Categorias
Crónicas

Viagem ao Coração do Bornéu por Palavras

Ato V – A Italiana e o Coração do Bornéu

No regresso a Belaga e na casa/hostel/guesthouse do Daniel conheci Valentina, uma rapariga italiana que viveu na Austrália durante dois anos, aproveitando a oportunidade (que certas nacionalidades podem usufruir) de poder viajar no país enquanto trabalhava (working holiday visa) e durante horas falámos de experiências de viagem, planos, opções para o futuro… 🙂

Por volta das 15.00 partimos com o Rowdy, um amigo dele e os dois cães da família para pescar, bem… quer dizer… apanhar peixes, pois a técnica de pesca daqueles “meninos” consistia em dar um choque elétrico localizado na água e depois só tinham de apanhar os peixes mortos ou inconscientes! 😛

Partimos da pequena e sonolenta cidade pelo rio Rajang rumo a sul e depois de duas interseções com outros rios (um deles o Belaga), atracámos o barco partindo à aventura! No início eu e a Valentina fomos acompanhando o desenvolvimento da “pescaria”, mas passado um bocado começámos a andar mais depressa e quanto mais penetrávamos nas margens do rio e mais víamos, mais queríamos ver! 🙂

O local estava a revelar-se um mini-desafio físico de equilíbrios e encontrar passagens escondidas. Quanto mais andávamos, mais selvagem a paisagem era. 🙂 Às rochas, pequenas cascatas e piscinas naturais, iam-se juntando bancos de areia que formavam ilhas cobertas de vegetação luxuriante, troncos e árvores centenárias, lianas. Surreal, eletrizante, magnético… estávamos a ser atraídos para o olho do furacão, mas queríamos mais! 😀 Queríamos trespassar o coração do Bornéu com uma faca afiada e ao romper o seu tecido, ficar cobertos de sangue, cobertos de vida.

E eis que conseguimos chegar à sua alma! 😀 Depois de escalarmos mais umas rochas, “batemos” de frente com uma cascata que era quase uma parede vertical e ao ter tal visão, senti que este era o meu final feliz, o meu final perfeito para a minha viagem ao coração do Bornéu por palavras! 😀

Categorias
Crónicas

Viagem ao Coração do Bornéu por Palavras

Ato IV – Na Tribo. “Bro… Steady…Slow” e Experiência ZEN

Tawing disse-me então: “Bro. Sit.” E eu sentei-me de costas contra uma parede e senti toda a minha roupa a colar-se ao meu corpo, fruto do suor abundante. Tawing começou então a mexer no cesto de verga e a retirar todos os mantimentos. Depois de o fazer, agradeceu e quando dei por mim já estava a separar o arroz, o açúcar e o café e a entregá-los a duas pessoa que entretanto tinham entrado na casa: Yean (um velhote de cabelos brancos e curtos, bastante magro) e Ngawet (uma senhora de meia idade que trazia com ela duas crianças, uma menina e um rapaz de olhos vivos e curiosos, mas envergonhados).

Feita a divisão e entregues os mantimentos, Yean e Ngawet partiram e eu fiquei novamente a sós com Mao e Tawing, que por esta altura pegou na garrafa de vinho de arroz e me perguntou: “Bro, drink?” e após bebermos dois copos, virou-se para mim e disse: “You…eat.” Durante cerca de meia hora não o vi e apenas ouvi o barulho de utensílios metálicos a baterem na cozinha (fosse o som de um cutelo a atingir a madeira, fosse o som de uma espátula a raspar um wok), nesse tempo Mao continuava impávida e serena, sentada e volta e meia mascava as tais raízes vermelhas, tal como eu presenciara no dia anterior na longhouse. Eu entretanto, tentava esvaziar a mente.

