Manila para a Despedida

Depois da visita à simpática cidade colonial de Vigan, regressei à capital das Filipinas, Manila. Desta feita, não de passagem como em ocasiões anteriores, em que passava sempre com o objetivo de me dirigir  a outros destinos, desta vez vim para a despedida do país, após quase dois meses. 🙂 Quando cheguei à metrópole tive que apanhar um táxi do terminal de Cubao até à zona de Malate, local onde tinha marcado um poiso barato – Wanderers Guesthouse – e depois dessa travessia, em que discuti acesamente com o taxista  – que estava a tentar enganar-me – decidi que apenas voltaria a apanhar um táxi, no dia em que fosse para o aeroporto! :/

IMG_3163 (FILEminimizer)

IMG_3123 (FILEminimizer)      IMG_3126 (FILEminimizer)

IMG_3135 (FILEminimizer)      IMG_3142 (FILEminimizer)

IMG_3150 (FILEminimizer)      IMG_3175 (FILEminimizer)

IMG_3178 (FILEminimizer)      IMG_3184 (FILEminimizer)

IMG_3187 (FILEminimizer)      IMG_3195 (FILEminimizer)

IMG_3201 (FILEminimizer)      IMG_3207 (FILEminimizer)

IMG_3209 (FILEminimizer)      IMG_3214 (FILEminimizer)

IMG_3216 (FILEminimizer)

Em Manila, passei quatro dias praticamente em modo de espera, uma vez que Myanmar, o meu último país desta viagem, estava ao “virar da esquina” e eu esperava ansiosamente por esse momento. 🙂 Nesses dias, conheci alguns backpackers italianos simpáticos; assisti a jogos de futebol; visitei o enoooooooooorme Robisson Mall; escrevi para o blog; atualizei o caderno; vi muita pobreza nas ruas, pedintes, prostitutas atiradiças, pessoas a dormir no chão, inclusivamente famílias inteiras! :/ ; visitei a antiga zona de Intramuros: a catedral de Manila, o Forte de Santiago, a muralha super robusta e muito bem conservada; encontrei um restaurante com comida deliciosa e cujo staff era muito prestável e bem disposto; na companhia de nativos fui até ao gigantesco mercado de Hangganon na zona de Baclaran; joguei algumas vezes computador com um rapaz filipino; rearrumei a mala; comprei mantimentos para a travessia para Myanmar; troquei pesos por doláres; e apanhei um táxi para o aeroporto, desta feita  para a despedida das Filipinas, calhou-me em rifa um taxista honesto e pacífico. 🙂

Vigan. Charme Colonial

Depois da visita às múmias de Kabayan, os meus companheiros de viagem deixaram-me em Baguio e aí rapidamente apanhei um autocarro para a cidade colonial de Vigan, ainda mais a Norte, mas já junto à costa. Depois de cinco horas de viagem, cheguei à cidade – 20.00 – e uma vez que na cidade estava a haver uma convenção de Medicina, encontrar um quarto foi extremamente complicado! :/ Depois de duas horas de deambulações, lá conseguir arranjar um poiso na Residencial Mojica e finalmente nessa altura, consegui relaxar um bocado. Após uma semana de mudanças de poiso constantes na zona da cordilheira de Luzon, local de muitas montanhas e verdes florestas, chuva, rios e cascatas, e claro muitos terraços de arroz, mudei-me para Vigan. E nesta cidade, património da UNESCO, para além de encontrar muita tranquilidade, encontrei a arquitetura espanhola mais bem preservada de toda a Ásia! 😀

IMG_2815 (FILEminimizer)      IMG_2851 (FILEminimizer)

IMG_2860 (FILEminimizer)      IMG_2868 (FILEminimizer)

IMG_2821 (FILEminimizer)      IMG_2835 (FILEminimizer)

IMG_2874 (FILEminimizer)      IMG_2883 (FILEminimizer)

IMG_2884 (FILEminimizer)      IMG_2889 (FILEminimizer)

IMG_2941 (FILEminimizer)      IMG_2958 (FILEminimizer)

 Aqui, voltei literalmente ao passado: as casas de traços coloniais e de múltiplas cores, a “calçada”, as ruas, as igrejas, as praças, os jardins, as charretes a cavalo… 🙂 Em Vigan, tirei fotografias de dia e de noite; encontrei uma cidade escaldante; vi torneios de basketball (o desporto nacional das Filipinas) ao final da tarde, com multidões a assistir 🙂 ; comprei recuerdos religiosos; comi empadas deliciosas; visitei a igreja barroca de Santa Maria, onde me deparei com um casamento 🙂 e a playa d´ouro, onde encontrei uma areia negra em brasa e pescadores com quem puxei redes 😀 ; tomei múltiplos duches para refrescar; escrevi; deambulei sem pressas; e observei a bonita luz do final do dia e os habitantes a aproveitar as praças da cidade e a tranquilidade dos dias.

