Uma Geografia. Uma Fotografia: Batad

De Bontoc parti bem cedo para Banaue e durante a viagem aproveitei para tirar fotografias à fantástica paisagem de verdes vales e montanhas. Na chegada à famosa vila, dirigi-me ao posto de turismo, onde fiz algumas perguntas e fruto da informação recolhida, decidi aí guardar o “monstrinho” e partir o mais rapidamente possível para a aldeia de Batad, uma vez que o plano consistia em dormir lá e regressar a andar no dia seguinte. A travessia de aproximadamente vinte quilómetros, montanha acima durou aproximadamente uma hora e no topo de uma colina poeirenta, o jeepney estancou. Fim da estrada, fim da linha e como a estrada até à aldeia de Batad se encontra em construção, a única solução possível foi descer a montanha a andar. Quando encontrei uma placa que indicava: “Welcome to BATAD (….) 1100 m Elevation”, soube que estava perto do meu destino e segui alegremente. Na entrada da aldeia, encontrei um rudimentar posto de turismo e rapidamente tentei perceber quanto custaria contratar um guia para regressar a Banaue. Depois de poucos minutos de conversa, percebi que os valores eram elevados, mas que estavam totalmente nivelados e se realmente queria fazer o trekking (e queria!), não havia outra alternativa senão pagar que estava definido. Ao falar mais longamente com um dos guias, Jerr, consegui baixar ligeiramente o valor inicial e percebi que ele me acompanharia durante meio trajeto: Batad – Cambulo – Pula, uma vez que o trilho a partir dessa aldeia e até chegar a Banaue seria fácil de seguir. Finalizadas as negociações, ele levou-me até uma das guesthouses (Hillside Inn) e à entrada da mesma, combinámos reencontrar-nos no dia seguinte às 7.30, selando o nosso acordo com um aperto de mão.  Resolvidas as questões logísticas e depois de colocar a mochila no quarto, parti à descoberta da aldeia e da sua cascata. E se na entrada da aldeia a paisagem já é impressionante, com os verdíssimos e viçosos terraços a fazer uma escada perfeita montanha acima! O que dizer, quando a caminho da cascata, nos embrenhamos no meio dos mesmos? Fascinante! No meio dos terraços, sentimos a sua grandeza e quando olhamos para baixo, vemos um anfiteatro perfeito a desenhar-se à frente dos nossos olhos… Espetacular!  O caminho/trilho é feito no topo de terraços e por vezes o caminho torna-se menos óbvio, porém não é díficil de seguir e na parte terminal, o trilho para a cascata tem degraus bastante íngremes. Da cascata, regressei ao centro da aldeia e sempre em sentido ascendente, subi degraus e mais degraus, continuando a tirar fotografias aos fotogénicos terraços de arroz, até a luz desaparecer e a escuridão total cair sobre Batad. A aldeia, no meio de verdes montanhas e de perfeitos terraços de arroz!

Trekking Batad – Banaue: Aprendizagens com Jerr

No dia do trekking, às 5.45 já estava acordado e depois de arrumar a mala e antes de tomar o pequeno almoço, observei o sol a penetrar na montanha e a iluminar progressivamente, os terraços de arroz e aldeia de Batad! Extraordinário! Espetacular! Uma verdadeira ode celeste! 😀 Às 7.30 em ponto, o Jerr apareceu e juntos fomos em ritmo relativamente tranquilo de Batad até à aldeia de Pula, passando por Cambulo. Nesta primeira fase do percurso, demorámos aproximadamente cinco horas, parámos algumas vezes e passámos por uma paisagem cheia de socalcos de arroz muito verdes, encontrando um rio que deslizava suavemente abaixo de nós e algumas casas perdidas naquela imensidão. 🙂

IMG_2525 (FILEminimizer)      IMG_2529 (FILEminimizer)

IMG_2538 (FILEminimizer)      IMG_2539 (FILEminimizer)

IMG_2542 (FILEminimizer)      IMG_2544 (FILEminimizer)

IMG_2561 (FILEminimizer)      IMG_2565 (FILEminimizer)

IMG_2573 (FILEminimizer)      IMG_2580 (FILEminimizer)

