Uma Geografia. Uma Fotografia: Kupang

Kupang_Blog

Da  capital de Timor Oeste – pode encontrar mais aqui – não guardo especiais memórias, a não ser os “taxistas” trapaceiros que consegui evitar na chegada ao porto, a viagem numa carrinha coletiva que me levou até ao centro e a “passeata” forçada que fiz durante um par de horas até sair de Kupang, uma vez que a carrinha/autocarro andou às voltas na habitual tentativa de angariar passageiros. A tradição indonésia, ainda continua a ser o que era!

Em trânsito: Oecussi via Kefa. Com a Ajuda do Sr. Jorge

Na chegada ao porto de Kupang e depois de evitar alguns “taxistas” trapaceiros apanhei uma carrinha coletiva que me levou para o centro da cidade. Aí apanhei uma nova carrinha/autocarro para Oinlasi e até sair de Kupang andei a passear um par de horas, uma vez que a carrinha andava para trás e para a frente a tentar angariar passageiros – a tradição indonésia não falha! 😛 . Durante a viagem que me levou por paisagens bastante verdes e algumas estradas esburacadas, mudei de ideias e decidi seguir diretamente para Kefamenanu  Kefa -, uma vez que o “fogo no rabo” para chegar a Timor Leste estava a aumentar. 🙂

IMG_4063 (FILEminimizer)     IMG_4072 (FILEminimizer)

No simpático e tranquilo Hotel Cendana consegui negociar o preço do quarto, com o dono e passado pouco tempo conheci o Sr. Jorge, um senhor muito tranquilo que era simultaneamente tradutor e guia turístico. Depois de falarmos um pouco acordámos que ele me levaria até à fronteira com Timor Leste – enclave de Oecussi -, ajudar-me-ia a arranjar dólares e durante a minha estadia na cidade seria simultaneamente meu guia num passeio turístico e ojek. Vida orientada e simplificada! 🙂

 IMG_4079 (FILEminimizer)     IMG_4075 (FILEminimizer) IMG_4078 (FILEminimizer)

Na manhã seguinte, o Sr. Jorge foi-me buscar e juntos seguimos rumo à pequena aldeia de Bitauni  acerca de trinta quilómetros de Kefa, no estrada que segue para Atambua – onde visitámos uma gruta/santuário, que no seu interior albergava uma estátua de Cristo, levada por portugueses. Na gruta, a escuridão não era total pois a luz entrava por alguns buracos, existiam morcegos a voar e no ar sentia-se um odor pesado às suas fezes. Em frente à estátua da Nossa Senhora e da estátua do Redentor, o Sr. Jorge acendeu velas e rezou durante alguns momentos – ao que parece parte das suas orações foram a pedir proteção divina para mim – :), enquanto eu observava silenciosamente. No caminho de regresso acenei algumas vezes aos simpáticos nativos e parámos algumas vezes para tirar fotografias à paisagem: as verdes colinas; as montanhas, entre as quais Tatamailau – a maior montanha de Timor -; as casas típicas – Lopos as mais ricas e Umes as mais humildes e os campos de cultivo. Já em Kefa, imprimi e ofereci ao Sr. Jorge algumas fotografias do nosso passeio, troquei rúpias indonésias por dólares americanos – a moeda oficial de Timor Leste – e estive sossegado no quarto a ler alguma informação sobre o meu próximo destino.

IMG_4167 (FILEminimizer)   IMG_4090 (FILEminimizer)   IMG_4141 (FILEminimizer)

IMG_4174 (FILEminimizer)      IMG_4181 (FILEminimizer)

Como combinado, o Sr. Jorge foi-me buscar às 8.00 e no caminho de sobes e desces continuámos a ver a paisagem verde típica da ilha de Timor: montanhas, vales e colinas. Na chegada à fronteira o Sr. Jorge, desmontou da mota e acompanhou-me pelos múltiplos controlos de passaporte, até sair de território indonésio. O primeiro efetuado pela polícia militar, o segundo pela polícia civil e o último e mais “complexo”, no posto de fronteira – tudo começou porque não tinha um papel de controlo emitido pela embaixada de Timor Leste – tentei explicar-lhe que era português e que por esse facto, não precisava dele -; depois porque não tinha o cartão de emigração comigo, que me tinha sido entregue no aeroporto de Medan – tentei explicar-lhes que alguém mo perdeu e pedi desculpa por isso. Comecei então a ouvir falar da sua importância, etc… continuei a dizer que não podia fazer nada, a não ser preencher um novo e que sim, que percebia a sua importância. Passados cinco minutos e depois de me carimbarem o passaporte, lá me deixaram seguir viagem e na despedida do Sr. Jorge agradeci a sua ajuda no “processo” de despedida da Indonésia, para mim o verdadeiro país dos sorrisos. 😀 O enclave de Oecussi estava mesmo à minha frente, só tinha que continuar a caminhar…

IMG_4189 (FILEminimizer) P.S. – Contacto do Sr. Jorge em Kefamenanu. Telemóvel: +62 81237865987.