IMG_2968 (FILEminimizer)      IMG_2995 (FILEminimizer)

IMG_3022 (FILEminimizer)      IMG_3037 (FILEminimizer)

IMG_3048 (FILEminimizer)      IMG_2980 (FILEminimizer)

IMG_3054 (FILEminimizer)      IMG_3057 (FILEminimizer)

IMG_3069 (FILEminimizer)      IMG_3077 (FILEminimizer)

IMG_3081 (FILEminimizer)      IMG_3110 (FILEminimizer)

Os Terraços de Banaue & as Múmias de Kabayan

Depois da visita à aldeia de Batad e aos seus terraços perfeitos, e do trekking do dia anterior, a visita aos terraços de Banaue afigurava-se como uma mera “formalidade” para concluir esses dias felizes na Região Administrativa da Cordilheira (RAC). Porém, mesmo estes revelaram bastante beleza e na travessia pelo seu interior, tive de contratar os serviços de dois miúdos de palmo e meio, Dave (doze anos) e Nick (seis anos) muito engraçados! 🙂 Com eles percorri aquela verde paisagem, em passo relativamente rápido (os miúdos tinham asas nos pés 😛 ), fui fazendo alguns equilibrismos e tirando algumas fotografias. Depois do passeio, voltei ao Sonafel Lodge e aí fiquei tranquilamente a escrever para o blog, até partir. Eram 17.00, quando apanhei o autocarro para Baguio (capital da RAC) e quando chegámos ao nosso destino eram 3.00! Nessa altura, já tinha falado com o simpático motorista, e desse modo ele deixou-me dormir dentro da nossa viatura até às 6.00. 😉

IMG_2687 (FILEminimizer)      IMG_2714 (FILEminimizer)

IMG_2715 (FILEminimizer)      IMG_2719 (FILEminimizer)

IMG_2683 (FILEminimizer)    IMG_2700 (FILEminimizer)    IMG_2708 (FILEminimizer)

IMG_2721 (FILEminimizer)      IMG_2727 (FILEminimizer)

IMG_2755 (FILEminimizer)      IMG_2759 (FILEminimizer)

O meu último destino, na RAC era Kabayan e as suas múmias. Desse modo, eram 6.30 quando voltei a apanhar um autocarro em direção a Sagada, porém desta feita, apenas fiz uma hora e meia de viagem, e numa interseção com a estrada principal, fui deixado pelo prestável motorista. De monstrinho às costas e sempre a subir em rampas muito inclinadas, andei durante meia hora! Até decidir que se continuasse naquele ritmo não iria conseguir chegar às grutas de Kabayan  ficavam a mais de cinco quilómetros da estrada principal. :/ Quando encontrei uma casa perdida naquela paisagem montanhosa, pedi aos seus donos para me guardarem a mochila e bem mais leve continuei a andar. 🙂 Passados poucos minutos, passou uma carrinha amarela a quem pedi boleia e a bordo deparei-me com um grupo de montanhistas filipinos – Chimbang, Autaun, Rodi, Jumpeet, Nilo e Hendeel que ia para o mesmo destino! Perfeito! 😀 Foi deste modo, que visita às múmias de Kabayan, foi realizada na companhia de um alegre grupo. Acompanhados de um nativo que protege o local, percorremos um curto e agradável trilho no meio de um pinhal, e numas pequenas grutas com portas fechadas a cadeado, que foram abertas para nós, encontrámos no interior de pequenos caixões, múmias em posição fetal – crença de voltarem à barriga materna. 🙂

IMG_2763 (FILEminimizer)      IMG_2765 (FILEminimizer)

IMG_2768 (FILEminimizer)      IMG_2770 (FILEminimizer)

IMG_2776 (FILEminimizer)      IMG_2778 (FILEminimizer)

