Yangon para o Adeus

Depois de quatro dias praticamente perfeitos no “reino” de Bagan parti para Yangon, outras das antigas capitais do país, para acenar o adeus tanto a Myanmar, como a esta viagem. E o que posso dizer do meu último destino? Bem primeiro de tudo, fiquei hospedado na simpática Agga guesthouse onde encontrei uma cama confortável, A/C e pela primeira vez, uma internet que realmente funcionava. 😛

IMG_6481 (FILEminimizer)     IMG_5108 (FILEminimizer)

IMG_6489 (FILEminimizer)    IMG_6498 (FILEminimizer)

IMG_6499 (FILEminimizer)    IMG_6508 (FILEminimizer)

IMG_6514 (FILEminimizer)

IMG_5139 (FILEminimizer)     IMG_5171 (FILEminimizer)

IMG_6529 (FILEminimizer)     IMG_5187 (FILEminimizer)

O grande destaque da cidade é sem dúvida a dourada e resplandecente pagoda de Shwedagon, que à semelhança da rocha dourada de Kyaikhtiyo e da pagoda de Shwemawdaw (que se encontra em Bago) é dos locais mais sagrados do país para a etnia Mon. Tudo brilha, tudo é ouro, tudo é luz! Esta pagoda de dimensões épicas – aproximadamente cem metros – é de facto estonteante e está repleta de infinitos detalhes prontos a ser explorados e descobertos. Eu, a Naomi e a Anne – uma rapariga holandesa que conheci no autocarro para Yangon – saímos de lá maravilhados. 😀

SAM_5694 (FILEminimizer)     IMG_6623 (FILEminimizer)

IMG_5236 (FILEminimizer)     IMG_6600 (FILEminimizer)

IMG_6608 (FILEminimizer)    IMG_6616 (FILEminimizer)

IMG_6620 (FILEminimizer)    IMG_6629 (FILEminimizer)

IMG_6661 (FILEminimizer)     IMG_6672 (FILEminimizer)

IMG_6680 (FILEminimizer)    IMG_5333 (FILEminimizer)    IMG_6659 (FILEminimizer)

IMG_6676 (FILEminimizer)

Em Yangon e na companhia de Naomi, visitei o Museu Nacional que visto do exterior parece um hospital e o interessante Museu das Gemas, onde pudemos observar a beleza destas “pedras” preciosas e semi-preciosas e onde comprei uns recuerdos mais especiais. A cidade também se revelou uma excelente surpresa em termos gastronómicos e fiquei bastante impressionado com a quantidaaaaaaaaaaaaaaaade de vendedores que vendiam comida nas ruas e as pessoas que estavam constantemente a comer nas bancas! 🙂 O movimento de pessoas era frenético e às vezes pensava que estava numa mini Índia caótica e repleta de estímulos visuais, sonoros e olfativos.

IMG_5369 (FILEminimizer)      IMG_5373 (FILEminimizer)

IMG_6704 (FILEminimizer)      IMG_6713 (FILEminimizer)

IMG_6718 (FILEminimizer)     IMG_6721 (FILEminimizer)

IMG_6726 (FILEminimizer)

No último dia na cidade, em vez de continuar a mover-me mais e mais, resolvi parar totalmente e tive um dia muito sossegado e tranquilo. Vi o último filme que me restava no portátil – Stalker de Tarkovsky – organizei a mala e as fotografias tiradas em Yangon, e despedi-me de Myanmar, radiante com todas as maravilhosas experiências que tive no país. 😀

IMG_5398 (FILEminimizer)      IMG_5423 (FILEminimizer)

IMG_6728 (FILEminimizer)     IMG_6731 (FILEminimizer)

IMG_5471 (FILEminimizer)            IMG_7738 (FILEminimizer)

IMG_7747 (FILEminimizer)           IMG_5473 (FILEminimizer)

