Rota SW

Ato II – Pufff…. Fez-se o Chocapic! 

Na chegada a Porto Covo não pude deixar de reparar que a maioria dos passageiros que “desembarcaram” na povoação eram estrangeiros. Portugal está definitivamente na moda! 🙂 Antes de iniciar o meu périplo andante, resolvi ter uma refeição mais consistente e na rua principal da cuidada vila, encontrei o que procurava: uma bela e generosa dose de peixe frito acompanhado de arroz de feijão e umas farófias divinais. A “caminhada” iniciava-se em beleza. 😀

IMG_8440 (FILEminimizer)     IMG_8443 (FILEminimizer)

IMG_8444 (FILEminimizer)     IMG_8447 (FILEminimizer)

IMG_8448 (FILEminimizer)

Terminado o delicioso repasto, eram 15.10 quando pus realmente os pés ao caminho e depois de confirmar a direção com um grupo de anciões locais, segui até ao pequeno porto da povoação. Nesta altura, o céu estava bastante prateado e fotogénico e na passagem de uma pequena enseada, fruto da maré e do eclipse lunar… pufff… fez-se o chocapic! No preciso momento que atravessava, veio uma onda que ultrapassou o cano das botas e que me deixou os pés a boiar, tal como se estes estivessem dentro de um aquário! Perfeito! 😛 Aparvalhado de todo… a minha mente foi lesta a processar a informação: “Então e agora? Regressar? Fora de questão! Tirando umas havainas, não tenho mais calçado. Nem pensar! Resta-me andar com as botas… mas o meu futuro, vai ser definido numa palavra: BOLHAS!”

IMG_8450 (FILEminimizer)     IMG_8451 (FILEminimizer)

IMG_8453 (FILEminimizer)

Com os pés completamente encharcados, segui colina acima e assim que encontrei um apoio, descalcei as botas, tirei-lhes a água do interior e espremi ao máximo as meias e as palmilhas. Uma vez que as botas estavam ensopadíssimas, decidi não calçar o par de meias extra que me restava e guardá-las para a noite – caro leitor, apesar de no momento esta me ter parecido uma decisão lógica, no presente posso claramente dizer, que este foi o meu primeiro grandeeeeee erro! – sem nada mais poder fazer, deixei de pensar neste molhado acontecimento e segui andando junto ao mar, no topo de pequenas arribas.

IMG_8455 (FILEminimizer)     IMG_8458 (FILEminimizer)

IMG_8461 (FILEminimizer)

Para Norte, avistava-se a silhueta das feias torres da central termoelétrica de Sines, para Sul a ilha do Pessegueiro dominava a prateada e azulada paisagem, onde se viam outras pequenas ilhotas, a que os locais chamam palheirões. Porto Covo ia ficando para trás e quando cheguei ao início da praia da ilha, fruto da maré tive que atravessar outra zona repleta de água. Uma vez que já tinha as botas encharcadas, segui em frente sem grandes preocupações. Agora estava outra vez com os pés a boiar, mas continuei a andar – segundo grandeeeeeee erro! – em direção às praias do Queimado e dos Aivados. Nessa altura, o trilho que até aí estava muito bem marcado, desapareceu e tive de continuar por dunas junto às praias, até o caminho contornar as praias da Galé e do Malhão e o seus extensos cordões dunares. À medida que ia fletindo ligeiramente para o interior a paisagem de dunas e vegetação rasteira, mudou um pouco e nesse momento pude ver uma densidade de clorofila mais verde e colorida, e pinheiros em meu redor. 🙂

IMG_8463 (FILEminimizer)     IMG_8465 (FILEminimizer)

IMG_8473 (FILEminimizer)     IMG_8479 (FILEminimizer)

IMG_8481 (FILEminimizer)     IMG_8486 (FILEminimizer)

Quase no final da praia da Malhão, regressei à zona realmente costeira e a partir desse local as arribas ganharam alguma dimensão, a paisagem tornou-se mais imponente e de vez em quando viam-se graciosas cegonhas. 🙂 O dia caminhava rapidamente para o seu término, e nessa altura em que já me sentia um pouco cansado, os meus olhos não paravam de perscrutar a paisagem de vegetação muito rasteira, em busca de um local onde pudesse montar abrigo. Finalmente, por volta das 18.40, a cerca de trinta metros do trilho encontrei o que procurava, um largo arbusto e foi debaixo deste, com o som do mar como companheiro, que passei a minha primeira noite…