Quando o Tawing voltou, trazia consigo arroz, frango cozinhado de duas maneiras (uma em forma de caldo e a outra guisado) e uma caneca gigante de café preto que tinha uma dose bastante generosa de açúcar. 😛 A comida dava para um batalhão e eu apontei para a comida e para eles os dois e disse-lhes: “Eat.” Tawing acenou que não com a cabeça e respondeu: “Eat, Bro, eat”. Comecei então a comer e a verdade é que estava esfomeado e durante meia hora mantive-me calado e de boca cheia. Comi, comi, comi… e mesmo deixando muita comida, fiquei completamente saciado. Assim que terminei, Tawing começou a arrumar tudo, não me deixando fazer nada e foi então que apontou na direção do rio e disse: “You Bro, swim”.

Sentia-me um bocadinho incomodado com o facto de estar a ser lord, mas como não conseguia comunicar com ele, vesti os calções de banho e de chinelos nos pés e toalha na mão parti para o mesmo. Em menos de dois minutos estava à beira não de um rio, mas sim de um riachozito e neste local tive um momento completamente relaxado, de paz e “iluminação”. 😀 Um momento ZEN de plena comunhão com a natureza! Deitado de costas nas pedras do riacho, sentia a água que corria a refrescar-me o corpo cansado e a retirar o som do ambiente (ouvidos tapados com água), os meus olhos estavam cerrados e a minha mente relativamente apaziguada e eis que surgiu o momento… quando voltei a abrir os olhos e com o corpo na mesma posição, vi nuvens brancas a correrem no céu, veloz e alegremente e os ramos e as folhas das árvores a serem agitados pelo vento e senti que tudo na vida e na natureza estava ligado ao movimento. O rio que corre, as nuvens que desfilam, os ramos e folhas que se agitam. Tudo muda, tudo é mutável, tudo se transforma, adapta, reformula e reinventa. 😀

Ao voltar a casa de Mao e Tawing estava muito mais fresco, sentia-me bem e assim que cheguei aproveitei para me hidratar, primeiro com água e depois com mais um “caneco” de café. Tawing disse-me então: “Friend, steady…slow” e fiquei a vê-lo mascar as famosas raízes vermelhas e tentei manter-me focado naquele momento, mesmo que este fosse um bocado parado demais! 😛 Passado quase uma hora e depois de mais alguns “Friend, steady…slow”, Tawing fez-me sinal para o acompanhar na visita a casa de uns amigos e aí ficámos apenas na zona do alpendre, “quietos e vagarosos” a fumar um cigarro.

Regressámos a casa de Mao, onde permanecemos mais meia hora “quietos e vagarosos” e já depois do lusco-fusco e da noite cair, fomos descalços até casa de Ngawet, onde estivemos quase uma hora. Aí para além de continuar a ouvir o Tawing a pronunciar: “Steady and slow”, vi os hábeis dedos de Ngawet a construírem um “tapete” gigante de verga, com o auxílio da luz bruxuleante de uma candeia rudimentar… e neste ambiente místico e misterioso, fumámos um jacolait (um cigarro enrolado com um tabaco particularmente forte e intenso). 😀 No regresso à casa de Mao, recusei educadamente a refeição, pois ainda me sentia saciado do almoço e pouco mais havendo a fazer, apenas me restou deitar para dormir e repousar o corpo e a mente, após um dia simultaneamente adrenalizante, como “steady and slow”. 😉

Categorias
Crónicas Em trânsito

Viagem ao Coração do Bornéu por Palavras

Ato III – A Caminho da Tribo. Encontro com Mao

Já na margem, despedi-me e agradeci profundamente ao meu barqueiro. Recomecei a andar e as diferenças para a primeira vez eram mais do que temporais (duas horas de distância), eram essencialmente emocionais, desta vez sabia que ia correr tudo bem e que não haveriam mais enganos ou dúvidas! Agora independentemente do trilho ia ser fácil, era isto que sentia. 🙂 Com estes pensamentos em mente, fui percorrendo o mesmo sempre com cuidado e realmente não haviam mesmo dúvidas! O trilho era claro e inequívoco! O único problema mesmo era o atrito, aliás a sua ausência.