Os Terraços de Maligcong

Do reino do culto dos mortos, parti bem cedinho (7.00) para a cidade de Bontoc, onde rapidamente arranjei uma guesthouse. Resolvida a questão do poiso, apanhei um jeepney montanha acima, até à aldeia de Maligcong que ficava apenas a cinco quilómetros de distância, mas que fruto da estrada muito esburacada e da topografia acidentada, demorou mais de meia hora a ser alcançada. 😛

IMG_2145 (FILEminimizer)      IMG_2165 (FILEminimizer)

IMG_2171 (FILEminimizer)      IMG_2203 (FILEminimizer)

IMG_2213 (FILEminimizer)

Nessa aldeia, estive toda a manhã em deambulações e aí tive a oportunidade de observar pela primeira vez, e verdadeiramente uns terraços de arroz made in Filipinas. 🙂 Aqui encontrei terraços muito verdes e simultaneamente, cheios de água e reflexos. A paisagem era muito tranquila, serena e bonita, e para além de mim, só se viam camponeses nos seus afazeres: cortar erva, reconstruir terraços com lama, plantar arroz..

IMG_2222 (FILEminimizer)      IMG_2231 (FILEminimizer)

IMG_2233 (FILEminimizer)     IMG_2237 (FILEminimizer)

IMG_2241 (FILEminimizer)      IMG_2261 (FILEminimizer)

Por volta das 11.30 parti de Maligcong a andar, uma vez que apenas existia transporte de regresso às 14.00. 😛 Durante uma hora e meia, andei montanha abaixo até Bontoc, que vista do alto, era bastante maior do inicialmente supusera. Aí, visitei o interessante museu da cidade, onde pude ver a fantástica multiplicidade de tribos existentes no norte da ilha. 😀 Durante a tarde e à semelhança do dia anterior, aproveitei para descansar um pouco na guesthouse, escrever para o blog e já ao final da tarde vi umas extraordinárias nuvens que pairavam em redor das colinas circundantes. 🙂

IMG_2276 (FILEminimizer)      IMG_2283 (FILEminimizer)

IMG_2293 (FILEminimizer)      IMG_2296 (FILEminimizer)

IMG_2302 (FILEminimizer)      IMG_2307 (FILEminimizer)

IMG_2315 (FILEminimizer)      IMG_2324 (FILEminimizer)

Bailados e Danças em Yogyakarta

Às 11.30, estava de regresso ao hostel onde fiz finalmente o check-in e o meu primeiro passo foi tomar, finalmente um banho 😛 e lavar roupa. Durante a tarde, para além de repousar da ascensão, comecei a informar-me sobre tours para o vulcão Bromo e eventualmente para o vulcão Ijen (informação dada por Doni, aquando da minha estadia em Sintang), porém havia duas questões importantes. A companhia escolhida tinha de apanhar-me na cidade de Surakarta  meu próximo destino – e quando o tour terminasse, deixar-me em Surabaya   donde partiria para a ilha de Sulawesi.

IMG_8563 (FILEminimizer)     IMG_8567 (FILEminimizer)

Nesse sábado à noite, na zona do templo de Prambanan assisti a um espetáculo de bailado/ballet Ramayana e o mesmo valeu bastante a pena. 🙂 A sua beleza residiu principalmente nos gestos dos bailarinos, ora delicados e precisos (que algumas vezes parecem robóticos), ora mais enérgicos. A iluminação, os trajes, a voz do narrador em sânscrito e o som dos instrumentos musicais, à semelhança da performance de Wuyang Kulit, ajudaram à difusão da magia e voltei a ser transportado para o mundo místico dos deuses hindus. 🙂

IMG_8364 (FILEminimizer)     IMG_8378 (FILEminimizer)

IMG_8389 (FILEminimizer)      IMG_8395 (FILEminimizer)

IMG_8399 (FILEminimizer)

