Categorias
Em trânsito Fotografia

Uma Geografia. Uma Fotografia: Tanging

Tanging_Blog

Depois da paragem tribal em Dokan, a viagem até ao lago Toba continuou. No caminho pude observar a beleza natural – uma gigantesca cascata, o azul do lago, os verdes dos montes e dos pinheiros, os amarelos das flores – que rodeava a aldeia de Tanging – pode encontrar mais aqui. Aí, para além de observar uma curiosa pescaria, deliciei-me com um fresquíssimo peixe na grelha, acompanhado de um picante caseiro bombástico e descobri o “fabulástico” sumo de abacate, que se tornou uma espécie de revelação.

Categorias
Em trânsito Fotografia

Uma Geografia. Uma Fotografia: Dokan

Dokan_BlogA caminho do lago Toba, percorri um longo caminho, penetrando lentamente no coração e alma do povo Batak, uma antiga tribo canibal que foi convertida maioritariamente ao cristianismo. Na pequena aldeia de Dokan – pode encontrar mais aqui – visitei uma casa tradicional, onde viviam oito famílias, sendo-me explicado os “símbolos” – osgas, cornos de búfalos… – que decoram o exterior das habitações Batak e as protegem dos espíritos funestos.

Categorias
Fotografia

Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Hangzhou

Hangzhou_Blog

Na turística cidade de Hangzhou – pode encontrar mais aqui – e cidade do Amor, tive a oportunidade de passear nas margens do afamado e sereno lago do Oeste e de saborear o famosíssimo chá Longjing.

Categorias
Fotografia

Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Lú gū hú

Luguhu_Blog

No grande lago de Lú gū hú – pode encontrar mais aqui para além de observar uma bonita e tranquila paisagem, tive a felicidade de encontrar e retratar esta bela e serena barqueira.

Categorias
Fotografia

Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Loujishan

Loujishan_Blog

Na montanha de Louji  pode encontrar mais aqui – atingi praticamente os quatro mil metros de altitude e tive a oportunidade de visitar um reino de florestas verdes escuras, troncos derrubados, neve, gelo e negros lagos.

Categorias
Fotografia

Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Qiong Hai

QiongHai_Blog

No lago de Qiong Hai – pode encontrar mais aqui – pedalei lentamente, encontrando um local sereno e tranquilo, onde tive a felicidade de observar mais um pouco da China profunda.

Categorias
Fotografia

Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Jiuzhaigou

Jiuzhaigou_Blog

No maravilhoso parque natural de Jiuzhaigou – pode encontrar mais aqui – no norte da província de Sìchuān, existem locais onde o silêncio reina e as delicadas flores enquadram de forma perfeita os múltiplos lagos azuis e verdes existentes.

Categorias
Crónicas Fotografia

Inle Days? Group Days

Ato IV – Cozinha Birmanesa, Kakku Tour & Despedidas 

Depois dos dias de trekking até Inle e dos passeios em redor do lago, tanto por água como por terra, este foi um dia mais tranquilo e no qual aproveitei para lavar a roupa, uma vez que quase já não tinha que vestir! 😛 Depois do pequeno-almoço, eu e o Riccardo fomos encontrar-nos com o resto do grupo ao Richland Hotel, onde no quarto de Gil, Melissa e Fabianne, que mais parecia uma suite 😉 , comecei a organizar uma pasta de fotografias e vídeos do nosso grupo, para depois todos ficarmos e termos acesso aos mesmos ficheiros. 🙂

IMG_4737 (FILEminimizer)     IMG_4743 (FILEminimizer)

IMG_4745 (FILEminimizer)     IMG_4749 (FILEminimizer)

IMG_4753 (FILEminimizer)    IMG_4757 (FILEminimizer)

IMG_4774 (FILEminimizer)

Para além dessa tarefa, que se veio a revelar demorada, a outra atividade do dia resumiu-se a uma aula de culinária ao final da tarde e irmos ao mercado com o nosso anfitreão, comprar e conhecer alguns dos ingredientes que íriamos confecionar. A aula de culinária, revelou ser mais um jantar entre amigos que propriamente uma grande aprendizagem, mas não há dúvidas que o ambiente foi animado, o grupo estava todo bem disposto e a comida no nosso último jantar em conjunto estava excelente! 😀 Para além disso e no final, cada um de nós recebeu um saquinho de pano com diferentes especiarias e o casal que nos recebeu foram um autêntico “doce”! 😀 

IMG_4783 (FILEminimizer)     IMG_4791 (FILEminimizer)

IMG_4797 (FILEminimizer)    IMG_4801 (FILEminimizer)

IMG_4804 (FILEminimizer)

CIMG5668 (FILEminimizer)    CIMG5674 (FILEminimizer)

