Bagan. No Reino dos 3000 Templos?

No primeiro dia em Bagan, às 5.00 já estávamos montados numas biclas a pedalar, afinal o astro rei despontava às 5.30 e neste local os dias são conhecidos por serem escaldantes. 😛 Do topo de um templo, que não era dos mais famosos e na presença de “ninguém”, exceto dos meus companheiros bascos e de um nativo que nos guiou ao local, ter a felicidade de observar aquela paisagem onde se viam centenas de templos em nosso redor, foi de facto especial! 😀 Nas nossas primeiras horas em Bagan, visitámos alguns dos templos principais e destes, o que mais me agradou foi de Anada, principalmente o seu fabuloso interior com quatro budas gigantes em posição de pé! 🙂

IMG_0708 (FILEminimizer)

DSC_3930 (FILEminimizer)

IMG_5847 - Copy (FILEminimizer)      IMG_5878 - Copy (FILEminimizer)

IMG_5879 - Copy (FILEminimizer)    IMG_0716 (FILEminimizer)    IMG_5892 - Copy (FILEminimizer)

IMG_5886 - Copy (FILEminimizer)     IMG_5890 - Copy (FILEminimizer)

IMG_5906 - Copy (FILEminimizer)      IMG_0749 (FILEminimizer)

Depois de algumas deambulações, regressámos à guesthouse para tomar o pequeno-almoço e até às 15.00 ficámos no quarto a proteger-nos do calor. Às 16.00, partimos novamente para a zona dos templos onde visitámos a pagoda dourada de Shwezigon e seguidamente a grande pagoda branca de Shwesandaw, donde avistámos na perfeição a seca planície e grande parte dos templos de Bagan! 😀 Já quase sem luz, chegámos às imediações do maior templo, o templo de Dhammayangyi e com uma grande trovoada a aproximar-se explorámos um bocadinho do mesmo, quais verdadeiros Indian Jones. 🙂 

IMG_5938 - Copy (FILEminimizer)      IMG_5946 - Copy (FILEminimizer)

IMG_5949 - Copy (FILEminimizer)       IMG_5985 - Copy (FILEminimizer)

IMG_5978 - Copy (FILEminimizer)

DSC_3975 (FILEminimizer)

DSC_3982 (FILEminimizer)

IMG_5989 - Copy (FILEminimizer)      IMG_5995 - Copy (FILEminimizer)

IMG_6021 - Copy (FILEminimizer)

No segundo dia, tínhamos um tour marcado até ao Monte Popa, mas antes de partirmos acordámos novamente de madrugada para ver nascer mais um dia. Apesar das muitas nuvens existentes no céu, este foi um momento sereno e tranquilo. 🙂 Ao regressar à guesthouse, troquei a minha bagagem de aposentos, uma vez que os bascos iam partir ao final do dia para Kalaw e em amena cavaqueira tomámos o pequeno-almoço. Na altura da partida, juntou-se a nós uma rapariga japonesa – Naomi – e com todos a bordo seguimos viagem. Na travessia até ao nosso destino, parámos algumas vezes para o nosso motorista fazer recados 😛 e uma vez para comprar recuerdos – bebidas fermentadas e açúcar.

IMG_6025 - Copy (FILEminimizer)      IMG_7595 (FILEminimizer)

IMG_7606 (FILEminimizer)       IMG_6045 - Copy (FILEminimizer)

IMG_7613 (FILEminimizer)      IMG_7614 (FILEminimizer)

IMG_7616 (FILEminimizer)

A verdade é que o Monte Popa se revelou mais bonito e espetacular ao longe. Visto de perto, não passava de um conjunto de templos pouco interessantes no topo de um grande rochedo e “infestado” de macacos. Para além disso, o tempo encoberto e nublado também não ajudou à “festa”. :/ No caminho de regresso, parámos para almoçar e esse foi possivelmente o melhor momento do tour, uma vez que por uma bagatela, comemos que nem reis. 😀 Tal facto, aconteceu graças a nós, uma vez que o nosso motorista tentou meter-nos num local “manhoso” e inflacionado – nada de novo, em terras do Oriente!. Para finalizar este Popa tour, ou deveria dizer Treta tour fomos até à floresta de pedra e aí um “guia” que não falava inglês fez-nos uma visita, que se revelou o momento mais surreal e hilariante de Myanmar! 😛 O “guia” era um autêntico desastre e no final o que vimos, foi uma árvore que parecia ter a madeira transformada em “pedra”? Só, rindo mesmo! 😛

IMG_6049 - Copy (FILEminimizer)      IMG_6054 - Copy (FILEminimizer)

IMG_6062 - Copy (FILEminimizer)     IMG_6082 - Copy (FILEminimizer)

IMG_4604 (FILEminimizer)     IMG_6085 - Copy (FILEminimizer)

IMG_6072 - Copy (FILEminimizer)

IMG_6078 - Copy (FILEminimizer)

IMG_6100 - Copy (FILEminimizer)      IMG_4637 (FILEminimizer)

IMG_6102 (FILEminimizer)     IMG_6104 (FILEminimizer)

IMG_6115 (FILEminimizer)     IMG_6117 (FILEminimizer)