No último dia em Yogyakarta, visitei o bonito Keraton (palácio do sultão), onde tive a oportunidade de ver mais um espectáculo de dança javanesa (quatro performances de dança mais curtas, com diferentes bailarinos) e o agradável museu de Sonobudoyo. Antes de voltar ao hostel onde tive uma tarde tranquila (arrumar a mala, organizar as fotografias e descansar…), voltei a comer pizza passados vários meses, mas no final fiquei ligeiramente desiludido com o sabor da  Pizza Hut. Enfim, nada como a comida indonésia tradicional! 😉

IMG_8103 (FILEminimizer)      IMG_8444 (FILEminimizer)

IMG_8461 (FILEminimizer)      IMG_8466 (FILEminimizer)

IMG_8501 (FILEminimizer)      IMG_8511 (FILEminimizer)

IMG_8528 (FILEminimizer)      IMG_8535 (FILEminimizer)

IMG_8541 (FILEminimizer)      IMG_8146 (FILEminimizer)

IMG_8139 (FILEminimizer)     IMG_8128 (FILEminimizer)

IMG_8546 (FILEminimizer)      IMG_8558 (FILEminimizer)

IMG_8557 (FILEminimizer)

Dias em Sintang & Travessia para Tanjung Puting

Na chegada à casa de Doni, depois daquela viagem cansativa e molhada, reparei que tinha a mochila encharcada! Causando-me uma imediata preocupação, o delicado Wayang comprado em Yogyakarta (felizmente, sobreviveu bem ao banho forçado). Em Sintang, fiquei hospedado durante um par de dias, na companhia do meu cicerone e da sua adorável família, e durante esse tempo comi muito e bem, fumei como uma chaminé, conversei, repensei a minha rota e no facto de ter de voltar a Jakarta, devido à avaria da máquina fotográfica, fiz mais uma sessão de motivação na escola onde a esposa de Doni era professora, visitei o agradável museu da cidade, continuei a conversar com aquelas pessoas tão simpáticas, calorosas e amáveis e apanhei um autocarro que me levou de volta a Pontianak, numa viagem que demorou nove horas.

IMG_6954 (FILEminimizer)     IMG_6962 (FILEminimizer)

IMG_6965 (FILEminimizer)     IMG_6967 (FILEminimizer)

IMG_6989 (FILEminimizer)     IMG_7009 (FILEminimizer)

À capital ocidental de Kalimantan, cheguei às 4.00, sem paciência para os incontáveis ojeks que me rodeavam. Comecei então a andar a pé, até uma zona mais tranquila e aí decidi apanhar um ojek para o porto de Seng Hei. Depois de comprar o bilhete, aguardei pela partida, mas antes da mesma conheci o irmão de Supriadi que era o segundo capitão do barco. 🙂 A viagem de cerca de oito horas até Ketapang, foi confortável e passou rapidamente, uma vez que durante a viagem aproveitei para atualizar a minha folha das despesas (excel), o meu caderno e escrever mais textos para o blog.

IMG_7012 (FILEminimizer)      IMG_7014 (FILEminimizer)

IMG_7015 (FILEminimizer)      IMG_7018 (FILEminimizer)

Chegámos a Ketapang por volta das 15.00 e no desembarque fiquei dentro do barco. Aos poucos, a tripulação foi-me fazendo algumas perguntas e lentamente consegui transmitir-lhes que queria ficar a dormir com eles no interior do barco. Entretanto arranjaram-me um ojek de confiança (Mr. Houdini) e com ele fui até ao aeroporto comprar o bilhete para Pangkalabun, o meu próximo destino. Com esse assunto resolvido, voltei à zona do porto e durante o resto da tarde/noite estive em confraternização (falar, fumar, beber, comer…), arranjei graças ao Doni o contacto de Mr. Ani (um dos responsáveis pelo parque nacional de Tanjung Punting), comecei a preparar papéis para ir à embaixada de Myanmar (voos, hotel, extrato bancário…) e apesar de me deitar cedo, passei uma noite pouco descansada.

