Pedalando em Phonsavanh

Ato III – Phonsavanh, Phonsavanh, Phonsavanh…

Vindo das trevas, o nativo atravessou-se à nossa frente, parou a lambreta no meio da estrada e abriu os braços para pararmos. Nós parámos e ele começou a gritar: “Phonsavanh, Phonsavanh, Phonsavanh…” qual um disco riscado e a acenar com o dedo nessa direção. :/ Percebemos que ele queria que voltássemos para trás e fruto da sua agressividade, apesar de contrariados, começámos a pedalar em direção da aldeia. Ele montou a lambreta, seguiu-nos durante um bocado a poucos metros de distância e assim que reentrámos na aldeia ele virou para uma casa e nós seguimos devagar a “discutir” as nossas opções, comigo a praguejar: “Filho da P&%@! Já viste aquele c”$#%zinho de &$#£@?” e nisto demos de caras com o que parecia ser a nossa solução, a área de um mercado, com um telheiro gigante e com mesas de madeira a servir de bancadas de venda. Perfeito! 🙂 Estacionámos as bicicletas e prendemo-las com um cadeado. Nos entretantos fomos aliviar o peso das bexigas e sentámo-nos nas mesas prontos a descansar, quando…

Vimos a luz da lambreta e o nosso amigo a dirigir-se na nossa direção. “Ai a &$#£@, ãh! Marcação cerrada!?” :/ Assim que chegou recomeçou: “Phonsavanh, Phonsavanh, Phonsavanh…” e eu com a mão a acenar para ele ter calma e em inglês: “Yes, Yes… We go.. After. Now we need to rest”. Uns minutos depois ele voltou a montar na lambreta e desapareceu, mas foi sol de pouca dura, porque quase imediatamente voltou com o seu amigo tradutor. Este tentou dissuadir-nos de dormirmos ali: “Cuidado com a vossa segurança. Ai os assaltos. Ai os mosquitos. Vocês têm de ter cuidado, convosco” e eu a responder-lhe: “O Laos é um país muito seguro e com pessoas muito afáveis. Muito obrigado pela vossa preocupação. Não se preocupem que nós temos repelente. E nós vamos voltar a Phonsavanh, claro! Mas agora estamos a repousar e para além disso o Zhou, o meu amigo, tem medo de trovoadas”. 😛 Tudo isto com um sorriso irónico estampado. Entretanto apareceu um nativo mais velho a falar francês e embriagado, ao qual eu cravei um cigarro e ouvi durante cinco minutos, até ele desaparecer do mercado e da equação. 😛

Passados poucos minutos os nossos amigos começaram a falar em polícia e que tínhamos de sair dali porque podíamos ir presos ao que lhes respondi que se a polícia nos desse boleia para Phonsavanh sairíamos dali com todo o prazer. De outro modo, impossível, porque estávamos muito cansados. Voltaram a desaparecer e eu nesta altura só me ria e dizia ao Zhou: “Mas esta &$#£@ não acaba? Ai santa de paciência!” e claro que quem aparece e desaparece tantas vezes, não pode deixar a estória morrer aqui. Quando voltaram, traziam consigo um telefone portátil com eles. “Oh diabo! Mas para que raio querem aquilo?”, enquanto falava com o amigo tradutor, que entretanto já sabia tratar-se do professor da escola da aldeia – bem pelo menos foi o que ele disse – o cretino mor começou a falar em alta voz e pareceu-me que estava ao telefone com uma telefonista ou operadora de linha.

Quando o telefonema acabou fizeram-nos sinal para os seguirmos e o “professor” explicou-me que íamos ficar no centro de turismo, ao que respondi que não tinha nenhum problema com isso. Durante o trajeto, o “professor” desapareceu e nós seguimos o cretino mor até ao “centro”, estacionámos as bicicletas e ficámos sentados debaixo do telheiro. Nesse período, saiu de dentro do edifício um idiotazito a gritar-nos Phonsavanh e a enxotar-nos até que apareceu o cretino mor a fazer sinal que as bicicletas tinham de pagar “parque”. Eu no telemóvel pûs 5000 kip (0.50€) e mostrei-lhe, ele apagou o valor e pôs 3.000.000 kip (300€). Nessa altura não me contive e ri-me na cara dele, aquela era a confirmação que eu esperara a noite toda, o cretino mor não passava de um palhaço corrupto à procura de dinheiro. Nessa altura o pouco respeito que já lhe tinha desapareceu por completo.

Eu e o Zhou levantámo-nos e ele perguntou: “Phonsavanh?” e eu disse: “Sim. Sim. Phonsavanh”. Começámos a pedalar, com o cretino mor na nossa roda traseira e perguntei ao Zhou se íamos encenar a despedida ou se íamos diretamente para o mercado. A resposta foi-me dada, quando ao passarmos pelo mercado o Zhou cortou bruscamente para lá e eu segui na sua roda, enquanto o cretino mor, parado na estrada gritava de braços abertos: “Phonsavanh, Phonsavanh, Phonsavanh…” e eu a dizer para mim próprio: “Sim… sim… Phonsavanh…”     

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s