Categorias
Crónicas Fotografia

Khao Yai!? Na Selva!

Ato II – A Redenção   

Depois do almoço e de recarregarmos um pouco as baterias, partimos a caminhar para o Orchid campsite, uma vez que era aí que começava o trilho número 2 – um dos dois, que se podia fazer sem guia. Porém e quando seguíamos pela estrada de alcatrão, voltámos a apanhar boleia de uma carrinha do parque natural e esta largou-nos na Haew Suwat Waterfall. Como já estávamos no final do trilho resolvemos visitar primeiro a cascata e depois seguir no mesmo no sentido inverso. Posso afirmar que a cascata não desiludiu, pois o seu caudal era realmente massivo e a sua altura imponente! Rugia como um tigre, selvagem! 🙂

IMG_0682 (FILEminimizer)    IMG_0709 (FILEminimizer)    IMG_0711 (FILEminimizer)

Daí partimos então para o trilho e às três da tarde começou a redenção de Khao Yai! O caminho estava bem marcado e era de facto no meio da selva, lamacento, havia alguns troncos caídos, a vegetação era abundante e cerrada por vezes. Sentia-se finalmente o sabor da selva e o seu toque exótico, mas uma selva que podíamos penetrar sem ajudas de terceiros. À medida que progredíamos sentia o meu estado de espírito a modificar-se e nesta altura já estava a achar que a vinda a Khao Yai não tinha sido nenhum desperdício. 🙂

IMG_0722 (FILEminimizer)     IMG_0724 (FILEminimizer)

Chegámos então às imediações de um rio e do primeiro aviso: “Beware of Crocodile”. Prosseguimos e uns minutos mais à frente, novo aviso: “No Swimming”, mais uns metros e novamente: “Beware of Crocodile”, a cada passo sentíamos que estávamos a aproximar-nos, até que… o trilho lamacento tornou-se mais lamacento e a sua direção virou completamente para o rio! Para além disso havia uma curva muito fechada e que nos cortava completamente a visibilidade. “Oh diabo! Tanto aviso ao crocodilo e agora somos encaminhados para os seus domínios!? Ainda para mais num terreno tão escorregadio e empapado!? Mau!” Parámos e ficámos a olhar um para o outro. :/

IMG_0698 (FILEminimizer)

Alternativas? Subir uma ladeira íngreme e embrenhar-nos no meio da selva? Não! Não era opção. Aliás não havia muito a fazer, ou voltávamos para trás ou seguíamos em frente. Foi o que fizemos. Muni-me com um pau grosso, de dois metros de comprimento e segui em frente, com a M. logo atrás de mim. Pé ante pé… Tum, Tum… Tum, Tum… o meu coração batia mais acelerado fruto da adrenalina e logo a seguir à curva, estancámos! Ali estava ele! Em cima de um tronco, no meio do rio a apanhar um banho de sol. Naquele momento relaxámos um pouco, pois soubemos onde estava o nosso “bichano” e qual o seu tamanho – aproximadamente três metros – e aparência – verde claro e olhos dissimulados, que nunca sabemos para onde estão a olhar. Foi realmente emocionante ver um predador no seu habitat e tão perto de nós – cerca de oito metros! Muito mesmo! E Khao Yai podia ter acabado ali que a redenção já estava feita! 😀 Porém a história não acaba aqui

IMG_0733 (FILEminimizer)     IMG_0737 (FILEminimizer)

Categorias
Crónicas Fotografia

Khao Yai!? Na Selva!

