Uma Geografia. Uma Fotografia: Ramelau

img_5444_fb

A viagem à montanha mais elevada de Timor Leste foi um longo processo físico e mental, primeiro a viagem até à junção da estrada que seguia para Hatubuilico foi um verdadeiro “massacre” – temporal – cinco horas para percorrer oitenta quilómetros!! E de desconforto, pois a estrada estava em péssimas condições, a carrinha estava lotadíssima e era extremamente desconfortável. Quando finalmente coloquei os pés no solo e comecei a caminhar a paisagem era bela – verdes vales e serras, nuvens de múltiplos cinzentos, sol e pedacitos de céu azul. A segunda parte da viagem foi uma travessia de dezoito quilómetros, estrada fora que me levou até à vila de Hatubuilico, já nas imediações da montanha Ramelau e durante a mesma aproveitei para fotografar a bonita paisagem: as transições do céu cinzento e neblina para chuva, as plantações, as casas tradicionais, os cavalos, as vacas, as cabras; sentir o ambiente fresco e cheio de água que me envolvia; e pensar que os meus amigos e amigas vão tendo filhos, outros casando… e eu seguia a caminhar por aquelas terras timorenses. A última fase foi realizada sob o signo de um “desguia” minorca – em termos de idade -, de noite, em modo escorregadio e molhado, “tropeçante”, ventosa e na chegada ao topo apenas consegui ver uma estátua de Nossa Senhora envolta num denso nevoeiro. À medida que descemos, o dia foi clareando e apesar da neblina reinante, o Ramelau revelou-se uma montanha verde, de árvores místicas e mágicas

Uma Geografia. Uma Fotografia: Ilhéu de Jaco

img_5312_fb

Jaco é considerado uma reserva natural e um ilhéu sagrado no qual pernoitar é proibido, desse modo, as visitas apenas podem ser diurnas. Na chegada ao ilhéu, a primeira visão que tive foi MÁGICA! Virado para a costa este de Timor Leste, vi montanhas a sul, a linha do horizonte coberta de verde – um oceano de árvores e vegetação em todas as direções -, um mar de infinitos azuis, verdes e tive contacto com uma areia branca finíssima que em alguns locais parecia pó. Estava num local de beleza natural virgem e um deserto absoluto! Cheirava a mar… era a única pessoa na ilha… o rei do ilhéu! Em Jaco senti paz, serenidade, alegria e que estava a andar para o “fim do mundo”. O local era de facto único e singular e para além do som do mar, o som do vento a passar nos pinheiros era uma constante e fazia parte da ilha e da sua identidade. No ilhéu, acompanhado dos elementos e dos animais – águias, andorinhas, caranguejos, moscas, formigas, abelhas e peixinhos – tomei a resolução de não querer passar aí mais dias, para não partir totalmente “cheio” e desse modo guardá-lo de forma mais cuidada e carinhosa no meu coração, sentindo-me simultaneamente um privilegiado por estar no local. Ao longo do dia, existiram múltiplas variações da forma e cor das nuvens – escuras e claras – e desse modo ver as transições de luz foi um dos meus “desportos” favoritos. Em certos momentos fiquei na dúvida se algum dia estaria noutra praia/ilha assim e fui pensando que este local, seria com quase toda a certeza, o meu extremo Oriental da viagem e o mais longínquo de Portugal. O meu dia no paraíso, findou quando o sorridente pescador me veio buscar e o céu estava coroado com nuvens muito densas de prata – chuva – a sul e nuvens brancas – tipo algodão doce – a norte. Eu mantive-me no meio e a partir do caminho da “virtude”, vi todas as metamorfoses dos elementos de Timor Leste e na despedida… a natureza presenteou-me com as dádivas e visões dos Deuses da sagrada ilha de Jaco.

Uma Geografia. Uma Fotografia: Praia de Valu

img_5250_fb

A chegada à praia de Valu revelou-me uma praia de areia branca semi-deserta, um mar de múltiplos azuis e a visão do verde e esticadinho ilhéu de Jaco. Acampado nas imediações da praia, fruto da escuridão reinante, vi um mágico céu hiper/mega estrelado e no dia seguinte bem cedo, depois de ver nascer o dia, dirigi-me ao local de embarque

Uma Geografia. Uma Fotografia: Com

img_5161_fb

Na rudimentar “estância balnear” de Com, passeei ao longo da costa – tanto em direção a este como oeste -; fascinei-me com a areia muito fina, com uma zona mágica de manguezais, com aquele mar de incontáveis azuis, com o silêncio reinante em praias completamente desertas; encontrei múltiplos cemitérios que misturavam motivos religiosos católicos – cruzes, Nossas Senhoras, Cristos – com animistas – múltiplas ossadas e crânios de animais; observei búfalos a banharem-se em charcos de lama; fiz praia e tomei belas banhocas – tanto de mar, como de sol; vi filmes – The Third Man e The Man who shot Liberty Valance; apanhei um par de boleias de mota e constatei que nas estradas em redor da vila circulam mais cabras, vacas, galinhas, porcos e búfalos que automóveis e motorizadas; e houve uma situação em que tive de furar literalmente por uma vegetação muito densa e verde de coqueiros, bananeiras, campos e cercas até chegar a uma praia deserta, estrondosa! Nesse momento ao observar o mar apaixonei-me definitivamente por Com e pelas praias de Timor Leste.