IMG_8492 (FILEminimizer)      IMG_8496 (FILEminimizer)

Rota SW

Ato I – Em trânsito: A Caminho de Porto Covo

Naquele primeiro dia de Primavera e de eclipse solar, que apenas consegui visualizar quando as nuvens filtraram a luz mortiça do astro rei, enquanto aguardava na estação rodoviária e ao observar o enorme desgaste do pavimento, não pude deixar de pensar nos milhares pessoas que lá passaram e nas viagens que aí se iniciaram.

IMG_8435 (FILEminimizer)

A bordo do expresso que me levou até Porto Covo, escrevi a maioria das notas que originaram o post: Na “Terra do Bacalhau” e fiz uma retrospetiva pós Noruega. Depois do objetivo principal – procura de emprego – ter falhado, virei agulhas para a ilha de Sua Majestade Isabel II e passados alguns meses a enviar “postais” tive duas entrevistas presenciais – Sheffield e Bedford -, que se revelaram infrutíferas. Confesso que no presente, me sinto com dúvidas em qual área devo investir – engenharia/viagens – e que essa mesma dúvida me tolda, ou me vai toldando o espírito. E eu não gosto desta indefinição! :/ Em termos profissionais este é o panorama atual. No campo pessoal, por outro lado é o oposto. Estou com a M. e sinto-me feliz ao seu lado. Tenho a certeza que ela é um dos meus portos de abrigo e este é o nosso melhor período, desde sempre. 🙂

IMG_8437 (FILEminimizer)

“Agora a caminho das imediações da “terra da paz“, estou determinado a percorrer a pé a distância que separa Porto Covo do Cabo de São Vicente. Sinto-me bem. Estou de volta à “estrada”, desta feita em solo luso, com o monstrinho às costas e vamos ver como o meu corpo vai lidar com o esforço físico. De qualquer modo, as recompensas estão ao virar de cada enseada, falésia e praia, e como sempre: o caminho faz-se caminhando”. 😀

Medan. Luz e Escuridão

O meu primeiro destino na Indonésia foi a cidade de Medan, no norte da ilha de Sumatra e na chegada ao aeroporto internacional, este era tão moderno, limpo e eficiente que cheguei a pensar se ainda estaria em Singapura! Porém, quando tive de esperar duas horas pelo comboio para chegar ao centro da cidade, as dúvidas desvaneceram-se, estava mesmo na Indonésia. 😛

IMG_9238 (FILEminimizer)      IMG_9244 (FILEminimizer)

Na saída da estação de comboios, ao ser abordado por uma horda de taxistas que perguntavam: “Hei Mr.! Where you go?”, não pude deixar de pensar: “o mito urbano é verdadeiro! Welcome to the wild”. Felizmente nessa altura, um cidadão indonésio ajudou-me e apanhámos um táxi juntos. Na despedida, deixou a viagem paga e indicações claras para o taxista me levar até ao local que eu estava à procura, o Hotel Zakia, nas imediações da mesquita branca – Masjid Raya – e eu agradeci a sua extrema bondade. 🙂

IMG_9248 (FILEminimizer)      IMG_9271 (FILEminimizer)

Depois de negociar o preço do quarto, visitei a bonita e branca Masjid Raya de sarong posto e a zona do palácio, onde fui pela primeira vez entrevistado na cidade por simpáticas estudantes – quando saí de Medan, tinha sido entrevistado três vezes. 😛

IMG_9283 (FILEminimizer)      IMG_9284 (FILEminimizer)

Durante o tempo que estive na cidade, a mesma revelou ser suja e cinzenta, cheia de tráfego e fumo – motas, motorizadas, autocarros/carrinhas, carros – barulhenta, frenética, caótica, vibrante, autêntica e real, ah!… e cheia de comida deliciosa. 😀

IMG_9290 (FILEminimizer)      IMG_9327 (FILEminimizer)

