Tanjung Puting. No Reino dos Orangotangos

Ato IV – Despedidas e o Campo 2

No nosso último dia, no interior do parque natural de Tanjung Puting, voltei a acordar cedíssimo e a ver o nascer do dia. Depois do pequeno almoço fui até à proa tirar fotografias: as margens, a vegetação, os barcos, a água, os reflexos, os macacos, os tucanos, os kingfish e outras espécies de pássaros e um crocodilo bebé! 🙂

IMG_7624 (FILEminimizer)     IMG_7625 (FILEminimizer)

Às 8.40 já estávamos no Campo 2 e passados quinze minutos na zona da plataforma. Neste dia tivemos muita sorte, pois vimos muita ação e interação! 😀 Um macho com vinte anos, bastante corpulento e com a cara mais gorda e chapada – efeito da testosterona nos machos dominantes; uma fêmea acompanhada da sua cria (já maiorzita) e o seu comportamento para afastar o grande macho da comida  – partir galhos e atirá-los, fazer barulho, mostrar-se “furiosa”; o transporte do leite para o topo de uma árvore – tentativa de dar de beber à cria); e finalmente um segundo macho também apareceu na plataforma. Depois de tanta ação, entrámos na floresta para continuar a seguir esta “algazarra”, um ambiente tal como dia anterior, totalmente National Geographic. 😀

IMG_7638 (FILEminimizer)     IMG_7655 (FILEminimizer)

IMG_7682 (FILEminimizer)     IMG_7693 (FILEminimizer)

IMG_7705 (FILEminimizer)     IMG_7749 (FILEminimizer) IMG_7713 (FILEminimizer)     IMG_7722- (FILEminimizer)

Voltámos a embarcar e partimos de regresso a Kumai, mas antes arrumei a mala, fiz um backup de todas as fotografias, falei mais um bocado com o Mr. Uzo e com Andreas (que estava de partida para Banjarmasin), almoçámos e antes de nos despedirmos daquela super tripulação, retribuímos o excelente serviço prestado com uma gorjeta geral. 🙂

IMG_7756 (FILEminimizer)     IMG_7764 (FILEminimizer)

IMG_7766 (FILEminimizer)

Já na vila/cidade, falei com o dono da agência de viagens (CV. Satria Majid Tour: +62 0532 61740) e transmiti-lhe a minha opinião acerca do tour (empregados super competentes, profissionais e que o serviço proporcionado tinha sido de excelência -apesar de não ter apreciado da maneira como começaram as nossas “negociações” – no final o serviço foi perfeito! 😀 ); paguei o voo que eles me marcaram -para o dia seguinte; liguei para a guesthouse de Jakarta (onde já tinha ficado); estive a repousar num quarto (que me arranjaram de borla) e combinei com o Mr. Ani as horas de regresso ao aeroporto de Pangkalanbun.

IMG_7772 (FILEminimizer)      IMG_7778 (FILEminimizer)

IMG_7781 (FILEminimizer)      IMG_7783 (FILEminimizer)


Epílogo

No dia seguinte, bem cedo, estava a voar de regresso à ilha de Java de coração e alma cheios. Sei que Tanjung Puting, o reino dos orangotangos foi uma experiência única e singular, o meu final perfeito para o Bornéu! 😀 Na despedida de Kalimantan fiquei com a certeza, que esta ilha é de facto um local mágico e selvagem, com zonas bastante remotas e de acesso complicado. Mas, mais do que isso, para além dos extraordinários locais por onde passei, levo comigo no coração e na memória, todas as pessoas que partilharam o seu tempo comigo, principalmente o Supriadi em Singkawang e o Doni em Lanjak e Sintang. Até um dia, meus amigos! 😀

Tanjung Puting. No Reino dos Orangotangos

Ato III – No Meio do Reino e o Rei de Camp Leakey

Às 5.30 já estava acordado, depois de dormir poucas horas mas bem “ferradas”! E tive a oportunidade de ver o dia a clarear, a neblina matinal, o céu prateado. O pequeno almoço iniciou-se à mesa e terminou na proa, em observações zoológicas. No caminho para o campo Leakey (o local de observação de orangotangos mais interior de todo o parque natural), como “prometido” fomos encontrando bastantes espécies de pássaros e alguns macacos, e vimos a água do rio a transitar de uma cor castanha e barrenta para o negro, como se tratasse do sangue da Terra. Este fenómeno ocorre, devido às raízes das árvores e à ausência total de poluição, e este é um dos dois únicos locais do mundo, onde ocorre.

