Uma Geografia. Uma Fotografia: Moalboal

Moalboal

No último dia passado com Francis, acabámos por visitar a bonita cascata de Kawasan que apesar de cheia de pessoas acabou por ser um passeio agradável, uma vez que à paisagem verde e serena, juntou-se a água fresca de várias lagoas e riachos que desembocavam na grande cascata. O dia seguinte foi passado em praias, de manhã, rumei a sul e visitei a praia de Lumbung e de tarde rumei a norte e visitei a praia mais famosa da zona, a White beach. Neste périplo entre praias conheci um ojek simpatiquíssimo – Mr. Rodolfo – e a verdade é que nos demos tão bem que acabei por combinar com ele todas as viagens desse dia. Durante o dia, torrei ao sol, atualizei o caderno, fui ao mar inúmeras vezes e fiz snorkelingNo último dia em Moalboal fiz dois mergulhos, o primeiro na ilha do Pescador, onde fui recebido por uma parede vertical, de aproximadamente cem metros de profundidade e repleta de corais bastante vivos e coloridos, e onde senti algum nervosismo, ao lembrar-me de corrente brutal e descendente de Batubalong em Komodo. E o segundo já ao largo de Panagsama, onde tive um encontro com uma escola de milhões de sardinhas! BRUTAL! ABISSAL! MONUMENTAL! Espirais, círculos, arcos e nuvens… um verdadeiro turbilhão! Um dos melhores mergulhos da minha vida! Na despedida de Moalboal comecei a jantar sozinho, mas à semelhança de dias anteriores acabei acompanhado, desta feita por Zaskia com quem fiquei a conversar animadamente durante um par de horas. Foi nesse momento, que combinámos partir no dia seguinte para a ilha de Los Negros 

Uma Geografia. Uma Fotografia: Oslob

Oslob

Em Oslob tivemos oportunidade de fazer snorkeling com tubarões baleia. O ambiente geral de azáfama e ruidoso não foi uma novidade para mim… já sabia ao que ia e desse modo foi fácil meter um chip e transformar-me em “robot”. Com o chip colocado recebi um briefing, apanhei a banca designada e saltei para dentro de água. Durante meia hora, andei para trás e para a frente, tentando ora aproximar-me, ora manter-me a uma distância que me parecia segura, pois muitas vezes aqueles dóceis gigantes aproximavam-se demasiado. Apesar da quantidade de pessoas existentes e do “processo” dos barqueiros mandarem comida para dentro de água não me agradar, no momento em que comecei a ver os tubarões baleia “desliguei-me” do ambiente geral e foquei-me na extraordinária beleza deste animal – na sua boca oval aberta qual aspirador gigante, nos padrões da sua pele malhada, na sua enorme envergadura, na suas guelras, na sua barbatana caudal… – Espetacular! Inesquecível! Assim que o tempo acabou, regressámos à banca e rumámos a terra. Quando desembarcámos, o ambiente já era totalmente diferente, uma vez que já não existiam bancas no mar. E a razão? Hora de fecho! Todos os dias em Oslob os tubarões baleia são religiosamente alimentados das 5.30 às 12.30. Depois dessa hora, este negócio milionário fecha e reabre, no dia seguinte pronto para faturar mais umas centenas de milhares de pesos! Terminada a visita a estes magníficos animais, naquele ambiente tão dúbio, não nos fizemos velhos e partimos em direção a Moalboal já na costa oeste da ilha.

Em trânsito: Travessia para… e em Luzon

Da ilha de Bohol, partimos via marítima para a ilha de Cebu, onde ficámos uma tarde e uma noite em compasso de espera, até partirmos para Manila via aérea. Durante essa tarde estive com a Nie no Cebu SM Mall, onde ela comprou recuerdos para a família, amigos e colegas do trabalho e eu aproveitei para comprar um telemóvel baratinho para substituir o defunto, que morrera em El Nido. 😛 No dia seguinte, partimos para o aeroporto internacional de Cebu-Mactan e aí enquanto esperava pelo embarque decidi que em Manila, apanharia um autocarro direto para Donsol.