Uma Geografia. Uma Fotografia: LaClubar

laclubar_blog

Em Baucau reencontrei o Irmão Vitor e com ele segui por uma paisagem muito verde, por entre vales e montanhas até chegarmos à vila de Laclubar. Durante os cinco dias em que estive na pacífica e tranquila Laclubar, senti que estava a fazer uma pausa dentro da viagem e aí, tive a oportunidade de parar um pouco, antes de recomeçar o ciclo do movimento. Tive por isso, a rara oportunidade de estar “fora do mundo, dentro do mundo”. Durante os dias, conheci as diferentes seções que compõem o Centro de Apoio à Saúde e as fantásticas pessoas que por lá “habitam”, tanto o staff como os pacientes; pela primeira vez em longos anos tive contacto com literatura cristã/católica; tive múltiplas conversas interessantes com o Irmão Vitor sobre vários assuntos; caminhei o cénico Monte Maubère, donde pude observar panorâmicas da vila e da paisagem envolvente e visitei o concorrido mercado de Domingo, onde comprei um farri  porquito, neste caso uma porquita – para oferecer ao Irmão Vitor/Centro e retribuir assim um pouco, a generosa e inesquecível hospitalidade que me ofereceram.

Uma Geografia. Uma Fotografia: Baucau

Baucau_Blog

Nos arredores de Baucau – pode encontrar mais aqui encontrei Yatua, uma pequena aldeia no meio da serra, rodeada de vegetação e coqueiros, e onde cheguei ao anoitecer. Aí, fui extraordinariamente bem recebido e pude sentir uma vez mais todo o calor, simpatia e grande coração do povo timorense, neste caso da família Nicolau. Na aldeia conheci mais membros da família: os pais do Cirilo – o Sr. Joaquim e a Sra. Joaquina, os pais do Gregório – o Sr. Ricardo e a Sra. Isabel, o avô Júlio e mais tios, tias, sobrinhos e sobrinhas – e com eles tive um jantar, e serão muito animados, conversando sobre os nossos países em bom português. Já no dia seguinte e no regresso ao centro de Baucau, tive a oportunidade de observar as tradicionais e sangrentas lutas de galos. Em Timor Leste, estas lutas estão profundamente enraizadas na cultura do país e no mercado, vi a “loucura” que envolve esta tradição. A multidão frenética, o ruído, as apostas, as regras dos combates – vitória em caso de morte ou fuga -, os prémios – dinheiro e galo do perdedor, vivo ou morto -, a arena, os galos garbosos, as lâminas afiadíssimas presas nas patas, a “dança” mortal, os golpes na carne, o sangue espesso, os olhos dos animais no seu último fôlego e a morte a reclamar a vida dos vencidos…

Uma Geografia. Uma Fotografia: Dili

Dili_Blog

A capital de Timor Leste, Díli – pode encontrar mais aqui – ficará para sempre marcada como a cidade em que vivi na casa de Garey e dos seus primos espetaculares  o Cirilo, a Amélia, a Digani, a Jenny e todos os demais… – e onde conheci os outros membros da sua simpática família… a família Nicolau. Com eles tive a oportunidade de aprender muito, muitíssimo sobre o país ao falarmos sobre muitos assuntos: os fatídicos e negros episódios de 1999 relatados na primeira pessoa pelo Sr. Nicolau e com os quais me emocionei – as perseguições, os assassinatos, as mortes, as fugas para as montanhas/colinas em redor da cidade, a fome existente em 2000… -; os motivos que levaram a Austrália a intervir na invasão – exclusivamente económicos!; a evolução bastante positiva que o país tem tido, apesar das dificuldades existentes – sendo a corrupção generalizada um dos maiores entraves ao desenvolvimento sustentado -; o ensino e as dificuldades da adoção do português como língua oficial – principalmente para a geração de transição, que viveu entre o ensino obrigatório da língua indonésia e da língua portuguesa -; o enorme poder detido pela igreja católica e os sonhos, desejos e anseios destas pessoas tão boas e de coração tão grande. Em Díli vivi dias lentos, mas regra geral tranquilos, tirando os momentos surreais que tive quando me desloquei três vezes para aplicar um novo visto na caóticaburocrática embaixada da Indonésia! Antes de partir do país fizemos uma grande festa de despedida e na hora do adeus fizeram-se brindes, tiraram-se retratos, trocaram-se beijos e abraços. Foi uma despedida FELIZ, uma despedida calorosa e emocionante, uma despedida que me ficará para sempre no coração e na memória. Como últimas palavras, quero dizer que foi uma honra e um privilégio conhecer-vos, quero por isso deixar um agradecimento muito profundo e especial a toda a família Nicolau, a família que me abriu as portas da sua casa, do país e que me fez sentir durante o tempo que estive em Timor Leste, não um mala´e – estrangeiro -, ou um turista, mas sim mais um membro da família Nicolau. BARAK OBRIGADU!

