Categorias
Em trânsito Fotografia

Uma Geografia. Uma Fotografia: Regresso a Sumatra

Sky_BlogDepois da visita à ilha de Tanahmasa o regresso a Sumatra – pode encontrar mais aqui – fez-se pelo ar. E se é verdade, que na maioria das vezes as travessias aéreas são meras distorções temporais, algumas delas têm o condão de nos mostrar o nosso planeta de um ângulo totalmente diferente e refrescante. Neste caso específico, uma paisagem “tipo postal” das Maldivas, onde os corais, os bancos de areia e os múltiplos azuis desenhavam formas belas e requintadas, apenas visíveis do céu. Belíssimo! Arrepiante! A natureza a mostrar uma vez mais, todo o seu esplendor! Tanahmasa foi uma história que começou com uma odisseia e terminou com uma ode triunfal da natureza…

Categorias
Em trânsito Fotografia

Uma Geografia. Uma Fotografia: Pulau Telo

Telo_Blog

Após três horas em modo de espera em Teluk Dalam, estava finalmente a caminho da ilha de Telo – pode encontrar mais aqui. Num pequeno barco, fiz uma travessia vagarosa que durou aproximadamente seis horas e durante a mesma, continuei a dormitar, escrevi no caderno, tirei fotografias em meu redor, observei os nativos numa pescaria artesanal e fui “enganado” múltiplas vezes, pensando que estava a chegar ao meu destino – como navegávamos em pleno arquipélago de Batu, a identificação da ilha de Telo, tornou-se um verdadeiro desafio.

Categorias
Em trânsito Fotografia

Uma Geografia. Uma Fotografia: Pulau Nias

Nias_Blog

Na travessia noturna para a ilha de Nias – pode encontrar mais aqui para além das horas que dormitei, vi as plataformas do ferry a ficarem repletas de pessoas e bagagens, sentindo o adensar de um ambiente barulhento, quente e fumarento. Na chegada à cidade de Gunung Sitoli, já tinha arranjado uma carrinha para Teluk Dalam, uma pequena vila piscatória, no sul da ilha. Foi assim que Nias, ficou marcada por essa viagem em ritmo “prega fundo”, ao nascer do dia, na qual pude observar centenas de crianças vestindo uniformes imaculados a caminho da escola e uma paisagem que misturava selva, plantações tropicais e praias…

Categorias
Em trânsito Fotografia

Uma Geografia. Uma Fotografia: Sibolga

Sibolga_Blog

Depois da visita feliz ao lago Toba, parti numa odisseia – pode encontrar mais aqui – para chegar à ilha de TanahmasaSibolga representou a cidade costeira onde contactei o simpático Mr. Beng Beng  um amigo de Luke – que foi o meu “jarbas” na cidade e me ajudou a comprar o bilhete para o ferry que estava de partida para a ilha de Nias.

Categorias
Em trânsito Fotografia

Uma Geografia. Uma Fotografia: Toba Ocidental

WestLake_Blog

Após o repasto de Tanging, partimos para a margem oeste do lago Toba – pode encontrar mais aqui – e ao percorrê-la, encontrei: uma paisagem de neblina a correr em verdes colinas e encostas, árvores, múltiplas cascatas, pintainhos, casas Batak, tecelagem de ikat´s tradicionais, pequenas aldeias repletas de amistosos nativos e alegres crianças e… tive o privilégio de assistir a uma importante cerimónia Batak – que ocorre de dez em dez anos – onde a dança e a música assumiam um ritmo absolutamente hipnótico.

Categorias
Em trânsito Fotografia

Uma Geografia. Uma Fotografia: Tanging

Tanging_Blog

Depois da paragem tribal em Dokan, a viagem até ao lago Toba continuou. No caminho pude observar a beleza natural – uma gigantesca cascata, o azul do lago, os verdes dos montes e dos pinheiros, os amarelos das flores – que rodeava a aldeia de Tanging – pode encontrar mais aqui. Aí, para além de observar uma curiosa pescaria, deliciei-me com um fresquíssimo peixe na grelha, acompanhado de um picante caseiro bombástico e descobri o “fabulástico” sumo de abacate, que se tornou uma espécie de revelação.