Em trânsito: Lembata – Timor Oeste. Fantasmas Mentais

Durante a viagem de regresso a Lewoleba, que durou uma eternidade – cerca de cinco horas – o autocarro encheu que nem um ovo, prestes a rebentar e infelizmente ao meu lado calhou-me em rifa, uma senhora e a sua irrequieta “cria”. A viagem foi um martírio: demorada, apertada, a cabeça a bater nas barras laterais, o bebé não parava quieto e de “guinchar”… o cansaço e a falta de paciência não ajudavam e a certa altura já o queria vaporizar, mas depois refleti que também é essa a beleza da viagem. Não temos que “amar” tudo e todos SEMPRE! O melhor de tudo, é que o nosso estado de espírito muda e num segundo e num sorriso passamos a adorar a criança. 🙂 Esta viagem fez-me entender claramente que viajar longamente e de forma contínua é uma montanha russa emocional e os nossos sentimentos transitam entre estados, como tudo ou praticamente tudo, nesta vida.

IMG_3984 (FILEminimizer)

IMG_3986 (FILEminimizer)       IMG_3996 (FILEminimizer)

Na secaaaaaaaaaaaante capital da ilha, aguardei um dia e meio pela possibilidade de existir um ferry para Kupang, a capital de Timor Oeste, uma vez que a realidade era esta: ninguém tinha certezas e durante esse tempo em que a comunicação com os nativos era feita às quinze pancadas, recebi várias informações contraditórias. 😛 A única certeza que tinha era, caso não existisse esse ferry, existiria um avião no dia seguinte. 🙂

       IMG_3991 (FILEminimizer)     IMG_3988 (FILEminimizer)

Felizmente houve ferry e não tive que passar mais tempo na ilha de Lembata, esse paraíso tropical. 😉 Antes de embarcar, tirei fotografias à cor da água de múltiplos azuis e verdes e sorri com a pureza infantil das crianças que nadavam nuas, nas imediações do cais. Quando cheguei ao meu lugar, fiquei bastante satisfeito com o mesmo e durante a viagem escrevi alguns textos para o blog, atualizei o caderno, tirei fotografias à bonita paisagem e ao sereno pôr do sol, continuei a ler a “loucura” de Bukowski, pensei que na manhã seguinte iria estar em Timor e adormeci por volta das 19.00.

IMG_4034 (FILEminimizer)     IMG_4009 (FILEminimizer)

Durante o sono, sonhei que estava num barco que afundava com pessoas que conhecia a bordo, mas das quais não me recordo as feições e de repente num estado de vigília senti o ferry a embater com bastante violência nas ondas, ao mesmo tempo que ouvi pessoas a gritar – pareciam verdadeiramente assustadas. A realidade é que nem sequer abri os olhos, mas lembrei-me que acabara de sonhar que estava num barco que afundava… curioso. Voltei a adormecer pesadamente e quando abri os olhos parecia que tinha dormido uma eternidade, porém eram apenas 23.30. Voltei a adormecer e acordei à 1.16 quando comi qualquer coisa. Às 3.26 acordei novamente, liguei o laptop para tirar o nome de destinos em Timor Oeste e decidi que queria partir de Kupang o mais rapidamente possível, voltei a adormecer. Acordei às 5.20, já era de dia e sentei-me a escrever: “Espero que não falte muito tempo para chegar!” e depois continuei a ler.

IMG_4041 (FILEminimizer)      IMG_4054 (FILEminimizer)

Eram 7.40 quando escrevi: “Estamos três horas atrasados, o dia está cor de prata e eu estou como ele, melancólico”. Pensei na minha inabilidade/habilidade de estar sozinho, de como a internet encurta as distâncias, de como podemos nunca estar sós, sobre o vício de estar “ligado” – blog/facebook… e de como o prazer de viajar não pode/deve depender disso. Pensei nas mesclas de prazer/prisões que o ser humano cria para si mesmo, e de como a liberdade total de tudo e de todos me parece uma quimera – “a nossa vida é uma rede de conexões e ligações e sem elas não temos nada. Há sempre dois lados na moeda, não vejas apenas o negativo – no caso específico, o blog – escrever dá-te prazer! É assim que deves encarar a questão e não como uma prisão/obrigação! Relaxa e deixa-te ir… estás quase em Timor”.        

IMG_4017 (FILEminimizer)