Ato I – Carrossel

De Pak Chong para uma das entradas do parque natural distam apenas vinte e seis quilómetros, mas os mesmos foram feitos de forma muito… muito vagarosa num dos famosos táxis coletivos do país. Já no pórtico de entrada, pagámos o bilhete e assim que metemos o pé na estrada, pedimos boleia a uma carrinha do staff que estava de passagem. 🙂 Os últimos dez quilómetros da viagem – que começara nessa manhã em Ayutthaya – já em direção ao HQ (Headquarters) foram desse modo, feitos numa carrinha de caixa aberta e com um sentimento profundo de felicidade e liberdade. 😀

IMG_0614 (FILEminimizer)     IMG_0619 (FILEminimizer)

Quando aí chegámos marcámos duas noites num dos bungalows e recebemos mapas e informações gerais sobre o parque e o seu funcionamento: horários, regras, trilhos… Do HQ até à zona do nosso alojamento, distavam dois quilómetros e os mesmos foram feitos de mochilas às costas, num ambiente quente e húmido numa estrada de alcatrão, que ficava no meio de uma paisagem vasta e muito verde. Belo! Senti que estava num lugar “mesmo” natural e esse sentimento foi acentuado pela presença de macacos e de “bambis” que fomos vendo à medida que caminhávamos. 🙂

IMG_0633 (FILEminimizer)     IMG_0624 (FILEminimizer)

O segundo dia, foi um carrossel de emoções. Mas vamos aos factos. De manhã eu e a M. decidimos fazer uns passeios em trilhos marcados mas por conta própria, porque desconfiámos da informação que referia que apenas dois dos trilhos existentes no parque, poderiam fazer-se sem recurso a guias/rangers – achámos que aquela era mais uma tentativa de “sacar” dividendos e uma armadilha made in Tailândia, para turistas – porém…

IMG_0641 (FILEminimizer)     IMG_0645 (FILEminimizer)

A manhã foi passada nas imediações do HQ a ser atacados por exércitos de mini sanguessugas muito persistentes e a andar para trás e para a frente sem conseguirmos quase sair do mesmo sítio! Os trilhos no início pareciam claros e óbvios, mas bastavam apenas cinco minutos, para mudarmos de opinião e voltarmos para trás. O ambiente era quente, húmido e a vegetação muito, muito, muito densa… pela primeira vez vimos e sentimos o que era a SELVA! Aos poucos caímos na realidade e percebemos que a informação que recebêramos não era nenhuma “balela” para “papalvos”, mas uma verdade cristalina! Só com o acompanhamento de alguém experiente e devidamente treinado se poderia chegar a bom porto.

IMG_0672 (FILEminimizer)     IMG_0675 (FILEminimizer)

Nessa altura, senti um misto de irritação e desilusão. Sentia-me preso e confinado a um espaço muito pequeno e com alternativas muito reduzidas, num local tão vasto como é o parque. Naquele momento pensei que a visita não estava a valer o investimento – tanto em termos de tempo, como de dinheiro – e que seria necessário algo realmente especial, para haver uma mudança no meu estado de espírito e eu modificar a minha opinião acerca de Khao Yai.

Categorias
Crónicas Em trânsito

Em trânsito: Viagens Malucas no Norte da Tailândia

Durante a segunda semana no país, mas a primeira em trânsito as viagens transformaram-se sempre em momentos surreais e amalucados. Na saída de Chiang Mai para Sukhothai os autocarros matinais foram suprimidos, sem qualquer aviso ou explicação! 😛

Na viagem para Ayutthaya eu e a M. fomos largados na berma da auto-estrada a cinco quilómetros do nosso destino, o centro da cidade! Pelos vistos na Tailândia quando se compra um bilhete de autocarro convém perguntar se este pára no centro da cidade! No final acabámos por sobreviver aos lobos humanos – taxistas – e com algum esforço e sorte à mistura lá conseguimos chegar à nossa guesthouse. 🙂

