Categorias
Crónicas Em trânsito

Em trânsito: Pequim- Pingyao. Escola em Movimento

O meu primeiro comboio noturno foi uma autêntica sala de aulas em diversos aspetos. Primeiro que tudo aprendi a ler um bilhete de comboio na China. Seguidamente, e de muito mais importância, foi a autêntica aula prática em que participei ao falar com um rapaz chinês, na qual comecei a tentar perceber melhor o país em que me irei mover:

– Lições sobre Economia real (salário bruto 4000Y – salário líquido 3300Y; Valores mensais para o aluguer de casas, algures entre 1500-2000Y);

– Lições sobre Sociedade e Trabalho (“Existem leis criadas pelo governo relativamente ao descanso dos trabalhadores –  dois dias por semana, mas as empresas não cumprem a lei e o governo não quer saber”“Se num mês descansar dois ou três dias já é uma sorte“; “No primeiro ano, ninguém ousa falar de férias ao patrão” “O mercado Chinês é extremamente competitivo! Não queres? Salta! Há  quem queira”);

– Lições sobre China clássica e Medicina (Os 5 elementos: Ouro – Água – Madeira –Fogo – Solo relacionam-se com a medicina tradicional chinesa que é uma Medicina de prevenção).

Para além disso experienciei (refira-se que com bastante prazer), escrever à luz do PC. A ilusão “absoluta” do movimento relativo (o meu comboio estava parado e ao ver o outro comboio a mover-se, tive a sensação que me estava a mover) lembrou-me uma citação de Theroux sobre de como os movimentos dos comboios ajudaram a criar o Jazz e, adormeci embalado pelo Tum, Tum…Tum, Tum.

No dia seguinte bem cedo percebi o seguinte: os comboios noturnos têm um método para os passageiros saírem nas estações certas (acho que tal facto ocorre para evitar borlas e não por “samaritanismo”), que consiste em fazer as pessoas entregar o bilhete no início da viagem (ficamos com um cartão magnético) e na devolução do mesmo por um funcionário quando estamos a passar na estação de destino. Para um leigo, como eu que não percebe nada de chinês isto é espectacular! 😉

Categorias
Crónicas

A Primeira Estação de Comboios e o Primeiro Impacto

No último dia em Pequim o comboio estava marcado para as 18.55, mas fruto de não ter a certeza de onde ia partir (comprei o bilhete na estação Este, mas no bilhete estava marcado apenas Pequim) resolvi ir muito cedo para a estação (16.30). Se algo corresse mal ainda tinha uma margem para emendar o erro cometido.

EsperasNa minha primeira estação de comboios, o que mais me impressionou para além dos caracteres incompreensíveis no enorme painel electrónico exterior, foi a monumentalidade da mesma e as salas de espera onde só via pessoas sentadas no chão ou em cima das bagagens, uma vez que não havia lugares sentados para todas elas.

Categorias
Crónicas

Metro Pequim

O metro de Pequim é rápido, limpo e quase 100% eficiente. Mas existem dois factos curiosos que despertaram a minha atenção:

1) O metro é de tal modo eficiente e seguro (porta dupla – carruagens e estações) que impede as pessoas de se poderem suicidar, o que é sempre triste, afinal quando há atrasos qual é a desculpa que os utilizadores do metropolitano podem dar, aos patrões? 😛

2) Quando voltei a entrar na estação de metro e depois de ter passado pela zona Olímpica tentei entrar com o bilhete previamente comprado na estação do Palácio de Verão e qual foi o resultado? A porta não abria. Dirigi-me a uma zona de compra de bilhetes e de lá grunhiram que o bilhete não funcionava porque estes só podem ser utilizados no dia e na estação onde foram comprados. Dia, ok! Mas estação? Com esta lógica fenomenal, uma pessoa nunca pode comprar bilhetes com antecedência e tem de perder sempre tempo a comprar o bilhete na estação donde vai partir. 😛

Categorias
Crónicas

Mai Piao

Durante a tarde desloquei-me à estação Este de comboios de Pequim para comprar o meu bilhete para Pingyao, apesar de apenas ter a viagem daí a três dias. A questão é que na China o comboio é o meio de transporte mais popular para percorrer distâncias longas (havendo por isso, o sério risco de venda total de bilhetes, principalmente para as “camas rijas” – ying wo) e como por dia há apenas um comboio que passa por este local, comprei o bilhete com esta antecedência.

Na fila, aguardava ansioso pela minha vez. Afinal era a primeira vez que ia comprar um bilhete para mudar de cidade e já sabia – fruto da experiência dos dias anteriores – que o forte dos chineses não era o inglês. Esperava por isso, problemas de comunicação! Chegou a minha vez e munido do meu papel com caracteres que indicavam PingYao e com a data para a qual pretendia o bilhete, e com umas fotocópias do Guia da Lonely Planet, lá pronuncie as palavras mágicas: “Mai Piao” (comprar bilhete) e mostrei o papel. A rapariga pronunciou sons incompreensíveis e eu mostrei as fotocópias com a parte que dizia “camas rijas” – Ying Wo, passando uns momentos – uns segundos valentes ou mais – percebi que ela me estava a pedir o Passaporte e finalizámos o processo com a entrega do dinheiro, apesar de eu entregar umas notas sem perceber bem o preço do bilhete.