IMG_7238 (FILEminimizer)     IMG_7250 (FILEminimizer)

IMG_7284 (FILEminimizer)    IMG_7320 (FILEminimizer)

IMG_7324 (FILEminimizer)    IMG_7337 (FILEminimizer)

IMG_7260 (FILEminimizer)     IMG_7342 (FILEminimizer)

Por volta das 9.00 já estávamos no nosso destino e durante duas horas andámos pela floresta tropical e vimos insectos, fungos e cogumelos (azuis, branco e castanhos), uma vegetação luxuriante, troncos caídos, plantas carnívoras, zonas em que a floresta desaparecia e apenas se viam fetos! E quase, quase no final da caminhada mesmo à nossa frente e a poucos passos, uma mamã orangotango com a sua pequena cria! 😀 Espetacular! Um verdadeiro momento National Geographic! E senti que ter a oportunidade de ver estes animais, no seu habitat é de facto uma experiência única.

IMG_7360 (FILEminimizer)     IMG_7366 (FILEminimizer)

IMG_7369 (FILEminimizer)     IMG_7387 (FILEminimizer)

IMG_7393 (FILEminimizer)      IMG_7418 (FILEminimizer)

IMG_7399 (FILEminimizer)

Por volta das 11.30 estávamos de regresso ao barco e a deliciar-nos com o almoço. Depois de mais uns momentos de conversa com o nosso guia voltámos a partir para Camp Leakey, desta feita rumo à plataforma onde alimentam os orangotangos. Mas antes, fomos recebidos por macacos de cauda longa, estivemos no centro de visitantes, vimos uma fêmea orangotango a repousar e percorremos mais um trilho alternativo. Quando chegámos à zona da plataforma, a área envolvente já estava semi preenchida com turistas e passados poucos segundos pude observar o meu primeiro gibão! 😀 (cara cómica; corpo desproporcionado – braços muito longos; veloz como uma bala) e esse foi o único primata que vimos no local. Enquanto esperávamos, o céu foi ficando carregado, carregado e passado uns minutos começou a chover. Toda a gente partiu, mas nós ficámos e nessa altura fui até à plataforma comer uma banana e declarar-me “rei” de Camp Leakey  uma vez que o meu “oponente” não apareceu! 😛

IMG_7427 (FILEminimizer)      IMG_7432 (FILEminimizer)

IMG_7435 (FILEminimizer)     IMG_7440 (FILEminimizer)

IMG_7447 (FILEminimizer)     IMG_7448 (FILEminimizer)

IMG_7461 (FILEminimizer)     IMG_7470 (FILEminimizer)

IMG_7483 (FILEminimizer)

Depois de breves instantes, estávamos a reentrar novamente na selva, com o nosso guia mas o passeio foi curto. Já no caminho de regresso e do nada, surgiu-nos Oscar – um jovem orangotango  mesmo à frente! E mesmo com o guia a dizer que o seu tamanho era médio, deu para ver o seu porte poderoso e sentir a sua presença! 🙂 Já nas imediações do centro de informação, vimos desta feita uma jovem fêmea. No cais, embarcámos e partimos para Panduk Ambung, onde esperámos que ficasse de noite. Aí, durante quarenta e cinco minutos fizemos a nossa caminhada noturna, encontrando: um kingfish (pássaro), tarântulas, centopeias, insectos estranhos, um ninho vazio e vimos a luz de múltiplos relâmpagos, fazendo figas para não começar a chover.