Na viagem para Pak Chong apanhámos uma carrinha e durante duas horas andámos pelas estradas do país às voltas sem sabermos para onde íamos. Quando a carrinha parou estávamos numa estação de autocarros com o motorista a mandar-nos sair da mesma sem nos dizer mais nada. :/ Estávamos completamente aos papéis e apontámos para os bilhetes que tínhamos, foi então que ele apontou para uma segunda carrinha e aí entregámos os bilhetes a outro motorista. Passados cinco minutos estávamos a arrancar  e apenas nessa altura percebi que estávamos em Saratobi. Desta feita a viagem apenas demorou quarenta e cinco minutos e nessa altura não havia dúvidas estávamos em rota para Pak Chong e consequentemente para o Parque Natural de Khao Yai, nosso destino. Três viagens, três viagens malucas… 100% de eficácia! Bem vindos à Tailândia! 😛

Categorias
Crónicas Fotografia

Pedalando em Ayutthaya

IMG_0344 (FILEminimizer)    IMG_0335 (FILEminimizer)    IMG_0403 (FILEminimizer)

À semelhança de Sukhothai, os templos continuam a ser construídos em tijolo mas a principal diferença é que em Ayutthaya os mesmos estão espalhados pela cidade e são mais impressionantes, uma vez que estão melhor conservados dado serem “ligeiramente” mais recentes e o reinado da cidade mais duradouro. A visita aos principais templos foi feita de bicicleta e o passeio fez-se num dia solarengo e num ritmo tranquilo e descontraído. 🙂

IMG_0480 (FILEminimizer)     IMG_0484 (FILEminimizer)

Dos inúmeros templos que vimos destaco o Wat Maha That com a sua enorme profusão de estátuas, principalmente um Buda em posição sentada, que era lindíssimo; a sua vastíssima área com chedis viharas; as deformações absurdas das paredes e das lajes; as colunas, as torres e… “algo” que foi uma das coisas mais singulares que vi na vida: uma estátua que era uma cabeça de Buda, completamente embutida e envolvida pelas raízes de uma árvore! Rocha e madeira fundidos, mas aqui a rocha já fora trabalhada por mãos humanas. Espetacular! É mesmo ver para crer. 🙂

IMG_0410 (FILEminimizer)     IMG_0442 (FILEminimizer)

Na cidade e a quatro quilómetros do seu centro também é possível encontrar-se sinais da presença portuguesa e o local apesar de pequeno e de estar em obras de requalificação – com o apoio de uma fundação que merecia muito mais destaque no nosso país, a fundação Calouste Gulbenkian – deixou-nos orgulhosos! Foi um prazer imenso, visitar um local onde os nossos antepassados estiveram, construíram, viveram e morreram e poder sentir um pouco da antiga grandeza de Portugal. 😀

IMG_0579 (FILEminimizer)     IMG_0584 (FILEminimizer)

P.S. – Na cidade e tal como em Chiang Mai continuámos a deliciar-nos com a maravilhosa comida thai. Encontrámos pela primeira vez um elefante na Ásia  muito mais pequeno que o seu irmão africano – que carregava turistas e tinha um olhar triste. :/ E foi com uma grande alegria – fruto do mais inesperado acaso – que voltei a reencontrar, Sam. Merci mon ami! 😀

Categorias
Crónicas Fotografia

Pedalando em Sukhothai

Depois da semana dourada em Chiang Mai, chegaram a primeiras viagens no norte da Tailândia e com elas as visitas a locais arqueológicos que foram o coração do seu antigo reino e império. 🙂  

IMG_0042 (FILEminimizer)     IMG_0055 (FILEminimizer)

Sukhothai foi o nosso primeiro destino e tendo em conta a vasta dimensão do parque arqueológico alugámos umas bicicletas para partir à sua descoberta. O mesmo está dividido em três áreas distintas: Central, Oeste e Norte e se em tempos era possível comprar um bilhete global, hoje em dia tal já não é possível e cada zona vende os bilhetes separadamente. Comprámos então o bilhete para a zona central e a mais importante, e na entrada o controlo foi de tal modo ridículo, que só não entrámos sem bilhete porque já o tínhamos comprado! Uma lição para o futuro.