No regresso à vila de Nyaung OO e à semelhança do que aconteceu no lago de Inle, organizei todas as fotografias e desse modo todos partilhámos os nossos ficheiros. 🙂 Como nesse momento, senti que ainda havia muito mais em Bagan para explorar, desisti de partir para Pyay no dia seguinte, e mesmo perdendo metade do valor do bilhete consegui marcar um autocarro para Yangon para daí a dois dias. Depois de me despedir dos bascos com um forte abraço, fiquei a repousar no quarto satisfeito com a decisão de ter prolongado a minha estadia. 🙂 Nos restantes dias, não tentei mais ver o nascer do sol, mas comecei sempre a minha jornada às 9.00. No Sábado, tive a companhia de Noami e de Jaume – um simpático rapaz espanhol que conheci na guesthouse – e juntos tivemos um dia cheio de templos, pagodas, budas e saltos com direito a fotografias (com/sem chapéu de chuva colorido). 😛

IMG_6129 - Copy (FILEminimizer)

IMG_6130 - Copy (FILEminimizer)    IMG_4722 (FILEminimizer)

IMG_4763 (FILEminimizer)    IMG_4776 (FILEminimizer)

IMG_4800 (FILEminimizer)     IMG_6137 - Copy (FILEminimizer)

IMG_6158 - Copy (FILEminimizer)      IMG_6181 - Copy (FILEminimizer)

IMG_6188 - Copy (FILEminimizer)      IMG_6219 - Copy (FILEminimizer)

IMG_4843 (FILEminimizer)      IMG_4846 (FILEminimizer)

IMG_4847 (FILEminimizer)     IMG_4848 (FILEminimizer)

IMG_4915 (FILEminimizer)

No último dia em Bagan, fiz o meu percurso a solo e nesse dia muito cinzento e chuvoso, diverti-me bastante na procura dos templos que ainda não tinha visitado e tive momentos extraordinários: os espaços completamente desertos, as pinturas, as estátuas e os relevos espetaculares, a procura de caminhos escondidos para os telhados e as panorâmicas maravilhosas dos mesmos. 🙂 Quando parti de Bagan, estava super FELIZ. 😀 Em termos culturais, poucas vezes estive na presença de algo desta magnitude, se é que alguma vez estive! 😛 O ambiente do local é memorável e encantador, e andar de bicicleta de templo em templo é uma experiência inolvidável. O reino dos três mil (ou seriam mais!?) templos vai deixar muitas saudades. 😉

IMG_6259 - Copy (FILEminimizer)     IMG_6264 - Copy (FILEminimizer)

IMG_6272 - Copy (FILEminimizer)     IMG_6280 - Copy (FILEminimizer)

IMG_6302 - Copy (FILEminimizer)

IMG_6355 - Copy (FILEminimizer)      IMG_6371 - Copy (FILEminimizer)

IMG_6386 - Copy (FILEminimizer)      IMG_6417 - Copy (FILEminimizer)

IMG_6421 - Copy (FILEminimizer)

IMG_6424 - Copy (FILEminimizer)     IMG_6435 - Copy (FILEminimizer)

IMG_6440 - Copy (FILEminimizer)     IMG_6452 - Copy (FILEminimizer)

IMG_6455 - Copy (FILEminimizer)     IMG_6458 - Copy (FILEminimizer)

IMG_6474 - Copy (FILEminimizer)     IMG_6476 - Copy (FILEminimizer)

P.S. – Se há algum aspeto menos positivo, que se possa apontar a Bagan, só mesmo o de alguns nativos praticarem mendicidade e outros tentarem vender recuerdos com recurso a técnicas que geram pena ou empatia. É de facto uma pena que tal aconteça! :/

Em trânsito: Mandalay – Bagan. Dia a Bordo

Se a viagem de madrugada para o cais decorreu com toda a tranquilidade o mesmo já não posso dizer da venda do bilhete para o barco, uma vez que ao tentar pagar em Kyat  e depois da minha insistência, os “diligentes” funcionários do governo, tornaram-se agressivos! :/ Quando embarquei, estava “puto da vida”! E nessa altura conheci uns bascos com quem comecei a falar.

IMG_5769 (FILEminimizer)     IMG_5771 (FILEminimizer)

IMG_5772 (FILEminimizer)     IMG_5775 (FILEminimizer)

IMG_5782 (FILEminimizer)      IMG_5787 (FILEminimizer)

O dia foi tranquilo e durante as mais de quinze horas de viagem (5.30 – 20.00) observei os nativos, falei com os meus companheiros de travessia – Ekhi, Jon e Aritxu – escrevi um bocadinho no caderno, dormitei, alimentei-me e vi a paisagem a mudar, a tornar-se mais seca à medida que viajávamos para sul.

      IMG_5792 (FILEminimizer)      IMG_0615 (FILEminimizer)

    IMG_5795 (FILEminimizer)     IMG_5803 (FILEminimizer)

    IMG_5806 (FILEminimizer)     IMG_0630 (FILEminimizer)

Na chegada a Bagan, mantivemo-nos juntos e depois de pagarmos o bilhete de entrada para a zona dos templos, fomos deixados numa guesthouse que tinha quartos quádrupulos. Perfeito! 🙂 Depois de jantarmos qualquer coisa, fomo-nos deitar, afinal o dia tinha sido longo e o dia seguinte iria começar de madrugada…

IMG_0654 (FILEminimizer)     IMG_5809 (FILEminimizer)

IMG_5814 (FILEminimizer)     IMG_5820 (FILEminimizer)

IMG_5821 (FILEminimizer)    IMG_5833 (FILEminimizer)

Tour em Amarapura, Sagaing e Inwa

Depois da visita à interessante cidade de Mandalay, havia que visitar os seus arredores, uma vez que estes estão repletos de locais de interesse histórico e cultural. Tal como previamente combinado, o taxista apareceu à hora marcada e juntamente com as raparigas parti de espírito animado. A nossa primeira paragem ocorreu em Amarapura, onde encontrámos centenas de monges em fila para almoçar. A disciplina, os rostos sóbrios, serenos e sorridentes (dos mais jovens), os pés a caminhar, as vestes bordô, os turistas a tirar fotografias. Foi sem dúvida, um ritual interessante de observar. 🙂