IMG_2798 (FILEminimizer)      IMG_2801 (FILEminimizer)

IMG_2803 (FILEminimizer)      IMG_2805 (FILEminimizer)

IMG_2807 (FILEminimizer)

Com eles voltei a Baguio, mas antes de arrancarmos tirámos fotografias de grupo e parámos para ir buscar o monstrinho. Nessa altura, deixei a mala pequena (computador, máquina fotográfica, caderno…) na carrinha, e apesar de não ter sentido nenhum perigo e de nada se ter passado, hoje sei, que tal ação foi demasiado arriscada! Confiança nas pessoas, sim! Fé absoluta, não! 🙂 Ainda durante a viagem, voltámos a parar para almoçar (um balut e um porção de arroz Morning Star: ovo estrelado + vegetais + galinha + porco + arroz! Delicioso! 😀 ), sendo à mesa e com gastronomia tradicional filipina que terminei a minha visita à RAC. 😉

Trekking Batad – Banaue: Aprendizagens com Jerr

No dia do trekking, às 5.45 já estava acordado e depois de arrumar a mala e antes de tomar o pequeno almoço, observei o sol a penetrar na montanha e a iluminar progressivamente, os terraços de arroz e aldeia de Batad! Extraordinário! Espetacular! Uma verdadeira ode celeste! 😀 Às 7.30 em ponto, o Jerr apareceu e juntos fomos em ritmo relativamente tranquilo de Batad até à aldeia de Pula, passando por Cambulo. Nesta primeira fase do percurso, demorámos aproximadamente cinco horas, parámos algumas vezes e passámos por uma paisagem cheia de socalcos de arroz muito verdes, encontrando um rio que deslizava suavemente abaixo de nós e algumas casas perdidas naquela imensidão. 🙂

IMG_2525 (FILEminimizer)      IMG_2529 (FILEminimizer)

IMG_2538 (FILEminimizer)      IMG_2539 (FILEminimizer)

IMG_2542 (FILEminimizer)      IMG_2544 (FILEminimizer)

IMG_2561 (FILEminimizer)      IMG_2565 (FILEminimizer)

IMG_2573 (FILEminimizer)      IMG_2580 (FILEminimizer)

Durante o caminho fomos falando naturalmente e eu fui sentindo que estava a fazer mais uma caminhada com um amigo, do que com um guia! 😀 Da nossa conversa, confirmei que realmente o valor do Jeepney do dia anterior estava inflacionadíssimo para não nativos – três vezes superior! E fiquei a saber que Jerr estava na universidade, e que o seu trabalho como guia, era um trabalho de verão que servia para pagar os estudos; que o facto de ele ser o terceiro filho, significava que era o primeiro dos que não herdava nada! :/ (o varão recebe a terra; o segundo um dote; daí em diante… 0!); que nos cargos ligados ao governo, só se consegue entrar pelo “fator C!” e que de pouco ou nada vale o mérito! :/ ; recebi informações sobre as múltiplas fases que as plantação de arroz nos terraços, exigem: limpeza de ervas; expansão das fronteiras dos terraços; processo de queima e mistura com terra; alagar o terreno e alisar a superfície; plantar o arroz. E já em Pula, tirámos um retrato juntos, trocámos e-mails e devido ao seu profissionalismo e dedicação, dei-lhe de grojeta o valor que no dia anterior tinha conseguido retirar do valor inicial do trekking. 🙂

IMG_2583 (FILEminimizer)       IMG_2586 (FILEminimizer)

IMG_2588 (FILEminimizer)    IMG_2602 (FILEminimizer)    IMG_2608 (FILEminimizer)

IMG_2594 (FILEminimizer)      IMG_2617 (FILEminimizer)

Perto da escola, despedimo-nos com um abraço. Ele voltou para Batad e eu continuei para Banaue. Quase instantaneamente, começou a chover com alguma intensidade e enquanto lutava para “escalar” uma looooooooooonga subida, senti-me um pouco cansado. Felizmente, a chuva teve uma curta duração e depois de ultrapassada essa última dificuldade, o caminho mudou e até ao final a paisagem mudou drasticamente de registo. Floresta e mais floresta, sempre muito verde e densa! O que valia, era que não havia dúvidas, relativamente ao trilho a seguir! 😉 Até ao final andei durante mais quatro horas e quase, quase no final senti-me saturado de andar. :/ O meu objetivo nessa altura, era acabar o trilho, o mais rapidamente possível.