IMG_0086 (FILEminimizer)     IMG_0189 (FILEminimizer)

Num dia completamente farrusco e cinzento, pedalámos com tranquilidade e percorrendo o verde parque fomos vendo: inúmeros templos, colunas e estupas em forma de sino construídas em tijolo; incontáveis estátuas de Buda nas diferentes posições – a caminhar, em pé, sentado…; árvores e as suas densas e impressionantes raízes superficiais; lagos que se assemelhavam a pântanos. 🙂 O dia foi sereno como o local que visitámos e quando chegámos à guesthouse e apesar do dia de chuva e encoberto, houve “alguém” que conseguiu queimar-se! Incrível não!? Mas é verdade! 😛

IMG_0147 (FILEminimizer)     IMG_0122 (FILEminimizer)IMG_0184 (FILEminimizer)     IMG_0265 (FILEminimizer)

Categorias
Crónicas Fotografia

Chiang Mai? Uma Semana Dourada!

A semana passada em Chiang Mai, foi escrita na memória e no coração com a cor da cidade… a cor do ouro e existiram vários momentos que contribuíram para a sua riqueza. 😀 O primeiro deles, foi encontrar uma guesthouse – Banjai Garden – que fruto do acaso – um reencontro com Sam, um rapaz francês que encontrei pela primeira vez, em Nong Khiaw  acabou por se transformar na minha primeira casa em viagem. Durante quase uma semana, eu o Kristian ficámos aí hospedados e sentimos o calor de Franck e Izze, os nossos queridos anfitriões.

IMG_9411 (FILEminimizer)    IMG_9414 (FILEminimizer)

Juntamente com o Kristian e montados numa scooter, fizemos um loop de cerca de uma centena de quilómetros, em redor da cidade. Durante a viagem, para além da visita ao reino dos tigres, visitámos as cascatas de Tatman e Tatluang – água de cor barrenta – observámos uma paisagem verde de florestas, montes e vales e fomos “abençoados” por uma chuva torrencial que fez a estrada ficar quase invisível e nos fez parar para comer um delicioso corneto de chocolate, que soube a “nozes”. 🙂

IMG_9529 (FILEminimizer)     IMG_9534 (FILEminimizer)

Tive a oportunidade, de pela primeira vez saborear a maravilhosa e barata comida tailandesa e participar numa memorável e deliciosa aula de culinária, que não se esgotou nesse dia. Uma vez que nela, eu e o Kristian conhecemos duas “kiwis” – raparigas neozelandesas – e uma “uncle Sam” – rapariga americana – com as quais – e juntamente com Sam – tivemos duas noites inesquecíveis de: convívio, música, conversa, partilha e copos. Obrigado, amigos! Obrigado, Kristian! 😀

IMG_9776 (FILEminimizer)     IMG_9850 (FILEminimizer)

E principalmente, recebi a visita que tanto aguardava e pela qual esperei desde a minha ida a Portugal, não sem antes nos desencontrarmos e reencontrarmos no pequeno aeroporto de Chiang Mai, com um sorriso nos lábios e um abraço muito apertado. 😀

IMG_9718 (FILEminimizer)     IMG_9881 (FILEminimizer)

Juntos, visitámos os múltiplos e ricos templos da cidade, dos quais a grande maioria são dourados, entre eles o excessivamente famoso Doi Suthep e que se localiza a dezassete quilómetros do centro. Na maioria desses templos maravilhosos, vimos: sumptuosos altares; inúmeras estátuas de buda; fitas e bandeiras presas nos tetos; sinos; guarda-chuvas; incensos e velas a arder; e monges a orar e a receber o seu ordenado, tais como funcionários de qualquer empresa! :/

IMG_9818 (FILEminimizer)     IMG_9973 (FILEminimizer)

Experimentámos pela primeira vez o prazer indulgente duma massagem tailandesa – sem malícia – pelas mãos de massagistas experientes e durante uma hora fomos bem esticados, puxados, repuxados, comprimidos e apertados. Ficando no final uma sensação de leveza e “desenferrujamento” muscular. 🙂