A travessia entre ilhas foi praticamente passada a dormir, porém devido a uns exercícios militares, apenas pudemos aterrar quarenta minutos depois do horário previsto. Uma seeeeeeeeeeeca! No aeroporto de Manila, despedi-me da Nie (que nesse dia regressou à China) e apanhei um táxi para a estação de autocarros de Baclaran, que ficava nas imediações do terminal 3. Assim que cheguei, comprei o bilhete, mas como ainda tinha tempo aproveitei para comer qualquer coisinha e comprar reservas hídricas.

No regresso à estação, aproveitei para ir atualizando o caderno até partir. O autocarro arrancou às 18.00, já com uma horita de atraso – nada fora da normalidade – e durante o início da viagem, continuei a escrever, observei a bruta paisagem da enorme metrópole que hoje em dia é Manila  uma junção de cinco cidades e casa de doze milhões de almas – até que adormeci profundamente. Durante a longa travessia de doze horas para sul, apenas abri os olhos esporadicamente.

Na chegada à cidade de Legazpi, ao amanhecer, pude pela primeira vez observar o bonito cone praticamente simétrico do Vulcão Mayon, que dominava aquela paisagem verde, serena e rural. 🙂 Daí, até ao centro da vila de Donsol demorei aproximadamente uma hora e meia e assim que pûs os pés no chão, apanhei logo um tuk-tuk para o centro de interação. Eram 8.00, quando cheguei ao reino dos butandings.

Em trânsito: Moalboal – Sipalay. Travessia para Sugar Beach

Na despedida de Moalboal, eu e a Zaskia tomámos o pequeno-almoço com Daniel e fruto da conversa muita animada à refeição, apenas partimos ao meio-dia mas com um objetivo bem definido. Chegar a Sugar beach, já nas imediações de Sipalay na costa oeste da ilha de Los Negros, uma vez que a descrição que Daniel fez do local, foi de tal modo apelativa que nos fez lá querer ir. 😀

IMG_1351 (FILEminimizer)     IMG_1352 (FILEminimizer)

O resto do dia, foi um longo périplo de múltiplos transportes terrestres e marítimos. Primeiro apanhámos um tuk-tuk para a vila de Moalboal, daí autocarro até ao porto de Bato  hora e meia – onde apanhámos um ferry para Tangi  meia hora – já na ilha de Los Negros e aí novo autocarro para Dumaguete  uma hora. Da capital de Los Negros oriental até Bayawan, mais cento e vinte quilómetros e duas horas e meia de viagem. Em Bayawan fruto da hora avançada e uma vez que já não existiam autocarros, tivemos uma paragem prolongada para negociações. Conversámos com ojeks, condutores de carrinhas, motoristas de autocarros, até acabarmos cada um montados à pendura numa scotter, a fazer uma viagem de oitenta quilómetros, até à vila de Sipalay. A viagem estava a ser memorável, as motas deslizando pela estrada (ora de asfalto, ora de brita), enquanto as estrelas brilhavam no céu e um sentimento de liberdade nos acompanhava, até que… ouvimos um ahhhhhhh! Abrandámos, olhámos para trás e havia poeira no ar! Zaskia e o seu jarbas tinham tido um acidente e estavam deitados no chão! Saímos da mota, corremos ao seu encontro e naquela hora tardia, o que nos valeu foi que ninguém se magoou seriamente! Apesar das escoriações, arranhadelas e cortes, pudemos seguir viagem, mas o encanto tinha-se quebrado. :/

IMG_1353 (FILEminimizer)     IMG_1355 (FILEminimizer)