Uma Geografia. Uma Fotografia: Oecussi

Oecussi_BlogO enclave de Oecussi – pode encontrar mais aqui – foi o meu primeiro destino em solo Timorense. No posto fronteiriço, ao falar com os polícias em português, emocionei-me por ouvir a nossa língua passados tantos meses e comecei a chorar de emoção. Foi como sentir-me em casa, sem realmente estar em casa! Oecussi revelou-se uma povoação envolta por uma paisagem natural bela e serena – entre o mar azul e colinas/montes verdejantes, muitas vezes cobertos de nuvens nos topos. Na vila e arredores, passeei à beira-mar encontrando praias com distintos areais, zonas de arvoredo, manguezais, campos de cultivo, cabras, vacas e galinhas; cumprimentei muitas pessoas e crianças, sentindo uma energia super-positiva e contagiante; vi muitas crianças a banharem-se no mar nuas com uma pureza cristalina; visitei Linfau e o local onde os portugueses desembarcaram há 500 anos; no bonito e tranquilo café das irmãs Dominicanas, bebi sumos extraordinários; fui até à colina de Fatusaba, onde encontrei vestígios de um antigo forte e donde pude observar Oecussi do topo; estive na longa praia de Mahata; percebi que o país é bastante mais dispendioso que outros no Sudeste asiático e que existe um aumento generalizado de preços – comida, alojamento, transportes, etc… – mas que tal facto é natural, uma vez que tudo ou quase tudo é importado; tive um serão na “cavacada” a beber tuasabo  vinho timorense, feito de palma – e a esfumaçar com timorenses, entre os quais Benny e senti na pele algo que nunca tinha sentido antes… uma corrupção gritante, mostrada à vista de todos…

Reflexões Timorenses e Asiáticas

Depois de aproximadamente um mês em Timór Lorosa’ede algumas observações e muitas conversas com os seus habitantes, principalmente com os membros da família Nicolau que me receberam e me fizeram sentir como mais um dos seus membros :), cheguei a algumas ilações sobre o país e sobre a Ásia.

O país tem muitas riquezas naturais – petróleo, minérios, madeira de sândalo… -, porém, fruto do setor secundário ser praticamente inexistente o país tem de importar praticamente tudo. Tal facto, origina um país bastante dependente do exterior – da Indonésia principalmente – sendo todos os produtos de consumo, bastante mais dispendiosos que noutros países do sudeste asiático – alimentação, vestuário, materiais de construção… em relação aos produtos considerados de “luxo” – que no mundo ocidental são absolutamente banais: caixas de cereais, enlatados, doces… – a discrepância ainda se torna mais gritante e o acesso generalizado torna-se impossível.

Juntando o desemprego e salários relativamente baixos, que não permitem às famílias grandes veleidades, os timorenses são cada vez mais guiados ao consumismo, deste modo é natural que exista uma enorme vontade das gerações mais novas emigrarem para países ocidentais – Europa, Austrália, EUA… – à procura de mais oportunidades e melhores condições de vida. Porém, à semelhança de outros países asiáticos, a emigração é muito pouco facilitada e torna-se muito difícil conseguir abandonar o país.

Em Timor Leste, o crédito bancário é praticamente inexistente – pelo menos, para os cidadãos comuns -, por isso, quase tudo tem que ser feito lentamente à medida que se pode – reconstrução das casas, por exemplo. Esta realidade, apesar de algumas consequências negativas, permite que as famílias vivam realmente com o que têm ao contrário de viverem numa bolha imaginária de crédito, como a maioria dos habitantes do mundo ocidental. Outra consequência, é a criação de uma geração de “cowboys”nome que os timorenses mais jovens evocam para si próprios, pois têm de aprender a “desenrascar-se”, em múltiplas tarefas: construção, bricolage, culinária…

Apesar de muito jovem, o país está a ter uma enorme tendência para vir a ser minado pela corrupção. O exemplo tem vindo de cima – governo de Mari Alkatiri, por exemplo – e começa a enraizar-se nos habitantes.

