Em “Torajilândia”

Ato II – Rumo a Sudeste e à Magia

No dia anterior, tinha decidido que no primeiro dia a “sério” seguiria para Norte, mas como nessa direção, o tempo estava meio encoberto e cinzento, mudei de ideias e parti rumo a Sudeste. Antes de sair do centro da cidade, muni-me de água e comida e de mochila às costas, segui andando. O primeiro local que visitei foi Kerassik e encontrei-o um pouco ao acaso, uma vez que não havendo separação física, pensei que ainda estava na cidade de Rantepao. 🙂 Aí, vi pedras que pareciam minin megalitos e umas casas tradicionais. Continuei a andar por uma estrada de alcatrão, numa paisagem dominada por verdes arrozais e rapidamente cheguei a Bantu Pune, onde encontrei casas tradicionais que pareciam bastante antigas – telhados cheios de vegetação – uma zona cerimonial no topo de uma colina e na base da mesma, caixões suspensos com ossos a aparecerem pelas frinchas e buracos da madeira já podre. Diferente! Estranho! Belo! A magia da morte em “Torijilândia” começava a revelar-se.

IMG_9445 (FILEminimizer)     IMG_9450 (FILEminimizer)

IMG_9464 (FILEminimizer)      IMG_9478 (FILEminimizer)

IMG_9480 (FILEminimizer)

Sempre a andar e mantendo-se a paisagem de arrozais em redor, continuei até Ke´te Kesu, que segundo a informação que tinha lido era um dos locais mais completos e fascinantes em Tana Toraja. A verdade é que Ke´te Kesu, não desiludiu! Nada mesmo! Primeiro deambulei em redor do seu bonito enquadramento natural: o lago, as palmeiras, as árvores, os trilhos verdes, as colinas e as grutas. Seguidamente, visitei a área das casas tradicionais, onde numa loja de artesanato local, apaixonei-me pelo trabalho efetuado por uma idosa artesã e sai de lá com três placas de madeira, gravadas e pintadas à mão com motivos típicos. 🙂 Daí fui até à zona das colinas, onde à semelhança de Bantu Pune vi múltiplos caixões suspensos e esqueletos, mas depois encontrei muito mais “representações” dos mortos: figuras de “anciões” esculpidos em madeira, uma gruta/túmulo onde repousava um caixão, túmulos escavados na rocha e “jazigos” gigantes e coloridos. Enfim, muita diversidade que me fez ficar, cada vez mais fascinado com a cultura desta tribo. 😀

IMG_9492 (FILEminimizer)    IMG_9494 (FILEminimizer)

IMG_9504 (FILEminimizer)     IMG_9517 (FILEminimizer)

IMG_9507 (FILEminimizer)     IMG_9512 (FILEminimizer)    IMG_9519 (FILEminimizer)

IMG_9534 (FILEminimizer)       IMG_9545 (FILEminimizer)

IMG_9542 (FILEminimizer)

IMG_9533 (FILEminimizer)

Pela estrada fora, cheguei a Sullukan onde falei com um nativo muito simpático que me deu umas pequenas explicações sobre os Toraja e sobre o que acabara de observar, e depois parti em busca de Pala Tokke, uma colina cársica já afastada da estrada principal, rodeada de belos e idílicos arrozais onde no topo encontrei mais caixões, esqueletos e ossadas. O caminho para La´bo e Randan Batu, continuou a levar-me por uma paisagem de arrozais, colinas cobertas de vegetação e pequenas aldeias com casas tradicionais. Quando estava quase, quase a chegar à povoação de Sangalla falei com uns nativos que me informaram que Suaya, o meu próximo destino, ainda ficava a dez quilómetros de distância, por esse motivo e pelo avançar do relógio, acabei por negociar a “travessia” com um ojek.

IMG_9611 (FILEminimizer)     IMG_9613 (FILEminimizer)

IMG_9625 (FILEminimizer)     IMG_9619 (FILEminimizer)

IMG_9629 (FILEminimizer)      IMG_9631 (FILEminimizer)

IMG_9634 (FILEminimizer)     IMG_9641 (FILEminimizer)

IMG_9647 (FILEminimizer)

Em Suaya, logo na entrada da zona turística, o porteiro cobrou-me metade do bilhete e ficou com o dinheiro (corrupção direta), ao invés de eu receber um papel e de pagar para os cofres de alguém (corrupção indireta). Nestes casos, nada a apontar. Ganho eu. Ganha o trabalhador, que tem um salário baixíssimo. Perde o estado podre e corrupto da Indonésia, que ensinou aos seus habitantes como se “deve” fazer. No local, encontrei uma enoooooorme parede de rocha, com inúmeras estátuas de madeira e com túmulos escavados ao longo de grande parte da superfície. Brutal! 🙂 Dessa parede, continuei a andar despreocupadamente, até que comecei a ver muitas, muitas pessoas e algumas trajas vermelhas e pensei: “comício político!?”. Passei, por uma banca que parecia ser um piquet de controlo e as pessoas a sorrir, a fazerem-me sinal para avançar. Dei mais uns passos e começo a ver 

IMG_9657 (FILEminimizer)     IMG_9650 (FILEminimizer)

IMG_9652 (FILEminimizer)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s