Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Cascata de Kuangsi

CascataKuangsi_Blog

A visita à cascata de Kuangsi – pode encontrar mais aqui – realizou-se depois de uma noite de recuperação da malfadada bactéria. Apesar de nesse dia, o vigor físico não estar no auge, todo o enquadramento da beleza natural – a grandeza da cascata e dos seus três patamares, a luxuriante e verde paisagem, as múltiplas piscinas de água azul cristalina – fizeram com que a visita, vale-se de facto a resilência.

Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Luang Prabang

LuangPrabang_Blog

Na antiga capital dourada de Luang Prabang e centro cultural do país – pode encontrar mais aqui – reencontrei o rio Mekong, assisti ao ritual matinal e diário dos monges açafrão, levei uma sova de uma bactéria e nas suas imediações visitei a cristalina cascata de Kuangsi.

Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Shenzhen

Shenzhen_Blog

Na cidade de Shenzhen e zona económica especial – pode encontrar mais aqui – curei parcialmente a incomodativa hemorróida, antes de cruzar a fronteira em direção a Hong Kong.

Kota Kinabalu e o Tédio

Depois da semana feliz em Mabul regressei à costa oeste de Sabah e à sua capital, Kota Kinabalu e aí estive durante quatro dias… demasiado tempo… à espera de um mercado, o clímax lá do sítio. 😛

    IMG_5041 (FILEminimizer)      IMG_5058 (FILEminimizer)

Durante esses dias, fiz a aplicação do visto para a Indonésia (já preparando a futura entrada no país); voltei ao hospital como medida de prevenção, pois o tornozelo teimava em não desinchar :/ ; reencontrei-me com o John (rapaz que me deu boleia no primeiro dia no Bornéu) com quem bebi umas cervejas e falámos das nossas vidas; atualizei o caderno e escrevi textos para o blog; visitei a abooooooorreeeeeecidaaaaaaa cidade e o interessante mercado matinal de Domingo em Jalan Gaya, onde se vende um pouco de tudo (plantas, frutos, animais, roupa, calçado, bijuteria, artesanato, livros, sabonetes, brinquedos, comida e bebida, medicamentos tradicionais, relógios, perfumes, postais, loiça, santos…); troquei alguns e-mails com o Parque Natural de Mulu; e entediei-me profundaaaaaaaaaamenteeeeeeeeeee

       IMG_5085 (FILEminimizer)       IMG_5101 (FILEminimizer)

Sepilok. Inchaço, Floresta e Orangotangos

Depois da ascensão da montanha Kinabalu, as pernas ressentiram-se do esforço despendido, principalmente o tornozelo esquerdo que ficou com um inchaço considerável e como tal, antes de partir para Sepilok tive dois dias mais repousados na base da montanha e nas imediações do lodge.

IMG_3710 (FILEminimizer)

Durante a semana e como o inchaço não desapareceu com o tempo, os dias em Sepilok ficaram marcados por uma ida ao médico em Sandakan que me revelou que a causa deste inchaço, era um agente externo – possivelmente algum inseto ou bactéria. Por esse motivo, apesar dos dias serem fisicamente mais tranquilos, foram mentalmente mais stressantes, pois tinha um segundo curso de mergulho já marcado em Semporna – nas imediações das ilhas de Sipadan e Mabul – e o médico não me aconselhava a mergulhar, caso o tornozelo não voltasse ao normal. :/

IMG_3728 (FILEminimizer)     IMG_3731 (FILEminimizer)

De qualquer modo e nos quatro dias passados em Sepilok ainda deu para ver nas imediações do lodge uns crocodilos “velhacos” e uma bonita e elegante ave branca; fazer duas visitas ao RDC (Rainforest Discovery Center) onde tive novamente contato com uma floresta tropical e com o seu ambiente verde, quente e extremamente húmido – cheirinho a selva; mas principalmente fazer duas visitas ao centro de proteção dos Orangotangos, onde tive a oportunidade de observar pela primeira vez estes bonitos primatas. 🙂 Neste centro, a maioria são órfãos e como tal, têm de ser ensinados a alimentarem-se e a tornarem-se independentes. O problema é que de todos os primatas, os orangotangos são os mais dependentes da progenitora e como tal o caminho para a completa reabilitação é moroso e exigente.

