Categorias
Crónicas Em trânsito

Rota SW

Ato X – Em trânsito: Regresso a Norte

Depois de uns momentos felizes no “Fim do Mundo”, era altura de voltar a tomar decisões! Sabia que para regressar a Norte teria sempre de passar por Lagos, uma vez que em Sagres apenas existem alternativas durante o Verão. Como ainda me encontrava a seis quilómetros do centro da vila, me sentia cansado e já tendo concluído o meu objetivo – percorrer a pé a Rota Vicentina entre Porto Covo e o Cabo de São Vicente – aproveitei a presença de alguns turistas estrangeiros para lhes pedir boleia. Desse modo, foi a bordo de um Audi A6 novinho em folha e na companhia de uma prestável família espanhola que percorri a estrada até ao centro. 😉

Na chegada, ao falar com uma jovem nativa, confirmei onde se apanhavam os autocarros regionais para Lagos e recebi uma dica de um local abrigado onde poderia passar a noite. Porém, ao dirigir-me à paragem para confirmar os horários da manhã seguinte, reparei que apesar de já serem 19.30, daí a poucos minutos ainda iria haver um autocarro para Lagos. Nesse momento, quase sem bateria e saldo, consegui falar com a M. recebendo a informação que em Lagos existia um expresso que partiria à 1.30. Rapidamente e sem margem para indecisões, resolvi embarcar.

A travessia para Lagos realizou-se já de noite e o único momento que vale a pena relatar foi a conversa que tive com o motorista, na qual recebi a informação que a bilheteira em Lagos já estaria fechada e que na rede de expressos só poderia embarcar caso tivesse bilhete válido! :/ Não havendo a possibilidade de comprar o bilhete “físico”, não tendo computador e internet, perguntei-lhe se existiam alternativas, ao que ele respondeu que podia sempre ligar o 707 22 33 44 e comprar o bilhete via telefónica. Pareceu-me uma boa ideia, aliás não havia outra opção. 😛 O pequeeeeeeeeeeeno problema era que não tinha: saldo, bateria e o número supostamente estaria ativo até às 21.00 – nessa altura eram 20.40!

Na chegada ao pequeno e pouco convidativo terminal rodoviário, apontei o número de telefone e parti em busca de um local onde pudesse pôr o telemóvel a carregar. Felizmente, a cerca de 300 metros da estação encontrei um pequeno café que ainda estava aberto. Perguntei à dona se podia deixar o telemóvel a carregar, larguei o monstrinho e estuguei o passo até uma caixa MB. Já com saldo, regressei rapidamente ao café, liguei o telemóvel e comecei a ligar – eram 21.05! Pensei: “Vá lááááááááááá! Funciona!”. Depois de marcar os dígitos para falar com uma operadora, alguém me atendeu. Ufff! Em menos de um minuto, estava a receber uma mensagem com informações para o pagamento por multibanco. Apontei os dados num papel e voltei a sair do café. Novamente na caixa MB, paguei. Quando regressei ao café já tinha duas mensagens no telemóvel, uma delas era o bilhete! “CONSEGUI”! 😀

Eram 21.15, quando finalmente me sentei tranquilo à mesa com uma bica à frente. Nessa altura, sabia que o café poderia fechar a qualquer momento, mas como na esplanada ainda se encontrava um trio de Ucranianos a beber aguardentes de penalty e a brindar, fiquei mais descansado. 😉 Enquanto lia, chegou uma grande família e posteriormente um senhor que me pareceu cliente habitual. “Nada mau! Parece que me vou manter aqui sossegado, por mais uns tempinhos”. 🙂 A realidade é que apenas me despedi da simpática dona, quase há meia noite, isto depois dela negar pela décima vez, bebida ao trio “Odemira”. “Há profissões, em que se precisa uma paciência de Jo!”

Regressado ao terminal, aproveitei finalmente para comer e depois de mais um compasso de espera, embarquei finalmente no expresso para Lisboa. Na viagem, calhou-me em sorte um motorista realmente simpático e apesar do cansaço que sentia e enquanto não estava mais ninguém a bordo, aproveitámos para falar durante cerca de uma hora. A partir das 2.30 os meus olhos começaram-se a fechar e só os voltei a abrir, já na chegada ao terminal de Sete Rios – 5.50 – onde voltei a aguardar na companhia do meu livro, até embarcar no expresso para Rio Maior – 7.00.