Categorias
Em trânsito Fotografia

Uma Geografia. Uma Fotografia: Dokan

Dokan_BlogA caminho do lago Toba, percorri um longo caminho, penetrando lentamente no coração e alma do povo Batak, uma antiga tribo canibal que foi convertida maioritariamente ao cristianismo. Na pequena aldeia de Dokan – pode encontrar mais aqui – visitei uma casa tradicional, onde viviam oito famílias, sendo-me explicado os “símbolos” – osgas, cornos de búfalos… – que decoram o exterior das habitações Batak e as protegem dos espíritos funestos.

Categorias
Em trânsito

Rota Vicentina

Rota Vicentina

A Rota Vicentina de Kiri está disponível se clicarem no MAPA.

Havendo, liberdade para o explorar interativamente, espero que se divirtam! 😀

Categorias
Crónicas Em trânsito

Rota SW

Ato X – Em trânsito: Regresso a Norte

Depois de uns momentos felizes no “Fim do Mundo”, era altura de voltar a tomar decisões! Sabia que para regressar a Norte teria sempre de passar por Lagos, uma vez que em Sagres apenas existem alternativas durante o Verão. Como ainda me encontrava a seis quilómetros do centro da vila, me sentia cansado e já tendo concluído o meu objetivo – percorrer a pé a Rota Vicentina entre Porto Covo e o Cabo de São Vicente – aproveitei a presença de alguns turistas estrangeiros para lhes pedir boleia. Desse modo, foi a bordo de um Audi A6 novinho em folha e na companhia de uma prestável família espanhola que percorri a estrada até ao centro. 😉

Na chegada, ao falar com uma jovem nativa, confirmei onde se apanhavam os autocarros regionais para Lagos e recebi uma dica de um local abrigado onde poderia passar a noite. Porém, ao dirigir-me à paragem para confirmar os horários da manhã seguinte, reparei que apesar de já serem 19.30, daí a poucos minutos ainda iria haver um autocarro para Lagos. Nesse momento, quase sem bateria e saldo, consegui falar com a M. recebendo a informação que em Lagos existia um expresso que partiria à 1.30. Rapidamente e sem margem para indecisões, resolvi embarcar.

A travessia para Lagos realizou-se já de noite e o único momento que vale a pena relatar foi a conversa que tive com o motorista, na qual recebi a informação que a bilheteira em Lagos já estaria fechada e que na rede de expressos só poderia embarcar caso tivesse bilhete válido! :/ Não havendo a possibilidade de comprar o bilhete “físico”, não tendo computador e internet, perguntei-lhe se existiam alternativas, ao que ele respondeu que podia sempre ligar o 707 22 33 44 e comprar o bilhete via telefónica. Pareceu-me uma boa ideia, aliás não havia outra opção. 😛 O pequeeeeeeeeeeeno problema era que não tinha: saldo, bateria e o número supostamente estaria ativo até às 21.00 – nessa altura eram 20.40!

Na chegada ao pequeno e pouco convidativo terminal rodoviário, apontei o número de telefone e parti em busca de um local onde pudesse pôr o telemóvel a carregar. Felizmente, a cerca de 300 metros da estação encontrei um pequeno café que ainda estava aberto. Perguntei à dona se podia deixar o telemóvel a carregar, larguei o monstrinho e estuguei o passo até uma caixa MB. Já com saldo, regressei rapidamente ao café, liguei o telemóvel e comecei a ligar – eram 21.05! Pensei: “Vá lááááááááááá! Funciona!”. Depois de marcar os dígitos para falar com uma operadora, alguém me atendeu. Ufff! Em menos de um minuto, estava a receber uma mensagem com informações para o pagamento por multibanco. Apontei os dados num papel e voltei a sair do café. Novamente na caixa MB, paguei. Quando regressei ao café já tinha duas mensagens no telemóvel, uma delas era o bilhete! “CONSEGUI”! 😀

