Uma Geografia. Uma Fotografia: Borobudur

img_8067_fb

Em toda a vastíssima e exótica Indonésia, o afamado templo de Borobudur – Património Mundial da Humanidade, construído entre 750 e 850 d.C. durante o reinado da dinastia Śailēndra e maior templo budista do planeta – era um dos locais que mais desejava conhecer. Depois de uma visita culturalmente fascinante à cidade de Yogyakarta, era altura de rumar ao templo. Quando dei os primeiros passos na área do templo, já com um sarong –  à cintura, a luz era dourada e suave, e o céu azul. A aurora estava de facto mágica e o imenso templo, aguardava serenamente por mim. Naquela hora matinal, ainda na companhia de poucos turistas, cirandei em redor do magnífico e imponente templo, construído em pedra de cores: preta, cinzenta e creme. Visto de topo, temos a visão em planta de uma enorme Mandala de base quadrangular – 120 X 120 metros -, visto de frente, encontramos uma estrutura piramidal, com uma escadaria que nos leva ao longo de cinco patamares e em cada um destes, existem incontáveis e serenos Budas a contemplarem-nos. A paisagem em redor está repleta de árvores e vegetação e é possível observar múltiplas colinas e montanhas numa palete de verdes, existindo dois cumes em grande destaque, o Gunung Merapi e o Gunung Merbabu, cada um deles coroado com uma ligeira névoa no cume. Fruto de umas nuvens “fabulásticas” e do imaculado céu azul, este grandioso templo estava particularmente fotogénico, sendo que o melhor momento da visita ocorreu quando no topo me deparei com estupas que tinham no seu interior estátuas de Buda, quais verdadeiros ovos “kinder surpresa”, dispostos em alinhamentos circulares e progressivamente concêntricos em redor da estupa maior e central. Quando os meus passos deixaram o templo, estava verdadeiramente FELIZ por ter tido o privilégio de visitar Borobudur. O maior, mais imponente e impressionante templo budista de todo o mundo. O templo entre cumes e vulcões.

Uma Geografia. Uma Fotografia: Pulau Penang

PulaoPenang_BlogNa ilha de Penang – pode encontrar mais aqui – estive na praia de Batu Feringgi que se revelou uma grande desilusão e nas imediações do parque natural mais pequeno de toda o país; deambulei no maior templo budista do sudeste asiático, Kek Lok Si; calcorreei a cidade de Georgetown e visitei magníficas e antiquíssimas mansões chinesas, mesquitas harmoniosas, ricos e dourados templos chineses e indianos, antigas construções coloniais deixadas pelos britânicos, ruas muito vivas, coloridas e movimentadas; comi a deliciosa e viciante comida que se consegue encontrar espalhada por toda a cidade e conheci Luke, um carpinteiro/surfista australiano que estava a acabar de construir uma pequeno resort em Pulau Tanahmasa e que me convidou a visitá-lo.

Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Bangkok

Bangkok_BlogEm Bangkok – pode encontrar mais aqui – fiquei com sensação que apesar de vasta, a cidade não é caótica. Em termos de templos, os destaques vão para: o Wat Pho, local onde “nasceram” as famosas massagens tailandesas; o Wat Arun onde existem estupas de inclinações absolutamente vertiginosas e o Wat Phra Kaew – templos no complexo do Grande Palácio – que é o mais impressionante não apenas da cidade como de todo o país. A capital também me fica na memória, relativamente às papilas gustativas e foi assim que saí da cidade… a querer regressar um dia e voltar a mergulhar em toda a sua gama de cores, cheiros e sabores.

Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Phimai

Phimai_Blog

O parque arqueológico de Phimai – pode encontrar mais aqui – representou o derradeiro vértice dos antigos reinos a norte de Bangkok. Apesar de Phimai, não ter a dimensão de Sukhothai nem a magnificência de Ayutthaya o seu estado de conservação é muito superior. Por esse motivo, em Phimai não é necessário imaginar como seria, aqui vemos realmente como era.

Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Ayutthaya

Ayutthaya_Blog

À semelhança de Sukhothai, em Ayutthaya – pode encontrar mais aqui – pedalámos em busca dos “ossos vivos” do passado, encontrando múltiplos templos – sendo estes mais impressionantes, dado o seu estado de conservação – e a quatro quilómetros do centro da cidade, vestígios da presença portuguesa da altura dos Descobrimentos.

Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Sukhothai

Sukhothai_Blog

Nas imediações da pequena cidade de Sukhothai – pode encontrar mais aqui – ao visitar o nosso primeiro parque arqueológico, pudemos encontrar múltiplos vestígios – templos, colunas e estupas construídas em tijolo e incontáveis estátuas de Buda – do antigo coração do império Thai, primeira capital de Siam, fundada pelo rei Ramkhamhaeng.

Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Chiang Mai

ChiangMai_BlogNa dourada capital do norte, Chiang Mai – pode encontrar mais aqui – experienciei vários momentos inesquecíveis: a visita ao reino dos tigres; o primeiro encontro com a maravilhosa gastronomia tailandesa e a aula de culinária; o reencontro com Sam; o loop de scotter em redor da cidade na companhia de Kristian; mas principalmente, foi aí que recebi a visita de M. com quem visitei os múltiplos e ricos templos da cidade, onde tudo brilha e reluz como o ouro. Bem vindos à face rica da Tailândia.

Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Vientiane

Vientiane_Blog

Vientiane, a capital do Laos – pode encontrar mais aqui – foi uma cidade cheia de boas recordações e memórias, tendo sempre algumas palavras chave, associadas: o todo poderoso Mekong; a sensação singular que tive ao Meditar pela primeira vez na vida; o Dinheiro que ganhei, fruto de câmbios sucessivos entre a moeda local e o dólar e foi aí que me despedi do Zhou. Goodbye, Zhou! Goodbye, my “crazy” friend! Goodbye, my good friend! 

Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Luang Prabang

LuangPrabang_Blog

Na antiga capital dourada de Luang Prabang e centro cultural do país – pode encontrar mais aqui – reencontrei o rio Mekong, assisti ao ritual matinal e diário dos monges açafrão, levei uma sova de uma bactéria e nas suas imediações visitei a cristalina cascata de Kuangsi.

Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Muang Ngoi

MuangNgoiNeua_Blog

Na pequeníssima e sonolenta vila de Muang Ngoi – pode encontrar mais aqui – e que parece já não ser deste século, regressei a um tempo em que praticamente tudo parou. Em redor da vila visitei uma gruta negra como breu e bonitos arrozais, vi pela primeira vez monges de vestes laranjas, comi divinalmente e… cheguei ao Paraíso.