IMG_5346 (FILEminimizer)    IMG_5352 (FILEminimizer)

IMG_5360 (FILEminimizer)    IMG_5361 (FILEminimizer)

IMG_5373 (FILEminimizer)    IMG_5379 (FILEminimizer)

IMG_5399 (FILEminimizer)

IMG_5407 (FILEminimizer)

Daí, seguimos para a colina de Sagaing, donde observámos uma paisagem coberta de pagodas, florestas, campos de cultivo, rios, pontes e para além da bonita panorâmica, o templo e a pagoda no topo, revelaram-se bastante fotogénicos e cheios de detalhes. Depois da simpática visita, o nosso motorista levou-nos até às imediações de Inwa e antes de atravessarmos o rio num pequeno barco, aproveitámos para almoçar.

IMG_5443 (FILEminimizer)    IMG_5451 (FILEminimizer)    IMG_5474 (FILEminimizer)

IMG_5444 (FILEminimizer)    IMG_5468 (FILEminimizer)

IMG_5475 (FILEminimizer)     IMG_5491 (FILEminimizer)

IMG_5498 (FILEminimizer)     IMG_5504 (FILEminimizer)

IMG_5537 (FILEminimizer)    IMG_5542 (FILEminimizer)

A curta travessia demorou menos de cinco minutos e na chegada, fomos completamente assediados por condutores de carroça, que queriam transportar-nos! Enquanto andávamos, eles seguiam-nos e não se calavam! Exasperante! :/ Depois de dez minutos de martírio, já estava no meu limite de paciência e assim que vi uma brecha de oportunidade – uma ponte pedonal – afastei-me daqueles chaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaatos! As raparigas seguiram-me os passos e sem fazermos ideia, esse foi o momento fulcral da nossa visita a Inwa. Logo de seguida, começámos a encontrar diferentes tipos de estupas e pagodas, construções antigas, até… os nossos olhos “colidaram” com a imagem de um grande templo amarelo “sujo”! Surreal! Espetacular… ficámos completamente fascinados e sem avistar vivalma, fomos deambulando pelo local. 😀 Daí, continuámos as explorações e vimos uma grande tempestade a aproximar-se, andámos livremente por campos de cultivo, vimos uma grande pagoda dourada, coqueiros e palmeiras, vacas, cavalos, camponeses, muralhas e uma torre a emergir do nada!

IMG_5596 (FILEminimizer)

IMG_5548 (FILEminimizer)      IMG_5553 (FILEminimizer)

IMG_5622 (FILEminimizer)     IMG_5623 (FILEminimizer)

IMG_5626 (FILEminimizer)     IMG_5628 (FILEminimizer)

IMG_5642 (FILEminimizer)      IMG_5646 (FILEminimizer)

IMG_5665 (FILEminimizer)

Terminada a fantástica e memorável visita a Inwa, voltámos a fazer a travessia do rio e já em terra o nosso “jarbas” conduziu-nos de regresso a Amarapura, desta feita até ao lago de Taung Tha Man. Aí, ao final do dia, mas sem pôr do sol passeámos calmamente sobre a bonita ponte de madeira de U Bain, onde vimos a tranquila paisagem em redor e as pessoas que por lá circulavam, principalmente os serenos monges de vestes esvoacentes. Esta foi a conclusão perfeita, para o tour nos arredores de Mandalay. 🙂

IMG_5675 (FILEminimizer)     IMG_5681 (FILEminimizer)

IMG_5710 (FILEminimizer)     IMG_5724 (FILEminimizer)

IMG_5728 (FILEminimizer)     IMG_5750 (FILEminimizer)

DSC_2751 (FILEminimizer)     IMG_5764 (FILEminimizer)

IMG_5768 (FILEminimizer)

Mandalay & Mustache Brothers

A Mandalay, outra das capitais do reino da antiga Birmânia cheguei por volta das 3.00! “Ora bolas!” Ao olhar em redor, vi duas raparigas (Maru e Cecilia) de feições ocidentais e ainda no interior do autocarro, perguntei-lhes se queriam partilhar táxi para o centro da cidade. Antes de partirmos, negociámos o valor com o taxista e no preciso momento que estávamos para abalar, juntou-se a nós uma rapariga australiana de feições asiáticas. Como nenhum de nós tinha alojamento marcado, pedi ao taxista para nos conduzir ao E.T. Hotel, onde conseguimos dois quartos duplos com A/C e casa de banho por um preço muito simpático – sendo novamente importante a capacidade de negociação. Foi assim, que acabei a partilhar quarto com a rapariga australiana, isto sem a conhecer previamente. Nesse momento pensei: “é assim a vida de viajante, um dos expoentes máximos da liberdade, mas ao mesmo tempo do maior respeito pela individualidade, de cada um”. 🙂 Apesar de apenas termos pago a estadia para as noites posteriores, o rececionista foi um porreiraço, uma vez que nos deixou fazer o check-in ainda de madrugada.