Ainda em Medan e num pequeno cyber-café senti um lado negro da Ásia que nunca presenciei antes, pois fui abordado por um estranho indivíduo que me ofereceu crianças – tanto do sexo masculino, como feminino, para sexo? – e perguntou-me se queria adotar/comprar um órfão!? Acenei que não, ainda meio aparvalhado, e depois de mandar rapidamente um e-mail, pus-me a milhas daquele ambiente bizarro e pesado, a pensar que o ser humano pode transformar-se numa besta, capaz de tudo. 😦

IMG_9359 (FILEminimizer)      IMG_9385 (FILEminimizer)

Viagem ao Coração do Bornéu por Palavras

Nota: Uma vez que a máquina fotográfica estava avariada e eu nesta altura viajava sozinho, a viagem ao coração do Bornéu, apenas pode ser “ilustrada” por palavras.


Ato I – Belaga e as Longhouses

Chegar a Belaga, já bem no interior de Sarawak foi uma longa viagem. Primeiro, apanhei um avião de regresso à cidade de Miri e aí apanhei um autocarro noturno que me levou até à cidade de Sibu (sete horas de viagem). Assim que lá cheguei e como não tinha nenhum interesse em visitar o burgo, comprei o mais rapidamente possível, um bilhete para um barco que me levou pelo larguíssimo Rajang, durante nove horas! Uma maratona de três meios de transporte: ar, terra e água! 🙂

Na chegada à pequena e sonolenta cidade depois de encontrar um pequeno quarto para dormir, procurei Daniel, um senhor que tem contactos com pessoas de tribos das redondezas e com quem defini um “plano” para os próximos dias. Em Belaga, encontrei pessoas muito afáveis e simpáticas, acabando o primeiro dia a comer porco selvagem na grelha e a beber cervejas com Daniel e com os seus filhos (principalmente Rowdy). 🙂

De manhã cedo, parti para a aldeia de Lang Liteu num barquito de madeira e durante a viagem senti uma enorme felicidade por estar ali naquele momento (no meio do todo-poderoso Rajang com o sol a bater-me na cara). 😀 Na longhouse fui recebido na casa de Mandam e Gemate um casal que tem quatro filhos e duas filhas e presentemente seis netos.

Ao longo do dia, “recolhi” mais informações: estava na companhia de uma tribo Kajeman e nesta as mulheres mais idosas têm tatuagens no peito dos pés e nos braços, abaixo da linha dos cotovelos; quase todas as pessoas mascam umas raízes vermelhas, enroladas numas folhas que estão untadas com baba de caracol e que deixam a boca completamente vermelha (parece que a boca está toda ensanguentada), apesar do efeito visual bastante estranho, estes “ingredientes” em conjunto funcionam como prevenção contra infeções 😉 ; percebi que uma longhouse é uma casa de rés-de-chão muito comprida com um alpendre em todo o seu comprimento e comum a todas as famílias. Esta grande casa está dividida em casas individuais mais pequenas e que estão alinhadas lado a lado, permitindo uma vida muito próxima e em comunidade.

Para além de “recolher” informações, passeei ao longo da longhouse, dos seus arredores e vi casas de madeira e telhados de zinco, trilhos de terra vermelha, plantações de arroz, selva em redor da aldeia em todas as direções (exceto a do rio). Encontrei duas camponesas com as quais fumei um cigarro de enrolar em forma de cone e cheio de um tabaco mais forte. 😛 Falei com o Mandam e todas as minhas refeições foram com a sua família. Diverti-me a observar as suas netas que ainda estão a aprender a andar e que fazem birras para lhes darem atenção – como todas as crianças/bebés do nosso planeta 🙂 – e a expressão terna de Mandam, como avô babado. 😀 Vi-o no processo de cozer/arranjar uma rede de pesca. Fui pescar com ele e nesse final de tarde vi uma gloriosa transição entre o dia e a noite (as cores, os relâmpagos, o rio na penumbra e na escuridão, o sentimento de uma experiência única…) 😀 . Tomei banho com água de um barril. E o meu dia terminou quando assisti a um serão em família à porta de casa (bebés a dançar, avôs babados, nativos a fumar)… vida simples, vida tranquila, vida serena! 😀