IMG_2627 (FILEminimizer)

IMG_2637 (FILEminimizer)      IMG_2669 (FILEminimizer)

IMG_2674 (FILEminimizer)

Quando desemboquei na estrada de alcatrão, ainda estava a nove quilómetros de Banaue, mas como aquela era uma estrada principal, não me “acobardei” e demonstrei aos condutores de tuk-tuk, que lá estavam estacionados que não precisava deles (semi-bluf). Desse modo, o valor desceu dos 150P iniciais para 20P! E eu fiquei contente pelo excelente negócio efetuado! 🙂 Na chegada à cidade, fui buscar o “monstrinho” ao posto de turismo, dirigi-me para o Sonafel Lodge e passados poucos minutos de ter chegado, começou a chover torreeeeeeeencialmente! O eclético trekking entre Batad e Banaue foi concluído mesmo à pele! 5*! 😉  

Os Terraços Perfeitos de Batad

De Bontoc parti bem cedo para Banaue e durante a viagem aproveitei para tirar fotografias à fantástica paisagem de verdes vales e montanhas. Na chegada à famosa vila, dirigi-me ao posto de turismo, onde fiz algumas perguntas e fruto da informação recolhida, decidi aí guardar o “monstrinho” e partir o mais rapidamente possível para a aldeia de Batad, uma vez que o plano consistia em dormir lá e regressar a andar (trekking) no dia seguinte

IMG_2329 (FILEminimizer)      IMG_2336 (FILEminimizer)

IMG_2338 (FILEminimizer)      IMG_2347 (FILEminimizer)

IMG_2352 (FILEminimizer)

Ainda no centro da vila de Banaue, encontrei o Sonafel Lodge donde fiquei a observar a bonita e verde paisagem, a atualizar o caderno e onde conheci a simpática dona, Susana – que gostava de pintar – com quem fiquei a conversar durante algum tempo. Quando me dirigi para o jeepney, o mesmo já estava totalmente lotado e rapidamente percebi que para ter uma viagem minimamente confortável, teria que viajar no tejadilho – tal como acontecera na ilha de Palawan. Desse modo, depois de comprar mantimentos – tanto sólidos, como hídricos – e um delicioso halo-halo, sentei-me o mais confortavelmente possível e fruto do intenso calor, pûs o fiel keffieeh na cabeça. 🙂

IMG_2370 (FILEminimizer)

IMG_2360 (FILEminimizer)      IMG_2363 (FILEminimizer)

IMG_2367 (FILEminimizer)      IMG_2372 (FILEminimizer)

IMG_2386 (FILEminimizer)

Eram 14.00 quando arrancámos e nesse momento fiquei bastante espantado, uma vez que a partida, apenas estava marcada para as 15.00! Pelos vistos nas Filipinas os transportes – apenas carrinhas e jeepney´s – podem partir adiantados! 😛 A travessia de aproximadamente vinte quilómetros, montanha acima durou aproximadamente uma hora e no topo de uma colina poeirenta, o jeepney estancou. Fim da estrada, fim da linha, e na altura de sair do bólide, o valor do “bilhete” pareceu-me excessivamente inflacionado. :/ Como a estrada até à aldeia de Batad se encontra em construção, a única solução possível foi descer a montanha a andar. Quando encontrei uma placa que indicava: “Welcome to BATAD (….) 1100 m Elevation”, soube que estava perto do meu destino e segui alegremente. 🙂

IMG_2389 (FILEminimizer)

IMG_2390 (FILEminimizer)       IMG_2392 (FILEminimizer)

IMG_2398 (FILEminimizer)

Na entrada da vila, encontrei um rudimentar posto de turismo e rapidamente tentei perceber quanto custaria contratar um guia para regressar a Banaue. Depois de poucos minutos de conversa, percebi que os valores eram elevados, mas que estavam totalmente nivelados e se realmente queria fazer o trekking (e queria!), não havia outra alternativa senão pagar que estava definido. Ao falar mais longamente com um dos guias, Jerr, consegui baixar ligeiramente o valor inicial e percebi que ele me acompanharia durante meio trajeto: Batad – Cambulo – Pula, uma vez que o trilho a partir dessa aldeia e até chegar a Banaue seria fácil de seguir. Finalizadas as negociações, ele levou-me até uma das guesthouses (Hillside Inn) e à entrada da mesma, combinámos reencontrar-nos no dia seguinte às 7.30, selando o nosso acordo com um aperto de mão. 🙂