IMG_4921 (FILEminimizer)      IMG_4924 (FILEminimizer)

IMG_4957 (FILEminimizer)     IMG_4988 (FILEminimizer)

IMG_4993 (FILEminimizer)     IMG_5046 (FILEminimizer)

IMG_5050 (FILEminimizer)

Assim que cheguei ao poiso, o meu primeiro passo foi ir até terraço estender a roupa que ainda estava encharcada e quando regressei, decidi ver o nascer do sol a partir da colina de Mandalay. Saí do hotel, em direção ao palácio e fui percorrendo as muralhas no seu perímetro exterior, ficando admirado por àquela hora já se verem pessoas em atividade física. 🙂 Quando cheguei às imediações da colina, comecei a subir degraus até chegar ao topo, donde vi a cidade do alto, bem como os seus arredores: os campos verdes, os montes, as árvores, o rio, os templos, as estupas, as pagodas… e fiquei muito satisfeito não apenas com aquela bonita panorâmica, mas também com todas as singularidades que fui encontrando nos múltiplos templos, principalmente, quando comecei a andar em rota descendente.

IMG_5084 (FILEminimizer)     IMG_5090 (FILEminimizer)

IMG_5094 (FILEminimizer)    IMG_5098 (FILEminimizer)

IMG_5120 (FILEminimizer)    IMG_5141 (FILEminimizer)

IMG_5148 (FILEminimizer)

Já na base da colina, visitei algumas pagodas e o Palácio de Mandalay. Terminada a visita, posso afirmar que o palácio nem sequer metade do valor pago, vale! E que a área turística é minúscula e pouco interessante! :/ Saindo do local, que deixou poucas saudades, segui ao longo do perímetro exterior das marulhas e antes de continuar a passear pela cidade, fui até ao quarto tomar um duche para baixar a temperatura corporal. Quando voltei a colocar os pezinhos na rua, o calor continuava a aumeeeeeeeeeeeeeeeeentar e por isso fiz uma paragem para comer um gelado, aliás… dois gelados. 😉 Da gelataria, passei pela torre do relógio, pelo mercado de Zaycho e dirigi os meus passos para sul onde visitei o templo de Maha Myat Muni, o mais importante e imponente da cidade. Aí, observei o contraste entre as incontáveis bancas de venda de quinquelharia e a zona dos artesãos que fabricam autênticas peças religiosas, seguindo posteriormente em busca do mosteiro de Shwe In Bin e da sua intricada estrutura exterior em madeira, verdadeiramente bela e singular. 🙂

IMG_5168 (FILEminimizer)     IMG_5174 (FILEminimizer)

IMG_5212 (FILEminimizer)

IMG_5186 (FILEminimizer)      IMG_5251 (FILEminimizer)

IMG_5258 (FILEminimizer)     IMG_5264 (FILEminimizer)

Deambulando pelas ruas continuei a observar Mandalay e todo o seu incessante movimento, e depois de aguardar um par de horas, vi o espetáculo semi burlesco dos Mustache Brothters. 🙂 Após o que vi na sua garagem, posso afirmar que estes “tipos” os têm no sítio e têm muita… muitíssima coragem! 😀 Lá, não há papas na língua e os “bois” têm nome… sendo o governo e forças policiais/militares corruptas até ao tutano! :/ No regresso ao hotel, já de noite, apanhei uma grande-chuvada e “graças” à mesma, pude realmente ver quão cheias de buracos estão as ruas da cidade. Um autêntico queijo-suiço! 😛

IMG_5275 (FILEminimizer)     IMG_5277 (FILEminimizer)

IMG_5281 (FILEminimizer)     IMG_5305 (FILEminimizer)

IMG_5307 (FILEminimizer)     IMG_5319 (FILEminimizer)

Inle Days? Group Days

Ato IV – Cozinha Birmanesa, Kakku Tour & Despedidas 

Depois dos dias de trekking até Inle e dos passeios em redor do lago, tanto por água como por terra, este foi um dia mais tranquilo e no qual aproveitei para lavar a roupa, uma vez que quase já não tinha que vestir! 😛 Depois do pequeno-almoço, eu e o Riccardo fomos encontrar-nos com o resto do grupo ao Richland Hotel, onde no quarto de Gil, Melissa e Fabianne, que mais parecia uma suite 😉 , comecei a organizar uma pasta de fotografias e vídeos do nosso grupo, para depois todos ficarmos e termos acesso aos mesmos ficheiros. 🙂

IMG_4737 (FILEminimizer)     IMG_4743 (FILEminimizer)

IMG_4745 (FILEminimizer)     IMG_4749 (FILEminimizer)

IMG_4753 (FILEminimizer)    IMG_4757 (FILEminimizer)

IMG_4774 (FILEminimizer)

Para além dessa tarefa, que se veio a revelar demorada, a outra atividade do dia resumiu-se a uma aula de culinária ao final da tarde e irmos ao mercado com o nosso anfitreão, comprar e conhecer alguns dos ingredientes que íriamos confecionar. A aula de culinária, revelou ser mais um jantar entre amigos que propriamente uma grande aprendizagem, mas não há dúvidas que o ambiente foi animado, o grupo estava todo bem disposto e a comida no nosso último jantar em conjunto estava excelente! 😀 Para além disso e no final, cada um de nós recebeu um saquinho de pano com diferentes especiarias e o casal que nos recebeu foram um autêntico “doce”! 😀 

IMG_4783 (FILEminimizer)     IMG_4791 (FILEminimizer)

IMG_4797 (FILEminimizer)    IMG_4801 (FILEminimizer)

IMG_4804 (FILEminimizer)

CIMG5668 (FILEminimizer)    CIMG5674 (FILEminimizer)