Na chegada à vila de Sipalay encontrámos Daniel – um italiano, amigo de Zaskia – e com ele, e Mr. Tito seguimos num novo tuk-tuk até a um pequeníssimo porto perto de Sugar Beach. Toda esta louca odisseia, foi concluída exatamente na hora dos fantasmas, numa pequena viagem de barco feita no rio, no mar, na escuridão, iluminada pelo plâncton fluorescente que brilhava nas águas e pelas estrelas que brilhavam no céu. Quando desembarcámos em Sugar Beach e saltei para a areia, senti-me como um pirata, a chegar à ilha do tesouro… apenas não sabia quanto “ouro” ia encontrar…  

IMG_1362 (FILEminimizer)      IMG_1363 (FILEminimizer)

Moalboal Days

Já na praia de Panagsama, ficámos alojados no Breeze Apartelle e depois de um ligeiro acerto de preço este local revelou-se perfeito… o quarto era enorme, pintado de amarelo girassol vivo, a casa de banho luxuosa q.b., havia água quente e a internet era rápida! Um mimo. 🙂 Durante a tarde cirindámos por inúmeras escolas de mergulho da zona e depois de vermos o pôr do sol regressámos à nossa “suite”. Banho tomado, seguimos para um restaurante mexicano, onde tivemos um bom jantar e um serão bastante agradável. Terminado o repasto, seguimos para o recinto da fiesta e aí por 65P (1.10€) por pessoa, bebemos rum com cola até ficarmos num estado de espírito… animado! 😛 Por volta da uma e tal dirigimo-nos à zona da “pista” de dança que estava minada de ladyboys e adolescentes! Um sonho, portanto! 😛 A verdade é que apenas às 3.00 chegámos ao quarto, onde aterrámos quais aviões.

IMG_1240 (FILEminimizer)      IMG_1258 (FILEminimizer)

F Moalboal (4)     F Moalboal (9)

F Moalboal (7)

Depois da fiesta brava, do dia anterior resolvemos abortar a ideia de mergulhar – sabe-se lá porquê 😉 – e como o Francis estava de abalada, tive de abandonar o nosso belo poiso (snif, snif) e mudar-me para o simpático Moalboal Backpacker Lodge. No nosso último dia juntos, acabámos por visitar a bonita cascata de Kawasan e a verdade é que a tarde passou num ápice. O local, apesar de cheio de pessoas acabou por ser um passeio agradável, uma vez que à paisagem verde e serena, juntou-se a água fresca de várias lagoas e riachos que desembocavam na grande cascata. Já em Moalboal e dentro do autocarro, despedimo-nos com um forte abraço e “prometemos” manter-nos em contacto. 🙂 Quando regressei ao hostel, conheci Léo (brasileiro de Porto Alegre), Sérgio (francês e luso-descendente), Vanessa (alemã de Colónia) e Daniel (alemão de Estugarda) com quem acabei a jantar e a ter uma conversa longa e espetacular sobre a vida, viagens e mergulho. 😀

IMG_1269 (FILEminimizer)

IMG_1279 (FILEminimizer)     IMG_1284 (FILEminimizer)

G Kawasan (5)    IMG_1299 (FILEminimizer)

O terceiro dia foi passado em praias, de manhã, rumei a sul e visitei a praia de Lumbung e de tarde rumei a norte e visitei a praia mais famosa da zona, a White beach. Neste périplo entre praias conheci um ojek simpatiquíssimo (Mr. Rodolfo) e a verdade é que nos demos tão bem que acabei por combinar com ele todas as viagens desse dia. 🙂 Durante o dia, torrei ao sol, atualizei o caderno, fui ao mar inúmeras vezes e fiz snorkeling. Este acabou por ser um dia mais tranquilo e quando regressei a Panagsama voltei a jantar com o Daniel.