IMG_0016 (FILEminimizer)     IMG_9402 (FILEminimizer)

Na despedida da cidade, passeámos pelo enorme e vastíssimo Sunday Market. E posso afirmar que nunca tinha visto um mercado a “tomar de assalto” uma cidade daquela maneira, com várias ruas principais a fecharem o acesso ao trânsito e a serem invadidas por hordas de vendedores, turistas e nativos. Aí pode-se encontrar um pouco de tudo: vestuário – T-shirts, calças, vestidos, roupa interior, lenços; calçado – chinelos, sapatos…; artesanato – brincos, anéis, carteiras, bolsas; bugigangas variadas e cheias de cor e claro comida, muita comida – grelhados, sopas, sumos de fruta, doces, saladas. O ambiente da cidade assemelha-se ao de uma grande romaria popular descontraída e até ao seu encerramento – cerca das 22.00 – os templos continuam abertos, sendo fantástico observar o seu dourado a resplandecer sob a iluminação dos holofotes. Tudo brilha, tudo parece ouro e existe uma aura de riqueza e ostentação. Aqui não há privações. Bem vindos à face rica da Tailândia! 😀

IMG_9390 (FILEminimizer)     IMG_9393 (FILEminimizer)

Categorias
Crónicas Fotografia

No Mundo da Cozinha Thai

Ato II – Culinária

Quando voltámos às nossas bancadas individuais, a primeira coisa que fizemos foi pôr o nosso avental vermelho e com as indicações da nossa instrutora pôs-se a cozer arroz de jasmim e um segundo tipo, sticky rice – um arroz que é peganhento, devido à goma existente no bago – que serviriam de acompanhamento para os pratos que iríamos confecionar.

IMG_9647 (FILEminimizer)    IMG_9659 (FILEminimizer)    IMG_9697 (FILEminimizer)

Começámos por fazer uma pasta de caril e no meu caso que escolhi a verde, a base eram chilis verdes – quanto mais compridos e maiores, menos picantes – cebola, alhos, cebolinho e gengibre. Tudo para dentro de um almofariz e depois foi pôr o pilão a bombar. À medida que os ingredientes iam sendo esmagados, o cheiro intensificava-se, um cheiro a chili fresco invadia o meu olfato. 🙂 Depois destes primeiros ingredientes já formarem uma pasta grosseira, juntou-se umas folhas verdes de outras plantas que não consegui fixar o nome, e continuei a esmagar até a pasta ficar mais uniforme, homogénea e pastosa. Tirei a pasta do almofariz e pus o máximo que consegui numa tigela, para a mesma apurar o seu sabor.

IMG_9682 (FILEminimizer)     IMG_9685 (FILEminimizer)

Findada esta tarefa, voltámos a nossa atenção para as sopas, no meu caso: Tom Kaa com galinha. Numa pequena caçarola juntei leite de coco e ervas em lume brando – para aromatizar – depois piquei cebola, tomate e cogumelos e juntamente com uns bocados de galinha coloquei tudo dentro da caçarola e aumentei o lume até ao ponto de fervura e assim ficou durante cinco minutos, altura em que retirei a sopa do lume e a pus numa tigela.

IMG_9689 (FILEminimizer)     IMG_9690 (FILEminimizer)

O segundo prato, tinha como base a pasta de caril previamente feita e o primeiro passo foi pô-la a fritar. Quando o cheiro se começou a intensificar, juntei-lhe leite de coco e galinha e passados poucos minutos as abóboras – uma amarela e outra verde. Depois de se apagar o lume juntei-lhe mais umas “plantas” e deixei tudo a apurar na caçarola. O meu terceiro prato foi galinha com cajus – cebola, cenoura, feijão verde, galinha, cogumelos, cajus e um molho que resultava da junção de outros dois – que foi feito num wook.

