Categorias
Crónicas Em trânsito Fotografia Reflexões

Em trânsito: Xishuangbanna – Luang Nam Tah. Goodbye China. Hello Laos!

Antes de começar a minha travessia para o Laos estava um bocadito nervoso, pelo recomeço de tudo: língua, preços e dinheiro, pessoas, cultura… de qualquer modo penso que sentir esse nervoso miudinho, foi natural, positivo e sinal que aguardava a mudança com expetativaA viagem entre a China e o Laos começou num Sábado, depois de almoço e com a despedida de Jinghong que foi uma agradável surpresa. Saí da cidade acompanhado pelo Zhou Fan Chou  o “caramelo” já tem nome – e antes de começarmos a pedir boleia, andámos dois quilómetros para chegar ao perímetro exterior da cidade. Em menos de dez minutos já estávamos numa carrinha a caminho de Mèngla, vila que fica a cento e trinta quilómetros de Jinghong e à qual chegámos a meio da tarde. Decidimos não prosseguir para Mohan, não por falta de tempo, mas porque essa é uma cidade fronteiriça e seguramente com preços inflacionados. Desse modo, acabámos o dia a dormir em Mèngla, a cinquenta quilómetros da fronteira, numa espelunquinha. 😛

IMG_6144 (FILEminimizer)      IMG_6147 (FILEminimizer)

No Domingo, acordámos cedo e andámos novamente dois quilómetros para chegar à estrada principal e aí ficámos à espera que alguma alma caridosa nos desse boleia para Mohan, a última cidade/vila chinesa antes da fronteira. Finalmente, passado uma hora e pouco alguém parou e não é que foi um carro com matrícula do Laos?! 😛 Metemos a bagagem na carrinha de caixa aberta e durante a viagem não conseguimos comunicar com o nosso condutor. Bonito… no entanto na chegada à vila ao parar o condutor do bólide fez-nos sinal de dinheiro. Eh lá! Com esta não contávamos. Ok, my friend no problem, toma lá uma ajudinha e não digas que vais daqui. Antes de sairmos de Mohan troquei os yuans que tinha por kips e mandei um e-mail a contar as novidades.

IMG_6161 (FILEminimizer)      IMG_6169 (FILEminimizer)

A última parte do trajeto até à fronteira foi feita a caminhar e poucos minutos depois estava com o passaporte carimbado. Zheijiè (adeus) China! Até ao regresso. Seguimos o caminho sem ninguém por perto e nos últimos metros de China fomos “abençoados” por uma chuva suave. 🙂 No posto de fronteira do lado do Laos (Boten), preenchi o formulário, entreguei uma fotografia e paguei trinta e cinco doláres pela impressão do visto e mais uma “taxa de fim-de-semana” (10.000 kips ou 2 doláres). “Ok, ok! Leva lá um euro (10.000 kips) e não me peças mais dinheiro, ou levantes problemas”. 😛 Sem mais taxas manhosas entrei oficialmente no Laos pelo próprio pé. Hello! 🙂

IMG_6172 (FILEminimizer)      IMG_6173 (FILEminimizer)

Passámos pela vila de Boten sempre a andar na Nacional 13 e na saída da vila estávamos a cinquenta e cinco quilómetros de Luang Nam Tha, nosso destino. Durante duas horas fomos andando, parando e tentando pedir boleia e passado todo esse tempo andámos quatro quilómetros! :/ Não estava fácil a nossa vida, quando… um carro com matrícula chinesa parou e nos deu boleia até ao nosso destino. 🙂 A estrada estava em excelentes condições – pelo menos para as minhas expetativas – e após uma hora de viagem ao aproximarmo-nos da cidade, apareceram montanhas, arrozais, nuvens…lindo! 😀

IMG_6179 (FILEminimizer)      IMG_6188 (FILEminimizer)

Categorias
Crónicas Fotografia

Jinghong. Jardins e Cheirinho a Cultura Thai

Durante o dia na cidade decidi visitar os seus múltiplos jardins e parques e abrigar-me um pouco do calor semi-tropical da região – Xishuangbanna. A caminho do jardim botânico, passei por inúmeros mercados e bancas de fruta e o que me ficou mais entranhado na memória, foi o cheiro doce e frutado que exalava das ruas: mangas, papaias, abacaxis, linchas, bananas, uvas e cerejas… 😀

IMG_5973 (FILEminimizer)      IMG_5991 (FILEminimizer)

Nos jardins da cidade (botânico e das plantas medicinais) passeei tranquilamente por debaixo de copas frondosas, palmeiras, bungavílias, borracheiras, vi laranjas gigantes, jacas, abacaxis. 🙂 Depois visitei o parque Minzu Feng Qing e o seu ambiente semi-decadente e o parque Manting onde encontrei um templo que só me fez lembrar a Tailândia e a cultura Thai – o estilo arquitectónico, os dourados, os pináculos, a representação dos Deuses…

IMG_5955 (FILEminimizer)      IMG_6028 (FILEminimizer) IMG_6046 (FILEminimizer)      IMG_6048 (FILEminimizer)

Ao entardecer tirei umas fotografias ao magnífico céu e ao rio Lancang (nome dado pelos chineses ao Mekong) – que vi pela primeira vez, aqui em Jinghong – e na despedida da cidade, posso afirmar que a mesma tem um cheiro que já não é da China e se me dissessem que estava na Tailândia, em Myanmar, no Laos… acreditaria. 😀

IMG_6117 (FILEminimizer)       IMG_6123 (FILEminimizer)

Categorias
Crónicas O 1º Dia

Mas Quem é Este Caramelo?

Na chegada a Jinghong chovia e sem muitas certezas do caminho a seguir, comecei a minha demanda até ao North Bank Hostel, onde cheguei cansado e a suar. Na receção estava um rapaz que não falava uma palavra de inglês e um backpacker chinês que parecia estar a gozar comigo e eu automaticamente, pensei: “Olha este caramelo. Deves ter a mania que és muito engraçado!”.

IMG_6131 (FILEminimizer)

A verdade é que acabámos por ficar no mesmo quarto – espaçoso e com paredes altas, principalmente para duas pessoas – e houve uma mudança na minha visão ou na sua atitude e a antipatia inicial que senti, esvaneceu-se. Começámos a falar sobre nós, meditação, viagens e sem darmos por isso fomos parar ao nosso próximo destino: Laos. Entretanto, jantámos num restaurante de comida barata e deliciosa e ao voltarmos ao quarto decidimos que íamos tentar entrar no país juntos. 🙂

Categorias
Crónicas Em trânsito

Em trânsito: Beihai – Jinghong. Interminável

A viagem que ligou Beihai a Jinghong começou às 11.50 e terminou no dia seguinte às 17.30, com muito pouco de espera entre as ligações. Em traços gerais, a viagem decorreu em três partes: Beihai Nanning e Nanning – Kunming (comboios) e Kunming Jinghong (autocarro). Durante todo este tempo fui escrevendo no caderno, comi toda a comida que tinha comigo, dormi, comecei a ler e a filtrar informação sobre o meu novo destino – Laos  e observei a paisagem predominantemente rural – vilas minúsculas, plantações, bananeiras, cursos de água barrentos, colinas verdes, vegetação luxuriante e super-densa, a ponto de pensar se não estaria a ver, a selva. 🙂