IMG_7494 (FILEminimizer)      IMG_7509 (FILEminimizer)

IMG_7514 (FILEminimizer)      IMG_7538 (FILEminimizer)

IMG_7560 (FILEminimizer)      IMG_7574 (FILEminimizer)

IMG_7590 (FILEminimizer)      IMG_7597 (FILEminimizer)

Tal como no dia anterior jantámos bastante cedo e depois do meu primeiro banho em três dias, ficámos a falar com o nosso guia, antes de irmos dormir. Quando me deitei, voltei a ficar fascinado ao ouvir o som da selva… 😀

IMG_7600 (FILEminimizer)

 P.S. – Em ambos os dias fui sempre mordido por uma formiga do fogo! Aiiiiiiiiiiii! 😛    

Tanjung Puting. No Reino dos Orangotangos 

Ato II – Partida para o Reino e o Campo 1

O barco onde “aterrei” juntamente com o Andreas era grande, espaçoso e tinha dois andares, para além disso, tinha uma WC com chuveiro e duas zonas para observação de animais (uma na proa e outra na popa). Logo no início da travessia, percebi que de facto era necessário um barco para visitar o parque natural, pois de Kamui até entrarmos na área oficial do parque, necessitámos de hora e meia e até chegarmos ao campo 1, duas horas.

IMG_7056 (FILEminimizer)      IMG_7057 (FILEminimizer)

IMG_7068 (FILEminimizer)     IMG_7083 (FILEminimizer)

Durante a viagem, vimos palmeira e outros tipos de vegetação semi submersa, pequenos barcos de transporte de mercadorias, de pescadores, barcos turísticos de médio porte (como o nosso), muitas espécies de pássaros, alguns macacos probuscius e dois orangotangos muito disfarçados no meio da folhagem 🙂 ; recebemos um briefing do nosso guia (Mr. Supian Hadi, ou simplificando Mr. Uzo) e ficámos a perceber o plano de “festas” para os próximos dias; deliciámo-nos ao almoço (arroz + tempe + vegetais + peixe); e comecei a perceber que o dinheiro investido iria trazer bastantes regalias! 😀 (tripulação: mecânico, capitão, cozinheira e guia).

IMG_7067 (FILEminimizer)      IMG_7072 (FILEminimizer)

IMG_7087 (FILEminimizer)

Quando chegámos ao campo 1, Uzo levou-nos por um trilho alternativo até à plataforma dos orangotangos e durante o mesmo, deu para ver ninhos de orangotango (frescos e mais antigos), insectos e um pouco de selva. Quando desembocámos na zona da plataforma, havia uma fêmea a comer, de costas para os turistas e cerca de duas dezenas de pessoas a observar. Comparando este local, com Sepilok (Sabah, Bornéu Malaio) nunca tinha estado tão próximo como aqui (existe uma área delimitada, mas muito mais próxima) e visto uma fêmea tão grande. 🙂 Depois dela desaparecer, vimos mais um ou dois vultos nas árvores (mas bastante afastados) e um pequeno esquilo muito engraçado. Antes de voltarmos ao barco, ainda demos um pequeno passeio na selva com o nosso guia e deu para ver árvores espinhosas, fungos, insectos e muita vegetação.

IMG_7089 (FILEminimizer)      IMG_7090 (FILEminimizer)

IMG_7096 (FILEminimizer)     IMG_7111 (FILEminimizer)

IMG_7115 (FILEminimizer)     IMG_7136 (FILEminimizer)

IMG_7099 (FILEminimizer)

Já de regresso ao barco e até atracarmos, fomos percorrendo o rio e vendo muitas espécies de macacos: cauda longa, probuscius (principalmente), folha prateada, e os reflexos das árvores e das nuvens no rio enquanto o dia caminhava para o seu ómega. Antes de jantar, puseram uma grande rede mosquiteira branca a proteger os nossos fantásticos colchões! 😉 e o jantar, à semelhança do almoço, voltou a ser à grande: camarões panados, Mie Goreng (massa frita), vegetais, arroz, tudo isto à luz das velas! 🙂 Depois de jantar descemos ao “piso térreo”, onde dentro do barco (altura muito baixa, tínhamos de andar de cócoras) estivemos a falar com o nosso guia e com o capitão do barco até às 22.00, hora em que todos foram dormir, bem quase todos… 🙂 uma vez que, fiquei acordado a fazer um backup de fotografias… a ouvir o barulho dos insectos, da selva, a ver as estrelas e a pensar que a “aposta” de ficar, tinha sido totalmente acertada! A verdade é que nesta vida, há experiências únicas que valem mesmo o investimento! 😀

IMG_7156 (FILEminimizer)      IMG_7164 (FILEminimizer)

IMG_7171 (FILEminimizer)      IMG_7214 (FILEminimizer)

IMG_7217 (FILEminimizer)      IMG_7218 (FILEminimizer)

Tanjung Puting. No Reino dos Orangotangos

Ato I – Impacto na Chegada!