P.S. – Num dia tão pacífico apenas houve uma nota negativa, porém a mesma foi suficiente para ensombrar, um bocadinho, toda a experiência. Esse momento ocorreu quando fui pressionado pelo meu anfitrião a comprar duas garrafas de vinho de arroz. Apesar de fazer parte da tradição (que eu desconhecia), a sua atitude não me pareceu bonita e eu não gostei do seu comportamento de cobrança! :/

Mulu. Back to the Primitive

Ato II – Viagem Espiritual ao Coração de Mulu

A visita guiada começou pontualmente às 14.00 e no início andámos durante aproximadamente uma hora até às imediações das cavernas: Lang e Veado (“Deer”). Durante esse tempo, atravessámos um passadiço de madeira e pudemos ver alguma fauna (insetos: borboletas, uns que pareciam pequenos galhos, libelinhas (verdes) e outros não identificados; lagartos e um camaleão); flora (flores, incontáveis tipos de árvores, vegetação e fungos) e a mescla entre a vegetação e a rocha (sendo este o príncipio que está na génese dos Pináculos). 🙂

   IMG_5516 (FILEminimizer)        IMG_5522 (FILEminimizer)

Mas mais importante do que tudo isso, foi ouvir a nossa guia falar da floresta como um ser vivo, sagrado e energético onde tudo está interligado existindo uma teia de ligações e dependências entre todos os seres que a habitam. Foi muito especial ser guiado floresta adentro por esta pessoa e o meu sentimento geral é que estava a penetrar no coração e na alma de Mulu, acompanhado de uma guru espiritual! Fascinante! 😀

      IMG_5534 (FILEminimizer)        IMG_5538 (FILEminimizer)

A primeira caverna que visitámos foi a Lang e aqui estivemos cerca de meia hora. Apesar de na mesma existirem formações geológicas magníficas, não senti que estava num local verdadeiramente especial, uma vez que no Laos em redor de Vang Vieng já tinha visto muitas formações deste género. Quando saímos desta gruta, dirigimos os nossos passos para a caverna do Veado (que tem a maior passagem do mundo) e à medida que íamos penetrando, fui ficando siderado com a sua monumentalidade. A paisagem era esmagadora e eu senti-me uma pequena partícula no meio da mesma. Ao continuar a andar fui sentindo que estava a entrar num mundo perdido e completamente primitivo e se por acaso nesse momento visse um dinossauro a passar-me à frente do nariz, podia acreditar que o mesmo era real e que não era fruto da minha imaginação ou uma alucinação! 😀

      IMG_5568 (FILEminimizer)        IMG_5572 (FILEminimizer)

Quanto mais nos embrenhávamos na caverna, mais o ar se ia tornando pesado, fruto do cheiro criado pelas fezes dos milhões de morcegos que a habitam e a paisagem era surreal, pois para além de sentir que estava a penetrar num espaço cada vez maior, mais amplo e profundo, o cenário à nossa volta era desértico fruto das rochas que se fundiam com as fezes. A certa altura do percurso a nossa guia parou e convidou-nos a olhar para trás, para cumprimentarmos o Presidente Lincoln, pois na entrada/saída da caverna via-se na perfeição o perfil do mesmo. A natureza é realmente uma criadora inesgotável! 😀 O mundo à nossa volta ia-se tornando uma massa de escuridão e trevas e a única coisa que descortinava era o trilho marcado com discretas luzes de presença. Até que chegámos a um miradouro onde vislumbrámos a outra entrada da caverna, que marcava o início do “Garden of Eden Valley” e neste ponto fizemos inversão de marcha e voltámos para trás pelo mesmo caminho.

       IMG_5658 (FILEminimizer)       IMG_5662 (FILEminimizer)

Esta caverna magnífica, sedutora e exótica, esmagou-me, triturou-me, deixou-me boquiaberto e transportou-me para uma realidade natural, pura e primitiva! Quando saí da mesma estava maravilhado e pensei que mesmo que não visse mais nada, a viagem para Mulu já tinha valido a pena e se tivesse de regressar à “civilização” naquele instante, o faria de coração e alma cheios 😀 , porém… a história não acaba aqui!

