Gunung Marapi e Parabéns

No lago de Maninjau, apanhámos uma carrinha para regressar a Bukittingg  e depois de largarmos os “monstrinhos” na guesthouse onde ficámos anteriormente, saímos com umas mochilas mais pequenas, preparados para fazer a ascensão do vulcão Marapi. Ao sairmos da guesthouse, o Manu encontrou na rua e “caída do céu”, uma amiga espanhola que já não via há dezassete anos!! E que estava a dar a volta ao mundo de mota com o namorado. Com esta situação, ficou mais uma vez provado que o mundo é um cubículo! 🙂 Depois de ficarmos durante um bocado à conversa, partimos para a vila de Kota Baru, onde almoçámos e comprámos mantimentos para o trekking: pão, doce de coco, donuts e um bolo de chocolate e o kit aniversário: cerveja, velas e dois bolos de chocolate.

IMG_1376 (FILEminimizer)      IMG_1381 (FILEminimizer)

A entrada do trilho para o vulcão ficava a cerca de três quilómetros da vila e de um tempo agradável e solarengo, passámos primeiro para o nevoeiro e depois para  a chuva, que se foi intensificando progressivamente. Na chegada ao início do trilho, pediram-nos dinheiro e o Manu começou a ficar irritado por nos estarem a cobrar “bilhete”, depois de poucos minutos de discussão eu disse para ele ter calma e no final acabámos por pagar metade cada um. Perguntámos qual a distância até ao pico e ficámos a saber que estávamos a oito quilómetros do mesmo e que a zona para acampar ficava, apenas a um quilómetro do local onde nos encontrávamos. Como ainda eram apenas 14.00 e tínhamos tempo decidimos subir o máximo que conseguíssemos.

IMG_1384 (FILEminimizer)      IMG_1386 (FILEminimizer)

O trilho era fácil de seguir e não deixava grande margem para equívocos, e apesar de ser um pouco escorregadio e lamacento nalgumas zonas, lá fomos seguindo sem grandes problemas. Aliás, o trilho foi-se revelando bastante agradável e seguiu selva acima quase até ao cume do vulcão. Enquanto subíamos e como o tempo não mostrava grandes melhorias, resolvemos fazer ascensão até ao pico – 2891 m – e depois descer o máximo que conseguíssemos e que a luz permitisse, assim e uma vez que não havia perspectivas de ver o nascer do sol, estávamos a aligeirar um pouco o dia seguinte. Subimos, subimos, subimos e ao longo do caminho fomos encontrando nativos, principalmente, acampados na zona de transição onde terminava a selva e apenas se viam rochas.

IMG_1390 (FILEminimizer)

IMG_1402 (FILEminimizer)      IMG_1410 (FILEminimizer)

À medida que subimos a temperatura foi descendo e a paisagem tornou-se desértica e lunar, cheia de rochas pequenas e roladas. A partir da zona de transição, necessitámos de quarenta minutos e seguir as assinaturas grafitadas nas rochas e um trilho de lixo, aliás se há algum defeito a apontar ao trekking é: “Para não se perderem e chegarem a bom porto, sigam o trilho do lixo!” 😛 Quando chegámos ao pico estávamos envoltos em neblina mas muito felizes, pois tínhamos cumprido o nosso objetivo. Tirámos os retratos da praxe, comemos um bolo de chocolate, que tinha ficado “prometido” para a ocasião e vesti o corta-vento com o qual fiquei mais confortável. Já na fase descendente e de forma repentina o vento soprou o nevoeiro e as nuvens para fora do pico e pudemos ver o verde vale e as planícies, Bukittinggi a iluminar-se, as encostas escuras do vulcão e eu recebi o meu presente de aniversário! 😀

IMG_1413 (FILEminimizer)     IMG_1414 (FILEminimizer)

IMG_1429 (FILEminimizer)      IMG_1436 (FILEminimizer)

Como já estávamos no lusco-fusco e já não havia muita luz, não descemos muito e assim que entrámos na zona das árvores montámos os nossos hammocks, protegemos as nossas mochilas, vestimos roupa seca – calcei umas meias, depois de horas com os pés molhados – e em camadas para aquecer o corpo, jantámos, cantámos os Parabéns em castelhano, soprei as velas e bebemos as cervejas que nesta altura estavam bem geladinhas 😀 e deitámo-nos para dormir. A verdade é que fomos dormindo aos bocados e quando recomeçou a chover, comecei a ficar molhado, pois o nosso “teto” estava mal montado! Upsssss! Desse modo, o Manu teve de mudar a localização do meu hammock e ficámos a dormir na mesma árvore mas em alturas diferentes.

IMG_1439 (FILEminimizer)      IMG_1456 (FILEminimizer)

Por volta das três da manhã, estava tanto frio que disse ao Manu, que mais valia desfazer o nosso “acampamento” e seguir para baixo no meio das trevas acompanhados das nossas lanternas e foi isso que acabámos por fazer. Da descida o relato resume-se em poucas palavras: ambiente escuro, piso muito escorregadio e transição da noite para o dia. Já na base do vulcão, havia zonas com boa visibilidade e sem nevoeiro e em alguns momentos a vista do cume estava perfeita. Com um pouquinho de sol a iluminar a paisagem em nosso redor e bem cedinho já estávamos de regresso a Bukittinggi, transportando o Gunung Marapi na nossa memória e nos nossos corações. 

      IMG_1492 (FILEminimizer)      IMG_1493 (FILEminimizer)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s