Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Xi´an

Xian_Blog

Xi´an uma das antigas capitais do Império do Meio é casa dos afamados soldados de terracota, de altas e graciosas pagodas, muralhas bem conservadas, ricos e interessantes museus, de um quarteirão islâmico sensorial… é assim uma cidade repleta de ossos vivos do passado – pode encontrar mais aqui – mas simultaneamente voltada para o presente. Na fotografia pode observar-se o movimento de uma rua, num rotineiro final de tarde.

Em trânsito: Xi´an – Chengdu. Andando…

Da viagem entre Xi´an e Chengdu não guardo memórias muito especias. Apenas dois ou três apontamentos me ficam na retina. O primeiro? Ser o único galo do galinheiro (compartimento de seis camas) e de ajudar as senhoras a arrumarem as bagagens. 😉 O segundo, uma conversa que tive com uma rapariga chinesa, durante a qual falámos sobre os locais que eu ía visitar na província de Sìchuān e de diferentes rotas possíveis. Mais uma vez reaprendi a ler o bilhete de comboio, inclusivamente os caracteres para escolher onde queria a cama (topo, meio ou baixo). Em terceiro, quando no dia seguinte vi finalmente e pela primeira vez, uma paisagem realmente verde na China! 🙂 Estava coberta de uma flor amarela que cobria campos e campos sem fim e se chama Youcaihua, esta, é muito característica das províncias de Sìchuān e Yúnnán.

Gente, gente…Gente! Quente, quente…Quente!

Na estação de comboios de Xi ´an e antes de partir para Chengdu, havia gente, gente, gente… muita gente. Multidões!  E estava quente, quente, quente…muito quente. Um calor dos diabos! E entretanto continuo sem perceber porque é que os chineses acampam “à porta” das estações de comboios.

Espera no inferno

O Dia da Cinza

Conforme o combinado no dia anterior, às 11.00 encontrei-me com um dos rapazes que conhecera em Huashan no Portão Sul da muralha. O dia era cinza e prata, pois uma nuvem de assentou sobre a cidade. :/

WalkingFomos andando pela cidade até ao portão Este e aí comprámos os bilhetes e começamos a percorrer a fortificação, vá, meia fortificação porque quando comparada com a de Pingyao a muralha de Xi´an tem mais do dobro da extensão! À medida que fomos andando, tirámos fotografias e conversámos e para além de alguns factos sobre a China, aprendi que o Cristiano Ronaldo foi rebatizado e se chama Luo C. 🙂

Queres andarQuando demos por findo o passeio – estávamos no portão Oeste – fomos almoçar e consegui pagar-lhe a refeição! Uhuhuh!!! Um feito inolvidável, uma vez que há sempre muita resistência por parte dos chineses em que lhe paguemos algo. 😉 Ah, e durante a refeição, tomámos um refresco típico de Xi´an, o Ice Peak.

       

Antes de nos despedirmos, escreveu-me duas ou três frases em caracteres chineses que me ajudariam a comprar qualquer bilhete, fosse ele de comboio ou autocarro e outra frase em que pedia aos motoristas de autocarro para que parassem em determinado local. Basicamente, esteve a escrever para a minha futura “sobrevivência” no país. 😉

Mi Amigo Eduardo

Quando cheguei ao hostel, depois do regresso de Huashan e do estrondoso Hot Pot, conheci Eduardo, um rapaz Colombiano. E o que sucedeu? Bem começamos a conversar, a conversar, a conversar… e estivemos algumas horas a fazê-lo. Falámos sobre viagens e diferentes experiências, América do Sul, segurança, economia e das nossas vidas. Expusemos as nossas teorias de como o sol e a temperatura (ou aproximação à linha do Equador) influenciam os povos e os países do nosso planeta e a sua produtividade, riqueza, corrupção, alegria de viver e a festa… Acabámos a trocar contactos e comigo a oferecer-lhe o excelente livro dos mapas de Pequim que recebera de Ryan, experimentando novamente e de um modo intenso, a importância da partilha em viagem. 😀

Hot Pot

Quando chegámos a Xi´an, fui levado pelos meus dois amigos chineses ao meu primeiro Hot Pot na China. Mas não se pense que foi um Hot Pot qualquer, não! Fomos a um com um serviço Sete Estrelas! 😀 Antes do jantar e enquanto esperávamos foram servidos aperitivos de borla, na casa de banho havia um empregado para nos abrir a torneira, pôr-nos a espuma nas mãos e passar o papel para as secar!? Havia uma pequena creche, consolas para os míudos; manicure para as senhoras e serviço de massagens (sem encargos), panos para limpar óculos, toalhas quentes para as mãos (várias vezes durante a refeição), aventais para as pessoas não se sujarem. Abismado por todo o sem fim de comodidades e luxos fornecidas aos clientes, o mais importante seria mesmo a comida! Comida de excelente qualidade, fresquíssima e muito saborosa.