Na chegada à minha cidade natal, resolvi passar por casa de um grande amigo para falar com ele sobre esta magnífica travessia. 🙂 Depois de uma hora de conversa animada e de um pequeno almoço reconfortante, ele ofereceu-me boleia para casa, e foi aí, mesmo à porta que… ao sair do carro, deixei cair a máquina fotográfica e ganhei como “prenda” um filtro completamente estilhaçado. :/ Tudo fora perfeito, até esse momento! Sendo caricato que foi precisamente na chegada, que o verdadeiro percalço desta viagem aconteceu – mais uma evidência que controlamos muito pouco na nossa vida.                  IMG_9247 (FILEminimizer)

Categorias
Crónicas Fotografia

Rota SW

Ato IX – Um Dia Vou Construir um Castelo

À noite, ao falar com a M. percebi que a minha futura saída da vila de Sagres poderia vir a tornar-se problemática. Desse modo, o objetivo para o sétimo dia de caminhada – oitavo desde que chegara a Porto Covo – passou a ser… tentar aproximar-me o mais possível do Cabo de São Vicente. Depois de uma noite semi-ventosa no poeirento telheiro, acordei mais cedo do que o habitual e por volta das 7.25 estava de partida da aldeia da Carrapateira, sendo o meu primeiro objetivo, chegar à Vila do Bispo. 

IMG_9103 (FILEminimizer)

Ao contrário do dia anterior, o céu estava bastante carregado sendo a despedida desta bela costa coroada por nuvens escuríssimas e pela pálida luz. À medida que caminhava rumo à aldeia da Vilarinha, o sol foi despontando e o céu progressivamente tornou-se mais azul. 🙂 Assim que passei a aldeia, tive de fazer alguns atravessamentos nas ribeiras da Carrapateira e Sinceira, mas devido aos seus reduzidos caudais, as travessias não se revelaram problemáticas – no Inverno a situação pode alterar-se e tornar-se necessário efetuar um percurso alternativo.

IMG_9116 (FILEminimizer)      IMG_9117 (FILEminimizer)

IMG_9119 (FILEminimizer)      IMG_9121 (FILEminimizer)

No percurso para a aldeia da Pedralva, a variedade “clorofiliana” era grande. Junto às ribeiras encontrei salgueiros, freixos e carvalhos; nas encostas mais secas, sobreiros, pinheiros e oliveiras; e nas encostas mais afastadas do trilho, um denso matagal onde abundavam medronheiros, urzes, estevas, tojos… um autêntico festival. 🙂 Quando passei pela Pedralva, fiquei desiludido! :/ A mesma, não passa de uma aldeia fantasma totalmente recuperada para o turismo rural, porém entre esta opção e deixá-la ao abandono à espera que as casas ruíssem, acho que prefiro a primeira.

IMG_9127 (FILEminimizer)     IMG_9133 (FILEminimizer)

IMG_9141 (FILEminimizer)     IMG_9146 (FILEminimizer)

A partir daí, o trilho tornou-se menos plano e mais seco, sendo possível avistar em redor serras e montes de múltiplos verdes. Junto ao parque eólico, para além do ruído constante das pás a girar, encontrei alguns charcos que segundo o site da Rota Vicentina: ” (…) São talvez o habitat mais rico em biodiversidade do SW de Portugal (…) parte dos anfíbios da nossa fauna (…) livres de predadores de ovos e girinos (…) para além dos milhares de girinos, os charcos são povoados por aves, cágados, mamíferos e plantas”. Isto foi o que li. Quanto ao que encontrei, a história foi outra! Biodiversidade? Só de mosquitos! Isso sim, havia em abundância. Quanto ao resto… 😛

IMG_9147 (FILEminimizer)      IMG_9148 (FILEminimizer)

IMG_9151 (FILEminimizer)       IMG_9155 (FILEminimizer)

A oito quilómetros e meio da Vila do Bispo, o trilho voltou a mudar. Primeiro, estive rodeado de densos arbustos em caminhos serpenteantes de terra batida e posteriormente percorri trilhos arenosos de serenos pinhais. A partir das 11.30, apesar da agradável paisagem, comecei a “sonhar” com a minha chegada e com uma refeição de frango assado, sentado a uma mesa. 🙂 – Em determinados estágios de cansaço/fome a nossa mente/imaginação é mesmo incrível! Conseguindo levar-nos a “viajar” para mundos muuuuuuuuuuuuuito distantes. Naquele momento, o meu “mundo” nem estava assim tão longínquo, talvez a sete quilómetros. 😛

IMG_9158 (FILEminimizer)     IMG_9159 (FILEminimizer)

Volvidos noventa minutos de muita salivação, a etapa estava oficialmente terminada, restando-me desse modo, encontrar um poiso para matar o desejo. Não longe da igreja Matriz, encontrei a Tasca do Careca e durante uma horinha, posso dizer que estive realmente feliz. 😉 Terminado o repasto que me soube pela vida, voltei a passar pela igreja que estava então de portas abertas e aproveitei para visitar o seu fresco e bonito interior.

