Pulau Tanahmasa. O Paraíso Escondido!

Na praia fomos recebidos por crianças sorridentes e curiosas, que assim que atracámos começaram logo a desmontar o motor do nosso barco. Fizemos uma pequena caminhada até à “catedral” construída pelo “Luke the builder” e a cada passo dado, fui sentindo um respeito quase “sagrado” pelo local. Entrei lentamente e subi ao primeiro andar, para por a bagagem no quarto. Era simples, mas limpo e sólido e o colchão e a almofada um “luxo”! 🙂 Quando voltei ao piso térreo, disse-lhe o quanto apreciava aquela casa e o respeito que tinha por ele e pela sua criação.

IMG_0430 (FILEminimizer)      IMG_0438 (FILEminimizer)

Em pulau – ilha – Tanahmasa fiquei alguns dias e durante esse tempo, deambulei sem objetivos; vi e tirei algumas fotografias a uma paisagem bela de selva, coqueiros, praias de areia branca, dourada e coral partido, reflexos de céu espelhados em pequenas piscinas naturais, mar de múltiplos azuis e verdes; barcos; canoas e pescadores; senti tranquilidade e sossego; passei por pequenas aldeias, onde cumprimentei muitas pessoas amistosas e curiosas e senti o seu calor humano; fui convidado para discursar num funeral!? – agradeci, mas não o fiz -; visitei escolas, repletas de crianças às quais tirei retratos e senti a sua alegria infantil e joguei voleibol, noutra escola com miúdos um pouco mais velhos e espertalhões, sentindo que a sua pureza infantil, já se tinha ido.

IMG_0463 (FILEminimizer)      IMG_0533 (FILEminimizer)

IMG_0494 (FILEminimizer)      IMG_0500 (FILEminimizer)

IMG_0683 (FILEminimizer)

Para além disso, fui apelidado de turista pela primeira vez por crianças e não gostei nada – depois “caí” em mim e percebi que a conotação negativa estava em mim e não nelas, ao mesmo tempo que percebi que eu era mesmo isso, um turista, quer o aceitasse ou não! E lembrei-me das palavras de Klaus em Xing Ping: “Serás sempre um turista, a menos que estejas na tua terra natal!” -; fiz um pouco de praia e escolhi pequenos corais para guardar; acabei de atualizar o caderno; li o “The Great Gatsby” e apreciei a sua simplicidade lírica, bem como o excelente retrato que traça de uma sociedade, que ainda hoje se mantém atual; ajudei o Luke em pequenos biscates – canalização, montagem de um esquentador… -; fiz snorkeling algumas vezes e vi a beleza do sol a penetrar na água e a espalhar reflexos e cores, a perfeição dos tubos das ondas a serem formados, alguns peixes coloridos, o Luke a pescar com arpão e num dos dias… também tentei pescar com ele, mas não correu muito bem devido a alguns fatores: forte corrente, demasiado próximos, coral raso e ondas, algum cansaço físico, não ter força suficiente para armar o arpão, que mais parecia uma arma para elefantes! 😛 E nesse momento pensei que não pode correr sempre bem, desde que não acabe mal! 😉 E a ilha de Tanahmasa, ficará para sempre guardada no meu coração como um paraíso escondido, um local dentro do mundo, mas que praticamente foi esquecido por este. 😀

IMG_0580 (FILEminimizer)     IMG_0701 (FILEminimizer)

IMG_0718 (FILEminimizer)     IMG_0746 (FILEminimizer)

IMG_0781 (FILEminimizer)


E você caro leitor, já teve a felicidade de estar num local do mundo, praticamente esquecido por este?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s