Reflexões Timorenses e Asiáticas

Depois de aproximadamente um mês em Timór Lorosa’ede algumas observações e muitas conversas com os seus habitantes, principalmente com os membros da família Nicolau que me receberam e me fizeram sentir como mais um dos seus membros :), cheguei a algumas ilações sobre o país e sobre a Ásia.

O país tem muitas riquezas naturais – petróleo, minérios, madeira de sândalo… -, porém, fruto do setor secundário ser praticamente inexistente o país tem de importar praticamente tudo. Tal facto, origina um país bastante dependente do exterior – da Indonésia principalmente – sendo todos os produtos de consumo, bastante mais dispendiosos que noutros países do sudeste asiático – alimentação, vestuário, materiais de construção… em relação aos produtos considerados de “luxo” – que no mundo ocidental são absolutamente banais: caixas de cereais, enlatados, doces… – a discrepância ainda se torna mais gritante e o acesso generalizado torna-se impossível.

Juntando o desemprego e salários relativamente baixos, que não permitem às famílias grandes veleidades, os timorenses são cada vez mais guiados ao consumismo, deste modo é natural que exista uma enorme vontade das gerações mais novas emigrarem para países ocidentais – Europa, Austrália, EUA… – à procura de mais oportunidades e melhores condições de vida. Porém, à semelhança de outros países asiáticos, a emigração é muito pouco facilitada e torna-se muito difícil conseguir abandonar o país.

Em Timor Leste, o crédito bancário é praticamente inexistente – pelo menos, para os cidadãos comuns -, por isso, quase tudo tem que ser feito lentamente à medida que se pode – reconstrução das casas, por exemplo. Esta realidade, apesar de algumas consequências negativas, permite que as famílias vivam realmente com o que têm ao contrário de viverem numa bolha imaginária de crédito, como a maioria dos habitantes do mundo ocidental. Outra consequência, é a criação de uma geração de “cowboys”nome que os timorenses mais jovens evocam para si próprios, pois têm de aprender a “desenrascar-se”, em múltiplas tarefas: construção, bricolage, culinária…

Apesar de muito jovem, o país está a ter uma enorme tendência para vir a ser minado pela corrupção. O exemplo tem vindo de cima – governo de Mari Alkatiri, por exemplo – e começa a enraizar-se nos habitantes.

Segundo a opinião de quem vive em Timor Leste há cerca de dez anos, existe a convicção de quem dominar a língua portuguesa, dominará o país. Apesar do esforço empregue pelo governo Timorense, os resultados ainda mostram um enorme fosso entre as elites e os outros cidadãos. Tal facto, pode levar no futuro a profundas clivagens sociais entre os vários estratos da sociedade.

Os timorenses na sua generalidade – pelo menos as gerações mais velhas -, guardam o nome de Portugal com bastante carinho, respeito e admiração. Essa “aura”, permitiu-me ser muito acarinhado e sentir um calor humano, ainda mais intensificado que noutros países do sudeste asiático. 😀

No país, apesar do mesmo ter uma área bastante reduzida, as pessoas perdem imenso tempo em viagens. Motivos?  Vias de comunicação em péssimo estado e a tradição enraizada, dos transportes públicos funcionarem como táxis coletivos – tal facto ocorre também em muitas ilhas da Indonésia – Sumatra, Flores, Timor Oeste… ainda relativamente aos autocarros, de referir que a música – “cascabulho” – é posta a tocar nas colunas roufenhas, em decibéis elevadíssimos e como consequência, daqui a uns anos quase todos os timorenses, que utilizam os transportes públicos estarão surdos. É de facto um massacre sonoro. 😛

Em Timor Leste e na Ásia a palavra ainda tem valor! 😀 Por isso os enganos que possam vir a existir, ocorrem nas alturas em que se negoceiam os preços – transportes, alojamento, comida, “recuerdos”…

Diferentes locais, diferentes culturas, sensibilidades e formas de agir. O que “aqui” é de uma maneira, pode ser de outra completamente distinta “ali ao lado”. Por isso, caso seja possível, a melhor forma de atuar é perguntar, mesmo que as perguntas pareçam despropositadas. Afinal de contas, estamos na Ásia, a muitos milhares de quilómetros do Ocidente e mesmo num mundo tão globalizado e standarderizado como o atual, algumas “coisas” ainda e felizmente são necessariamente diferentes.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s