IMG_2401 (FILEminimizer)

IMG_2412 (FILEminimizer)      IMG_2414 (FILEminimizer)

IMG_2419 (FILEminimizer)       IMG_2424 (FILEminimizer)

IMG_2431 (FILEminimizer)

Resolvidas as questões logísticas e depois de colocar a mochila no quarto, parti à descoberta da aldeia e da sua cascata. E se já na entrada da vila – miradouro do posto de turismo – a paisagem é impressionante, com os verdíssimos e viçosos terraços a fazer uma escada perfeita montanha acima! O que dizer, quando a caminho da cascata, nos embrenhamos no meio dos mesmos? Fascinante! 😀 No meio dos terraços, sentimos a sua grandeza e quando olhamos para baixo, vemos um anfiteatro perfeito a desenhar-se à frente dos nossos olhos… Espetacular! 😀 O caminho/trilho é feito no topo de terraços e por vezes o caminho torna-se menos óbvio, porém não é díficil de seguir 😉 e na parte terminal, o trilho para a cascata tem degraus bastante íngremes – como os mesmos têm alturas muito variáveis, à que seguir com cuidado e atenção. Quando estava quase, quase a chegar, suava abundantemente e mentalmente “disse”: “Espero que tenhas mais de vinte metros, senão fico *@$%&£!”. Finalmente, quando a vi, pensei: “Ok. Valeu a pena! 🙂 “, uma vez que a coluna de água conseguia mostrar alguma força e imponência. 😉 Da cascata, regressei ao centro da aldeia e sempre em sentido ascendente, subi degraus e mais degraus, continuando a tirar fotografias aos fotogénicos terraços de arroz, até a luz desaparecer e a escuridão total cair sobre Batad. A aldeia, no meio de verdes montanhas e de perfeitos terraços de arroz! 😀

IMG_2456 (FILEminimizer)

IMG_2454 (FILEminimizer)      IMG_2476 (FILEminimizer)

IMG_2488 (FILEminimizer)      IMG_2500 (FILEminimizer)

Os Terraços de Maligcong

Do reino do culto dos mortos, parti bem cedinho (7.00) para a cidade de Bontoc, onde rapidamente arranjei uma guesthouse. Resolvida a questão do poiso, apanhei um jeepney montanha acima, até à aldeia de Maligcong que ficava apenas a cinco quilómetros de distância, mas que fruto da estrada muito esburacada e da topografia acidentada, demorou mais de meia hora a ser alcançada. 😛

IMG_2145 (FILEminimizer)      IMG_2165 (FILEminimizer)

IMG_2171 (FILEminimizer)      IMG_2203 (FILEminimizer)

IMG_2213 (FILEminimizer)

Nessa aldeia, estive toda a manhã em deambulações e aí tive a oportunidade de observar pela primeira vez, e verdadeiramente uns terraços de arroz made in Filipinas. 🙂 Aqui encontrei terraços muito verdes e simultaneamente, cheios de água e reflexos. A paisagem era muito tranquila, serena e bonita, e para além de mim, só se viam camponeses nos seus afazeres: cortar erva, reconstruir terraços com lama, plantar arroz..

IMG_2222 (FILEminimizer)      IMG_2231 (FILEminimizer)

IMG_2233 (FILEminimizer)     IMG_2237 (FILEminimizer)

IMG_2241 (FILEminimizer)      IMG_2261 (FILEminimizer)

Por volta das 11.30 parti de Maligcong a andar, uma vez que apenas existia transporte de regresso às 14.00. 😛 Durante uma hora e meia, andei montanha abaixo até Bontoc, que vista do alto, era bastante maior do inicialmente supusera. Aí, visitei o interessante museu da cidade, onde pude ver a fantástica multiplicidade de tribos existentes no norte da ilha. 😀 Durante a tarde e à semelhança do dia anterior, aproveitei para descansar um pouco na guesthouse, escrever para o blog e já ao final da tarde vi umas extraordinárias nuvens que pairavam em redor das colinas circundantes. 🙂

IMG_2276 (FILEminimizer)      IMG_2283 (FILEminimizer)

IMG_2293 (FILEminimizer)      IMG_2296 (FILEminimizer)