Segundo a opinião de quem vive em Timor Leste há cerca de dez anos, existe a convicção de quem dominar a língua portuguesa, dominará o país. Apesar do esforço empregue pelo governo Timorense, os resultados ainda mostram um enorme fosso entre as elites e os outros cidadãos. Tal facto, pode levar no futuro a profundas clivagens sociais entre os vários estratos da sociedade.

Os timorenses na sua generalidade – pelo menos as gerações mais velhas -, guardam o nome de Portugal com bastante carinho, respeito e admiração. Essa “aura”, permitiu-me ser muito acarinhado e sentir um calor humano, ainda mais intensificado que noutros países do sudeste asiático. 😀

No país, apesar do mesmo ter uma área bastante reduzida, as pessoas perdem imenso tempo em viagens. Motivos?  Vias de comunicação em péssimo estado e a tradição enraizada, dos transportes públicos funcionarem como táxis coletivos – tal facto ocorre também em muitas ilhas da Indonésia – Sumatra, Flores, Timor Oeste… ainda relativamente aos autocarros, de referir que a música – “cascabulho” – é posta a tocar nas colunas roufenhas, em decibéis elevadíssimos e como consequência, daqui a uns anos quase todos os timorenses, que utilizam os transportes públicos estarão surdos. É de facto um massacre sonoro. 😛

Em Timor Leste e na Ásia a palavra ainda tem valor! 😀 Por isso os enganos que possam vir a existir, ocorrem nas alturas em que se negoceiam os preços – transportes, alojamento, comida, “recuerdos”…

Diferentes locais, diferentes culturas, sensibilidades e formas de agir. O que “aqui” é de uma maneira, pode ser de outra completamente distinta “ali ao lado”. Por isso, caso seja possível, a melhor forma de atuar é perguntar, mesmo que as perguntas pareçam despropositadas. Afinal de contas, estamos na Ásia, a muitos milhares de quilómetros do Ocidente e mesmo num mundo tão globalizado e standarderizado como o atual, algumas “coisas” ainda e felizmente são necessariamente diferentes.

Party Dili

A minha estadia em Timor Leste, estava quase, quase a terminar e depois de voltar da “via sacra” à montanha Ramelau fiquei em Dili mais um par de dias. Porém, antes de partir, fiz uma visita ao interessante e didático museu/arquivo da Resistência Timorense – onde aprendi bastante sobre a história deste jovem país -, tentei encontrar uma loja especializada de fotografia sem resultados práticos – mas recebi informações acerca de uma loja existente em Bali -, mandei imprimir algumas fotografias da família Nicolau, voltei ao centro comercial Plaza onde ao visitar o Burger King e um super-mercado me “ri” com a disparidade gritante de preços no país entre a economia dos cidadãos comuns e dos mais endinheirados, pensei em duas rotas possíveis tendo em conta o tempo e o dinheiro disponíveis até regressar a Portugal (Rota 1: Sulawesi, Bali, Java, Vietname, Cambodja, Laos e Myanmar | Rota 2: Bali, Sulawesi, Kalimantan, Java, Filipinas e Myanmar) e principalmente, falei com a família Nicolau para saber a disponibilidade que eles tinham para se fazer uma festa de despedida. 😀

CIMG1912 (FILEminimizer)       CIMG1918 (FILEminimizer)

Com o aval geral, pusemos mãos à obra e na companhia do meu amigo Gregório andei em Dili a comprar tudo o que era necessário para uma despedida em grande: carne de vaca, galinhas, vegetais, especiarias, vinho tinto, coca-cola, sumo de laranja, batatas… o meu último dia em Timor Leste foi assim, um dia de preparação para a festa e por coincidência foi também nessa altura que se terminou a instalação elétrica lá em casa… 😉

CIMG1914 (FILEminimizer)      CIMG1927 (FILEminimizer)

Com a ajuda de todos – ou fazendo a comida ou arranjando a casa – a festa foi montada e antes de começarmos o jantar fizeram-se discursos de agradecimento e trocaram-se ofertas de despedida – eu recebi um thai com as cores do país e os membros da família receberam fotografias. Houve comida em quantidades abundantes e a mesma estava deliciosa! 😀 E na hora da despedida fizeram-se brindes, tiraram-se retratos, trocaram-se beijos e abraços. Foi uma despedida FELIZ, uma despedida calorosa e emocionante, uma despedida que me ficará para sempre no coração e na memória. Como últimas palavras, quero dizer que foi uma honra e um privilégio conhecer-vos, e quero deixar um agradecimento muito profundo e especial a toda a família Nicolau, a família que me abriu as portas da sua casa, do país e que me fez sentir durante o tempo que estive em Timor Leste, não um mala´e – estrangeiro -, ou um turista, mas sim mais um membro da família Nicolau. BARAK OBRIGADU! 😀 😀

CIMG1921 (FILEminimizer)       CIMG1945 (FILEminimizer)