IMG_9699 (FILEminimizer)     IMG_9701 (FILEminimizer)

Quando acabámos, partimos para a fase de degustação e a mesma foi espetacular pois tivemos a oportunidade de nos deliciar com os saborosos pratos confecionados. 😀 Foi um almoço farto: uma sopa, dois pratos principais, salada  e muito arroz. Quando acabei a refeição estava “grávido”! Ou quase… 😉 Depois do repasto tivemos meia hora para relaxar e durante esse período, aproveitei para conversar com uns holandeses. Ainda “grávido” voltei à minha bancada e quando me preparava para fazer a sobremesa e “fechar a loja”, vi que afinal faltava a confeção de mais um prato! Pad Thai. “Ok… sem problemas, vou cozinhar e depois peço um recipiente para levar para a guesthouse.” 😛 A verdade é que nem foi preciso. Terminado o prato, pusemos o mesmo num saco de plástico e ensinaram-nos a técnica Thai do empacotamento. “Porreiro pá! O jantar também está garantido.” 🙂

IMG_9702 (FILEminimizer)     IMG_9705 (FILEminimizer)

Chegou-se finalmente ao último prato do dia, a sobremesa. A minha era manga com arroz pegajoso (sticky rice) e umas sementes. Deliciosa! Ah e como o Kristian não conseguiu acabar de comer a sua sobremesa – abóbora em leite de coco – eu fui em seu auxílio e dei-lhe uma ajudinha. Os amigos são para as ocasiões. 🙂 Depois de deixarmos as bancadas arrumadas e desimpedidas, despedimo-nos da nossa instrutora e partimos de regresso a Chiang Mai de papo, coração e memória cheios. 😀       

IMG_9709 (FILEminimizer)

Categorias
Crónicas Fotografia

No Mundo da Cozinha Thai

Ato I – Os Ingredientes                                                                                    

Novo dia, nova experiência. Desta feita eu o Kristian fomos participar numa das famosas aulas de culinária Thai, disponíveis em Chiang Mai. Depois de nos virem buscar à guesthouse e de andarmos a recolher os outros participantes, a nossa primeira paragem foi num mercado tradicional onde conhecemos a nossa monitora/instrutora e onde tivemos uma introdução aos ingredientes fundamentais da cozinha Thai.

IMG_9607 (FILEminimizer)      IMG_9608 (FILEminimizer)

Inicialmente a monitora, pareceu-me pouco natural e com um sorriso forçado, mas passado pouco tempo mudei de opinião. Ela era mesmo meio doida, divertida, hiperativa e repetia n vezes: “It is good for your men” – com um sorriso maroto. 😛 Bem dispostos começámos a ver os múltiplos molhos e óleos utilizados – uma panóplia vastíssima – passámos para os diferentes bagos de arroz – alongados, achatados, mais brancos, negros – coco, vegetais, ovos, chilis e terminámos nas carnes.

IMG_9611 (FILEminimizer)     IMG_9627 (FILEminimizer)

Do mercado voltámos a montar na carrinha e a caminho da quinta biológica onde o curso decorreu, escolhemos individualmente os pratos que queríamos confecionar – existiam três pratos à escolha em cada uma das diferentes seções. Quando chegámos, fomos encaminhados para o nosso anexo que era um espaço amplo, alto, arejado, limpo e com todos os utensílios necessários para a confeção dos nossos pratos – existiam três anexos gerais distintos, com três cursos a serem realizados em simultâneo, mas com um monitor para cada um deles. Antes de começarmos a cozinhar, passámos primeiro pelo jardim e aí tivemos a oportunidade de ver e provar algumas ervas aromáticas, frutos e plantas que são utilizados na confeção dos pratos Thai. Os ingredientes estavam apresentados. 🙂

IMG_9645 (FILEminimizer)      IMG_9646 (FILEminimizer)IMG_9662 (FILEminimizer)      IMG_9667 (FILEminimizer)