No último dia em Inle a principal atividade, foi ir até Kakku na companhia de Melissa e de Fabianne, um reino de pagodas concentradas numa área com um quilómetro quadrado! Uma autêntica floresta de densidade impressionante! 🙂 Para fazer o tour, necessitámos de um condutor e de uma guia oficial, pois infelizmente viajantes independentes não podem visitar o local. O caminho entre o lago e Kakku foi longo, sensivelmente duas e meia em cada direção, mas agradável, fruto das florestas e dos campos muito verdes que se avistavam. Durante a visita, também tivemos muita sorte, pois foi essa foi a única altura do dia em que não choveu. Um timing perfeito e muita sorte à mistura! 😉

IMG_4826 (FILEminimizer)

IMG_4829 (FILEminimizer)    IMG_4868 (FILEminimizer)

IMG_4869 (FILEminimizer)    IMG_4904 (FILEminimizer)

IMG_4909 (FILEminimizer)      IMG_4811 (FILEminimizer)

Quando regressámos a Nyaung Shwe, reencontrámos os rapazes – Riccardo, Gil e Nathan – e ficámos na sua companhia até partirem para Yangon. Pouco tempo depois, despedi-me de Melissa e Fabianne, uma vez que elas iriam para Kinpun e eu para Mandalay. Foi assim, que este fantástico grupo de pessoas se separou fisicamente, mas a ligação de tempos muito felizes, essa foi guardada no coração de cada um de nós. Grazie! Thank you! Danke! תודה! 😀 

Categorias
Crónicas Em trânsito Fotografia

Inle Days? Group Days

Ato III – Pedalando em Inle 

O despertar para o segundo dia não foi fácil. Não pela quantidade de bebidas ingeridas na tarde/noite anterior, mas pelas horas de sono dormidas, ou melhor dizendo… a falta delas! 😛 De qualquer modo e à hora marcada (5.30) lá estava eu e o Riccardo – o Português e o Italiano – aguardando pelos restantes elementos do grupo que também não tardaram aparecer. 🙂 Já reunidos, recebemos as nossas montadas de “puro-sangue” e de capacete na cabeça partimos para o nosso passeio de “bicla”, o dia começava a despontar…

IMG_4633 (FILEminimizer)     IMG_4636 (FILEminimizer)

IMG_4637 (FILEminimizer)    IMG_4643 (FILEminimizer)

IMG_4649 (FILEminimizer)    IMG_4652 (FILEminimizer)

IMG_4669 (FILEminimizer)    IMG_4680 (FILEminimizer)

Acompanhados por um céu levemente azul, começámos por percorrer uma estrada ao longo de bonitos e verdes arrozais, até chegarmos a um tranquilo mosteiro que visitámos com prazer. Aí, encontrámos um espaço de aura serena, cheio de luz suave e dois velhos monges muito simpáticos. 😀 Seguimos pedalando, acenando aos nativos e dizendo-lhes olá (mangelabá), até que voltámos a parar, desta feita num pequeno templo no topo de uma colina, onde acabámos por ficar um bocado deitados a relaxar. Quando tentámos visitar as fontes de água termais, tal não se revelou possível, uma vez que estas ficavam no interior de um SPA e o valor que nos pediram, pareceu-nos exagerado. Desse modo e como ninguém fez realmente questão de entrar, seguimos viagem e fomos pedalando, pedalando… pedalando com o objetivo de encontrar uma povoação com um cais e barqueiros que nos transportassem até à outra margem do lago. Durante o percurso, continuámos a observar a vida local: escolas, crianças traquinas e sorridentes, camponeses, búfalos e vacas, arrozais, palmeiras, florestas, estupas e pagodas. 🙂

IMG_4683 (FILEminimizer)           P1010866 (FILEminimizer)

IMG_4698 (FILEminimizer)    IMG_4699 (FILEminimizer)

IMG_4703 (FILEminimizer)    IMG_4706 (FILEminimizer)

IMG_4358 (FILEminimizer)           IMG_4708 (FILEminimizer)

Finalmente e depois de algumas horas a pedalar conseguimos encontrar um barco e um barqueiro, e depois de árduas negociações lá chegámos a um consenso. 🙂 A travessia com as bicicletas a bordo foi memorável e o único momento menos positivo, ocorreu já no desambarque, quando o nosso barqueiro não nos largou no local previamente combinado. Assim, decidimos pagar-lhe um montante ligeiramente inferior ao negociado, de modo a não recompensar a quebra de palavra – se os nativos forem “ensinados” que não há consequências, por não cumprirem a sua palavra, no futuro é isso que farão. Já desembarcados na margem oriental, recomeçámos a pedalar, desta feita a caminho de umas vinhas e nessa altura fruto do cansaço acumulado, só pensava em pedalar, pedalar… pedalar, de modo a chegar o mais rapidamente possível, sentar-me à mesa, beber uns copos de vinho e relaxar. 😛 Foi assim, que no final daquele looooooooooooooooongo passeio de bicicleta, pelas margens do lago de Inle, nos reunimos à mesa para um almoço tardio, onde fizemos uma prova de vinhos e brindámos à saúde, à amizade e à generosidade de buda… 😀