Durante quase duas horas andei ladeira acima, ladeira abaixo, passando o rio em pequenas pontes sempre carregado com a minha mochila pequena e com o super-desconfortável cesto de verga. De vez em quando, amaldiçoava o peso do mesmo e o facto de ter de o carregar, mas quando finalmente avistei uma casa de madeira com telhado de zinco soube que a minha penitência estava a terminar e estuguei o passo. Ao encontrar um nativo, sentado na entrada da casa, perguntei-lhe por Mao e ele fez-me um gesto largo, para seguir em frente.

Passei por mais um par de casas, uma delas abandonada e por umas hortas e quando encontrei outra casa com outro nativo sentado nos degraus da entrada, ao perguntar-lhe por Mao ele fez-me sinal para subir. Muito devagar pronunciei Daniel e simultaneamente fiz-lhe sinal de dormir. Quando me aproximei, ele ajudou-me a tirar o cesto de verga das costas e depois de o pousarmos no chão, virei-me para ele, apontei para mim e pronunciei: “Kiri”, ele fez o mesmo e pronunciou, Tawing.

Entrei então na casa, paredes altas, toda em madeira, telhado de zinco e tirando um pequeno cubículo com posters de alguns jogadores de futebol e um colchão no chão, todo o espaço era uma única divisão, como se de um salão se tratasse e tudo parecia muito humilde. Até que os meus olhos pararam nalgumas fotografias da família e numa estante com alguns aparelhos eletrónicos: colunas, leitor de DVD, rádio, um computador portátil… fiquei surpreendido! Não esperava encontrar estes itens no interior da selva, no coração do Bornéu e numa aldeia Sian (tribo semi-nómada), mas tal facto não retirou encanto ao local, apenas me recordou os tempos modernos em que vivemos e de como a globalização chega a todo, ou quase todo o lado.

Quando os meus olhos voltaram a focar o “salão” mas ao nível do solo vi que estava sentada uma senhora muito idosa vestida de forma tradicional, os braços abaixo da linha dos cotovelos e o peito dos pés estavam tatuados. Usava um chapéu alto preto, tinha largos brincos que faziam com que as orelhas estivessem muito descaídas e fumava um cigarro largo que volta e meia se apagava e que ela depois voltava a acender. A senhora levantou-se e enquanto me apertava a mão, Tawing apontou para ela e disse: “Mao”. Fiquei surprendido, afinal Mao era o nome de uma mulher e a casa onde eu ia ficar a dormir não era a de nenhum patriarca, mas sim a de uma matriarca Sian. 🙂

Categorias
Crónicas Em trânsito

Viagem ao Coração do Bornéu por Palavras

Ato II – A Caminho da Tribo. Perdido na Selva

Regressei a Belaga bem cedo, com o Madam e a sua família e assim que chegámos, dirigi-me à guesthouse do Daniel onde me abasteci de produtos alimentares para levar para a tribo. Dentro de um cesto de verga, colocámos uma saca com dez quilogramas de arroz, dois quilogramas de açúcar e uma garrafa de vinho de arroz… e depois de continuarmos a falar, perguntei-lhe o que poderia comprar mais. Ele respondeu que geralmente café e galinhas eram sempre bem aceites e desse modo aproveitei para ir tomar o pequeno-almoço e comprar mais mantimentos. 🙂

Quando regressei, ele entregou-me um papel com algumas palavras básicas escritas em Malay (comer, dormir, beber, andar…), alguns nomes de pessoas da tribo e explicou-me de forma simplificada o caminho para chegar à tribo semi-nómada dos Sian (a mesma ficava a duas horas de Belaga, no interior da selva).

Por volta das 11.00 apanhei um barquito para cruzar o rio e de mochila ao peito e cesto de verga nas costas, parti rumo à outra margem e ao trilho que me levaria a uma nova experiência. 🙂 Assim que comecei a andar vi que tinha de seguir com bastante cuidado, pois o pavimento (um misto de betão, pedras, vegetação e musgo) era muito, muito escorregadio e senti que ao mínimo deslize me poderia magoar, ainda para mais carregado como estava. :/ Pé ante pé lá fui avançando e quando cheguei a um pequeno rio e, me pareceu que era possível atravessá-lo, segui nessa direção (Daniel na sua “explicação” me falou da existência de um rio que deveria ser cruzado).

