Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Xangai

Xangai_Blog

Na megalopóle de Xangai – pode encontrar mais aqui – tive a felicidade de reencontrar Chen e Adam; e de “partir” o pescaço à medida que passeava por entre fascinantes e faiscantes arranha céus.

Skyline Made in Hong Kong

Depois da deambulação, segui para a avenida das estrelas e escolhi um local para ver a transição entre o dia e a noite, e o espetáculo de luz e som que estava marcado para as 20.00. O tempo foi passando, algumas vezes arrastando-se, outras acelerando… 

IMG_3016 (FILEminimizer)      IMG_3031 (FILEminimizer)

De vez em quando, lembrava-me que no dia seguinte iria começar a minha viagem de regresso a Portugal e esse facto pareceu-me um pouco irreal, como se só quando entrasse no avião tivesse a noção real de tal acontecimento. 🙂 Não que houvesse desagrado da minha parte. Não. Apenas a sensação que tudo fora rápido, muito rápido – uma semana entre a decisão e este momento… qual um meteorito que atinge a Lua.

IMG_3056 (FILEminimizer)      IMG_3087 (FILEminimizer)

O espetáculo começou pontualmente e havia alguns edifícios com a iluminação a mudar e alguns lasers a cruzar os céus, mas sinceramente esperava mais. Não que o skyline da cidade me tivesse desiludido, mas senti que houve demasiado alarido à volta de algo que não cumpriu as expetativas. No final a montanha pariu um rato!

IMG_3095 (FILEminimizer)      IMG_3136 (FILEminimizer)

Quanto aos edifícios em si gostei do que observei e se Xangai pode ser considerada um novo rico, Hong Kong fruto da sua linhagem (aristocrática/inglesa), cumpre pela sobriedade e “classicismo” mais do que pelo “fogo-de-artifício”. Os arranha-céus são belos mas não são espampanantes e na minha opinião brilham mais quando se mantêm fiéis a si mesmos e não se maquilham falsamente com excesso de iluminação pindérica, para representar aquilo que não são. Por isso quando o espetáculo terminou, foi um “alívio” pois tudo voltou à normalidade, os fingimentos acabaram e o skyline da cidade, voltou a tratar-me com respeito.  🙂

IMG_3143 (FILEminimizer)      IMG_3149 (FILEminimizer)

Em trânsito: Xangai – Shaoxing. Bebe meu amigo bebe

No último dia em Xangai, almocei com o Adam e demos um abraço apertado numa despedida que não tem data marcada de reencontro. 🙂 Depois de ir ao hostel buscar a mochila – infelizmente não me consegui despedir de Chen  parti para a estação de Xangai HongQiao – estação principal da cidade, mas mais afastada do centro – que mais parecia um terminal de aeroporto tal a sua dimensão e monumentalidade. 😛

IMG_0844 (FILEminimizer)Pouco tempo depois de me sentar no comboio, chegou um rapaz que se sentou à minha frente e que me pediu água. O pobre diabo, arfava… arfava… arfava! E depois de beber o precioso “néctar” e recuperar o fôlego contou-me que ia visitar a namorada a NingBo e foi comprar uma garrafa de água com sabor, para me compensar da água que bebera. Ai, ai my friend não era necessário tanta educação e polidez! 😉

Skyline

Quando me estava a aproximar do rio e vindo da Avenida de Nanjing  onde fui interpelado pelo menos umas cinco vezes por prostitutas e pimp´s a oferecerem “massagens” ou coisa que o valha 😛 – senti que estava a ficar cada vez mais satisfeito e quando desemboquei na Zhongshan Road e vi o skyline de Xangai estva verdadeiramente feliz! 😀

IMG_0636 (FILEminimizer)Antes de começar a deambular no passadiço e ainda com os olhos no horizonte, vi uma estátua imponente de alguém que me parecia o Mao e instantaneamente pensei: ”F@£$-&%, até aqui?! Mas o que é que esta múmia tem a ver com a cidade, ou qual o seu mérito na construção desta China capitalista e vibrante?”. Uns metros mais à frente e depois de ler a placa comemorativa da mesma fiquei muito mais “aliviado”, pois a estátua nada tinha a ver com Mao, era sim de Chen Yi, o primeiro presidente da cidade, após o advento comunista de 1949.