Durante o caminho fomos falando naturalmente e eu fui sentindo que estava a fazer mais uma caminhada com um amigo, do que com um guia! 😀 Da nossa conversa, confirmei que realmente o valor do Jeepney do dia anterior estava inflacionadíssimo para não nativos – três vezes superior! E fiquei a saber que Jerr estava na universidade, e que o seu trabalho como guia, era um trabalho de verão que servia para pagar os estudos; que o facto de ele ser o terceiro filho, significava que era o primeiro dos que não herdava nada! :/ (o varão recebe a terra; o segundo um dote; daí em diante… 0!); que nos cargos ligados ao governo, só se consegue entrar pelo “fator C!” e que de pouco ou nada vale o mérito! :/ ; recebi informações sobre as múltiplas fases que as plantação de arroz nos terraços, exigem: limpeza de ervas; expansão das fronteiras dos terraços; processo de queima e mistura com terra; alagar o terreno e alisar a superfície; plantar o arroz. E já em Pula, tirámos um retrato juntos, trocámos e-mails e devido ao seu profissionalismo e dedicação, dei-lhe de grojeta o valor que no dia anterior tinha conseguido retirar do valor inicial do trekking. 🙂

IMG_2583 (FILEminimizer)       IMG_2586 (FILEminimizer)

IMG_2588 (FILEminimizer)    IMG_2602 (FILEminimizer)    IMG_2608 (FILEminimizer)

IMG_2594 (FILEminimizer)      IMG_2617 (FILEminimizer)

Perto da escola, despedimo-nos com um abraço. Ele voltou para Batad e eu continuei para Banaue. Quase instantaneamente, começou a chover com alguma intensidade e enquanto lutava para “escalar” uma looooooooooonga subida, senti-me um pouco cansado. Felizmente, a chuva teve uma curta duração e depois de ultrapassada essa última dificuldade, o caminho mudou e até ao final a paisagem mudou drasticamente de registo. Floresta e mais floresta, sempre muito verde e densa! O que valia, era que não havia dúvidas, relativamente ao trilho a seguir! 😉 Até ao final andei durante mais quatro horas e quase, quase no final senti-me saturado de andar. :/ O meu objetivo nessa altura, era acabar o trilho, o mais rapidamente possível.

IMG_2627 (FILEminimizer)

IMG_2637 (FILEminimizer)      IMG_2669 (FILEminimizer)

IMG_2674 (FILEminimizer)

Quando desemboquei na estrada de alcatrão, ainda estava a nove quilómetros de Banaue, mas como aquela era uma estrada principal, não me “acobardei” e demonstrei aos condutores de tuk-tuk, que lá estavam estacionados que não precisava deles (semi-bluf). Desse modo, o valor desceu dos 150P iniciais para 20P! E eu fiquei contente pelo excelente negócio efetuado! 🙂 Na chegada à cidade, fui buscar o “monstrinho” ao posto de turismo, dirigi-me para o Sonafel Lodge e passados poucos minutos de ter chegado, começou a chover torreeeeeeeencialmente! O eclético trekking entre Batad e Banaue foi concluído mesmo à pele! 5*! 😉  

Os Terraços Perfeitos de Batad

De Bontoc parti bem cedo para Banaue e durante a viagem aproveitei para tirar fotografias à fantástica paisagem de verdes vales e montanhas. Na chegada à famosa vila, dirigi-me ao posto de turismo, onde fiz algumas perguntas e fruto da informação recolhida, decidi aí guardar o “monstrinho” e partir o mais rapidamente possível para a aldeia de Batad, uma vez que o plano consistia em dormir lá e regressar a andar (trekking) no dia seguinte

IMG_2329 (FILEminimizer)      IMG_2336 (FILEminimizer)

IMG_2338 (FILEminimizer)      IMG_2347 (FILEminimizer)

IMG_2352 (FILEminimizer)

Ainda no centro da vila de Banaue, encontrei o Sonafel Lodge donde fiquei a observar a bonita e verde paisagem, a atualizar o caderno e onde conheci a simpática dona, Susana – que gostava de pintar – com quem fiquei a conversar durante algum tempo. Quando me dirigi para o jeepney, o mesmo já estava totalmente lotado e rapidamente percebi que para ter uma viagem minimamente confortável, teria que viajar no tejadilho – tal como acontecera na ilha de Palawan. Desse modo, depois de comprar mantimentos – tanto sólidos, como hídricos – e um delicioso halo-halo, sentei-me o mais confortavelmente possível e fruto do intenso calor, pûs o fiel keffieeh na cabeça. 🙂

