Uma “Geografia”. Uma Fotografia: Mutianyu

Muntianyu_Blog

Das múltiplas secções existentes e visitáveis da Grande Muralha da China  pode encontrar mais aqui – estive na secção de Mutianyu, nas imediações de Pequim, onde tive a felicidade de sentir a aura de um dos monumentos mais marcantes da História da Humanidade. Na fotografia pode observar-se um pouco da sua forma serpenteante, ao longo de colinas, montes e montanhas.       

Visita à Grande Muralha

Ato III – Na Muralha e Regresso à Poluição

Quando finalmente cheguei ao “interior” da Muralha estava felicíssimo e dirigi os meus passos na direção contrária à zona mais visitada. Claro que trilhar a Muralha em absoluta solidão é impossível, mas também não era esse o objetivo uma vez que aqui existe um verdadeiro sentimento de comunidade. A vibração desta e o peso da história fazem-se sentir e o resultado é uma energia diferente. Aqui não estamos apenas num local super ou hiper turístico, não! Aqui estamos na Grande Muralha! Um local especial para todas as pessoas do planeta – pelo menos para quem a visita.

   A ser espancado            Escadaria para o Paraiso

Durante quatro horas: subi e desci degraus; percorri diversas seções desde as mais suaves às hiper-inclinadas; visitei torres; cumprimentei e sorri para pessoas de diversas nacionalidades; tirei fotografias a pessoas que me pediram; tiraram-me fotografias porque eu pedi; fui “espancado” por uma vendedora com golpes de kung-fu e pousei com ela em posse militar; gracejei com umas beldades caídas literalmente dos céus, entre elas uma portuguesa de Santarém – o Mundo às vezes torna-se literalmente microscópico 😛 ; tirei fotografias à Muralha e à paisagem envolvente (montanhas, vegetação, neve); regatei o preço de um chocolate (desceu dos 20 para os 3 Yuans); conheci um Brasileiro (Alex) e combinei jantar com ele em Pequim; percebi que 99% das pessoas que visitam a Muralha o fazem em viagens organizadas; transpirei; senti o sol a bater-me na face; e senti-me um felizardo e ao mesmo tempo um bocadinho super-homem quando continuei a subir degraus e mais degraus até encontrar um local onde a minha única companhia era a Muralha, o sol e o vento.

Estava sobrio, sim senhor         Auto-retrato

Quando comecei a descida senti-me um pouco esgotado, os músculos volta e meia tremiam fruto da caminhada, do sono e da alimentação deficientes. Porém a felicidade e o orgulho por ter visitado a Muralha pelo próprio pé superaram qualquer cansaço físico. Já na base fui “assediado” para fazer compras – a esta hora, as bancas estavam todas abertas – e tal e qual uma enguia, escorreguei dali para fora. No parque de estacionamento procurei o meu Jarbas e quando entrei na carrinha ainda tentei re-negociar o preço do regresso, porém fruto da espera de quatro horas tal não foi possível. Porém devo referir que não insisti, uma vez que considerei o preço justo. No final de contas o meu Jarbas foi um querido, em Huairou  sim desta vez li o nome da cidade 😛 – deixou-me quase dentro do autocarro para Pequim e para um feliz regresso à poluição.

Visita à Grande Muralha

Ato II – Na base da Muralha

O dia estava radioso e chegados à base da Muralha, comecei a sacar das notas para pagar ao meu motorista, quando surpreendentemente ele me fez sinal que não. Por sinais compreendi que ele ia ficar à minha espera enquanto eu estivesse a visitar a Muralha e depois me levaria de volta à cidade. Portanto e sem me ter apercebido disso acabei por contratar o meu primeiro motorista privado na China. 😉

Inicio da dor

Seguidamente dirigi-me à bilheteira e comprei o bilhete apenas para a Muralha. Sim! Porque existe a possibilidade de comprar também um bilhete para um teleférico que nos leva ao colo até à Muralha propriamente dita, claro que se paga principescamente mas isso é apenas um detalhe.