     IMG_5692 (FILEminimizer)         IMG_5700 (FILEminimizer)

Depois de abandonar a caverna e já sentado no observatório dos morcegos na companhia de cerca de cinquenta almas, tive a oportunidade, o privilégio e a felicidade de observar um dos mais espetaculares eventos da vida animal que presenciei na vida! 😀 Durante uma hora, vi milhões de morcegos a sair das cavernas para caçarem insetos ao entardecer. Porém, os morcegos não saíram todos em debandada ao mesmo tempo, saíram sucessivamente e à vez, ordenados em nuvens negras de milhares, formando no céu imagens tridimensionais – espirais de morcegos no interior de “serpentes”! ESPETACULAR! E eu regressei já no lusco-fusco à entrada do parque a desejar:  “espero conseguir guardar esta tarde no coração e na memória por muitos, muitos, muitos… anos”. 😀

       IMG_5754 (FILEminimizer)       IMG_5828 (FILEminimizer)

Mulu. Back to the Primitive

Ato I – Chegada & Logística

Depois da curta visita ao país do Brunei, voltei a reentrar na Malásia, desta feita de autocarro e no estado de Sarawak. Para chegar ao parque nacional de Mulu, tive que apanhar um pequeno avião na cidade de Miri e pela primeira vez na vida apareci no aeroporto sem voo marcado, pois os preços que estavam na internet eram ridiculamente elevados! :/ A verdade é que arrisquei e ganhei a aposta e deste modo aprendi uma importante lição: na Ásia, voos comprados diretamente nos aeroportos muitas vezes, compensam. 😉

IMG_5503 (FILEminimizer)

Ir até Mulu foi como ir até uma ilha, porém em vez de estar rodeado de água, estava rodeado de selvaIMPRESSIONANTE! 😀 Depois de meia hora de voo, aterrei no coração da selva e de sorriso nos lábios saí do aeroporto a caminhar…

IMG_5505 (FILEminimizer)

O primeiro passo foi arranjar um poiso para dormir nas imediações do Parque Natural e concluída essa tarefa, fui até à receção do mesmo, confirmar em que dias teria as atividades que estavam previamente marcadas, uma vez que por e-mail já tínhamos “discutido” alguns detalhes.

IMG_5514 (FILEminimizer)

Nessa altura recebi a excelente notícia que poderia juntar-me, no dia seguinte a um grupo para fazer uma viagem que duraria três dias, até aos Pináculos de Mulu (um dos ex-líbris do parque) e ao mesmo tempo visitar duas cavernas: “Wind” e “Clearwater”. Fruto desta oportunidade caída dos céus tive de adaptar-me muito rapidamente pois havia questões logísticas a resolver, antes de partir: que mantimentos comprar – quantidades e que “tipo” – e onde os comprar – pois dentro do parque, tudo era vendido ao preço do ouro; falar com os donos da guesthouse para tentar transferir uma das duas noite que já tinha pago para quando voltasse dos Pináculos e perguntar se poderia lá deixar quase toda a minha bagagem.

IMG_5513 (FILEminimizer)

Depois de resolvidas as questões logísticas, voltei ao parque natural onde comprei uns sapatos de borracha – fundamentais para a viagem até os Pináculos, almocei, enviei uns e-mails, encomendei comida para o dia seguinte e parti para uma visita guiada, a um mundo mágico… 😀

IMG_5515 (FILEminimizer)

Kinabalu. Ascensão Infinita

Ato I – Viagem e Preparação

Na viagem para a montanha Kinabalu no Bornéu – Sabah – houve um misto de tristeza e alegria, por um lado a despedida da M. estava bem presente, pelo outro estava a caminho de um local que se encontrava no meu imaginário graças à descrição de Andy, esse mágico da vida que conheci nas terras do Império do Meio.

