, os Mustache Brothers continuam a pôr a boca no trombone e a denunciar a realidade: “Mudaram de fardas para fatos, mas são os mesmos corruptos que estão no poder!”. Triste sina, para um povo tão generoso.