IMG_2302 (FILEminimizer)      IMG_2307 (FILEminimizer)

IMG_2315 (FILEminimizer)      IMG_2324 (FILEminimizer)

O Culto dos Mortos em Sagada

Em Sagada num dia solarengo e de céu azul, fiz um trekking interessante na companhia de Mr. Ingo, um guia local com quem fui até ao vale do Eco. Durante o percurso passámos por algumas paisagens bonitas e agradáveis: pinheiros, plantações de café, um rio subterrâneo, uma caverna, uma mini-cascata, arrozais, sobe e desce em colinas, zonas escorregadias de rocha e lama, formações calcárias, cursos de água e à semelhança do que encontrei em Tana Toraja, caixões suspensos em grandes paredes de rocha. 🙂

IMG_1989 (FILEminimizer)      IMG_1996 (FILEminimizer)

IMG_2017 (FILEminimizer)       IMG_2021 (FILEminimizer)

IMG_2030 (FILEminimizer)

Depois de regressarmos ao centro da vila, enveredei sozinho estrada fora até encontrar a fantástica entrada da Semeangui Cave (caverna grande) e daí parti em busca da Lemagui Cave (caverna dos enterros), onde encontrei múltiplos caixões antigos de madeira a apodrecer e onde já começavam ossos a despontar. Para encontrar este local de culto, demorei duas horas, uma vez que falhei a interseção no trilho. 😛 De qualquer modo, durante esse tempo, andei por estradas tranquilas e fui observando a rural e agradável paisagem em redor de Sagada, os arrozais, as montanhas, os pinheiros, as aldeias e os aldeões. Desse modo, a manhã e o início de tarde foram passadas em deambulações. 🙂

IMG_2056 (FILEminimizer)      IMG_2060 (FILEminimizer)

IMG_2064 (FILEminimizer)       IMG_2104 (FILEminimizer)

IMG_2072 (FILEminimizer)      IMG_2113 (FILEminimizer)

IMG_2123 (FILEminimizer)

No regresso à vila, parei para almoçar no simpático, Sagada Brew  bastante arranjado, para os padrões asiáticos habituais – e daí voltei à guesthouse onde aproveitei para escrever um par de textos para o blog. Enquanto fazia isso, comecei a ouvir um som muito intenso e ao olhar pela janela, vi que estava a chover torreeeeeeeencialmente e que inúmeros raios rasgavam o céu, de forma quase contínua! Automaticamente, abortei a utópica “missão” de ver o pôr do sol e fui a uma pequena casa de impressões, onde encontrei uma internet supeeeeeeeeer-lenta, mas que foi suficiente para enviar um e-mail de parabéns e publicar mais um texto no blog. 🙂 Ao despedir-me de Sagada, pensei: “Adeus, vila tranquila e serena. Adeus, inesquecíveis cavernas. Adeus, antigo culto dos mortos.”

IMG_2132 (FILEminimizer)      IMG_2133 (FILEminimizer)

IMG_2140 (FILEminimizer)      IMG_2141 (FILEminimizer)

Em trânsito: Mayon & Luzon de Sul a Norte

Depois da visita a Donsol e ao reino dos simpáticos e dóceis gigantes, era altura de rumar ao norte da iha de Luzon. Bem cedinho rumei até Malabog, onde visitei as ruínas de Cagsawa e encontrei… o bonito, aliás o espetacular e praticamente simétrico cone do vulcão Mayon a dominar a paisagem! 🙂 Aí, passeei um pouco no meio daquela paisagem rural e escaldante. 😛 Os arrozais, os camponeses, os riachos e cursos de água, as vacas e os búfalos, as palmeiras, os verdes campos, os trilhos de areia negra. Tudo isto, com o vulcão como pano de fundo. Perfeito! 😀

IMG_1902 (FILEminimizer)      IMG_1904 (FILEminimizer)