Todo o processo de compra do bilhete demorou uns cinco minutos, mas a verdade é que no final estava super orgulhoso por ter conseguido comprar sozinho, sem intermediários e taxas extra por serviços prestados (como o hostel cobrava), o meu primeiro bilhete nas terras do Império do Meio.

P.S. E se quero viajar neste país pelo período longo que espero conseguir, é melhor começar já a habituar-me às questões de logística.

Categorias
Crónicas Em trânsito

Visita à Grande Muralha

Ato I – O Papel, qual Papel?

A visita à muralha começou após uma noite mal dormida. Motivos!? Efeitos do Jet Lag? Ansiedade? A verdade é que às 5.30 já estava acordado e às 6.00 e pouco já estava no metro, munido com o meu papel em caracteres chineses que dizia: Mutianyu, com destino a Donzhigmen onde apanhei o autocarro – não para a muralha mas para uma cidade que ficava próxima da muralha. Mas antes de o conseguir, tive de andar às voltas na estação, qual galinha decapitada porque não via nenhum ticket office, apenas quando vi alguém semelhante a um revisor é que consegui comprar o bilhete – graças claro, ao papel. 😛

No autocarro era o único ocidental e como estava a caminho de um local super-turístico fiquei um pouco surpreendido, com esse facto. Durante a viagem vi um pouco da cidade fora do seu centro turístico, ou seja muitas torres modernas e bastante construção em andamento. A viagem que devia ter durado duas horas e meia como li previamente, durou uma hora e meia e passado esse tempo o motorista mandou-me sair do autocarro porque tínhamos chegado à estação terminal. Quando saí, estava baralhadíssimo só via caracteres chineses – grande novidade – e não fazia a mínima ideia onde estava. Meio perdido, dirigi-me a um local que dizia – em inglês – fazer transfers para o aeroporto de Pequim, esperançado que aí alguém falasse o sagrado inglês. No entanto, ninguém falou mas após ter mostrado novamente o papel, levaram-me para uma sala onde cinco chineses estavam a trabalhar em frente ao computador e um deles escreveu-me numa folha um número de um autocarro e algo em chinês.

Dirigi-me para a estação de autocarros com esse número e enquanto esperava fui abordado por um chinês e mostrei-lhe… mistério? Claro o papel. Ele olhou para mim e apontou para uma carrinha meio corcomida, nesta altura já eu tinha tirado um papel e um lápis, ele escreveu 50 e eu escrevi 40, durante um breve momento ele ponderou a proposta e acabou por acenar que sim com a cabeça e dizer algo que em português seria: “Vamos lá, C@#%&*+!”. O acordo foi firmado com um aperto de mão e quando dei por mim já estava no banco de trás rumo ao desconhecido. Nesta altura, estava ansioso e comecei a pensar que se calhar não tinha sido muito inteligente, afinal estava a uma hora de distância da suposta cidade que ficava no sopé de muralha e se a partir dessa cidade um táxi custava entre 20 e 30 Yuans, como raio é que conseguira um negócio tão vantajoso? Das duas uma, ou estava prestes a ser vítima de um esquema qualquer ou então estava mais perto do que julgava. A resposta veio quando vi uma placa castanha com a informação Mutianyu 17 km. Nessa altura fique felicíssimo porque a) percebi que iria chegar à Muralha, b) estava na cidade certa apesar da informação lida não ter correspondido à informação real. O resto da viagem foi feito com um sentimento totalmente diferente de até aí, um misto de alívio e de felicidade, mais um pouco e a carrinha transformar-se-ia num carro alado rumo ao Éden. 😀

Categorias
Crónicas Em trânsito

Em trânsito: Lisboa – Pequim. Micro Planeta

A viagem para Pequim iniciou-se no aeroporto de Lisboa. Aliás, começou com um momento de puro acaso em plena Avenida do Brasil, quando dei de caras com um amigo com quem tinha combinado encontrar-me no aeroporto. A despedida das pessoas que estavam na Portela foi intensa, mas ao mesmo tempo reconfortante porque reaprendi a importância da amizade e do amor.

Graças à tecnologia moderna que é o avião, perdão máquina de viajar no tempo. Entrei em Lisboa às 19.25 (de terça feira) e saí em Pequim às 9.30 (de quinta feira). A viagem no total durou 36 horas, com 12 horas e meia de viagem, 8 horas de distorção temporal e o restante número de horas para escalas.

A viagem foi loooooooonga e só não foi mais cansativa devido ao facto de em Barcelona ter marcado um hostel para passar a noite. Porém, consequência da preocupação de na manhã seguinte ter de apanhar o avião para Pequim (com escala em Moscovo) não consegui dormir bem, acordando “n” vezes ao longo da noite. Ainda relativamente ao descanso ou ausência dele, posso adiantar que quando saí do avião em Pequim o único descanso que tive foram essas horas mal dormidas de Barcelona. Os voos foram como quase todos os voos são: entra-se por um tubo ou um autocarro e sai-se por uma dessas vias; limpo; asséptico; ar pressurizado; algum ruído de fundo constante; micro refeições; mantas de retalhos vistos do céu: oceanos de neve, micro montanhas, micro cidades, micro carros. Quando a noite e a escuridão invadiram a terra deixaram por debaixo do avião apenas um manto negro e opaco, para o amanhecer e a luz do dia revelarem novamente o mundo em miniatura, igualzinho aos globos de vidro que povoam as nossas memórias de infância.