No último dia em Inle a principal atividade, foi ir até Kakku na companhia de Melissa e de Fabianne, um reino de pagodas concentradas numa área com um quilómetro quadrado! Uma autêntica floresta de densidade impressionante! 🙂 Para fazer o tour, necessitámos de um condutor e de uma guia oficial, pois infelizmente viajantes independentes não podem visitar o local. O caminho entre o lago e Kakku foi longo, sensivelmente duas e meia em cada direção, mas agradável, fruto das florestas e dos campos muito verdes que se avistavam. Durante a visita, também tivemos muita sorte, pois foi essa foi a única altura do dia em que não choveu. Um timing perfeito e muita sorte à mistura! 😉

IMG_4826 (FILEminimizer)

IMG_4829 (FILEminimizer)    IMG_4868 (FILEminimizer)

IMG_4869 (FILEminimizer)    IMG_4904 (FILEminimizer)

IMG_4909 (FILEminimizer)      IMG_4811 (FILEminimizer)

Quando regressámos a Nyaung Shwe, reencontrámos os rapazes – Riccardo, Gil e Nathan – e ficámos na sua companhia até partirem para Yangon. Pouco tempo depois, despedi-me de Melissa e Fabianne, uma vez que elas iriam para Kinpun e eu para Mandalay. Foi assim, que este fantástico grupo de pessoas se separou fisicamente, mas a ligação de tempos muito felizes, essa foi guardada no coração de cada um de nós. Grazie! Thank you! Danke! תודה! 😀 

Inle Days? Group Days

Ato III – Pedalando em Inle 

O despertar para o segundo dia não foi fácil. Não pela quantidade de bebidas ingeridas na tarde/noite anterior, mas pelas horas de sono dormidas, ou melhor dizendo… a falta delas! 😛 De qualquer modo e à hora marcada (5.30) lá estava eu e o Riccardo – o Português e o Italiano – aguardando pelos restantes elementos do grupo que também não tardaram aparecer. 🙂 Já reunidos, recebemos as nossas montadas de “puro-sangue” e de capacete na cabeça partimos para o nosso passeio de “bicla”, o dia começava a despontar…

IMG_4633 (FILEminimizer)     IMG_4636 (FILEminimizer)

IMG_4637 (FILEminimizer)    IMG_4643 (FILEminimizer)

IMG_4649 (FILEminimizer)    IMG_4652 (FILEminimizer)

IMG_4669 (FILEminimizer)    IMG_4680 (FILEminimizer)

Acompanhados por um céu levemente azul, começámos por percorrer uma estrada ao longo de bonitos e verdes arrozais, até chegarmos a um tranquilo mosteiro que visitámos com prazer. Aí, encontrámos um espaço de aura serena, cheio de luz suave e dois velhos monges muito simpáticos. 😀 Seguimos pedalando, acenando aos nativos e dizendo-lhes olá (mangelabá), até que voltámos a parar, desta feita num pequeno templo no topo de uma colina, onde acabámos por ficar um bocado deitados a relaxar. Quando tentámos visitar as fontes de água termais, tal não se revelou possível, uma vez que estas ficavam no interior de um SPA e o valor que nos pediram, pareceu-nos exagerado. Desse modo e como ninguém fez realmente questão de entrar, seguimos viagem e fomos pedalando, pedalando… pedalando com o objetivo de encontrar uma povoação com um cais e barqueiros que nos transportassem até à outra margem do lago. Durante o percurso, continuámos a observar a vida local: escolas, crianças traquinas e sorridentes, camponeses, búfalos e vacas, arrozais, palmeiras, florestas, estupas e pagodas. 🙂

IMG_4683 (FILEminimizer)           P1010866 (FILEminimizer)

IMG_4698 (FILEminimizer)    IMG_4699 (FILEminimizer)

IMG_4703 (FILEminimizer)    IMG_4706 (FILEminimizer)

IMG_4358 (FILEminimizer)           IMG_4708 (FILEminimizer)

Finalmente e depois de algumas horas a pedalar conseguimos encontrar um barco e um barqueiro, e depois de árduas negociações lá chegámos a um consenso. 🙂 A travessia com as bicicletas a bordo foi memorável e o único momento menos positivo, ocorreu já no desambarque, quando o nosso barqueiro não nos largou no local previamente combinado. Assim, decidimos pagar-lhe um montante ligeiramente inferior ao negociado, de modo a não recompensar a quebra de palavra – se os nativos forem “ensinados” que não há consequências, por não cumprirem a sua palavra, no futuro é isso que farão. Já desembarcados na margem oriental, recomeçámos a pedalar, desta feita a caminho de umas vinhas e nessa altura fruto do cansaço acumulado, só pensava em pedalar, pedalar… pedalar, de modo a chegar o mais rapidamente possível, sentar-me à mesa, beber uns copos de vinho e relaxar. 😛 Foi assim, que no final daquele looooooooooooooooongo passeio de bicicleta, pelas margens do lago de Inle, nos reunimos à mesa para um almoço tardio, onde fizemos uma prova de vinhos e brindámos à saúde, à amizade e à generosidade de buda… 😀

DSC07170 (FILEminimizer)

IMG_4726 (FILEminimizer)      GOPR2384 (FILEminimizer)

IMG_4374 (FILEminimizer)      IMG_4733 (FILEminimizer)

IMG_4735 (FILEminimizer)

DSC07179 (FILEminimizer)    DSC07182 (FILEminimizer)

Inle Days? Group Days

Ato II – A Bordo e a “Desbordo” 