IMG_2370 (FILEminimizer)

IMG_2360 (FILEminimizer)      IMG_2363 (FILEminimizer)

IMG_2367 (FILEminimizer)      IMG_2372 (FILEminimizer)

IMG_2386 (FILEminimizer)

Eram 14.00 quando arrancámos e nesse momento fiquei bastante espantado, uma vez que a partida, apenas estava marcada para as 15.00! Pelos vistos nas Filipinas os transportes – apenas carrinhas e jeepney´s – podem partir adiantados! 😛 A travessia de aproximadamente vinte quilómetros, montanha acima durou aproximadamente uma hora e no topo de uma colina poeirenta, o jeepney estancou. Fim da estrada, fim da linha, e na altura de sair do bólide, o valor do “bilhete” pareceu-me excessivamente inflacionado. :/ Como a estrada até à aldeia de Batad se encontra em construção, a única solução possível foi descer a montanha a andar. Quando encontrei uma placa que indicava: “Welcome to BATAD (….) 1100 m Elevation”, soube que estava perto do meu destino e segui alegremente. 🙂

IMG_2389 (FILEminimizer)

IMG_2390 (FILEminimizer)       IMG_2392 (FILEminimizer)

IMG_2398 (FILEminimizer)

Na entrada da vila, encontrei um rudimentar posto de turismo e rapidamente tentei perceber quanto custaria contratar um guia para regressar a Banaue. Depois de poucos minutos de conversa, percebi que os valores eram elevados, mas que estavam totalmente nivelados e se realmente queria fazer o trekking (e queria!), não havia outra alternativa senão pagar que estava definido. Ao falar mais longamente com um dos guias, Jerr, consegui baixar ligeiramente o valor inicial e percebi que ele me acompanharia durante meio trajeto: Batad – Cambulo – Pula, uma vez que o trilho a partir dessa aldeia e até chegar a Banaue seria fácil de seguir. Finalizadas as negociações, ele levou-me até uma das guesthouses (Hillside Inn) e à entrada da mesma, combinámos reencontrar-nos no dia seguinte às 7.30, selando o nosso acordo com um aperto de mão. 🙂

IMG_2401 (FILEminimizer)

IMG_2412 (FILEminimizer)      IMG_2414 (FILEminimizer)

IMG_2419 (FILEminimizer)       IMG_2424 (FILEminimizer)

IMG_2431 (FILEminimizer)

Resolvidas as questões logísticas e depois de colocar a mochila no quarto, parti à descoberta da aldeia e da sua cascata. E se já na entrada da vila – miradouro do posto de turismo – a paisagem é impressionante, com os verdíssimos e viçosos terraços a fazer uma escada perfeita montanha acima! O que dizer, quando a caminho da cascata, nos embrenhamos no meio dos mesmos? Fascinante! 😀 No meio dos terraços, sentimos a sua grandeza e quando olhamos para baixo, vemos um anfiteatro perfeito a desenhar-se à frente dos nossos olhos… Espetacular! 😀 O caminho/trilho é feito no topo de terraços e por vezes o caminho torna-se menos óbvio, porém não é díficil de seguir 😉 e na parte terminal, o trilho para a cascata tem degraus bastante íngremes – como os mesmos têm alturas muito variáveis, à que seguir com cuidado e atenção. Quando estava quase, quase a chegar, suava abundantemente e mentalmente “disse”: “Espero que tenhas mais de vinte metros, senão fico *@$%&£!”. Finalmente, quando a vi, pensei: “Ok. Valeu a pena! 🙂 “, uma vez que a coluna de água conseguia mostrar alguma força e imponência. 😉 Da cascata, regressei ao centro da aldeia e sempre em sentido ascendente, subi degraus e mais degraus, continuando a tirar fotografias aos fotogénicos terraços de arroz, até a luz desaparecer e a escuridão total cair sobre Batad. A aldeia, no meio de verdes montanhas e de perfeitos terraços de arroz! 😀

IMG_2456 (FILEminimizer)

IMG_2454 (FILEminimizer)      IMG_2476 (FILEminimizer)

IMG_2488 (FILEminimizer)      IMG_2500 (FILEminimizer)