Antes de começar a andar e por instinto decidi olhar para a bússola. Assim que fiz a travessia, comecei imediatamente a subir por um caminho enlameado e que me parecia bem marcado. Trilho abaixo, trilho acima fui penetrando na selva e comecei a suar abundantemente fruto da elevadíssima humidade e do esforço físico associado a caminhar num terreno tão acidentado. Numa passagem mais enlameada escorreguei e vi a minha garrafa de água rolar vinte metros colina abaixo, ficando numa zona cheia de vegetação. :/ Nessa altura pensei que ir buscá-la não valia o esforço e segui em frente. Dez minutos depois deste pequeno incidente, cheguei a uma zona onde deixei de ver o trilho, percebendo nesse momento que tinha de voltar para trás e que me tinha enganado no caminho. :/ Quando comecei a andar para trás, bastou dar dois ou três passos para ficar desorientado (pois não havia pontos de referência) e percebi imediatamente que estava perdido no meio da selva, carregado e sem água! :/

Instantaneamente o meu cérebro começou a carburar a todo o gás e os pensamentos foram: ”Vais morrer aqui! Estúpido! Por que é que não voltaste atrás para ir buscar a garrafa de água!? Se não tinhas a certeza relativamente ao caminho, porque seguiste em frente!? Vais morrer aqui! Ninguém te vem procurar! Ninguém sabe que estás aqui! Não te vão encontrar! Vais morrer aqui!” À medida que o meu cérebro em stress estava neste processo destrutivo, o meu lado racional tentava manter a calma e o controlo. Num minuto já estava a olhar para a bússola e comecei a andar na direção contrária à qual tinha vindo.

Selva adentro, monte abaixo, monte acima fui desbravando terreno. A vegetação era cerradíssima e muitas vezes agressiva e o ar sufocante. :/ Suava, suava em bica a cada passo, a cada metro que avançava só pensava: “tens de chegar ao rio, tens de chegar ao rio”. Passados mais ou menos quarenta e cinco cheguei ao topo de uma colina mais elevada, mas mesmo daí não conseguia avistar nada! :/ A vegetação parecia uma parede e eu continuei a caminhar e a suar em bica até que encontrei o pequeno rio! 🙂 Nesse momento, fiquei muito FELIZ, sabia que estava no caminho certo, apenas não conseguia perceber se estava a sul ou a norte do ponto onde atravessara mas, decidi continuar a andar em linha recta até chegar ao Rajang.

Claro que pensar é fácil, executar bem mais difícil ainda para mais num terreno tão acidentado, cheio de “alçapões e ratoeiras”, plantas espinhosas, uma densidade de vegetação que se assemelha a uma muralha, árvores, galhos e ramos podres que cedem facilmente e que não oferecem um apoio seguro, desníveis de terreno que surgem sem aviso, enfim… fisicamente, mentalmente e emocionalmente desgastante… extenuante. :/

A partir de certa altura comecei a ouvir o barulho de motores! Aleluia! Estava quase a chegar, porém ainda me faltava descer uma colina mega íngreme, cheia de plantas e árvores espinhosas. A cada passo e cada vez que um espinho se cravava na minha carne, eu gritava: ”Porque é que me magoas, FDP? Porquê?” e depois lá reconsiderava e pensava que não era a selva que me estava a magoar, eu é que me estava a magoar!

Quando finalmente cheguei à margem do rio, respirei de alívio. Estava salvo! Nessa altura vi que estava a cerca de cem / cento e cinquenta metros a norte do local onde tinha sido largado pelo barco. Comecei então a gritar e a acenar, para a margem de Belaga: “Help! Help! Help!” e passados cinco minutos vi finalmente um barco a sair da outra margem e a vir na minha direção! Quando este atracou, estava a sentir-me um farrapo emocional e quando me sentei, soltei duas ou três lágrimas de emoção! O meu “salvador” perguntou-me se queria seguir para Belaga, mas acenei que não e pedi para ele me levar até ao local onde começara o trilho

Categorias
Crónicas O 1º Dia

Viagem ao Coração do Bornéu por Palavras

Nota: Uma vez que a máquina fotográfica estava avariada e eu nesta altura viajava sozinho, a viagem ao coração do Bornéu, apenas pode ser “ilustrada” por palavras.