IMG_7021 (FILEminimizer)     IMG_7024 (FILEminimizer)

IMG_7025 (FILEminimizer)

Às 6.30, o Mr. Houdini já estava a apitar em frente do barco, apesar de apenas termos combinado às 7.00! 😛 A verdade é que essa situação foi benéfica, pois antes de seguirmos para o aeroporto, pedi-lhe para ele me levar até a um multibanco e assim fiquei descansado relativamente aos fundos. Antes do embarcar comi, atualizei o caderno, fiz o check-in (como a balança estava inactiva, não paguei excesso de bagagem), paguei a célebre taxa aeroportuária, “escrevinhei” mais um pouco para o blog, vi aviões a aterrar e a descolar, e embarquei rumo ao parque natural dos orangotangos e dos crocodilos. 😀

IMG_7033 (FILEminimizer)      IMG_7036 (FILEminimizer)

IMG_7040 (FILEminimizer)

Yogyakarta. Cultura Javanesa

Depois da noite passada no comboio – onde fui dormindo aos bocados – cheguei a Yogyakarta às 6.30. Depois de percorrer parte da cidade, encontrei o Edu hostel, possivelmente um dos melhores hostels de toda a viagem (bem decorado; staff eficiente e prestável; bons serviços; zona de estar confortável – puff´s, sofás, televisão, wifi; cama com um bom colchão, ar condicionado e água quente). Pedir mais era de facto difícil! 😀    

IMG_5591 (FILEminimizer)      IMG_5590 (FILEminimizer)

Depois de guardar a bagagem, parti de autocarro para o templo hindu de Prambanam e pelo caminho conheci um rapaz indonésio com quem entrei no complexo. Graças a esse facto, tive conhecimento da gritante diferenças de preços paga pelos turistas ocidentais em relação aos nativos (de 30.000 IDR, o preço passa para 210.000 IDR, “apenas” sete vezes mais!!) e fiquei a saber que quem faz a exploração deste templo, bem como o de Borobudur é uma empresa privada! Diga-se, que esta situação é demonstrativa da corrupção existente na Indonésia, uma vez que temos o património público a ser explorado em benefício de privados. Uma vergonha!

IMG_5709 (FILEminimizer)      IMG_5711 (FILEminimizer)

Relativamente ao complexo de templos propriamente dito, o principal deles é de facto impressionante em termos de área e construção “sólida”, porém tendo em conta a minha visita ao “triângulo” da Tailândia (Sukhothai, Ayutthaya e Phimai) não posso dizer que tenha ficado deslumbrado. Tal, não quer dizer que não valha a pena visitar o local, apenas que não houve nenhuma “magia” associada. Continuei a minha deambulação pelo complexo e quando estive sozinho no Wat Sewu (segundo maior templo budista do país, depois do de Borobudur) e na zona do museu, senti então uma atmosfera tranquila e serena. 🙂

IMG_5596 (FILEminimizer)     IMG_5601 (FILEminimizer)

IMG_5640 (FILEminimizer)      IMG_5673 (FILEminimizer)

Quando voltei ao centro da cidade, fui deixado na rua mais turística da cidade, a Jalan Malioboro. Aí almocei um excelente Bakso (sopa com “almôndegas”), fui interpelado à vez e por três indivíduos que pela conversa me pareceram burlões e quase no final visitei o museu Vredeburg (antigo forte holandês e que na atualidade é o museu da história da Independência da Indonésia). Daí segui para as imediações da Masjid Gedhe Kauman e do Keraton (palácio do sultão) que tentei visitar, mas que já estava fechado.