Findada a breve mas entusiasmante visita ao reino do Mayon, segui para a cidade de Legzapi, onde tive a sorte de apanhar um autocarro para Manila, que estava mesmo, mesmo de saída! 🙂 O dia foi passado a dormitar, a observar a paisagem e passadas catorze horas, estava de regresso à grande metrópole. O “desembarque” na zona de Baclaran, foi feito na hora dos fantasmas e depois de perguntar onde podia apanhar um autocarro para norte, fiz um curto e rapidíssimo trajeto a pé naquelas ruas de ambiente soturno e um pouco negro até ao terminal da companhia Five Star. Sem sucesso na obtenção do bilhete, segui até à companhia Patras, onde fiquei um pouco agastado com a inoperância dos vendedores e na saída deste terminal, tentei apanhar um táxi para a zona de Cubao, onde existe o maior terminal de autocarros de Manila. Porém e apenas à terceira tentativa consegui seguir viagem, porque particularmente nesta cidade, os taxistas são cobras oportunistas e o processo de negociação deve ser conduzido com bastante atenção e prudência! Antes de seguirmos até Cubao, o meu “jarbas” disse-me que devíamos, ainda na zona de Baclaran tentar o terminal da companhia Victoria, e aí finalmente, consegui comprar o bilhete para Baguio.

IMG_1907 (FILEminimizer)      IMG_1914 (FILEminimizer)

IMG_1939 (FILEminimizer)

Apesar de existir um autocarro que estava de saída (1.00), apenas consegui comprar bilhete para as 4.00, e nesse compasso de aproximadamente três horas, escrevi no caderno, observei o ambiente circundante, atualizei a minha folha de gastos, li sobre Baguio e outros locais a visitar no norte, e falei via skype com a minha irmã. Já a bordo, tirei fotografias ao romper da colorida e vibrante aurora, adormeci e quando reabri os olhos reparei que o autocarro estava praticamente lotado 😛 , voltei a adormecer, observei a paisagem, e na chegada a Baguio (depois de sete horas e meia de travessia) a primeira impressão que tive, foi a de uma cidade fragmentada, construída em colinas e rodeada de pinheiros. Já depois de desembarcar e à medida que percorria a cidade, fiquei com a noção que o centro era mega compacto, muito movimentado e quanto mais observava, menos vontade tinha de ficar. Sentado à mesa do Macdonald´s, enquanto almoçava, ponderei as minhas alternativas e decidir arrancar para a vila de Sagada (ainda mais a norte). 🙂

IMG_1943 (FILEminimizer)

IMG_1950 (FILEminimizer)      IMG_1957 (FILEminimizer)

Quando parti desta cidade entre pinheiros, eram 13.00 e viagem até ao meu destino final durou aproximadamente seis horas e meia. Durante a travessia, continuei a dormitar, vi uma paisagem muito verde, de montes, vales, colinas, montanhas, pinheiros e outras árvores, socalcos castanhos, amarelos e verdes, estufas de vegetais, muitas transições no céu, desde o cinza/prateado até ao azul, neblina, a estrada sempre a serpentear, aldeias farruscas e quase, quase no final, rios, cascatas e uma estrada bastante esburacada. Quando cheguei a Sagada, já a noite cobria a terra. Nesta altura, fiquei no primeiro quarto que encontrei, uma vez que estava sem muita paciência para procurar mais. Afinal tudo o que queria, era tomar banho e repousar do cansaço acumulado das viagens dos dias anteriores. DonsolSagada. A travessia de aproximadamente mil quilómetros. De sul para norte. Na ilha de Luzon.

IMG_1970 (FILEminimizer)      IMG_1977 (FILEminimizer)

Donsol. No Reino dos Butandings

Depois de me inscrever no centro de interação, fiquei à espera de pessoas para partilhar barco, mas desde logo fui avisado pelos diligentes funcionários que não era provável haver muita procura, uma vez que o festival do Butanding iria começar no dia seguinte. 🙂 Mas perguntará o caro leitor, afinal o que é o que é isso de Butanding!? Tenha calma. A explicação virá nas próximas linhas. 😉

IMG_1778 (FILEminimizer)      IMG_1781 (FILEminimizer)

IMG_1782 (FILEminimizer)

Sem opções relativamente ao motivo que me levou até àquela vila no Sul da ilha de Luzon, decidi passar a noite em Donsol e para minha felicidade, encontrei um resort muito agradável e com excelentes condições. Aí, passei um dia relaxado a apanhar banhos de sol, mergulhei alternadamente no mar e na piscina que mais parecia uma sopa :P, escaldei os pés na areia escura da praia, atualizei o caderno, aproveitei para ver o tranquilo e sereno pôr do sol, passeei vagarosamente, ponderei ficar mais uma noite na vila, escrevi para o blog, seleccionei fotografias para o Facebook e… jantei na praia, com as estrelas sobre a minha cabeça. 😀

