Categorias
Fotografia

Uma Geografia. Uma Fotografia: Baucau

Baucau_Blog

Nos arredores de Baucau – pode encontrar mais aqui encontrei Yatua, uma pequena aldeia no meio da serra, rodeada de vegetação e coqueiros, e onde cheguei ao anoitecer. Aí, fui extraordinariamente bem recebido e pude sentir uma vez mais todo o calor, simpatia e grande coração do povo timorense, neste caso da família Nicolau. Na aldeia conheci mais membros da família: os pais do Cirilo – o Sr. Joaquim e a Sra. Joaquina, os pais do Gregório – o Sr. Ricardo e a Sra. Isabel, o avô Júlio e mais tios, tias, sobrinhos e sobrinhas – e com eles tive um jantar, e serão muito animados, conversando sobre os nossos países em bom português. Já no dia seguinte e no regresso ao centro de Baucau, tive a oportunidade de observar as tradicionais e sangrentas lutas de galos. Em Timor Leste, estas lutas estão profundamente enraizadas na cultura do país e no mercado, vi a “loucura” que envolve esta tradição. A multidão frenética, o ruído, as apostas, as regras dos combates – vitória em caso de morte ou fuga -, os prémios – dinheiro e galo do perdedor, vivo ou morto -, a arena, os galos garbosos, as lâminas afiadíssimas presas nas patas, a “dança” mortal, os golpes na carne, o sangue espesso, os olhos dos animais no seu último fôlego e a morte a reclamar a vida dos vencidos…

Categorias
Crónicas Em trânsito Fotografia

Watabo & Com. Praias de Timor Leste

Do mundo tranquilo de Laclubar voltei a Baucau para reencontrar o Gregório como “prometido”. Primeiro apanhei um autocarro/carrinha de caixa aberta até Manatuto por entre serras, colinas, montes, florestas, plantações e ao longo da viagem, fizemos várias paragens para carregar mercadorias – lenha, vegetais, motorizadas… – e passageiros, muitos passageiros. 🙂 Já em Manatuto e na estrada principal do país, esperei que passasse um autocarro/carrinha para Baucau e à semelhança do primeiro “troço”, tive que acertar o preço do transporte sem inflações turísticas. 😛

IMG_4896 (FILEminimizer)      IMG_4899 (FILEminimizer)

Na cidade fiquei mais um par de dias tranquilos com o Gregório e durante esse tempo continuei a visitar a família Nicolau, a falar com pessoas muito simpáticas e hospitaleiras, dormi sestas, mostrei as fotografias que tirei previamente tanto em Baucau como em Laclubar e visitei a famosa praia de areia branca e mar de múltiplos verdes e azuis de Watabo – coco.

IMG_4922 (FILEminimizer)     IMG_4931 (FILEminimizer)

Daí segui para Com e a viagem durou sensivelmente três horas, no primeiro troço segui até Lautém e nessa vila apanhei um novo transporte que me levou por mais vinte quilómetros até finalizar a viagem. Durante todo o trajeto vi arrozais, aldeias, búfalos bem gordinhos, cabras e vacas, atravessei pontes, enseadas, colinas, coqueiros, campos de pasto, observei o céu azul e as nuvens brancas que corriam alegremente e senti a temperatura a ficar mais agradável à medida que me aproximava do meu destino.

IMG_4953 (FILEminimizer)

IMG_4956 (FILEminimizer)      IMG_5089 (FILEminimizer)

Na rudimentar “estância balnear” de Com, tentei dividir o “bem” pelas aldeias e desse modo, fiquei hospedado na Kati guesthouse e tomei todas as refeições na guesthouse da Dona Rosa. Aí para além de ter tido refeições agradáveis, fui informado que apenas existia um autocarro por dia para Asalaiunu e que o mesmo era de madrugada, negociei e acabei por comprar um lindo e colorido thai, e conheci a doce e educada Agnes – neta da Dona Rosa – que me pediu dinheiro para comprar cadernos para a escola.