No nosso primeiro dia realmente a “sério” em Inle, passeámos de barco todo o dia no lago e nos seus arredores. Primeiro, fizemos uma longa e serena travessia numa superfície de prata até à povoação de In Dein, onde encontrámos o mercado diário – no lago de Inle, todos os dias existe um mercado, a sua localização é que se vai alterando – e durante quarenta e cinco minutos vimos toda a sua azáfama e movimento, e apanhámos uma grande chuvada, que foi tão rápida a chegar como a partir. 🙂

IMG_4375 (FILEminimizer)     IMG_4376 (FILEminimizer)

IMG_4382 (FILEminimizer)     IMG_4390 (FILEminimizer)

IMG_4401 (FILEminimizer)            P1010749 (FILEminimizer)

IMG_4406 (FILEminimizer)     IMG_4407 (FILEminimizer)

IMG_4429 (FILEminimizer)

GOPR2313 (FILEminimizer)

De regresso ao lago, fizemos as “famosas” paragens nas lojas dos artesãos locais, ao mesmo tempo que vimos a vida do local e dos seus habitantes a desfilar à nossa frente, tal como os frames de um filme. 🙂 Primeiro, parámos numa loja de tecelagem e vimos como da flor de lótus se extrai a fibra, que depois se transforma em linhas para tecer peças de roupa, lenços, toalhas… cada uma destas peças, tecida com a linha desta flor é caaaaaaaaaaaríssima – muito mais do que a seda – mas ao observar a sua textura crua e tosca, não pude deixar de me questionar: “quem comprará, estas peças!?”. De qualquer modo, as linhas de lótus podem ser combinadas com as linhas de seda e quando tal acontece, o seu aspeto visual torna-se muito mais apelativo e luxuoso. O destino seguinte, foi uma loja de prata, onde vimos o interessante processo de fundição e onde encontrámos um cãozito muito engraçado e traquinas! 😛

IMG_4466 (FILEminimizer)     IMG_4470 (FILEminimizer)

P1010775 (FILEminimizer)

IMG_4480 (FILEminimizer)     IMG_4488 (FILEminimizer)

IMG_4496 (FILEminimizer)    IMG_4491 (FILEminimizer)

IMG_4510 (FILEminimizer)      IMG_4526 (FILEminimizer)

IMG_4527 (FILEminimizer)    IMG_4511 (FILEminimizer)

IMG_4515 (FILEminimizer)           P1010787 (FILEminimizer)

Nova paragem, desta feita numa “fábrica” tradicional de tabaco onde comprei cem cigarros para levar como recuerdos para Portugal e felizmente essa foi a nossa última “loja” do dia! 😉 Na paragem para almoçar, conseguimos negociar o valor do repasto e depois da paparoca, ficámos lá um bocado deitados a dormitar. 😛 Quando voltámos a embarcar, partimos para o Mosteiro dos Gatos Saltitantes, onde encontrámos um bonito mosteiro e gatos sonolentos e preguiçosos. 😛 A verdade é que durante o resto do dia não fizemos mais paragens, exceto algures no meio do lago para um mergulho, mas mesmo assim o tempo passou num ápice e apenas regressámos à vila de Nyuang Shwe depois das cinco da tarde. 🙂

IMG_4545 (FILEminimizer)     IMG_4555 (FILEminimizer)

IMG_4556 (FILEminimizer)            DSC07131 (FILEminimizer)

IMG_4562 (FILEminimizer)

DSC07132 (FILEminimizer)

IMG_4592 (FILEminimizer)     IMG_4607 (FILEminimizer)

IMG_4617 (FILEminimizer)            DSC07140 (FILEminimizer)

P1010839 (FILEminimizer)      GOPR2366 (FILEminimizer)

GOPR2368 (FILEminimizer)

Findado o passeio, regressámos ao barzito do dia anterior e antes de pedir algo, notei que me faltava o telemóvel. :/ Sem muita confiança, mas por descargo de consciência voltei ao cais para falar com o nosso barqueiro e antes de perguntar, já ele estava a acenar com o telemóvel na mão! Porreiro pá! 😀 Já mais animado, voltei à “base” e aí fiquei em amena cavaqueira durante o resto da tarde e príncipio da noite. Nessa altura e incrivelmente, passados algumas semanas e fruto do acaso, reencontrei Luke e Alexa  um casal de britânicos – que conhecera em Sugar Beach, Filipinas! O mundo é mesmo um T0! 😉

DSC07151 (FILEminimizer)

Inle Days? Group Days

Ato I – Entrada Gloriosa 

A entrada no lago de Inle, foi fabulosa e auspiciosa, uma vez que para chegar ao lago verdadeiramente dito tivemos de percorrer diversos canais, como se estivessemos em Veneza, mas versão rural! 😀 O nosso primeiro destino, foi a povoação de In Dein onde encontrámos uma paisagem magnífica, coroada de estupas e pequenas pagodas, e onde eu tive um pequeno cheirinho do que poderia vir a ser Bagan (segundo as palavras dos meus companheiros de trekking). No alto de uma colina, deparámo-nos com um pequeno mosteiro, onde habitava um velho monge que nos ofereceu chá 🙂 e daí avistámos a bonita paisagem em redor: colinas verdes, campos verdíssimos e viçosos com casas espalhadas aqui e acolá, as estupas e pagodas de In Dein! Espetacular! 😀

IMG_4250 (FILEminimizer)     IMG_4260 (FILEminimizer)

IMG_4262 (FILEminimizer)      IMG_4266 (FILEminimizer)

P1010660 (FILEminimizer)

IMG_4277 (FILEminimizer)     IMG_4288 (FILEminimizer)

IMG_4304 (FILEminimizer)     IMG_4328 (FILEminimizer)

No regresso ao barco, o tempo começou a ficar bastante fechado e na viagem para a vila de Nyaung Shwe tivemos muita sorte, pois parecia que as nuvens escuríssimas se estavam a afastar de nós. 🙂 Nessa travessia, voltámos a passar por dentro de canais e vimos pessoas nas suas rotinas: camponeses a trabalhar a terra, pescadores a remar graciosamente com a perna e lançarem as redes à água, pessoas e mercadorias a serem transportadas em longas barcas de proa levantada, pequenos barcos a deslizarem suavemente pelas águas. Depois da maravilha dos canais e da sua vida serena, chegámos ao lago, um misto de castanhos, azuis e prata que parecia ser bastante raso.