IMG_1792 (FILEminimizer)      IMG_1793 (FILEminimizer)     IMG_1810 (FILEminimizer)

No segundo dia em Donsol, acordei às 5.30 e às 6.00 já estava no centro de interação para o início das festividades da semana do Butanding. Aí, assisti à missa vespertina, falei com nativos e fui convidado para seguir a bordo numa romaria marítima. 🙂 Nessa viagem, falei com Jay Ray sobre Oslob vS Donsol e sobre os magníficos tubarões baleia  butandings, na língua filipina. 😉 – Durante este passeio/romaria fiquei a saber que este era um dia especial, e como tal, não tinha que pagar barco, nem tão pouco alugar uma máscara com snorkel, uma vez que ele me arranjou uma de borla! Nesse momento, voltei a sentir-me, tal como em tantos outros momentos desta viagem, um verdadeiro felizardo! 😀

IMG_1819 (FILEminimizer)      IMG_1844 (FILEminimizer)

IMG_1855 (FILEminimizer)     IMG_1863 (FILEminimizer)

Depois de regressarmos a terra, paguei a taxa ecológica/inscrição, fiz um pequeno compasso de espera e voltei a embarcar, desta feita para o tour dos tubarões baleia. 😀 Durante duas horas, andámos naquele mar azul em busca destes animais absolutamente incríveis e felizmente conseguimos encontrar um juvenil, de aproximadamente três metros, com quem mergulhámos sete vezes! Em Donsol, apesar de continuar a existir algum alarido à volta destes fantásticos seres, a experiência foi bastante mais natural do que em Oslob, uma vez que em aqui não há ofertas de comida para atrair estes gentis gigantes. 🙂 Apesar das imperfeições do sistema – tenho dúvidas que algum dia seja possível promover um que seja ideal! – existe o apoio da WWF e parece-me que apesar de tudo, o conceito resulta melhor que em Oslob. Desse modo, Donsol ficará simpaticamente guardada na minha memória como o reino dos Butadings. O reino dos tubarões baleia! 😀

IMG_1871 (FILEminimizer)      IMG_1872 (FILEminimizer)

IMG_1886 (FILEminimizer)      IMG_1888 (FILEminimizer)

Em trânsito: Travessia para… e em Luzon

Da ilha de Bohol, partimos via marítima para a ilha de Cebu, onde ficámos uma tarde e uma noite em compasso de espera, até partirmos para Manila via aérea. Durante essa tarde estive com a Nie no Cebu SM Mall, onde ela comprou recuerdos para a família, amigos e colegas do trabalho e eu aproveitei para comprar um telemóvel baratinho para substituir o defunto, que morrera em El Nido. 😛 No dia seguinte, partimos para o aeroporto internacional de Cebu-Mactan e aí enquanto esperava pelo embarque decidi que em Manila, apanharia um autocarro direto para Donsol.

A travessia entre ilhas foi praticamente passada a dormir, porém devido a uns exercícios militares, apenas pudemos aterrar quarenta minutos depois do horário previsto. Uma seeeeeeeeeeeca! No aeroporto de Manila, despedi-me da Nie (que nesse dia regressou à China) e apanhei um táxi para a estação de autocarros de Baclaran, que ficava nas imediações do terminal 3. Assim que cheguei, comprei o bilhete, mas como ainda tinha tempo aproveitei para comer qualquer coisinha e comprar reservas hídricas.

No regresso à estação, aproveitei para ir atualizando o caderno até partir. O autocarro arrancou às 18.00, já com uma horita de atraso – nada fora da normalidade – e durante o início da viagem, continuei a escrever, observei a bruta paisagem da enorme metrópole que hoje em dia é Manila  uma junção de cinco cidades e casa de doze milhões de almas – até que adormeci profundamente. Durante a longa travessia de doze horas para sul, apenas abri os olhos esporadicamente.

Na chegada à cidade de Legazpi, ao amanhecer, pude pela primeira vez observar o bonito cone praticamente simétrico do Vulcão Mayon, que dominava aquela paisagem verde, serena e rural. 🙂 Daí, até ao centro da vila de Donsol demorei aproximadamente uma hora e meia e assim que pûs os pés no chão, apanhei logo um tuk-tuk para o centro de interação. Eram 8.00, quando cheguei ao reino dos butandings.