Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Ayutthaya

Ayutthaya_Blog

À semelhança de Sukhothai, em Ayutthaya – pode encontrar mais aqui – pedalámos em busca dos “ossos vivos” do passado, encontrando múltiplos templos – sendo estes mais impressionantes, dado o seu estado de conservação – e a quatro quilómetros do centro da cidade, vestígios da presença portuguesa da altura dos Descobrimentos.

Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Sukhothai

Sukhothai_Blog

Nas imediações da pequena cidade de Sukhothai – pode encontrar mais aqui – ao visitar o nosso primeiro parque arqueológico, pudemos encontrar múltiplos vestígios – templos, colunas e estupas construídas em tijolo e incontáveis estátuas de Buda – do antigo coração do império Thai, primeira capital de Siam, fundada pelo rei Ramkhamhaeng.

Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Chiang Mai

ChiangMai_BlogNa dourada capital do norte, Chiang Mai – pode encontrar mais aqui – experienciei vários momentos inesquecíveis: a visita ao reino dos tigres; o primeiro encontro com a maravilhosa gastronomia tailandesa e a aula de culinária; o reencontro com Sam; o loop de scotter em redor da cidade na companhia de Kristian; mas principalmente, foi aí que recebi a visita de M. com quem visitei os múltiplos e ricos templos da cidade, onde tudo brilha e reluz como o ouro. Bem vindos à face rica da Tailândia.

Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Vientiane

Vientiane_Blog

Vientiane, a capital do Laos – pode encontrar mais aqui – foi uma cidade cheia de boas recordações e memórias, tendo sempre algumas palavras chave, associadas: o todo poderoso Mekong; a sensação singular que tive ao Meditar pela primeira vez na vida; o Dinheiro que ganhei, fruto de câmbios sucessivos entre a moeda local e o dólar e foi aí que me despedi do Zhou. Goodbye, Zhou! Goodbye, my “crazy” friend! Goodbye, my good friend! 

Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Luang Prabang

LuangPrabang_Blog

Na antiga capital dourada de Luang Prabang e centro cultural do país – pode encontrar mais aqui – reencontrei o rio Mekong, assisti ao ritual matinal e diário dos monges açafrão, levei uma sova de uma bactéria e nas suas imediações visitei a cristalina cascata de Kuangsi.

Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Muang Ngoi

MuangNgoiNeua_Blog

Na pequeníssima e sonolenta vila de Muang Ngoi – pode encontrar mais aqui – e que parece já não ser deste século, regressei a um tempo em que praticamente tudo parou. Em redor da vila visitei uma gruta negra como breu e bonitos arrozais, vi pela primeira vez monges de vestes laranjas, comi divinalmente e… cheguei ao Paraíso.

Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Jinghong

JingHong_BlogNa cidade de Jinghong e capital da região de  Xishuangbanna – pode encontrar mais aqui – para além de encontrar um mundo cultural totalmente singular, aromas de fruta nas ruas e agradáveis jardins, conheci Zhou um rapaz chinês, que veio a ser meu companheiro de viagem no Laos 

Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Emeishan

Emeishan_Blog

Na ascensão até ao topo da montanha Emei, a minha estreia acima dos três mil metros, o nevoeiro foi uma constante e na descida houve um encontro do “décimo segundo” grau com macacos agressivos. Na fotografia pode observar-se o templo existente no Jin Ding – Pico Dourado – envolto num manto branco  pode encontrar mais aqui.

Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Leshan

Leshan_Blog

O Buda de Leshan – pode encontrar mais aqui – é um antigo colosso de setenta metros de altura cravado na rocha. Perante a sua presença massiva e imponente, não pude deixar de sentir o peso da mortalidade humana.

Yangon para o Adeus

Depois de quatro dias praticamente perfeitos no “reino” de Bagan parti para Yangon, outras das antigas capitais do país, para acenar o adeus tanto a Myanmar, como a esta viagem. E o que posso dizer do meu último destino? Bem primeiro de tudo, fiquei hospedado na simpática Agga guesthouse onde encontrei uma cama confortável, A/C e pela primeira vez, uma internet que realmente funcionava. 😛

IMG_6481 (FILEminimizer)     IMG_5108 (FILEminimizer)

IMG_6489 (FILEminimizer)    IMG_6498 (FILEminimizer)

IMG_6499 (FILEminimizer)    IMG_6508 (FILEminimizer)

IMG_6514 (FILEminimizer)

IMG_5139 (FILEminimizer)     IMG_5171 (FILEminimizer)

IMG_6529 (FILEminimizer)     IMG_5187 (FILEminimizer)

O grande destaque da cidade é sem dúvida a dourada e resplandecente pagoda de Shwedagon, que à semelhança da rocha dourada de Kyaikhtiyo e da pagoda de Shwemawdaw (que se encontra em Bago) é dos locais mais sagrados do país para a etnia Mon. Tudo brilha, tudo é ouro, tudo é luz! Esta pagoda de dimensões épicas – aproximadamente cem metros – é de facto estonteante e está repleta de infinitos detalhes prontos a ser explorados e descobertos. Eu, a Naomi e a Anne – uma rapariga holandesa que conheci no autocarro para Yangon – saímos de lá maravilhados. 😀

SAM_5694 (FILEminimizer)     IMG_6623 (FILEminimizer)

IMG_5236 (FILEminimizer)     IMG_6600 (FILEminimizer)

IMG_6608 (FILEminimizer)    IMG_6616 (FILEminimizer)

IMG_6620 (FILEminimizer)    IMG_6629 (FILEminimizer)

IMG_6661 (FILEminimizer)     IMG_6672 (FILEminimizer)

IMG_6680 (FILEminimizer)    IMG_5333 (FILEminimizer)    IMG_6659 (FILEminimizer)

IMG_6676 (FILEminimizer)

Em Yangon e na companhia de Naomi, visitei o Museu Nacional que visto do exterior parece um hospital e o interessante Museu das Gemas, onde pudemos observar a beleza destas “pedras” preciosas e semi-preciosas e onde comprei uns recuerdos mais especiais. A cidade também se revelou uma excelente surpresa em termos gastronómicos e fiquei bastante impressionado com a quantidaaaaaaaaaaaaaaaade de vendedores que vendiam comida nas ruas e as pessoas que estavam constantemente a comer nas bancas! 🙂 O movimento de pessoas era frenético e às vezes pensava que estava numa mini Índia caótica e repleta de estímulos visuais, sonoros e olfativos.

IMG_5369 (FILEminimizer)      IMG_5373 (FILEminimizer)

IMG_6704 (FILEminimizer)      IMG_6713 (FILEminimizer)

IMG_6718 (FILEminimizer)     IMG_6721 (FILEminimizer)

IMG_6726 (FILEminimizer)

No último dia na cidade, em vez de continuar a mover-me mais e mais, resolvi parar totalmente e tive um dia muito sossegado e tranquilo. Vi o último filme que me restava no portátil – Stalker de Tarkovsky – organizei a mala e as fotografias tiradas em Yangon, e despedi-me de Myanmar, radiante com todas as maravilhosas experiências que tive no país. 😀

IMG_5398 (FILEminimizer)      IMG_5423 (FILEminimizer)

IMG_6728 (FILEminimizer)     IMG_6731 (FILEminimizer)

IMG_5471 (FILEminimizer)            IMG_7738 (FILEminimizer)

IMG_7747 (FILEminimizer)           IMG_5473 (FILEminimizer)