IMG_3263 (FILEminimizer)

Depois do voo matinal que me levou de Kuala Lumpur até Kota Kinabalu, apanhei uma boleia semi atribulada – o meu “condutor” não sabia onde era a estação de autocarros – com o John Ho, um médico que trabalha em operações de salvamento e que estava na cidade há poucas semanas. Depois de uma hora de viagem e muitos pedidos de desculpa, fui finalmente deixado na estação de carrinhas, onde apanhei o meu meio de transporte para a montanha. 😛

photo

Na chegada às imediações da montanha, fui largado perto de uma placa que indicava o meu alojamento – Kinabalu Mt Lodge – e de mochila às costas andei um quilómetro até chegar ao destino, uma casa no topo de uma colina, voltada para um vale verde e de onde se via a névoa a correr no meio de árvores e vegetação, comovente. 😀 Nos meus aposentos conheci uma alemã que tinha regressado da montanha nesse dia e quando lhe contei que o meu objetivo era fazer a ascensão e descida num dia, olhou para mim com olhos esbugalhados e exclamou: ”A sério!? Acho que não vais conseguir, mas se o fizeres tens o meu respeito!”. Oh diabo! Comentário animador. Minutos depois apareceu um americano, que é capitão de um barco nas Filipinas, que por sua vez disse: “É apenas uma montanha. Hás-de chegar ao topo!”.

IMG_3281 (FILEminimizer)     IMG_3282 (FILEminimizer)

Com estas duas opiniões tão distintas parti para o HQ (headquarters) do parque natural e na receção disseram-me que antes de preencher os formulários de inscrição, tinha de falar com o Mr. Dick, o responsável do parque. No centro de conservação tive um pequeno meeting, onde falámos sobre a ascensão num dia e como a mesma é considerada um caso “especial”, existem regras muitos específicas, tais como limites de tempo e afins. Na despedida apertou-me a mão, desejou-me boa sorte e uma boa ascensão…

IMG_3301 (FILEminimizer)

Pedalando em Phonsavanh

Ato III – Phonsavanh, Phonsavanh, Phonsavanh…

Vindo das trevas, o nativo atravessou-se à nossa frente, parou a lambreta no meio da estrada e abriu os braços para pararmos. Nós parámos e ele começou a gritar: “Phonsavanh, Phonsavanh, Phonsavanh…” qual um disco riscado e a acenar com o dedo nessa direção. :/ Percebemos que ele queria que voltássemos para trás e fruto da sua agressividade, apesar de contrariados, começámos a pedalar em direção da aldeia. Ele montou a lambreta, seguiu-nos durante um bocado a poucos metros de distância e assim que reentrámos na aldeia ele virou para uma casa e nós seguimos devagar a “discutir” as nossas opções, comigo a praguejar: “Filho da P&%@! Já viste aquele c”$#%zinho de &$#£@?” e nisto demos de caras com o que parecia ser a nossa solução, a área de um mercado, com um telheiro gigante e com mesas de madeira a servir de bancadas de venda. Perfeito! 🙂 Estacionámos as bicicletas e prendemo-las com um cadeado. Nos entretantos fomos aliviar o peso das bexigas e sentámo-nos nas mesas prontos a descansar, quando…

Vimos a luz da lambreta e o nosso amigo a dirigir-se na nossa direção. “Ai a &$#£@, ãh! Marcação cerrada!?” :/ Assim que chegou recomeçou: “Phonsavanh, Phonsavanh, Phonsavanh…” e eu com a mão a acenar para ele ter calma e em inglês: “Yes, Yes… We go.. After. Now we need to rest”. Uns minutos depois ele voltou a montar na lambreta e desapareceu, mas foi sol de pouca dura, porque quase imediatamente voltou com o seu amigo tradutor. Este tentou dissuadir-nos de dormirmos ali: “Cuidado com a vossa segurança. Ai os assaltos. Ai os mosquitos. Vocês têm de ter cuidado, convosco” e eu a responder-lhe: “O Laos é um país muito seguro e com pessoas muito afáveis. Muito obrigado pela vossa preocupação. Não se preocupem que nós temos repelente. E nós vamos voltar a Phonsavanh, claro! Mas agora estamos a repousar e para além disso o Zhou, o meu amigo, tem medo de trovoadas”. 😛 Tudo isto com um sorriso irónico estampado. Entretanto apareceu um nativo mais velho a falar francês e embriagado, ao qual eu cravei um cigarro e ouvi durante cinco minutos, até ele desaparecer do mercado e da equação. 😛