Categorias
Crónicas Fotografia Reflexões

Tiger Kingdom

A dez quilómetros de Chiang Mai, eu e o Kristian começámos a avistar umas placas a assinalar Tiger Kingdom e antes de chegarmos à entrada estivemos a conversar durante uns minutos, para decidir se entrávamos ou não. Eu disse-lhe que pela descrição de Max  – um alemão que conhecemos em Pak Beng  não tinha muita vontade de ir, mas caso fosse, era para ver o local com os meus olhos e depois relatar a minha experiência. O Kristian por sua vez disse que tinha curiosidade de ver os pequenos tigres, pois uma amiga tinha-lhe relatado maravilhas desse encontro.

DSCN4229 (FILEminimizer)     IMG_9439 (FILEminimizer)

Depois de esgrimidos os nossos argumentos, dirigimo-nos à entrada onde verificámos que para entrar na jaula dos mais pequenos tínhamos de pagar o bilhete mais caro, mas como entrar nas jaulas dos maiores e fazer-nos passar por hércules” não era o nosso objetivo, fomos visitar as crias sem nos importarmos com essa diferença – que diga-se em abono da verdade não era assim tão elevada. No entanto antes de entrarmos tivemos de assinar uns papéis de termos de responsabilidade e seguros. Já na zona dos benjamins tivemos de lavar as mãos, descalçar-nos e ler uma série de regras e avisos que devíamos cumprir enquanto, estivéssemos em contacto com eles, por exemplo: podíamos tocar-lhes, mas não na cabeça; não devíamos brincar com eles e “atiçar” o seu lado mais selvagem; fotografias sem flash.

IMG_9448 (FILEminimizer)     IMG_9437 (FILEminimizer)

A experiência foi engraçada. As pequenas crias são de facto adoráveis e as suas patas felpudas e gordas um must! 🙂 É giro ver como mesmo as crias têm patas tão poderosas e como o seu instinto já está vivo mas sem grande controlo. Nos quinze, vinte minutos que estivemos mais próximos deles deu para sentir a patita felpuda e “gorda”; vê-los brincar/praticar com os seus pares – mordiscar orelhas, ferrar os dentes, agitar as patas, engalfinharem-se uns nos outros de forma caótica e desordenada; observar o seu belo e lustroso pêlo e os seus olhos vivos. Apenas houve um momento que me deixou com uma sensação estranha e não muito confortável e aconteceu quando observei os olhos de uma cria enquanto ela estava no limbo entre dormir e acordar. Os seus olhos pareciam ausentes, baços e vazios como se a cria estivesse perdido toda a sua alma e vitalidade. Foi estranho! :/ Mas como foi caso único penso, quero pensar que a cria estava apenas a dormitar e que não estava drogada!

IMG_9434 (FILEminimizer)

Quando saímos da mini-jaula voltámos a calçar-nos e a lavar as mãos e seguimos pelo reino dos tigres apenas observando os tigres maiores do exterior das jaulas. Alguns deles pelo seu comportamento – andar repetidamente ao longo da jaula – apresentavam sinais claros de uma doença mental típica de espaços confinados; outros tinham os olhos vivos e brilhantes e estavam tranquilos, e outros brincavam com um tronco de aproximadamente três metros de comprimento, dentro de água. 🙂

DSCN4261 (FILEminimizer)     IMG_9520 (FILEminimizer)

Os tigres são animais com uma envergadura impressionante e uma presença poderosa e massiva, impondo na mesma dose e proporção, respeito e admiração. Acredito que ver uma criatura destas no seu habitat seja capaz de gerar emoções suficientes capaz de ressuscitar um morto, vê-los assim em cativeiro a servir de adereços para “hércules e herculinas” humanas provarem a sua “bravura e coragem”, não me agrada, fascina, atrai ou tem qualquer significado. Aliás, até significa mas no pólo negativo, porque está-se a reduzir um animal magnífico a um momento egocêntrico e de puro exibicionismo. 😦

