Em trânsito: Na ilha de Cebu. De Norte a Oeste

Depois de todos os fabulásticos mergulhos, a simpática tripulação deixou-nos na vila de Maya, onde apanhámos um autocarro que nos levou estrada fora durante cento e trinta e seis quilómetros, de regresso à cidade de Cebu, capital da ilha e local onde Magalhães perdeu literalmente a cabeça. 😛 Aí, acabámos por jantar num restaurante um pouco mais fino, onde tivemos direito a banda e durante o mesmo reinou a boa disposição, havendo muita conversa. 🙂

IMG_1217 (FILEminimizer)      IMG_1219 (FILEminimizer)

IMG_1221 (FILEminimizer)             D Cebu (2)

Depois da noite em Cebu, saímos da guesthouse bem cedo e partimos para o terminal de autocarros sul, onde apanhámos um veículo para Oslob. Durante a viagem, fui vendo o Robin Hood e tomando atenção ao caminho para garantir que o motorista não se esquecia de nós e saíamos no sítio certo. Assim que chegámos, e sem perdermos tempo comprámos os nossos bilhetes para fazer snorkeling com os tubarões baleia. O local era bastante organizado e por uma pequena quantia – 50P, cerca de 0.80€ – tivemos acesso a cacifos e a chuveiro de água doce.

IMG_1226 (FILEminimizer)      IMG_1225 (FILEminimizer)

E Oslob (4) (FILEminimizer)

O ambiente geral de azáfama e ruidoso não foi uma novidade para mim… já sabia ao que ia e desse modo foi fácil meter um chip e transformar-me num “robot”. Com o chip colocado recebi um briefing, apanhei a banca designada e saltei para dentro de água. Durante meia hora, andei para trás e para a frente, tentando ora aproximar-me, ora manter-me a uma distância que me parecia segura, pois muitas vezes aqueles dóceis gigantes aproximavam-se demasiado. Apesar da quantidade de pessoas existentes e do “processo” dos barqueiros mandarem comida para dentro de água não me agradar, no momento em que comecei a ver os tubarões baleia “desliguei-me” do ambiente geral e foquei-me na extraordinária beleza deste animal (na sua boca oval aberta qual aspirador gigante, nos padrões da sua pele malhada, na sua enorme envergadura, na suas guelras, na sua barbatana caudal…). Espetacular! Inesquecível! 😀 E o único senão foi ver o Francis cansado e ofegante, agarrado a umas cordas/bóia a descansar. :/ Assim que o tempo acabou, regressámos à banca e rumámos a terra.

IMG_1229 (FILEminimizer)      IMG_1231 (FILEminimizer)

IMG_1232 (FILEminimizer)      IMG_1236 (FILEminimizer)

IMG_1237 (FILEminimizer)     IMG_1238 (FILEminimizer)

Quando desembarcámos, o ambiente já era totalmente diferente, uma vez que já não existiam bancas no mar. E a razão? Hora de fecho! Todos os dias em Oslob os tubarões baleia são religiosamente alimentados das 5.30 às 12.30. Depois dessa hora, este negócio milionário fecha e reabre, no dia seguinte pronto para faturar mais umas centenas de milhares de pesos! Terminada a visita a estes magníficos animais, naquele ambiente tão dúbio, não nos fizemos velhos e partimos em direção a Moalboal já na costa oeste da ilha. Como não existia uma ligação direta, tivemos de parar em Tagu para mudar de autocarro e aí acabámos por almoçar numa casita de madeira, sentados à sombra. De Tagu a Moalboal, distam noventa quilómetros de paisagem bastante verde e que foram percorridos em hora e meia. Assim que chegámos à pequena vila, negociámos a nossa partida num tuk-tuk até Panagsama beach. Durante o curto trajeto, recebemos uma dica de alojamento e ficámos a saber que a vila estava em fiesta em honra do padroeiro São Vicente Ferrara. 😉

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s