IMG_5721 (FILEminimizer)      IMG_5728 (FILEminimizer)

IMG_5741 (FILEminimizer)      IMG_5744 (FILEminimizer)

Depois de jantar dirigi-me para o museu Sonobudoyo, para assistir a um espetáculo de marionetas (Wuyang Kulit) e antes do início pude admirar o trabalho dos artesãos quem fazem aquelas pequenas obras de arte (marionetas feita em pele e pintadas com cores muito vivas). A verdade é que fiquei de tal modo, impressionado, que fui “levado” a comprar uma delas, pensando que quando chegasse Portugal a ia colocar num quadro. 🙂 Dirigi-me então para o interior da sala onde assisti pela primeira vez a uma performance de Wuyang Kulit e depois do que vi, posso afirmar que mesmo não percebendo nadinha de sânscrito, gostei bastante do ambiente envolvente (o som dos instrumentos de percurssão, as vozes femininas e a do narrador, os gestos lentos e delicados do “jogo” de sombras e a possibilidade de ver o lado reverso) e fui transportado para um mundo mágico, mítico e mitológico de Deuses e Deusas do Oriente.  

IMG_5772 (FILEminimizer)      IMG_5781 (FILEminimizer)

IMG_5784 (FILEminimizer)      IMG_5792 (FILEminimizer)

IMG_5802 (FILEminimizer)

Jakarta Days

Após a looooooooooooonga odisseia, já na saída da estação negociei com um motorista a minha ida para o hotel Syariah, que para os meus padrões era bastante luxuoso (ar condicionado, água quente, casa de banho privada, jantar e pequeno-almoço incluídos, wifi) e que tinha a localização ideal para ir à embaixada das Filipinas (a partir do momento que decidi ir até Jakarta arranjar a máquina fotográfica, aplicar o visto para entrar posteriormente naquele país passou a ser uma prioridade).

Desse modo, aqueles dias em Jakarta, passaram a ser dias para resolver assuntos pendentes. Primeiro fui aplicar o visto à embaixada e fiquei bastante agradado com a rapidez e eficiência do serviço (ainda para mais, depois da péssima experiência que tive em Timor Leste). Depois mudei-me para uma guesthouse mais modesta, mas com ótimas condições nas imediações da Jalan Jaksa (Nina house, Tel. 0812 1233 0026) e seguidamente apanhei um ojek para o centro de reparações da Canon, onde fiquei a saber que a objetiva, estava com o diafragma avariado e fiz um pouco de pressão, para o arranjo demorar o menos possível. Tanto a máquina, como o visto estavam prometidos para dali a quatro dias (terça feira).

Jakarta não é conhecida por ser uma cidade turística, aliás até existem pessoas que detestam a cidade, porém e sem nada poder fazer para acelerar o tempo, aproveitei para conhecer um pouco melhor aquela megalópolis. O coração do turismo situa-se à volta da praça Fatahilah e da antiga zona de Kota, onde nos arredores se encontram edifícios antigos parcialmente destruídos, degradados e abandonados, um canal de águas sujíssimas, ruas cheias de lixo, pessoas pobres mas dignas, um tráfego caótico (como em toda a cidade), uma poluição sonora e atmosférica bastante incómodas. Tudo somado resulta numa cidade “bruta” e realíssima, como poucas vezes presenciei na vida, tal como em Haikou e Semporna.

Na capital, também passei nas imediações da gigantesca e branca Masjid Iqtal, visitei o monumento nacional MONAS (um enorme obelisco de cento e trinta e dois metros de altura, coroado no topo, com trinta e cinco quilogramas de ouro maciço em forma de chama) e o Museu Nacional (onde pude comprovar a enorme multicularidade do país e a enorme singularidade de tribos que existia no arquipélago, que se foram perdendo – habitações, vestuário, escultura, religião, artefactos…). Outra zona da cidade que visitei, foram as grandes avenidas de M.H. Thamrim e Jend Sudirman, onde pude ver o lado moderno da cidade, as torres de aço e vidro, sedes de bancos e agências de seguros, hotéis de luxo e enormes centros comerciais em contraste com os bairros circundantes (dialética da cidade).                