Passados poucos minutos os nossos amigos começaram a falar em polícia e que tínhamos de sair dali porque podíamos ir presos ao que lhes respondi que se a polícia nos desse boleia para Phonsavanh sairíamos dali com todo o prazer. De outro modo, impossível, porque estávamos muito cansados. Voltaram a desaparecer e eu nesta altura só me ria e dizia ao Zhou: “Mas esta &$#£@ não acaba? Ai santa de paciência!” e claro que quem aparece e desaparece tantas vezes, não pode deixar a estória morrer aqui. Quando voltaram, traziam consigo um telefone portátil com eles. “Oh diabo! Mas para que raio querem aquilo?”, enquanto falava com o amigo tradutor, que entretanto já sabia tratar-se do professor da escola da aldeia – bem pelo menos foi o que ele disse – o cretino mor começou a falar em alta voz e pareceu-me que estava ao telefone com uma telefonista ou operadora de linha.

Quando o telefonema acabou fizeram-nos sinal para os seguirmos e o “professor” explicou-me que íamos ficar no centro de turismo, ao que respondi que não tinha nenhum problema com isso. Durante o trajeto, o “professor” desapareceu e nós seguimos o cretino mor até ao “centro”, estacionámos as bicicletas e ficámos sentados debaixo do telheiro. Nesse período, saiu de dentro do edifício um idiotazito a gritar-nos Phonsavanh e a enxotar-nos até que apareceu o cretino mor a fazer sinal que as bicicletas tinham de pagar “parque”. Eu no telemóvel pûs 5000 kip (0.50€) e mostrei-lhe, ele apagou o valor e pôs 3.000.000 kip (300€). Nessa altura não me contive e ri-me na cara dele, aquela era a confirmação que eu esperara a noite toda, o cretino mor não passava de um palhaço corrupto à procura de dinheiro. Nessa altura o pouco respeito que já lhe tinha desapareceu por completo.

Eu e o Zhou levantámo-nos e ele perguntou: “Phonsavanh?” e eu disse: “Sim. Sim. Phonsavanh”. Começámos a pedalar, com o cretino mor na nossa roda traseira e perguntei ao Zhou se íamos encenar a despedida ou se íamos diretamente para o mercado. A resposta foi-me dada, quando ao passarmos pelo mercado o Zhou cortou bruscamente para lá e eu segui na sua roda, enquanto o cretino mor, parado na estrada gritava de braços abertos: “Phonsavanh, Phonsavanh, Phonsavanh…” e eu a dizer para mim próprio: “Sim… sim… Phonsavanh…”     

Pedalando em Phonsavanh

Ato II – A Rota Certa e o Insólito

Depois da nossa visita, voltámos a pegar nos nossos corcéis de metal, seguimos viagem e já numa estrada de alcatrão, após uma dança mortal entre galos e meia hora de circulação percebemos que tínhamos estado a tarde inteira em estradas erradas! Pois nessa altura começámos a ver indicações turísticas sobre a planície dos Jarros. Ups! Desculpa Laos, fui precipitado na minha análise anterior. 🙂

IMG_7810 (FILEminimizer)Finalmente e já na rota certa, continuámos a pedalar e por volta das 17.00 entrámos numa estrada de terra batida que nos levaria aos outros dois locais que queríamos visitar. A paisagem era um misto de arrozais, campos verdes, lagos e charcos, pastagens, alguns montes e colinas, o céu estava azul e havia nuvens cheias de densidade, textura e reflexos que se assemelhavam a um arco-íris. 🙂 A estrada por sua vez era um misto de terra argilosa e lamacenta, zonas cheias de pó e pedras. O pôr do sol foi visto quando parámos para comer os poucos mantimentos que carregávamos connosco e nos sentámos na erva de frente para um mini lago muito perto da estrada.