GOPR2302 (FILEminimizer)       IMG_4359 (FILEminimizer)

IMG_4360 (FILEminimizer)    IMG_4369 (FILEminimizer)

Na chegada ao nosso destino, como todos estávamos hospedados em locais diferentes o grupo separou-se, porém foi nesse momento que aconteceu o momento chave da semana, uma vez que combinámos reencontrar-nos para jantar. Assim e contrariamente a outras ocasiões desta odisseia asiática, o grupo não se fragmentou e no lago de Inle estivemos sempre juntos. Este facto, contribuiu de forma decisiva para prolongar a minha estadia e dos dois dias iniciais, passei para quatro. Afinal, a beleza da viagem também é esta, ter planos e mudá-los, simplesmente porque queremos e temos vontade… 🙂

P1010731 (FILEminimizer)     P1010732 (FILEminimizer)

Nesse dia ao jantar, fomos até ao mercado noturno e comida no geral foi boa, principalmente a sopa de Shan Noodle. Excelente! 😀 No lado oposto da balança? O barbecue Thai. Horrível e de longe a pior comida não apenas de Myanmar, mas de toda a viagem… de fugir! :/ Depois do nosso repasto, encontrámos um bar porreirito, onde ficámos a beber umas cervejitas e antes de nos despedir-mos combinámos reencontrar-nos bem cedo, no dia seguinte.  

Trekking para Inle

O trekking até ao lago de Inle veio a revelar-se mais um passeio de amigos do que um desafio físico, uma vez que o ritmo foi quase sempre muito lento. 😛 De qualquer modo, a travessia até ao lago foi bastante agradável, fruto da bonita e serena paisagem e do facto de termos criado entre nós um grupo unido e coeso! 😀

IMG_3982 (FILEminimizer)      IMG_3998 (FILEminimizer)

IMG_4006 (FILEminimizer)      IMG_4010 (FILEminimizer)

IMG_4015 (FILEminimizer)      IMG_4018 (FILEminimizer)

IMG_4027 (FILEminimizer)

Ao longo dos dias, a paisagem revelou-se um misto de campos de cultivo, pinhais, verdes colinas, alguma paisagem cársica – já na parte final do trekking –  aldeias, mosteiros, escolas, árvores de buda (Paian). A nossa guia, Jully, mostrou ser bastante profissional e uma excelente pessoa, e sempre que podia foi-nos ensinando algo sobre Myanmar e sobre a sua etnia, a etnia Pa-o   como por exemplo a lenda da mãe dragão e do pai alquimista e de como os ovos negros, deram origem aos trajes tradicionais das mulheres Pa-o, as filhas do dragão. 🙂 E em termos meteorológicos, também tivemos sorte, pois nem choveu, nem fez muito calor. Perfeito! 😉

IMG_4035 (FILEminimizer)

IMG_4045 (FILEminimizer)     IMG_4054 (FILEminimizer)

IMG_4072 (FILEminimizer)     IMG_4079 (FILEminimizer)

IMG_4086 (FILEminimizer)     IMG_4123 (FILEminimizer)

Ao longo dos dias, conversei muito com os meus companheiros de trekking, com quem passei bons momentos; os almoços foram simples, mas saborosos e os jantares autênticos manjares, pois a comida era ultra-mega-deliciosa! 😀 ; os camponeses revelaram-se super simpáticos, afáveis e calorosos e as crianças, absolutamente encantadoras! 😀 Para além das fotografias à paisagem tranquila, aos camponeses nos seus afazares e às alegres crianças, tive a felicidade de encontrar alguns anciões, verdadeiramente belos. 🙂 Depois de dois dias e meio de uma caminhada vagarosa, despedimo-nos de Jully e do nosso cozinheiro, seguimos o nosso barqueiro… estávamos prestes a entrar no reino de Inle.

IMG_4151 (FILEminimizer)     IMG_4157 (FILEminimizer)

IMG_4159 (FILEminimizer)     IMG_4173 (FILEminimizer)

IMG_4191 (FILEminimizer)    IMG_4223 (FILEminimizer)

IMG_4240 (FILEminimizer)

As Grutas de Pindaya e a Vila de Kalaw

Da viagem entre Bago e a vila de Kalaw, não há muito para relatar. A mesma foi realizada de noite, quase sempre a dormir e o único destaque prende-se com o primeiro cigarro nativo – sabor forte e intenso – que fumei numa paragem. Quando cheguei a Kalaw eram quatro e pouco da manhã e ao sair do autocarro fui abordado por um senhor de aparência muito humilde, que se apresentou como guia. Rapidamente, com a sua ajuda encontrei alojamento e às 4.30 já estavámos sentados a beber um chá, a falar sobre o trekking para o lago de Inle e as grutas de Pindaya. A minha viagem para esse reino, começou bastante cedo, uma vez que depois do chá apanhei um autocarro até à vila de Aungpan onde esperei uma hora até partir noutro autocarro (7.00), bebi um café e tirei algumas fotografias aos “nativos” nos seus afazeres diários. Na curta viagem até Pindaya (aproximadamente hora e meia), a paisagem surprendeu-me, uma vez que esta era muito mais seca do que imaginara – os campos de cultivo onde havia uma mistura de castanhos e verdes, fizeram-me regressar ao Alentejo na altura da Primavera 🙂 – e fui observando a vida simples dos camponeses, os seus pequenos gestos e rotinas, os búfalos, as carroças, as crianças…