A viagem aérea foi curta, enevoada e pouco interessante. Na chegada a Pangkalabun estive à espera da bagagem durante quinze minutos e nessa altura aproveitei para perguntar o preço de alguns pacotes turísticos (5.000.000 IDR! Aproximadamente 320€ :/ ). No mesmo instante, um rapaz ocidental cheio de tatuagens veio ter comigo perguntar se queria juntar-me a ele num tour, pois desse modo seria mais barato, mas como me vinham buscar ao aeroporto, respondi-lhe que não podia ir com ele.

IMG_7048 (FILEminimizer)     IMG_7051 (FILEminimizer)

Na saída do aeroporto, conheci o Mr. Ani e um colega seu, e numa carrinha do parque natural fui à boleia até à vila/cidade de Kumai, já nas imediações do parque de Tanjung Puting, ficando a saber durante a viagem, o valor do guia (mandatório) e dos spedboat. Na chegada ao edifício do parque, estava à minha espera uma mulher de vestido azul forte com quem comecei a falar. Ela apresentou-se como não fazendo parte de nenhuma agência de viagens (percebi imediatamente que essa informação era MENTIRA!) e começou a escrever num papel uma lista de itens: barco + taxas + guia + entrada + comida + … = 5.000.000 IDR (4dias/3noites) ou alternativamente  4.000.000 IDR (3dias/2noites)! Olhei para o preço, disse que era demasiado caro, que não estava interessado e que apenas queria contratar um guia para um ou dois dias. Ela respondeu-me que o parque natural apenas podia ser visitado com um barco. Nessa altura, em que me comecei a sentir como um animal encurralado e conduzido a uma armadilha, liguei ao Doni bastante zangado e irritado. Na chamada, tentei explicar-lhe o que se estava a passar e disse-lhe para conversar diretamente com minha “carrasca”, passado dois ou três minutos ela voltou a passar-me o telefone e o Doni disse que estava tudo incluído, etc… Quando desliguei senti-me injustiçado e completamente encurralado. De cabeça perdida e farto daquela “macacada”, decidi partir para Jakarta! Pedi então ao Mr. Ani para me levar de volta ao aeroporto.

Já na rua, antes de entrar na carrinha, comecei a pensar que já tinha gasto um milhão de rupias para ali chegar e que iria sair dali, sem ver absolutamente nada! Achei que tal era estúpido e acalmei-me um pouco (senti que tinha à frente um copo de veneno, agora “só” faltava beber!). Voltei ao balcão, recomecei a falar com a minha “amiga”, e nesse momento ela informou-me que havia outro turista para fazer o tour, que se quisesse me podia juntar a ele e desse modo o preço do pacote 3dias/2noites seria 2.350.000 IDR – valor “ligeiramente” inferior, não!? – sem olhá-la nos olhos, retorqui secamente: “2.000.000 IDR!” Ela disse que tinha de ligar ao marido e passado um minuto estava a confirmar que o preço podia ser esse, mas pediu para não falar disso com o outro turista, uma vez que estaria a arranjar-lhes problemas. Disse-lhe então que podia ficar descansada e que apesar de não gostar da situação, manteria a minha palavra. Entreguei-lhe então os famosos milhões e o passaporte, para ela formalizar os papéis do negócio.

Já com a burocracia tratada, partimos para o hotel da agência que ficava logo nas imediações do parque. No hall de entrada, sentei-me e pus o telemóvel a carregar, enquanto aguardava para partir. Durante uma hora e tal fui aguardando, até que finalmente o outro turista – Andreas –  apareceu, sendo esse momento caricato, uma vez que era o mesmo rapaz que tinha falado comigo no aeroporto. Já na companhia do nosso guia, partimos finalmente na direção do nosso barco que estava no cais. A  verdadeira aventura, estava prestes a começar! 😀