IMG_0647 (FILEminimizer)

No passadiço, fui andando e tirando fotografias desde o entardecer até ser finalmente noite e os edifícios brilharem, literalmente e mostrarem todo o seu esplendor. 🙂 Durante grande parte do tempo fui observando o skyline, mas a partir de certa altura comecei a dirigir a minha atenção para as pessoas que por lá circulavam e ao observá-las, constatei que 99% das mesmas estavam acompanhadas. Não sei se por esse facto, se por esperar que o Juan me dissesse algo e ele não ter dito, se por uma combinação de ambas ou até nenhuma das anteriores, a verdade é que nesse momento me senti sozinho. Sozinho, não no sentido miserável, apenas e só… sozinho. Sem ninguém ao meu lado com quem pudesse partilhar. Tinha que me bastar a mim mesmo e foi isso que fiz… até chegar ao hostel e reencontrar Roberto com que fiquei a conversar sobre empregos e desempregos, países, locais para trabalhar ou viver, sobre nós, sobre a crise… sobre os pequenos tudos e nadas que fazem as nossas vidas. 🙂

IMG_0658 (FILEminimizer)      IMG_0683 (FILEminimizer)

IMG_0716 (FILEminimizer)      IMG_0725 (FILEminimizer)

IMG_0761 (FILEminimizer)      IMG_0773 (FILEminimizer)

Incompreensões

Na zona da cidade que abrange a concessão francesa e apesar de lá ter visto algumas casas elegantes, fiquei a pensar qual o encanto especial da área ou no porquê de tanta fama, uma vez que para mim não passou de mais um local, que aposto se revelará facilmente “esquecível”.

IMG_0579 (FILEminimizer)O que de facto me saltou mais à vista, foi observar os ocidentais – principalmente, mas não só – nalgumas esplanadas da zona e ficar com a certeza que nunca ou muito dificilmente vou compreender estas pessoas que esbanjam o dinheiro a comprar cafés, cervejas e pizzas ao preço dos seus países de origem, como se o preço não tivesse que “obrigatoriamente” que descer porque estão na China. :/

IMG_0586 (FILEminimizer)

No final a sensação que me dá, é que estas pessoas buscam nos outros países o que já têm nos seus países, ou sejam buscam a standarderização, a globalização e os luxos/confortos que os fazem sentir em casa. Não percebendo que para haver evolução é preciso existir dialética e esta só existe se houver antagonismo e diferenciação espacial – cultural – temporal.

IMG_0589 (FILEminimizer)

Museu de Xangai

Edifício

IMG_0477 (FILEminimizer)      IMG_0539 (FILEminimizer)

Escultura

IMG_0399 (FILEminimizer)    IMG_0408 (FILEminimizer)    IMG_0409 (FILEminimizer)

Bronze

IMG_0414 (FILEminimizer)      IMG_0415 (FILEminimizer)
IMG_0423 (FILEminimizer)     IMG_0429 (FILEminimizer)

Cerâmica

IMG_0554 (FILEminimizer)     IMG_0558 (FILEminimizer)

Etnias Minoritárias

IMG_0494 (FILEminimizer)

Jade

IMG_0518 (FILEminimizer)

Mobiliário

IMG_0526 (FILEminimizer)

Esquema Dourado Made In Xangai

À saída do parque fui interpelado por três jovens que me perguntaram se lhes podia tirar uma fotografia e a seguir continuámos na conversa enquanto nos dirigíamos ao Champs Elysées de Xangai. Segundo eles o museu da cidade  que era o meu destino – estava com umas filas bastante grandes e era melhor fazer um compasso de espera, antes de ir para lá. Antes de entrarmos nos Champs Elysées – centro comercial, pedi para lhes tirar uma fotografia e depois da mesma seguimos pelos corredores. Só quando comecei a entrar num local mais pequeno, comecei a estranhar o ambiente e quando vi os meus ”três amigos” a sentarem-se numa mesinha com chávenas de chá à frente, tive a certeza absoluta onde estava e com quem estava! E pensei: “Filhos da P$%€! Não acredito nesta m£§%@! Outra vez?!”. Claro que nesse momento e instantaneamente disse que tinha que ir e abandonei o local qual relâmpago. No caminho ainda houve um ligeiro momento no qual pensei voltar atrás e confrontar estes mafiosos e dizer-lhes na cara: “Eu sei perfeitamente quem vocês são e o que fazem!”. Mas logo de seguida pensei que não pretendia meter-me em chatices e que queria ultrapassar a situação o mais rapidamente possível.