IMG_9168 (FILEminimizer)      IMG_9170 (FILEminimizer)

IMG_9177 (FILEminimizer)

Às 14.25, estando a catorze quilómetros do Cabo de São Vicente e meu objetivo derradeiro, decidi continuar a caminhar e ver como o corpo iria reagir à distância que faltava percorrer. Os primeiros quatro quilómetros junto à estrada de alcatrão, foram bastante desinteressantes, porém e à medida que me fui aproximando de zonas mais naturais e despovoadas, trilhos mais desertos e comecei a avistar Sagres, o oceano e o farol no horizonte, comecei a animar-me. Estava perto…

IMG_9179 (FILEminimizer)      IMG_9180 (FILEminimizer)

IMG_9189 (FILEminimizer)      IMG_9193 (FILEminimizer)

Na encruzilhada do circuito histórico e do trilho dos pescadores, optei por acabar junto à costa e fazer o circuito da Praia do Telheiro. Estava a sete quilómetros da Finisterra Lusa. À medida que caminhava, a costa foi-se aproximando, as arribas ganharam dimensão, cor e variedade, e a vegetação tornou-se cada vez mais rasteira. Nas imediações da extraordinária praia do Telheiro, onde se encontra a discordância – transição brusquíssima de idades entre formações rochosas – mais espetacular da Península Ibérica, tive de descer o pequeno barranco das Quebradas por uma escada de madeira. 🙂 Continuando a caminhar, os meus olhos foram-se apaixonando pela paisagem e pela sua enoooooooorme riqueza de cores: os brancos da espuma das ondas e dos calcários; os vermelhos dos arenitos; os cremes, cinzentos, negros e laranjas de outras rochas; os verdes da vegetação; os azuis do céu e do mar… BELO! 😀

IMG_9196 (FILEminimizer)     IMG_9201 (FILEminimizer)

IMG_9204 (FILEminimizer)

IMG_9205 (FILEminimizer)      IMG_9211 (FILEminimizer)

A partir do barranco da praia do Telheiro, o trilho começou a ser marcado por mariolas  montes de pedras – e os derradeiros três quilómetros transformaram-se num verdadeiro “jogo” de escondidas. 😛 Nesta altura, caminhar requeria uma atenção redobrada não só pela localização das mariolas, mas também pelo transformação progressiva do trillho num terreno duro e pedregoso. Na última meia hora de caminhada, para além de observar a aproximação do farol com alegria, vi bonitas e altas falésias brancas, mas principalmente… lembrei-me de Fernado Pessoa e da “sua” frase: “Pedras no caminho? Guardo-as todas. Um dia vou construir um castelo.” – posteriormente descobri que a mesma não é da sua autoria, mas sim de um blogger brasileiro Nemo Nox! – e ri-me ao imaginar que naquele local, seria preciso não apenas o mestre, mas sim o mestre na companhia de todos os seus heterónimos, a cavarem e a discutirem durante milhares de anos, para construírem o “senhor” dos castelos! 😀

IMG_9218 (FILEminimizer)     IMG_9220 (FILEminimizer)

IMG_9221 (FILEminimizer)     IMG_9225 (FILEminimizer)

IMG_9227 (FILEminimizer)

Já na estrada de alcatrão, sem mais pedras no caminho e com o farol/cabo à minha frente, fui sorrindo à medida que percorri os metros finais que me separavam do meu derradeiro destino. Quando cheguei ao Cabo de São Vicente, estava verdadeiramente feliz e um pouco cansado. O esforço físico tinha realmente compensado. Sorri novamente. O objetivo tinha sido alcançado. Tinha acabado de chegar ao antigo FIM do MUNDO… 😀 

IMG_9232 (FILEminimizer)      IMG_9240 (FILEminimizer)

IMG_9241 (FILEminimizer)      IMG_9243 (FILEminimizer)