IMG_1308 (FILEminimizer)     IMG_1310 (FILEminimizer)

IMG_1318 (FILEminimizer)     IMG_1335 (FILEminimizer)

No último dia em Moalboal fiz dois mergulhos na companhia de Daniel. O primeiro na ilha do Pescador, onde fui recebido por uma parede vertical, de aproximadamente cem metros de profundidade e repleta de corais bastante vivos e coloridos, e onde senti algum nervosismo, ao lembrar-me de corrente brutal e descendente de Batubalong em Komodo. :/ E o segundo já ao largo de Panagsama, onde tivemos um encontro com uma escola de milhões de sardinhas! BRUTAL! ABISSAL! MONUMENTAL! 😀 Espirais, círculos, arcos e nuvens… um verdadeiro turbilhão! Um dos melhores mergulhos da minha vida! 😀 Depois de tanta emoção aquática, ficámos um par de horas na escola de mergulho – Cebu Divers – a falar com outros mergulhadores. Durante a tarde para além de continuar na conversa, acabei de atualizar o caderno e no regresso ao hostel reencontrei Daniel, Vanessa e Zaskia (rapariga de ascendência alemã/filipina) que chegara no dia anterior. Na despedida de Moalboal comecei a jantar sozinho, mas à semelhança de dias anteriores acabei acompanhado, desta feita por Zaskia com quem fiquei a conversar animadamente durante um par de horas. Foi nesse momento, que combinámos partir no dia seguinte para a ilha de Los Negros 

IMG_1336 (FILEminimizer)      IMG_1341 (FILEminimizer)IMG_1342 (FILEminimizer)      IMG_1345 (FILEminimizer)

Em trânsito: Na ilha de Cebu. De Norte a Oeste

Depois de todos os fabulásticos mergulhos, a simpática tripulação deixou-nos na vila de Maya, onde apanhámos um autocarro que nos levou estrada fora durante cento e trinta e seis quilómetros, de regresso à cidade de Cebu, capital da ilha e local onde Magalhães perdeu literalmente a cabeça. 😛 Aí, acabámos por jantar num restaurante um pouco mais fino, onde tivemos direito a banda e durante o mesmo reinou a boa disposição, havendo muita conversa. 🙂

IMG_1217 (FILEminimizer)      IMG_1219 (FILEminimizer)

IMG_1221 (FILEminimizer)             D Cebu (2)

Depois da noite em Cebu, saímos da guesthouse bem cedo e partimos para o terminal de autocarros sul, onde apanhámos um veículo para Oslob. Durante a viagem, fui vendo o Robin Hood e tomando atenção ao caminho para garantir que o motorista não se esquecia de nós e saíamos no sítio certo. Assim que chegámos, e sem perdermos tempo comprámos os nossos bilhetes para fazer snorkeling com os tubarões baleia. O local era bastante organizado e por uma pequena quantia – 50P, cerca de 0.80€ – tivemos acesso a cacifos e a chuveiro de água doce.

IMG_1226 (FILEminimizer)      IMG_1225 (FILEminimizer)

E Oslob (4) (FILEminimizer)

O ambiente geral de azáfama e ruidoso não foi uma novidade para mim… já sabia ao que ia e desse modo foi fácil meter um chip e transformar-me num “robot”. Com o chip colocado recebi um briefing, apanhei a banca designada e saltei para dentro de água. Durante meia hora, andei para trás e para a frente, tentando ora aproximar-me, ora manter-me a uma distância que me parecia segura, pois muitas vezes aqueles dóceis gigantes aproximavam-se demasiado. Apesar da quantidade de pessoas existentes e do “processo” dos barqueiros mandarem comida para dentro de água não me agradar, no momento em que comecei a ver os tubarões baleia “desliguei-me” do ambiente geral e foquei-me na extraordinária beleza deste animal (na sua boca oval aberta qual aspirador gigante, nos padrões da sua pele malhada, na sua enorme envergadura, na suas guelras, na sua barbatana caudal…). Espetacular! Inesquecível! 😀 E o único senão foi ver o Francis cansado e ofegante, agarrado a umas cordas/bóia a descansar. :/ Assim que o tempo acabou, regressámos à banca e rumámos a terra.