IMG_3833 (FILEminimizer)     IMG_3849 (FILEminimizer)

Apesar de alguns deles parecerem bastante debilitados, foi bom observar e aprender que estes animais estão a ser tratados com toda a dignidade possível. Mas o melhor de tudo, foi sem dúvida ter a oportunidade de ver as traquinas crias juntamente com as extremosas mães. Comovente… encantador! 🙂 Saí de Sepilok, muito FELIZ e a sentir que estava num sonho. Sonho esse, que tinha o nome… Bornéu! 😀

IMG_4252 (FILEminimizer)     IMG_4259 (FILEminimizer)

Doente em Prabang

Depois de deambularmos mais um bocado pela cidade, voltámos à guesthouse e senti-me mole com o calor da rua. Deitei-me um bocado para repousar e durante horas fui dormitando. Por volta da 18.00 disse ao Zhou para ele ir jantar, que não me apetecia mexer e fui até à casa de banho onde fiz diarreia – pela primeira vez na viagem. Depois disso comi uma banana e em menos de cinco minutos estava a vomitar e fui à mala buscar o termómetro, para ver se tinha febre e tinha… 38.5 °C. Como sentia o corpo todo partido e  por uma questão de prevenção, decidi ir ao hospital  o que na Europa não nos mata, aqui nunca se sabe. :/

Já na rua e uma vez que o hospital ficava a quatro quilómetros do centro da cidade, fiz sinal para um tuk-tuk parar e mesmo cheio de febre consegui negociar o preço e baixar o mesmo para metade – de 30.000 kip passou para 15.000 kip – aliás parte da argumentação baseou-se em: “Estou doente e cheio de febre e você quer aproveitar-se da minha fragilidade”. Quando cheguei às urgências do hospital, sentei-me e esperei que alguém reparasse em mim e passados dez minutos duas enfermeiras vieram ter comigo. À medida que fui respondendo às questões de rastreio, fui sendo encaminhado para uma zona do hospital que estava deserta e aí numa sala, deitei-me numa maca até ao médico chegar.

Quando ele chegou começou a fazer-me perguntas, a apalpar-me – de um modo clínico… juízo! 🙂 – e depois de me medirem novamente a temperatura (39 °C), tiraram-me sangue para fazer análises. Antes de se ir embora o médico deu-me um paracetamol e disse-me que podia estar infetado com Dengue. :/ Enquanto estava sozinho na maca, a olhar para o teto branco e para a ventoinha que girava, pensei que não queria ser vencido por um mosquito e que caso estivesse infetado com Dengue, esperava poder resolver o problema no Laos! Após meia hora de espera, o médico apareceu com os resultados e disse que não tinha Dengue ou Malária – esta era difícil, uma vez que ando a fazer a sua profilaxia – e que tinha uma forte infeção bacteriológica, fruto muito possivelmente de alguma comida em piores condições. Fui medicado com os minha própria medicação (antibiótico – ciprofloxacina; imodium para a diarreia; e paracetamol até ficar sem febre) e na despedida agradeci várias vezes o bom auxílio prestado e saí do hospital bastante aliviado com o diagnóstico. 🙂

Para voltar ao centro da cidade tive que voltar a regatear o preço da viagem com o condutor do tuk-tuk e na chegada ao centro, ia-me espetando no chão quando tive a péssima ideia de saltar do veículo quando ele ainda não estava completamente parado. “Ai, Kiri, Kiri…não te armes em John Rambo! A bactéria já é suficiente para te dar uma sova!” 😛

Dias em Portugal

Durante os dezanove dias em que estive em solo Luso, fiz uma grande surpresa a toda a gente e fiquei radiante por ter proporcionado alegria à minha família, M. e amigos. Como não ficar FELIZ por proporcionar felicidade a quem nos ama? 😀 Para além de distribuir felicidade, passei o máximo tempo com as pessoas, comi a deliciosa comida do nosso país, o meu organismo resolveu o problema da malfadada hemorróida  após uma segunda consulta já em Lisboa – fui ao dentista, toda a bagagem levou uma limpeza profunda e foi reestruturada ligeiramente, engordei um par de quilos, resolvi algumas burocracias que tinham ficado pendentes aquando da minha partida, acabei de escrever o meu primeiro diário da viagem, fiz um backup das fotografias e instalei programas em português, apanhei uma multa – por ausência de documentos – soube que uns amigos meus iriam ser pais e outros casar e… amei e fui amado. 😀 Esta viagem foi completamente inesperada mas muito, muito gratificante e só posso dizer: “Obrigado por TUDO! M., família e amigos!”

 P.S. – Escrito no voo de regresso a Hong Kong (Lisboa – Amesterdão).

Hong Kong. A(ntes).P(ortugal).