Como se fazem os NoodlesComo se toda esta descrição não fosse suficiente para um jantar memóravel, no final e irredutivelmente ainda me pagaram o jantar! Um resumo perfeito e do mais alto calibre, do que significa ser-se anfitreão nas terras do Império do Meio. 😀

Hot Pot

No Quarteirão Islâmico

Andava a deambular pelo centro da cidade com o intuito de ir ao quarteirão islâmico, mas como não sabia onde se localizava, limitei-me a andar e a observar o que a cidade me estava a oferecer (principalmente, muito movimento), quando… nas imediações da Torre do Tambor e por mero acaso encontrei o que procurava: o afamado quarteirão islâmico de Xi´an. 🙂

Quarteirão Islâmico

Quarteirão Islâmico (2)Imediatamente enveredei por umas ruelas, deambulando e sentindo o ambiente. Luzes a piscar, multidões, comida… muita comida, cheiros espalhados pelo ar, frutos secos, quinquelharia, roupa, óleos e incensos… Enfim, uma atmosfera completamente preenchida de sensações e bastante diferente das ruas chinesas tradicionais, como se de repente entrássemos noutro país. Um país das “Arábias” e com cheiro a Mil e Uma Noites. 😉

À saída do quarteirão Islâmico

Libertem o Capitalismo, esse Animal Selvagem!

Ao sair da pagoda percorri parcialmete a avenida Xanta Nanlu em direção a sul e observei que esta zona foi completamente restaurada e irá servir o novo turismo chinês: estátuas e monumentos a vangloriar os antigos heróis e poetas mas com versões bastante exageradas e romantizadas, centros comerciais, lojas, restaurantes, bares e cafés luxuosos. Diao Xiao Peng abriu o país ao capitalismo e agora, com o “Boom Chinês”, há que o servir em doses generosas a quem tiver dinheiro para o consumir.

Nas imediações, ao consultar o mapa, vi umas manchas verdes com enormes lagos e pensei que se tratava de um parque gigantesco. Poderia ser agradável passear por lá um bocado. Porém, qual não foi o meu espanto, quando em vez de um parque público me deparei com o “PARAÍSO DE TANG” que para mim foi equivalente a encontrar o “Inferno de Tang” – bandeirinhas, flores de plástico, templos e torres modernas disfarçadas de antigas, tudo a brilhar e com um “cheiro” asséptico e plastificado que me fez inverter a marcha e voltar a “correr” para o centro poluído e caótico da cidade. Ao menos nesse ainda há realidade. 😉


Uma nota final sobre a bondade dos desconhecidos: Na paragem de autocarro do “Inferno de Tang” uns chineses ajudaram-me a voltar ao centro da cidade e pagaram-me o bilhete de autocarro (de nada serviu eu querer devolver-lhes o dinheiro), isto apesar de não falarem uma única palavra de inglês. 😀

Símbolos e Deturpações na Pagoda

Ao visitar a Dayan Pagoda, o ambiente é de oração, serenidade e silêncio. Mas tal como no dia anterior (nos soldados de Terracota) fiquei com a sensação que o seu valor está inflacionado, de qualquer modo, no seu interior existem uns templos agradáveis de cores suaves (numa zona amarelos, na outra brancos). 

Pagoda DouradaDayan PagodaPara mim a surpresa ocorreu, quando numa janela vi uma “suástica” e relembrei-me de uma conversa que tivera com o Adam (Palestiano que conhecera em Pequim) sobre o facto da Cidade Proibida estar cheia de súasticas. Mas a questão é esta: este símbolo na China tem conotações associadas à felicidade e ao dinheiro. Deste modo, foi para para mim super-interessante aprender que os Nazis pegaram e deturparam um símbolo Budista, transformando-o na sua bandeira e imagem máxima.

Qual o significado

Despedidas no Museu

No dia seguinte e último dia do Xiang em Xi´an consegui finalmente comer um saboroso pequeno- almoço chinês: Tofu doce (tien) e um frito delicioso. Partimos para o museu de Xi´an e na entrada fui barrado (o bilhete é gratuito mas é obrigatório levar um documento de identificação). Por esse motivo tivemos de nos despedir aí, o Xiang nesse dia voltou para Luoyang e eu fui obrigado a voltar ao hostel para ir buscar o passaporte. :/

      

Quanto ao museu, posso dizer que gostei muito, principalmente da seção de cerâmica e que vale bem a pena passar aqui um par de horas do nosso dia e aprender um pouco mais sobre a cultura Chinesa. 🙂

      No museu     No museu (2)