DSCN4260 (FILEminimizer)

E para mim o relato do Reinos dos Tigres acaba aqui, porque a questão dominante de: os tigres estão ou não drogados? É complexa e de difícil ajuizamento. Houve alturas que pensei que sim, outras que não e no final saí sem certezas relativamente à questão. O que posso afirmar é que não gostei da “energia/vibração” do local, mas não me arrependo de lá ter ido, pois nem sempre uma pessoa paga e obtém uma boa experiência. Paguei, vi com os meus olhos e senti a atmosfera do local e isso foi suficiente para fazer valer a pena a ida ao Reino dos Tigres e dos Hércules.

IMG_9518 (FILEminimizer)

Categorias
Crónicas Em trânsito

Em trânsito: Huay Xai/Chiang Khong – Chiang Mai. Nervoso Miudinho!

Quando apliquei o visto da Tailândia em Vientiane havia uma questão que ninguém me tinha conseguido esclarecer: quanto tempo podia ficar no país com o visto que tinha impresso no passaporte? As opiniões dividiam-se: havia os que afirmavam 60 dias, uma vez que era esse o número máximo permitido pelo visto turístico; havia quem referisse, que como estava a cruzar a fronteira por terra esse valor seria reduzido para 30 dias; e havia ainda quem dissesse que dependia do oficial de emigração, enfim… Nada claro! :/ E neste caso específico eu necessitava de clareza, pois estava prestes a receber uma visita muito especial, que já se sabia, teria direito a estar 30 dias no país sem precisar de visto – entrada via aérea. Portanto o número de dias a que teria direito, iria traçar não apenas o meu futuro imediato, mas também o de “alguém”, que estava prestes a viajar milhares de quilómetros para me acompanhar durante um mês por terras do Oriente.

IMG_9386 (FILEminimizer)

Ainda no Laos fomos levados ao controlo de emigração e aí tivemos de pagar mais uma vez a famosa “taxa de fim-de-semana”, ou como eu gosto de chamar-lhe corrupção encapuçada! Desta feita a taxa era 10.000 kips ou um dólar – eles são corruptos e espertalhões, uma vez que na saída do país já quase ninguém tem dólares e os dez mil kips valem mais do que um dólar. Paga a taxa e carimbado o passaporte, apanhámos o barquito que nos fez cruzar o Mekong e pisei pela primeira vez solo tailandês.

Na posto de entrada, estava uma grande confusão e concentração de pessoas e para não me separar do resto do grupo pedi a um homem que parecia monitor de um grande grupo de miúdos, se podia passar à frente deles. De óculos escuros, cara inexpressiva e séria disse que não com uma voz seca e gelada e depois de um grande compasso de espera, lá afirmou que estava a brincar. Enfim o axioma da estupidez a funcionar, mais uma vez! Adiante. Na janela do oficial de emigração entreguei o meu passaporte e quando ele me perguntou quanto tempo pretendia ficar no país, expliquei que na próxima sexta feira iria receber uma visita e que por esse motivo os 60 dias seriam muito bem aceites. Ele olhou para mim e começou a folhear o passaporte e passado um minuto, ouvi o som de carimbos a bater. O veredito estava dado, eu é que ainda não sabia o resultado. Recebi o passaporte e enquanto ele fazia o gesto para seguir, senti o nervoso miudinho da incerteza e tinha esperança que a burocracia e o tempo despendidos tivessem valido a pena.

Abri o passaporte e vi o carimbo azul… admitted untill… e a data carimbada a vermelho! Consegui! Tudo valeu a pena! 😀 De sorriso nos lábios dirigi-me ao resto do grupo, que já estava pronto e disse-lhes que tudo correra bem. Juntos esperámos pela nosso táxi/carrinha e passado meia hora arrancámos estrada fora pelas paisagens verdes do norte da Tailândia, rumo a Chiang Mai… a capital dourada do Norte. 🙂