IMG_3746 (FILEminimizer)      IMG_3756 (FILEminimizer)

IMG_3764 (FILEminimizer)

Na chegada à vila, confirmei a direção para as grutas, uma vez que da estrada se podiam observar as pagodas circundantes e dirigi os meus passos para o local. Durante o caminho, destaco as múltiplas pagodas douradas mas principalmente, as magníficas e antigas árvores que se podiam ver ao longo da estrada. Quando cheguei à entrada, consegui entrar sem pagar, uma vez que não havia troco para Kyat – a verdadeira moeda nacional – havendo quem quisesse que eu pagasse em doláres (não me parece “amigo”). Durante aproximadamente uma hora visitei, aquela caverna que está habitada por milhaaaaaaaaaaaares de budas – cerca de 8000! – a sua maioria dourados e no meio deles aproveitei para tirar algumas fotografias. O local é impressionante, pela quantidade “absurda” de estátuas que a cada passo nos vigia e observa, e percebi que caverna está em constante mutação, uma vez que qualquer pessoa pode doar uma estátua do iluminado – cheguei a ver estátuas provenientes de vários países, inclusivamente Japão, Coreia do Sul, China, Tailândia, Alemanha, França… 😉

IMG_3769 (FILEminimizer)      IMG_3770 (FILEminimizer)

IMG_3772 (FILEminimizer)      IMG_3777 (FILEminimizer)

IMG_3786 (FILEminimizer)       IMG_3808 (FILEminimizer)

IMG_3789 (FILEminimizer)      IMG_3801 (FILEminimizer)

IMG_3821 (FILEminimizer)      IMG_3844 (FILEminimizer)

IMG_3854 (FILEminimizer)      IMG_3856 (FILEminimizer)

Ao regressar ao centro da vila, percorri um caminho alternativo e à medida que fui andando, fiquei muito satisfeito com a minha opção, pois tive a oportunidade de observar estupas de diversas cores e materiais – tijolo, brancas, douradas… e senti bastante tranquilidade e serenidade, uma vez que para além de mim não se via ninguém. 🙂 Já no centro, tentei perceber a que horas existiria um autocarro para Aungpan, mas como recebi informações tão distintas e contraditórias umas das outras, resolvi aguardar e observar o que se iria passar. Passadas duas horas sem nada para fazer, lá consegui apanhar um autocarro, bem… quer dizer… uma carrinha com cobertora de lona. 😛 E foi assim que o regresso, foi feito no tejadilho, na companhia de nativos sorridentes e em que as molas oscilantes do nosso bólide, faziam o nosso corpo saltitar. 🙂

IMG_3859 (FILEminimizer)      IMG_3861 (FILEminimizer)

IMG_3862 (FILEminimizer)      IMG_3873 (FILEminimizer)

IMG_3883 (FILEminimizer)      IMG_3909 (FILEminimizer)

IMG_3879 (FILEminimizer)      IMG_3923 (FILEminimizer)

IMG_3931 (FILEminimizer)      IMG_3932 (FILEminimizer)

Já em Aungpan apanhei uma boleia até Kalaw e quando regressei à vila (cerca das 15.00) já não estava muito certo se a ideia de realizar o trekking a solo com o “meu guia”, era boa ideia. Principalmente, porque o preço me parecia demasiado baixo e para além disso iria confiar-lhe a minha bagagem para ser enviada para o lago de Inle, isto quando não o conhecia de lado nenhum! :/ No meio destes pensamentos, chegou um britânico (Nathan) à guesthouse que me falou que tinha acabado de marcar um trekking a começar no dia seguinte, com a companhia Sam´s (de quem eu lera bons feedback´s na internet) e rapidamente dirigi os meus passos para lá, na tentativa de assegurar o meu lugar. Felizmente, ainda havia uma vaga e nesse momento fiquei muito satisfeito por ter resolvido a questão do trekking de uma forma airosa. Nessa altura, apenas me restava falar com o guia e dizer-lhe que não iria fazer a viagem com ele.

IMG_3936 (FILEminimizer)      IMG_3939 (FILEminimizer)

IMG_3941 (FILEminimizer)

Durante o resto da tarde, passeei pela vila e arredores; vi um bocadinho de um jogo de futebol (“Unidos da Matola A” vS “Unidos da Matola B” 😛 ); comi qualquer coisa; recebi um curto briefing sobre o trekking; encontrei o guia, agradeci-lhe a oferta e depois expliquei-lhe que não iria com ele até ao lago de Inle; na companhia de Nathan, conheci Riccardo  – um rapaz italiano que também estava no nosso grupo – e na sua companhia fomos jantar a um restaurante indiano/nepalês; e de forma casual acabámos por conhecer os restantes companheiros de trekking – Melissa do Canadá, Fabianne da Suiça e Gil de Israel – com que ficámos automaticamente em amena cavaqueira. 🙂 Os dados para o trekking até ao lago de Inle, estavam lançados…   

IMG_3950 (FILEminimizer)      IMG_3953 (FILEminimizer)

IMG_3954 (FILEminimizer)     IMG_3955 (FILEminimizer)