IMG_1229 (FILEminimizer)      IMG_1231 (FILEminimizer)

IMG_1232 (FILEminimizer)      IMG_1236 (FILEminimizer)

IMG_1237 (FILEminimizer)     IMG_1238 (FILEminimizer)

Quando desembarcámos, o ambiente já era totalmente diferente, uma vez que já não existiam bancas no mar. E a razão? Hora de fecho! Todos os dias em Oslob os tubarões baleia são religiosamente alimentados das 5.30 às 12.30. Depois dessa hora, este negócio milionário fecha e reabre, no dia seguinte pronto para faturar mais umas centenas de milhares de pesos! Terminada a visita a estes magníficos animais, naquele ambiente tão dúbio, não nos fizemos velhos e partimos em direção a Moalboal já na costa oeste da ilha. Como não existia uma ligação direta, tivemos de parar em Tagu para mudar de autocarro e aí acabámos por almoçar numa casita de madeira, sentados à sombra. De Tagu a Moalboal, distam noventa quilómetros de paisagem bastante verde e que foram percorridos em hora e meia. Assim que chegámos à pequena vila, negociámos a nossa partida num tuk-tuk até Panagsama beach. Durante o curto trajeto, recebemos uma dica de alojamento e ficámos a saber que a vila estava em fiesta em honra do padroeiro São Vicente Ferrara. 😉

Em trânsito: Longa Jornada para Cebu

Depois das emoções passadas na ilha de Coron e arredores, a ilha de Cebu e ponto de encontro com o meu amigo Francis, era o meu próximo destino. Como tinha dois dias até à sua chegada, o meu objetivo passou por tentar gastar o mínimo dinheiro possível na travessia. Ainda em Coron, apanhei um pequeno barco que levou sete horas para chegar a San Jose, na costa oeste da ilha de Mindoro. Assim que atracámos – eu, Maiju e Steow – apanhámos uma carrinha que nos levou até Calapan, já na costa norte da ilha, onde chegámos já de noite, depois de uma viagem de cerca de cinco horas. Essa vila, marcou a minha separação de Maiju e Steow, uma vez que na manhã seguinte eles seguiram para Puerto Galera e eu apanhei um barco para o porto de Batangas, já na ilha de Luzon.

Na curta travessia entre ilhas – aproximadamente hora e meia – recebi informações de como chegar ao aeroporto de Manila da maneira mais económica e consequência disso a minha manhã foi completamente preenchida com viagens de autocarros e jeepneys: Batangas – Alabang – Zapote – Baclaran. Quando cheguei ao terminal 3 do aeroporto, o relógio batia o meio-dia e sem a viagem marcada e com o encontro com o Francis ao “virar da esquina” tive que me sujeitar aos “elevados” preços da companhias aéreas. :/

Durante a tarde e como apenas tinha o voo às 22.30, aproveitei para marcar todas as ligações aéreas que me faltavam até ao final da viagem e assim evitar mais surpresas desagradáveis com aumentos repentinos de tarifas, assim: Manila – Kuala Lumpur (que ficou mais barato que o voo interno entre Manila e Cebu! Devido a ter sido marcado com mais de um mês de antecedência); os voos de ida e volta Kuala Lumpur – Yagon e o voo de regresso a Portugal que teria duas escalas, uma em solo asiático e outra já em solo europeu (Kuala Lumpur – Guangzhou – Paris – Lisboa). Estava assim definida, a data para o meu regresso. Nunca, durante toda a viagem soube com tanta antecedência, quais os meus destinos… mas nesta situação, não existiam muitas alternativas, a partir deste momento e no prazo de dois meses, estaria em Lisboa.

Quando aterrei em Cebu-Mactan, era meia noite e pouco, mas como o Francis apenas chegava por volta do meia dia e um quarto, passei a noite no aeroporto em modo de espera. Durante essas doze horas, para além de dormir o que o corpo deixou, organizei as fotografias de Coron, enviei e-mails e aproveitei para escrever para o blog. Tic- tac… tiiiiiiiiiiiiiiiic-taaaaaaaaac… tiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiic-taaaaaaaaaaaaaaaaac, o tempo passou e o Francis, chegou. 😀