A Muralha vista de baixo

O telemóvel batia as 9.00 e pouco quando comecei o meu trekking na base da Muralha. Aqui a palavra trekking associa-se a subir e a descer degraus e a andar entre as torres nas seções da Muralha. Refira-se ainda, que como local super-turístico a base está minada de pequenas bancas de venda de quinquilharia (felizmente para mim, como a hora era vespertina fui pouco abordado). Os primeiros degraus foram um pouco dolorosos, mas bastou os músculos aquecerem para tudo entrar literalmente no trilho. À medida que fui subindo, a Muralha agigantou-se, ganhou forma e proporção. Ainda nos degraus de acesso, encontrei uma vendedora já de idade avançada a carregar uns sacos e tal qual o samaritano da bíblia aliviei um pouco a senhora na sua provação diária…

No Shooping

Visita à Grande Muralha

Ato I – O Papel, qual Papel?

A visita à muralha começou após uma noite mal dormida. Motivos!? Efeitos do Jet Lag? Ansiedade? A verdade é que às 5.30 já estava acordado e às 6.00 e pouco já estava no metro, munido com o meu papel em caracteres chineses que dizia: Mutianyu, com destino a Donzhigmen onde apanhei o autocarro – não para a muralha mas para uma cidade que ficava próxima da muralha. Mas antes de o conseguir, tive de andar às voltas na estação, qual galinha decapitada porque não via nenhum ticket office, apenas quando vi alguém semelhante a um revisor é que consegui comprar o bilhete – graças claro, ao papel. 😛

No autocarro era o único ocidental e como estava a caminho de um local super-turístico fiquei um pouco surpreendido, com esse facto. Durante a viagem vi um pouco da cidade fora do seu centro turístico, ou seja muitas torres modernas e bastante construção em andamento. A viagem que devia ter durado duas horas e meia como li previamente, durou uma hora e meia e passado esse tempo o motorista mandou-me sair do autocarro porque tínhamos chegado à estação terminal. Quando saí, estava baralhadíssimo só via caracteres chineses – grande novidade – e não fazia a mínima ideia onde estava. Meio perdido, dirigi-me a um local que dizia – em inglês – fazer transfers para o aeroporto de Pequim, esperançado que aí alguém falasse o sagrado inglês. No entanto, ninguém falou mas após ter mostrado novamente o papel, levaram-me para uma sala onde cinco chineses estavam a trabalhar em frente ao computador e um deles escreveu-me numa folha um número de um autocarro e algo em chinês.

Dirigi-me para a estação de autocarros com esse número e enquanto esperava fui abordado por um chinês e mostrei-lhe… mistério? Claro o papel. Ele olhou para mim e apontou para uma carrinha meio corcomida, nesta altura já eu tinha tirado um papel e um lápis, ele escreveu 50 e eu escrevi 40, durante um breve momento ele ponderou a proposta e acabou por acenar que sim com a cabeça e dizer algo que em português seria: “Vamos lá, C@#%&*+!”. O acordo foi firmado com um aperto de mão e quando dei por mim já estava no banco de trás rumo ao desconhecido. Nesta altura, estava ansioso e comecei a pensar que se calhar não tinha sido muito inteligente, afinal estava a uma hora de distância da suposta cidade que ficava no sopé de muralha e se a partir dessa cidade um táxi custava entre 20 e 30 Yuans, como raio é que conseguira um negócio tão vantajoso? Das duas uma, ou estava prestes a ser vítima de um esquema qualquer ou então estava mais perto do que julgava. A resposta veio quando vi uma placa castanha com a informação Mutianyu 17 km. Nessa altura fique felicíssimo porque a) percebi que iria chegar à Muralha, b) estava na cidade certa apesar da informação lida não ter correspondido à informação real. O resto da viagem foi feito com um sentimento totalmente diferente de até aí, um misto de alívio e de felicidade, mais um pouco e a carrinha transformar-se-ia num carro alado rumo ao Éden. 😀