Categorias
Crónicas Reflexões

Viagem ao País da Distância

Primeiro dia de Primavera, dia de frio polar numa cidade pardacenta e vazia perto de si, se houver cidades no Inferno, de certeza que são assim: sem movimento e som, sem cor, sem calor humano, despidas, glaciares, robóticas, sem alma…

O mundo atual é por estes dias, um espaço surreal. Um mundo de distâncias e ausências, recolhimento e silêncio, todos podem ser inimigos uns dos outros, sendo conveniente manter as distâncias em relação a cada corpo que vagueia por aí. Linhas lineares são traçadas no chão para um inimigo invísivel e contagioso, não se pegar às nossas moléculas de vida. Fugimos uns dos outros, para não sermos contaminados pela doença. Fugimos, para não nos tornarmos em anjos de morte.

O tempo passará e com ele novos dias e meses irão ficar gravados na nossa pele, vísceras e entranhas, na nossa memória e alma. A Primavera avançará, e com ela o cheiro do medo e da morte desaparecerá. Quando as mãos se voltarem a cruzar, os corpos a abraçar e os lábios a tocar, lembrem-se o que significa ser Humano. Não se esqueçam desse tempo que passou, e se necessário for, recordem aquele longínquo dia de Primavera.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.