Na cidade, uma vez que o ritmo foi mais lento e relaxado, aproveitei para falar via skype com a minha família e alguns amigos, escrevi bastantes textos para o blog, comecei a procurar informações sobre voos de regresso a Portugal, percebi que para chegar às Filipinas, só voando mesmo (não existem barcos que liguem os dois países) e comi deliciosa e baratíssima comida local (tal como Bangkok a comida nesta capital é deliciosa). 😀 Na terça feira, como previamente acordado fui buscar o passaporte e a objetiva, despedi-me de Jakarta e apanhei um comboio noturno na direção do coração da cultura JavanesaYogyakarta antiga capital do sultano de Mataram, seria o meu primeiro destino.

Back to KL. Couchsurfing e Viagem ao Mundo do Islão

IMG_6674 (FILEminimizer)      IMG_6675 (FILEminimizer)

Nesta segunda visita a Kuala Lumpur, tive a minha primeira experiência de couchsurfing e fiquei alojado na zona de Bangsar, num “palácio” com vista para a cidade, condomínio privado e com acesso a uma piscina! Sortudo!? Naaaaaaa… 😛 o meu anfitreão, Raul trabalha numa equipa de criativos de marketing e durante os dias que estive em sua casa revelou-se bastante amistoso, mas ao mesmo tempo muito ocupado. Desse modo, um dos melhores momentos que tivemos juntos foi quando visitei o seu escritório e aí tive a oportunidade de observar a cidade do alto e de ver como uma decoração colorida, engraçada e leve ajuda a promover um ambiente inspirador e criativo. 🙂

IMG_6692 (FILEminimizer)     IMG_6812 (FILEminimizer)

Em três dias, visitei as Batu Caves (conjunto de templo hindus que ficam no interior de uma grande caverna); a Mesquita Nacional, onde conheci um rapaz sírio (de olhos azuis e pele branca!) com que fiquei a conversar sobre a religião islâmica (“Sabes porque Deus nos fez  todos diferente? Para aprendermos uns com os outros!” 😀 ); o bonito e interessante Museu Islâmico e o entediante Museu Nacional, que a única parte interessante que teve foi quando aprendi um pouco sobre Malaca e a sua conquista por nós portugueses, a 24 de Agosto de 1511. 🙂

IMG_6724 (FILEminimizer)       IMG_6728 (FILEminimizer)

Para além das visitas que fiz e das conversas que tive, escrevi alguns textos para o blog, atualizei o caderno e apanhei um bus noturno para Kuala Besut, a cidade onde iria apanhar o barco para as ilhas de Perhentian, meu próximo destino.

IMG_6791 (FILEminimizer)      IMG_6871 (FILEminimizer)

Brunei Darussalam. 48 horas na Gaiola Dourada

Depois dos entediantes dias em Kota Kinabalu e a caminho do estado de Sarawak, fiz uma paragem de aproximadamente quarenta e oito horas num dos países mais pequenos do mundo e num dos mais ricos, Brunei Darussalam. Politicamente, o país é um sultanato islâmico e não se pode dizer que seja o país mais livre do mundo, porém em áreas como a segurança e o desenvolvimento económico é quase imbatível.

IMG_5124 (FILEminimizer)

A viagem entre Sabah e o Brunei foi feita de barco e na chegada e a caminho da capital, Bandar Seri Begawan (BSB) conheci um casal de espanhóis (Javier e Esther) que viviam e trabalhavam na ilha de Palawan nas Filipinas. A verdade é que acabámos por nos juntar e o tempo que passei no país ficará para sempre associado a este simpático casal. 🙂

IMG_5155 (FILEminimizer)

Os dois dias que estivemos no país foram dias cheios! 🙂 E ao visitar a capital, saboreámos, vimos e sentimos as suas diferentes facetas: as fabulosas e grandiosas mesquitas (Omar Ali Saifuddien e Jame´ Asr Hassamil Bolkiah); a deliciosa comida de rua; os encantadores piqueniques noturnos; as matinais e maquinais paradas da polícia; o educativo e interessante museu do país e o propagandista museu dos presentes reais.

