Mulu. Back to the Primitive

Ato VI – Dicas, Atividades Finais e Despedida de Mulu     

Depois da “escalada” do dia anterior, parti do campo 5 na companhia do casal de romenos às 7.30 de volta a Kuala Litut e o caminho de regresso foi tranquilo. A viagem até ao HQ do parque correu dentro da normalidade, ou seja, tivemos de empurrar o barco algumas vezes e mais uma vez choveu torrencialmente! Três dias, três molhas! 100% de eficácia! 😛

Já na receção do parque perguntei se era possível antecipar a caminhada noturna para este dia e perante a resposta afirmativa, ficou automaticamente decidido que no dia seguinte partiria no voo da tarde.‏ Como fisicamente me sentia bem e simultaneamente tive conhecimento da existência de uma “Adventure Caving” de nível intermédio em Stonehorse (nesta altura, já sabia que não teria a oportunidade de ir até “Sarawak Chamber” ou “Clear Water Connection”) decidi que esta era a minha oportunidade de fazer algo diferente em termos de cavernas. 🙂

Logo no início desta atividade conheci Rudy, um rapaz indonésio que trabalha em Singapura e passados poucos minutos de conversa, ficou combinado que durante a tarde ele me daria umas dicas sobre o seu país. Antes de entrarmos na caverna recebemos um nano, mini, micro briefing e durante duas horas e meia penetrámos num reino de escuridão, humidade, morcegos, aranhas, escorpiões, lama, cordas, passagens estreitas próximas de alguns locais profundos; senti a imensidão do espaço negro; vi algumas formações rochosas interessantes (cavalo de pedra e que batiza a caverna; zona micro a fazer lembrar os pináculos…); e principalmente senti o coração a bater mais acelerado, em duas ou três passagens mais complicadas e perigosas (momentos cheios de adrenalina), onde apenas tínhamos recurso a uma corda e à nossa destreza física, pois as condições de segurança eram precárias (inexistência de sistemas alternativos de segurança). :/

Depois da adrenalizante experiência e tal como no primeiro dia, regressei ao observatório dos morcegos. Desta feita na companhia de Rudy, que me desenhou um mapa da Indonésia, com locais a visitar (informações privilegiadas para um novo destino no futuro próximo). Nesta observação, fiquei ainda mais fascinado com o fenómeno! Pois desta feita e apesar de a novidade não ser reinante, observei e apreciei ainda mais o movimento sincronizado e as formas variadas, desta dança aérea proporcionada pelos únicos mamíferos voadores! 😀

O objetivo das caminhadas noturnas, é sempre tentar encontrar o maior número possível de animais e na minha primeira caminhada deste género, percorri um trilho apenas com o auxílio de lanternas. Durante uma hora encontrámos insetos: pirilampos, aranhas, escorpiões, centopeias e outros ilustres desconhecidos alguns peludos, outros venenosos e bem granditos; sapos e rãs; pássaros a dormir com expressões serenas; mas o melhor de tudo era quando apagava a lanterna, ficava um pouco para trás e sentia-me a caminhar no reino das trevas.‏ 😀

A despedida de Mulu foi feita depois de percorrer uma das canopy mais longas do mundo (480 metros), aí caminhei a trinta metros do solo e em alguns momentos acima de copas de árvores, de ponte em ponte mas, infelizmente sem conseguir avistar muita vida animal. De qualquer modo Mulu, será sempre um local selvagem, mágico e especial… o reino encantado da selva, onde é possível regressar a um mundo puro, natural e primitivo! 😀

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s