No dia seguinte iria partir para Portugal e fazer uma mini-paragem na viagem. Já a contar com as viagens de ida – Portugal – e regresso – Hong Kong  esperava que essa paragem durasse dezanove dias. A grande incógnita era a hemorróida e saber se esta iria sabotar ou não o meu regresso! :/ De qualquer modo e graças à medicação, a verdade é que me sentia consideravelmente melhor. 🙂 Desse modo e antes da minha partida resolvi aproveitar o dia e visitar a metrópole.

IMG_2791 (FILEminimizer)      IMG_2817 (FILEminimizer)

Durante os primeiros instantes o que me saltou logo à vista foram as pessoas de diferentes origens – meelting pot  os prédios altos e uma pedinte à porta do metro de Causeway Bay e se inicialmente pensei visitar o Victoria Peak, fruto do dia muito pardacento e cinzento depressa desisti dessa ideia. Resolvi então deambular pela cidade e logo no início pude observar o grande contraste de ambiente entre o fancy Queensway plaza e os seus passadiços superiores. Devido a ser Domingo, dia de descanso, há multidões de mulheres sentadas que aproveitam para confraternizar entre si e através da culinária e da partilha de comida voltam aos seus países de origem, à sua cultura e raízes mais profundas. 🙂

IMG_2784 (FILEminimizer)      IMG_2814 (FILEminimizer)

IMG_2853 (FILEminimizer)      IMG_2874 (FILEminimizer)

Ao longo de Harcourt Road e no HK Convention Center fui tirando fotografias, e no cais de Wan Chai apanhei um ferry em direção a Kowloon e à outra margem da cidade. Quando aí cheguei pude ver o luxo existente na zona de Canton Road e do Heritage e este pôs-me a magicar quanto custaria uma refeição ou até um simples e “humilde” café no seu interior.

IMG_2889 (FILEminimizer)      IMG_2897 (FILEminimizer)

Desta zona, rumei a Nathan Road e aí pude observar alguns arranha-céus de aço e vidro, mas principalmente prédios velhos e sujos, letreiros espalhados por todo o lado e multidões a circular – principalmente na Sai Yeung Chai street que é uma rua  que está vedada ao trânsito. Desse modo a longa Nathan Road revelou-se um espetáculo diferente e o enorme tráfego humano e automóvel – principalmente táxis e autocarros – condimentaram a cidade e revelaram camadas mais profundas da mesma. Em Haiphong road o fogo-de-artifício continuou – (restaurantes porta sim, porta também – e o espectáculo foi encerrado pela Locked e pela Peking road. 🙂

IMG_2962 (FILEminimizer)      IMG_2949 (FILEminimizer)

Shenzhen. Sangue, Hospital e a Honorável Utente

A viagem da estação de comboios para o hostel decorreu com normalidade, não fosse o momento em que me levantei do banco do metro, e ao encontrar sangue no mesmo pensar: “Oh Diabo! Acho que aquilo não estava ali quando me sentei.” :/ Depois de chegar ao hostel, fiz o check-in e fui à casa de banho verificar o que se passava. E o que vi deixou-me preocupado. Os boxers estavam completamente ensanguentados, a ponto do sangue ter repassado para os calções e ter deixado uma bela mancha de sangue neles! Tomei banho, cortei os boxers e transformei-os em duas semi-fraldas, vesti-me e como não estava muito bem pensei ir ao médico, afinal daí a dois dias teria um dia muito looooooongo no aeroporto e não convinha estar tão embaixo de forma. :/

Já no hospital encontrei uma utente que me ajudou a traduzir o que sentia e qual o meu problema. Graças a ela, fui assistido por um especialista que assim que me observou fez um som que me pareceu mau sinal e depois veio a confirmação: hemorróida com péssimo aspecto! E com fortes probabilidades de ter de ser operado em Portugal! 😦 Antes de nos despedirmos receitou-me três tipos de comprimidos diferentes, uma pomada e aconselhou-me a ir ao médico o mais rápido que conseguisse, assim que chegasse a Portugal.

Em trânsito: Lushan – Shenzhen. 24H

A viagem de Lushan para Shenzhen decorreu primeiro de mini-van (quarenta e cinco minutos entre Lushan e JiuJiang) e depois de comboio. Uma longa viagem de comboio que se iniciou às 13.22 e terminou às 5.50 do dia seguinte, sensivelmente dezasseis horas e meia! Durante sete horas escrevi no caderno, falei com um rapaz que conheci no comboio – Zhang Zulin, informático – alimentei-me e deitei-me para tentar dormir apesar das persistentes e incomodativas dores no… “ass”! :/