     IMG_5160 (FILEminimizer)         IMG_5185 (FILEminimizer)

IMG_5236 (FILEminimizer)

Num dos dias, passeámos de barco no rio, Sungai Brunei e para além das panorâmicas sobre a cidade, visitámos o coração da antiga capital, o bairro de Kampung Ayer que está totalmente construído sobre a água (mesquitas, estações de bombeiros, escolas, museus, áreas residenciais e lixo infinito espalhado!); à distância, o absurdo e “obsceno” palácio da família real, Istana Nurul Iman (200.000 m2, 1788 quartos, 5 piscinas… :/ ); e ainda tivemos tempo para ver um manguezal, tentar caçar fotos de proboscis monkey e ver um pôr do sol maravilhoso e cheio de cor sobre a capital do Brunei, a gaiola dourada.

      IMG_5327 (FILEminimizer)        IMG_5378 (FILEminimizer)

IMG_5459 (FILEminimizer)

P.S. – O termo “gaiola dourada” vem do facto de os habitantes do país terem bastante dificuldade em sair livremente do mesmo. Desse modo vivem tal como os canários, uma vida confortável mas em “clausura”.

Museu de Xangai

Edifício

IMG_0477 (FILEminimizer)      IMG_0539 (FILEminimizer)

Escultura

IMG_0399 (FILEminimizer)    IMG_0408 (FILEminimizer)    IMG_0409 (FILEminimizer)

Bronze

IMG_0414 (FILEminimizer)      IMG_0415 (FILEminimizer)
IMG_0423 (FILEminimizer)     IMG_0429 (FILEminimizer)

Cerâmica

IMG_0554 (FILEminimizer)     IMG_0558 (FILEminimizer)

Etnias Minoritárias

IMG_0494 (FILEminimizer)

Jade

IMG_0518 (FILEminimizer)

Mobiliário

IMG_0526 (FILEminimizer)

Reencontro e Despedida em Suzhou

Em Suzhou reencontrei a Yue – rapariga que conheci em WulingYuan  e o meu primeiro dia na cidade foi passado com ela. 🙂 Enquanto comíamos uns Sheng Jian Bao absolutamente divinais, falámos sobre distintos conceitos de beleza, por exemplo na China e outros países orientais associa-se a beleza das pessoas à cor branca e nos países ocidentais associa-se a beleza e a saúde das pessoas à cor morena.

IMG_9644 (FILEminimizer)       IMG_9646 (FILEminimizer)

Terminados os assuntos de beleza e gastronómicos rumámos ao belo museu de Suzhou e muito possivelmente última obra de I.M. Pei – único arquitecto de origem chinesa realmente famoso e que passou grande parte da sua infância nesta cidade – e daí seguimos até ao jardim mais afamado da cidade: The Humble Administrator´s e também o mais dispendioso… 😛 De qualquer modo foi uma bela visita e o jardim vale de facto a pena, e se existir algum defeito a apontar só o excessivo número de turistas e franceses… 🙂 Antes de nos despedirmos ainda passámos por Pingjiang Road que é uma zona da cidade bastante agradável, tranquila e que fica nas proximidades de uns canais, onde a Yue me mostrou um café/livraria/papelaria onde é possível enviarmos postais a nós próprios com anos de diferença, ou seja, podemos enviar um postal hoje e recebê-lo daqui a dez anos, por exemplo… o máximo! 😉

IMG_9650 (FILEminimizer)     IMG_9677 (FILEminimizer)

IMG_9652 (FILEminimizer)    IMG_9683 (FILEminimizer)    IMG_9750 (FILEminimizer)

   IMG_9722 (FILEminimizer)      IMG_9762 (FILEminimizer)

Como a Yue tinha uma festa de aniversário, não pudemos jantar juntos e quando demos um abraço sentido ficámos na dúvida se aquela era a nossa despedida definitiva e se seria a última vez que nos veríamos. :/

IMG_9788 (FILEminimizer)       IMG_9793 (FILEminimizer)

P.S. – Combinámos reencontrar-nos no dia seguinte mas apenas e caso ela conseguisse ter algum tempo disponível, uma vez que andava com prazos apertados na faculdade.