Eram 21.15, quando finalmente me sentei tranquilo à mesa com uma bica à frente. Nessa altura, sabia que o café poderia fechar a qualquer momento, mas como na esplanada ainda se encontrava um trio de Ucranianos a beber aguardentes de penalty e a brindar, fiquei mais descansado. 😉 Enquanto lia, chegou uma grande família e posteriormente um senhor que me pareceu cliente habitual. “Nada mau! Parece que me vou manter aqui sossegado, por mais uns tempinhos”. 🙂 A realidade é que apenas me despedi da simpática dona, quase há meia noite, isto depois dela negar pela décima vez, bebida ao trio “Odemira”. “Há profissões, em que se precisa uma paciência de Jo!”

Regressado ao terminal, aproveitei finalmente para comer e depois de mais um compasso de espera, embarquei finalmente no expresso para Lisboa. Na viagem, calhou-me em sorte um motorista realmente simpático e apesar do cansaço que sentia e enquanto não estava mais ninguém a bordo, aproveitámos para falar durante cerca de uma hora. A partir das 2.30 os meus olhos começaram-se a fechar e só os voltei a abrir, já na chegada ao terminal de Sete Rios – 5.50 – onde voltei a aguardar na companhia do meu livro, até embarcar no expresso para Rio Maior – 7.00.

Na chegada à minha cidade natal, resolvi passar por casa de um grande amigo para falar com ele sobre esta magnífica travessia. 🙂 Depois de uma hora de conversa animada e de um pequeno almoço reconfortante, ele ofereceu-me boleia para casa, e foi aí, mesmo à porta que… ao sair do carro, deixei cair a máquina fotográfica e ganhei como “prenda” um filtro completamente estilhaçado. :/ Tudo fora perfeito, até esse momento! Sendo caricato que foi precisamente na chegada, que o verdadeiro percalço desta viagem aconteceu – mais uma evidência que controlamos muito pouco na nossa vida.                  IMG_9247 (FILEminimizer)

Categorias
Crónicas Em trânsito O 1º Dia Reflexões

Rota SW

Ato I – Em trânsito: A Caminho de Porto Covo

Naquele primeiro dia de Primavera e de eclipse solar, que apenas consegui visualizar quando as nuvens filtraram a luz mortiça do astro rei, enquanto aguardava na estação rodoviária e ao observar o enorme desgaste do pavimento, não pude deixar de pensar nos milhares pessoas que lá passaram e nas viagens que aí se iniciaram.

IMG_8435 (FILEminimizer)

A bordo do expresso que me levou até Porto Covo, escrevi a maioria das notas que originaram o post: Na “Terra do Bacalhau” e fiz uma retrospetiva pós Noruega. Depois do objetivo principal – procura de emprego – ter falhado, virei agulhas para a ilha de Sua Majestade Isabel II e passados alguns meses a enviar “postais” tive duas entrevistas presenciais – Sheffield e Bedford -, que se revelaram infrutíferas. Confesso que no presente, me sinto com dúvidas em qual área devo investir – engenharia/viagens – e que essa mesma dúvida me tolda, ou me vai toldando o espírito. E eu não gosto desta indefinição! :/ Em termos profissionais este é o panorama atual. No campo pessoal, por outro lado é o oposto. Estou com a M. e sinto-me feliz ao seu lado. Tenho a certeza que ela é um dos meus portos de abrigo e este é o nosso melhor período, desde sempre. 🙂

IMG_8437 (FILEminimizer)

“Agora a caminho das imediações da “terra da paz“, estou determinado a percorrer a pé a distância que separa Porto Covo do Cabo de São Vicente. Sinto-me bem. Estou de volta à “estrada”, desta feita em solo luso, com o monstrinho às costas e vamos ver como o meu corpo vai lidar com o esforço físico. De qualquer modo, as recompensas estão ao virar de cada enseada, falésia e praia, e como sempre: o caminho faz-se caminhando”. 😀