Nove Meses Depois…

Após o maravilhoso périplo por terras asiáticas, que durou aproximadamente dezasseis meses, regressei ao nosso país, Portugal, com algumas “certezas” bem entranhadas no meu espírito. Primeira. Sei que fui realmente FELIZ e por isso queria continuar a viajar ao longo da minha vida, de preferência de forma continuada. Segunda. Queria afastar-me de qualquer “relacionamento amoroso”, como o diabo foge da cruz, vendo quase sempre uma relação, como uma amarra que me prendia. Terceira. Afastar-me do mundo da engenharia civil e da memória de tempos onde fui menos feliz, e viver da VIAGEM, fosse por que via fosse – escrita e/ou fotografia. Cheguei deslumbrado e maravilhado com a vida de viajante… aéreo… mais sonhador do que nunca. Mas quem me podia censurar!? Afinal, tinha estado ausente, durante um looooooongo período e toda a minha vida/existência sofreu uma mudança abissal. Tudo o que precisava para viver estava dentro de uma mochila aliás, de duas, e tinha dinheiro no bolso. Haverá, vida mais fácil!?

Nos últimos meses, volta e meia encontro pessoas que me dizem: “Bué da fixe a tua viagem…”. Sim! Foi “bué da fixe”. Sim… valeu realmente a pena e não me recrimino pela maioria das escolhas que fiz! Mas gostaria que as pessoas percebessem, que não existem mundos cor de rosa! Houve sacrifícios que foram feitos, existe sempre “um preço a pagar” e tal como aprendi durante a viagem, a “moeda” tem SEMPRE duas faces. Não há e nunca haverá nada perfeito nesta vida. Nunca!

A realidade é que hoje, passados aproximadamente noves meses desde que cheguei ao aeroporto da Portela, com pouco mais do que cinco euros no bolso, vejo a minha vida de uma perspetiva diferente e mais realista. Sei que esticar a viagem a tal limite monetário, trouxe a sua fatura… desde então, apanhei a famosa pêra rocha do oeste, fiz alguns trabalhos académicos, ajudei esporadicamente um amigo no seu negócio, acompanhei a minha família. Felizmente, tive a possibilidade de voltar a ganhar algum dinheiro e graças ao “vil metal” que faz mover o nosso globo, estive um mês na Noruega à procura de trabalho e tive a possibilidade de me deslocar duas vezes a Inglaterra, para fazer entrevistas de trabalho – sem sucesso. Hoje em dia, já não vejo o regresso à engenharia civil como um beco sem saída, nem tão pouco o relacionamento amoroso como uma parede de betão que me esmaga, ou como uma grilheta que me aprisiona. A liberdade está na nossa mente e se aí formos realmente livres, nunca seremos escravos da liberdade.

Histórias do Vento nasceu da ideia que existem duas naturezas distintas nas pessoas. A natureza ÁRVORE e a natureza VENTO. A maioria dos habitantes do nosso planeta, tem predominantemente a natureza árvore e como tal o que buscam e procuram na sua vida é a estabilidade, o desejo de assentar e criar raízes. Por sua vez, as pessoas de natureza vento, buscam o movimento, o desejo de liberdade. Antes de partir nesta odisseia, pensava que ambas as naturezas eram perfeitamente imiscíveis porém, durante a viagem esta perceção desvaneceu-se. O vento pode em determinado momento desejar tornar-se árvore e vice-versa – obviamente, a árvore terá dificuldades acrescidas, uma  vez que tem uma estrutura muito mais pesada para transportar.  

Presentemente não posso concordar mais com Seth Stevenson que escreveu no seu livro, A Terra Vista da Terra: “Não se pode andar a vagabundear para sempre sem nos tornarmos vagabundos”. Nesta altura, que acabei de escrever todos os posts do blog que estavam em atraso e que me deram um enooooooorme prazer a escrever – talvez devido a eles, a “ressaca” da viagem não foi maior – não posso deixar de me questionar: “Então e agora?” Agora caros leitores e amigos, sinto a pressão de não ter trabalho e uma fonte de rendimentos. Não vejo com clareza qual o caminho a seguir, mas simultaneamente tenho confiança e esperança que encontre uma ou várias soluções.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s