Ato I – Belaga e as Longhouses

Chegar a Belaga, já bem no interior de Sarawak foi uma longa viagem. Primeiro, apanhei um avião de regresso à cidade de Miri e aí apanhei um autocarro noturno que me levou até à cidade de Sibu (sete horas de viagem). Assim que lá cheguei e como não tinha nenhum interesse em visitar o burgo, comprei o mais rapidamente possível, um bilhete para um barco que me levou pelo larguíssimo Rajang, durante nove horas! Uma maratona de três meios de transporte: ar, terra e água! 🙂

Na chegada à pequena e sonolenta cidade depois de encontrar um pequeno quarto para dormir, procurei Daniel, um senhor que tem contactos com pessoas de tribos das redondezas e com quem defini um “plano” para os próximos dias. Em Belaga, encontrei pessoas muito afáveis e simpáticas, acabando o primeiro dia a comer porco selvagem na grelha e a beber cervejas com Daniel e com os seus filhos (principalmente Rowdy). 🙂

De manhã cedo, parti para a aldeia de Lang Liteu num barquito de madeira e durante a viagem senti uma enorme felicidade por estar ali naquele momento (no meio do todo-poderoso Rajang com o sol a bater-me na cara). 😀 Na longhouse fui recebido na casa de Mandam e Gemate um casal que tem quatro filhos e duas filhas e presentemente seis netos.

Ao longo do dia, “recolhi” mais informações: estava na companhia de uma tribo Kajeman e nesta as mulheres mais idosas têm tatuagens no peito dos pés e nos braços, abaixo da linha dos cotovelos; quase todas as pessoas mascam umas raízes vermelhas, enroladas numas folhas que estão untadas com baba de caracol e que deixam a boca completamente vermelha (parece que a boca está toda ensanguentada), apesar do efeito visual bastante estranho, estes “ingredientes” em conjunto funcionam como prevenção contra infeções 😉 ; percebi que uma longhouse é uma casa de rés-de-chão muito comprida com um alpendre em todo o seu comprimento e comum a todas as famílias. Esta grande casa está dividida em casas individuais mais pequenas e que estão alinhadas lado a lado, permitindo uma vida muito próxima e em comunidade.

Para além de “recolher” informações, passeei ao longo da longhouse, dos seus arredores e vi casas de madeira e telhados de zinco, trilhos de terra vermelha, plantações de arroz, selva em redor da aldeia em todas as direções (exceto a do rio). Encontrei duas camponesas com as quais fumei um cigarro de enrolar em forma de cone e cheio de um tabaco mais forte. 😛 Falei com o Mandam e todas as minhas refeições foram com a sua família. Diverti-me a observar as suas netas que ainda estão a aprender a andar e que fazem birras para lhes darem atenção – como todas as crianças/bebés do nosso planeta 🙂 – e a expressão terna de Mandam, como avô babado. 😀 Vi-o no processo de cozer/arranjar uma rede de pesca. Fui pescar com ele e nesse final de tarde vi uma gloriosa transição entre o dia e a noite (as cores, os relâmpagos, o rio na penumbra e na escuridão, o sentimento de uma experiência única…) 😀 . Tomei banho com água de um barril. E o meu dia terminou quando assisti a um serão em família à porta de casa (bebés a dançar, avôs babados, nativos a fumar)… vida simples, vida tranquila, vida serena! 😀

P.S. – Num dia tão pacífico apenas houve uma nota negativa, porém a mesma foi suficiente para ensombrar, um bocadinho, toda a experiência. Esse momento ocorreu quando fui pressionado pelo meu anfitrião a comprar duas garrafas de vinho de arroz. Apesar de fazer parte da tradição (que eu desconhecia), a sua atitude não me pareceu bonita e eu não gostei do seu comportamento de cobrança! :/