IMG_4989 (FILEminimizer)      IMG_5164 (FILEminimizer)

IMG_5074 (FILEminimizer)      IMG_4981 (FILEminimizer)

Em Com passeei ao longo da costa – tanto para este como para oeste da vila -, tirei múltiplas fotografias; fascinei-me com a areia muito fina, com uma zona mágica de manguezais, com aquele mar de incontáveis azuis, com o silêncio reinante em praias completamente desertas; vi múltiplos cemitérios que misturavam motivos religiosos católicos – cruzes, Nossas Senhoras, Cristos – com animistas – múltiplas ossadas de animais; observei búfalos a banharem-se em charcos de lama; fiz praia e tomei belas banhocas – tanto de mar, como de sol; atualizei o caderno; vi filmes – The Third Man e The Man who shot Liberty Valance; apanhei um par de boleias de mota e constatei que nas estradas em redor da vila circulam mais cabras, vacas, galinhas, porcos e búfalos que automóveis e motorizadas :D; e houve uma situação em que tive de furar literalmente por uma vegetação muito densa e verde de coqueiros, bananeiras, campos e cercas até chegar a uma praia deserta, estrondosa! 🙂 Nesse momento ao observar o mar apaixonei-me definitivamente por Com e pelas praias de Timor Leste.           

IMG_5028 (FILEminimizer)      IMG_5013 (FILEminimizer)

IMG_5038 (FILEminimizer)    IMG_5115 (FILEminimizer)    IMG_5002 (FILEminimizer)

IMG_5137 (FILEminimizer)      IMG_5147 (FILEminimizer)

IMG_5158 (FILEminimizer)

Categorias
Crónicas Fotografia

Família e Luta de Galos em Baucau

Inesperadamente parti para Baucau, na companhia de Gregório e de Cirilo, e mesmo antes de partirmos de Díli tivemos alguns problemas com a “malta” das carrinhas/autocarros, pois quando quisemos mudar de veículo, não nos queriam deixar tirar as bagagens. Durante a discussão, houve momentos em que pensei que iria haver pancadaria, pois o Gregório normalmente sempre calmo, estava passado! Felizmente o Cirilo, resolveu a questão com um misto de “tomates” e muita serenidade. 🙂

IMG_4515 (FILEminimizer)    IMG_4525 (FILEminimizer)    IMG_4529 (FILEminimizer)

IMG_4522 (FILEminimizer)      IMG_4524 (FILEminimizer)

Durante as três horas da viagem, colina abaixo, colina acima, fui alvo da curiosidade geral dos outros passageiros e fui observando a bonita costa timorense: o mar, as rochas, as árvores, as praias…, as aldeias muito simples e humildes, e as pessoas sempre sorridentes.

IMG_4670 (FILEminimizer)       IMG_4673 (FILEminimizer)

IMG_4674 (FILEminimizer)      IMG_4671 (FILEminimizer)

Em Baucau, deixei o “monstrinho” em casa do irmão de Gregório e andámos até Yatua, uma pequena aldeia localizada nas imediações da cidade, no meio da serra, rodeada de vegetação e coqueiros, e onde chegámos já ao anoitecer. Aí, fomos extraordinariamente bem recebidos e pude sentir uma vez mais todo o calor, simpatia e grande coração do povo timorense, neste caso da família Nicolau! 🙂 Na aldeia conheci mais membros da família: os pais do Cirilo – o Sr. Joaquim e a Sra. Joaquina, os pais do Gregório – o Sr. Ricardo e a Sra. Isabel, o avô Júlio e mais tios, tias, sobrinhos e sobrinhas – e com eles tive um jantar, e serão muito animados, conversando sobre os nossos países em bom português.

IMG_4536 (FILEminimizer)      IMG_4541 (FILEminimizer)IMG_4547 (FILEminimizer)      IMG_4556 (FILEminimizer)

No dia seguinte, depois do pesado pequeno-almoço – folhas de papaia com arroz – e de nos despedirmos dos pais de Gregório e de Cirilo, voltámos ao centro de Baucau onde continuei a visitar a família Nicolau 🙂 e tive a oportunidade de ver as tradicionais e sangrentas lutas de galos. Em Timor Leste, estas lutas estão profundamente enraizadas na cultura do país e no mercado da cidade, vi a “loucura” que envolve esta tradição. A multidão frenética, o ruído, as apostas, as regras dos combates – vitória em caso de morte ou fuga -, os prémios – dinheiro e galo do perdedor, vivo ou morto -, a arena, os galos garbosos, as lâminas afiadíssimas presas nas patas, a “dança” mortal, os golpes na carne, o sangue espesso, os olhos dos animais no seu último fôlego e a morte a reclamar a vida dos vencidos…

IMG_4570 (FILEminimizer)      IMG_4642 (FILEminimizer)IMG_4605 (FILEminimizer)     IMG_4593 (FILEminimizer)IMG_4595 (FILEminimizer)    IMG_4634 (FILEminimizer)IMG_4624 (FILEminimizer)    IMG_4654 (FILEminimizer)    IMG_4665 (FILEminimizer)

P. S. – Ainda em Baucau, despedi-me do Gregório com um abraço de até breve e reencontrei o irmão Vitor com quem parti para Laclubar…