DSC07170 (FILEminimizer)

IMG_4726 (FILEminimizer)      GOPR2384 (FILEminimizer)

IMG_4374 (FILEminimizer)      IMG_4733 (FILEminimizer)

IMG_4735 (FILEminimizer)

DSC07179 (FILEminimizer)    DSC07182 (FILEminimizer)

Categorias
Crónicas Em trânsito Fotografia

Inle Days? Group Days

Ato II – A Bordo e a “Desbordo” 

No nosso primeiro dia realmente a “sério” em Inle, passeámos de barco todo o dia no lago e nos seus arredores. Primeiro, fizemos uma longa e serena travessia numa superfície de prata até à povoação de In Dein, onde encontrámos o mercado diário – no lago de Inle, todos os dias existe um mercado, a sua localização é que se vai alterando – e durante quarenta e cinco minutos vimos toda a sua azáfama e movimento, e apanhámos uma grande chuvada, que foi tão rápida a chegar como a partir. 🙂

IMG_4375 (FILEminimizer)     IMG_4376 (FILEminimizer)

IMG_4382 (FILEminimizer)     IMG_4390 (FILEminimizer)

IMG_4401 (FILEminimizer)            P1010749 (FILEminimizer)

IMG_4406 (FILEminimizer)     IMG_4407 (FILEminimizer)

IMG_4429 (FILEminimizer)

GOPR2313 (FILEminimizer)

De regresso ao lago, fizemos as “famosas” paragens nas lojas dos artesãos locais, ao mesmo tempo que vimos a vida do local e dos seus habitantes a desfilar à nossa frente, tal como os frames de um filme. 🙂 Primeiro, parámos numa loja de tecelagem e vimos como da flor de lótus se extrai a fibra, que depois se transforma em linhas para tecer peças de roupa, lenços, toalhas… cada uma destas peças, tecida com a linha desta flor é caaaaaaaaaaaríssima – muito mais do que a seda – mas ao observar a sua textura crua e tosca, não pude deixar de me questionar: “quem comprará, estas peças!?”. De qualquer modo, as linhas de lótus podem ser combinadas com as linhas de seda e quando tal acontece, o seu aspeto visual torna-se muito mais apelativo e luxuoso. O destino seguinte, foi uma loja de prata, onde vimos o interessante processo de fundição e onde encontrámos um cãozito muito engraçado e traquinas! 😛

IMG_4466 (FILEminimizer)     IMG_4470 (FILEminimizer)

P1010775 (FILEminimizer)

IMG_4480 (FILEminimizer)     IMG_4488 (FILEminimizer)

IMG_4496 (FILEminimizer)    IMG_4491 (FILEminimizer)

IMG_4510 (FILEminimizer)      IMG_4526 (FILEminimizer)

IMG_4527 (FILEminimizer)    IMG_4511 (FILEminimizer)

IMG_4515 (FILEminimizer)           P1010787 (FILEminimizer)

Nova paragem, desta feita numa “fábrica” tradicional de tabaco onde comprei cem cigarros para levar como recuerdos para Portugal e felizmente essa foi a nossa última “loja” do dia! 😉 Na paragem para almoçar, conseguimos negociar o valor do repasto e depois da paparoca, ficámos lá um bocado deitados a dormitar. 😛 Quando voltámos a embarcar, partimos para o Mosteiro dos Gatos Saltitantes, onde encontrámos um bonito mosteiro e gatos sonolentos e preguiçosos. 😛 A verdade é que durante o resto do dia não fizemos mais paragens, exceto algures no meio do lago para um mergulho, mas mesmo assim o tempo passou num ápice e apenas regressámos à vila de Nyuang Shwe depois das cinco da tarde. 🙂

IMG_4545 (FILEminimizer)     IMG_4555 (FILEminimizer)

IMG_4556 (FILEminimizer)            DSC07131 (FILEminimizer)

IMG_4562 (FILEminimizer)

DSC07132 (FILEminimizer)

IMG_4592 (FILEminimizer)     IMG_4607 (FILEminimizer)

IMG_4617 (FILEminimizer)            DSC07140 (FILEminimizer)

P1010839 (FILEminimizer)      GOPR2366 (FILEminimizer)

GOPR2368 (FILEminimizer)

Findado o passeio, regressámos ao barzito do dia anterior e antes de pedir algo, notei que me faltava o telemóvel. :/ Sem muita confiança, mas por descargo de consciência voltei ao cais para falar com o nosso barqueiro e antes de perguntar, já ele estava a acenar com o telemóvel na mão! Porreiro pá! 😀 Já mais animado, voltei à “base” e aí fiquei em amena cavaqueira durante o resto da tarde e príncipio da noite. Nessa altura e incrivelmente, passados algumas semanas e fruto do acaso, reencontrei Luke e Alexa  um casal de britânicos – que conhecera em Sugar Beach, Filipinas! O mundo é mesmo um T0! 😉

DSC07151 (FILEminimizer)