IMG_7836 (FILEminimizer)

Enquanto comíamos o insólito começou, primeiro lentamente com o aparecimento de um nativo que parou a sua motorizada junto das nossas bicicletas e se dirigiu a nós a falar em Laosiano. Nós acenámos que não com a cabeça, que não percebíamos nada do que ele dizia e passados cinco minutos, foi-se embora. Após dez minutos o nativo estava de volta, com um companheiro que começou a servir de tradutor. Os rostos eram amigáveis e começaram a fazer perguntas: De onde éramos? Para onde íamos? Onde íamos ficar a dormir? Nós lá fomos respondendo com naturalidade, mas aos poucos e poucos eu que já no primeiro momento não tinha gostado muito do nativo, comecei a ficar desconfiado e assim que acabámos de comer disse ao Zhou para seguirmos viagem. Montámos as bicicletas e fruto da minha desconfiança ficámos à espera que eles arrancassem primeiro. Esperámos durante cinco minutos e como eles não arrancaram, arrancámos nós. O ambiente era estranho e pouco claro e pedalámos muito lentamente para ver a reação deles.

    IMG_7837 (FILEminimizer)        IMG_7838 (FILEminimizer)

Passados mais dois ou três minutos eles aceleraram a lambreta, passaram por nós e desapareceram da nossa vista. Aleluia! 🙂 Continuámos a pedalar, agora já com um ritmo normal e em menos de dez minutos estávamos a entrar numa pequena aldeia. Nessa altura víamos no céu, de tempos a tempos a luz de relâmpagos e decidimos falar com alguém para nos abrigarmos nalgum telheiro e aí ficarmos a dormir. Parámos e tentámos falar com os donos de um pequeno restaurante, mas eles não nos compreenderam e continuámos a pedalar até sairmos da aldeia e, no cruzamento que dava acesso aos sítios 2 e 3, o insólito absoluto aconteceu…

Pedalando em Phonsavanh

Ato I – A Desorientação e o Sítio número 1

Partimos de Phonsavanh pedalando em direção à planície dos Jarros, seguindo a N7 para Oeste. Ao sairmos da cidade passámos pela estação de autocarros Norte para verificarmos os horários para Vang Vieng, mas a estação estava… deserta!

IMG_7686 (FILEminimizer)     IMG_7698 (FILEminimizer)  

À medida que pedalávamos, tentávamos encontrar indicações na estrada, mas como não víamos nada fomos perguntando às pessoas o caminho para Xieng Khuang. Enveredámos então por uma estrada de terra batida, mas que se notava perfeitamente estar em construção – fase de terraplanagem – e com a companhia de um céu azul, das nuvens e do sol fomos apreciando a vastidão da paisagem, o silêncio e eu ia pensando que só no Laos mesmo, um caminho para um destino turístico não ter indicações absolutamente nenhumas. 😛

IMG_7702 (FILEminimizer)      IMG_7710 (FILEminimizer)

Pedalámos até encontrarmos casas e, após umas deambulações nas redondezas  – uma hora para trás e para a frente – e de termos perguntado muitas vezes por Xieng Khuang e qual a sua direção, lá demos com uma placa que indicava: Plain of Jars → 500 m. Seguimos a estrada e passadas três horas de sairmos de Phonsavanh estávamos finalmente na entrada do Sítio número 1. 😛 Nessa altura pensei que mesmo que não visse mais nenhum local, pelo menos aquele ninguém mo tirava, bem como a estória para lá chegar. 😉

IMG_7727 (FILEminimizer)     IMG_7732 (FILEminimizer)

Este sítio, que se encontra completamente desminado, é o maior e o mais vasto de todos os locais arqueológicos abertos ao público – área de vinte e cinco hectares, trezentos e trinta e quatro jarros entre os quais o maior deles tem um diâmetro de dois metros e meio e dois metros e cinquenta e sete centímetros de altura! – e é um local distinto, com um carácter muito particular e surreal. 🙂 Os jarros brotam do solo quais flores de pedra e os mais bem conservados têm tendência para ter água no seu interior. A paisagem é verde, cheia de erva, algumas árvores, campos de cultivo à volta, vêem-se crateras de bombardeamentos que entretanto estão cobertas de vegetação, montes, alguns charcos… um misto de pedra e vegetação que se funde, que se mescla, que se complementa. Estranho! Belo! 😀

IMG_7735 (FILEminimizer)     IMG_7752 (FILEminimizer)


P.S. – Mas o que são os Jarros?