IMG_0383 (FILEminimizer)

Durante o caminho de regresso ao parque recordei Pequim, o profissionalismo destes gangues e no à vontade que demonstram a enrolar a vítima e a distraí-la com conversa, para além de revelarem uma enorme capacidade de adaptação e de criação de empatia com a mesma. :/

Procuras no People´s Park

Antes de sair do hostel passei pelo Skype e constatei que o Juan também estava na cidade e ficámos de jantar juntos e beber uma cerveja nessa noite. 🙂 Do hostel dirigi-me de metro para o centro da cidade e quando andava a passear no People´s Park e já mais restabelecido, vi pessoas com papéis ao peito (escritos em caracteres) à procura de companheiros ou companheiras para eles próprios ou para os filhos. Não foi a primeira vez que o vi na China, mas talvez tenha sido a primeira vez que vi um número tão elevado de pessoas a fazê-lo.

IMG_0379 (FILEminimizer)

Arranha-Céus, Encontros e Reencontros

em Xangai dirigi-me a um hostel especial… voltei a reencontrar Chen e conheci a sua família – o pai, a esposa que estava grávida e a filha de dois aninhos. Na altura de pagar o alojamento, fez-me um mega desconto e deixou-me à vontade para ficar o número de dias que desejasse. 🙂

IMG_0365 (FILEminimizer)    IMG_0369 (FILEminimizer)

Entretanto não sentia o corpo muito confortável mas sabia que tinha de comer, desse modo Chen mandou um empregado do hostel comigo para comprar Qi Fang – comida muito suave à base de um caldo com arroz. Quando voltei e enquanto comia estivemos a conversar durante um bocado, mas depois ele teve de ir tratar de uns assuntos relacionados com umas remodelações que andavam a fazer no átrio do hostel e fui até ao quarto pôr a bagagem e preparar uma pequena mala, para partir à descoberta da cidade. E aí… conheci Roberto, italiano de Pádua, emigrante na China, Engenheiro Civil e… desempregado! :/ Parece piada mas é verdade, nem num país onde só vejo gruas existe trabalho!? E estivemos a conversar durante quase uma hora.

IMG_0153 (FILEminimizer)       IMG_0190 (FILEminimizer)

Apesar de sentir o corpo um bocado lento parti face à cidade desconhecida e ao percorrer a avenida de Pudong, vi os arranha-céus do centro financeiro a agigantarem-se e a “aproximarem-se” de mim. Durante essa tarde deambulei pelo centro financeiro e por entre as suas torres de aço, betão e vidro, “parti o pescoço” a fotografar as mesmas. 🙂  

IMG_0230 (FILEminimizer)    IMG_0236 (FILEminimizer)    IMG_0252 (FILEminimizer) IMG_0301 (FILEminimizer)    IMG_0305 (FILEminimizer)    IMG_0309 (FILEminimizer)

Entretanto por volta das 18.00 meti-me no metro e dirigi-me para Dong´An, onde tive o meu segundo reencontro do dia, desta feita com Adam (o rapaz palestiano que conheci em Pequim e que agora estuda mandarim em Xangai) e quando nos vimos abraçámo-nos calorosamente. Juntos jantámos, aliás ele jantou e eu tentei, pois quando estava a comer os meus noodles – que eram bastante soft – senti-me repentinamente indisposto e em pleno restaurante comecei a vomitar – felizmente as mesas dos restaurantes na China têm baldes de lixo aos pés das mesas 😉 – e depois de sair para o exterior, continuei a vomitar. No entanto aquele vómito fez-me bem e senti o meu organismo mais aliviado. 🙂

IMG_0327 (FILEminimizer)    IMG_0335 (FILEminimizer)    IMG_0355 (FILEminimizer)

Do restaurante seguimos novamente para a zona do centro financeiro e no meio da conversa que fluiu naturalmente, porque nos entendemos verdadeiramente, fui tirando fotografias aos mesmos edifícios, agora iluminados e a “faiscar”. O ambiente envolvente era espectacular e cosmopolita… 😀 e o reencontro foi realmente sentido, pois antes de nos despedirmos “prometemos” voltar a reencontrar-nos antes de eu partir definitivamente de Xangai.

IMG_0336 (FILEminimizer)      IMG_0357 (FILEminimizer)

Em trânsito: Suzhou – Xangai. A Viagem que se Cristalizou no Tempo

Já mais aliviado fui comprar o bilhete para Xangai e verifiquei que por acaso, o número do comboio era o mesmo que utilizara dois dias antes para chegar a Suzhou! 🙂 Por isso, neste dia continuei a viagem que começara na quinta-feira e batizei a mesma de, a viagem que se cristalizou no tempo. 😉